Publicidade

MAR Jangadeiro

por Orlando Nunes

prova

Antes de engolir o Dunga, prova da maçã enfeitiçada

Por Orlando Nunes em Teste simulado

21 de julho de 2014

Era uma vez...

Marin, Nero, Parreira, Felipão, Murtosa, Gilmar e…

amanhã a CBF divulga o nome do cara, o sétimo anão.

Se for mesmo Dunga, sifu mesmo.

Com base no texto de apoio, é verdadeiro afirmar:

(a)    O verbo sifu, na primeira do plural, seria nusfu, todos.

(b)   Cara é anagrama do termo arac, coach de araque.

(c)    Sai Zangado, entra Dunga; mas a história é a mesma.

(d)   Pior que baixa Scolaridade é professor Dunga em alta.

(e)   Antes de engolir o Dunga, prova da maçã enfeitiçada.

GABARITO: a banca CBF divulga amanhã, às 11 horas.

 

leia tudo sobre

Publicidade

Português na Páscoa, Pô?!

Por Orlando Nunes em Teste simulado

19 de Abril de 2014

Português na Páscoa é programa de índio. Viva o 19 de abril! Esta questão é só pra CDF (concurseiros de Fortaleza). Aqui ninguém para nem toma chocolate. Feliz Páscoa.

Mata esta:

De acordo com a norma culta da língua portuguesa, em diversas locuções a preposição A pode ser substituída por outra, sem incorreção gramatical ou prejuízo semântico para o enunciado. Analise as frases abaixo e marque a alternativa que julgar correta.

 

1-        Todos, à/com exceção de você, vieram assistir ao espetáculo no José de Alencar.

2-        A/Em meu ver, essa discussão de bastidores não contribuirá em nada.

3-        A/Com muito custo, foi convencido a votar segundo a orientação do seu partido.

4-        Havia um café em frente à/da praça, e o grupo se reunia lá todos os sábados.

5-        Na dúvida, dizem, o árbitro da partida sempre apita a/em favor do time da casa.

 

(a)     Há uma alternativa incorreta. Qual? —-.

(b)     Há duas alternativas incorretas. Quais? —- e —-.

(c)      Há três alternativas incorretas. Quais? —-, —- e —-.

(d)     Todas as alternativas estão incorretas.

(e)     Todas as alternativas estão corretas.

 

Gabarito na segunda-feira, outro feriado bom para estudar.

Estou no marjangadeiro@gmail.com

Até!

leia tudo sobre

Publicidade

Gramática do Absurdo: A hiperbólica meiguice de besta

Por Orlando Nunes em Gramática

22 de Março de 2013

Passar no Enem agora é sopa (de letrinhas).

 Passar no Enem agora é sopa (de letrinhas).

No Dia Mundial da Água, iniciamos a série Passar no Enem é sopa (de letrinhas). E nem precisa de recurso ou de receita (de miojo).

Mas há controvérsia

Sem miojo não dá / Minha terra tem Palmeiras / onde canta o sabiá.

Enquanto isso, baseado (!) num período retirado (com permissão da autora) do baita (coloquialismo) livro “Amores que Matam”, de Patrícia Faur, prepare-se para a prova (!) do Enem com questões elaboradas pelo blogueiro mais li(n)do em todo o continente pelo conteúdo (metonímia). Tenho três leitoras fiéis, além de uma linha ascendente de infidelidade.

Mãos à obra:

“Quando falamos de amor, é muito difícil que

todas as pessoas se refiram a um mesmo significado.” (Patrícia Faur)

A PROVA ou APROVA?

Qual a circunstância (in)contida no adjunto adverbial do período acima?

(A)Temporal. “Quando falamos de amor” equivale semanticamente a “no tempo/momento em que falamos de amor”.

(B) Abdominal. “Quando falamos de amor” (amor verdadeiro, claro), é comum uma sensação dolorosa na “boca do estômago” (catacrese).

(C) Bestial. “Quando falamos de amor” é praticamente inevitável aquela hiperbólica meiguice de besta.

(D)Lacrimal. “Quando falamos de amor” (com segundas intenções, claro), uma de duas: ou é de chorar de rir ou de rir pra não chorar.

(E) Todas as alternativas são verdadeiras.

 

GABARITO OFICIAL: alternativa A. Mas cabe recurso, creio. Chamem o Oscar!

Grande abraço.

Estou no marjangadeiro@gmail.com

leia tudo sobre

Publicidade

Quatro dicas para não cair de quatro no Enem

Por Orlando Nunes em Dica, Redação

28 de junho de 2012

Veja as dicas para quem vai fazer a prova do Enem

1) Está estudando para o Enem? Não falte às aulas de sua escola nunca, mesmo que um temporal não previsto pela Funceme o obrigue a ir a nado, mesmo que haja greve de ônibus, mesmo que na véspera você tenha chegado às quatro da visita às bases.

SEM QUORUM
Nem sempre o sujeito oculto é compreendido, mas, na política do corpo a corpo, muita gente não vê a hora de visitar as bases.

2) No vestibular, redator bota banca. É necessário botar banca examinadora antes de entregar a prova de redação. Revise o texto, frase por frase, não conte com a possibilidade de rever sua prova batendo à porta da Justiça.

SINTAXE EM CASA
Ordem indireta, mas não falha: a Justiça tarda.

3) Leia com atenção os textos de apoio, cuidado com interpretações ao pé da letra, contextualize – conforme minha oficina do texto, nem sempre um pneu é um pneu. Não deixe para o dia da prova seu primeiro exercício de “descubra o tema”, isso é fatal.

AO PÉ DA LETRA
Paradoxo: somente para doutores; detergente: botar colarinho branco atrás das grades.

4) Facilite a leitura da banca examinadora, uma letrinha legível antes de passar para Medicina é a receita. Cuidado também com frases ambíguas, duplo sentido no Enem vale dois pontos, ambos no queixo – é bem difícil se levantar da lona antes dos dez.

Desafio de redação.

Reescreva as frases abaixo de modo a eliminar a ambiguidade do texto.

1) A comissão que corrigia as provas ontem divulgou nota à imprensa.

2) Seu desenvolvimento nos últimos meses tem despertado a curiosidade de muitos observadores.

3) Fecharam a livraria do bairro que eu costumava frequentar.

4) Sendo um fascinado por contos, meu pai me trouxe Os doze parafusos.

Envie sua proposta de correção para marjangadei@gmail.com

Sábado, comentário do blogueiro. Domingo, retorno ao PV. Ufa!

O STJD tarda, mas não falha.

Saudações.

Publicidade

Quatro dicas para não cair de quatro no Enem

Por Orlando Nunes em Dica, Redação

28 de junho de 2012

Veja as dicas para quem vai fazer a prova do Enem

1) Está estudando para o Enem? Não falte às aulas de sua escola nunca, mesmo que um temporal não previsto pela Funceme o obrigue a ir a nado, mesmo que haja greve de ônibus, mesmo que na véspera você tenha chegado às quatro da visita às bases.

SEM QUORUM
Nem sempre o sujeito oculto é compreendido, mas, na política do corpo a corpo, muita gente não vê a hora de visitar as bases.

2) No vestibular, redator bota banca. É necessário botar banca examinadora antes de entregar a prova de redação. Revise o texto, frase por frase, não conte com a possibilidade de rever sua prova batendo à porta da Justiça.

SINTAXE EM CASA
Ordem indireta, mas não falha: a Justiça tarda.

3) Leia com atenção os textos de apoio, cuidado com interpretações ao pé da letra, contextualize – conforme minha oficina do texto, nem sempre um pneu é um pneu. Não deixe para o dia da prova seu primeiro exercício de “descubra o tema”, isso é fatal.

AO PÉ DA LETRA
Paradoxo: somente para doutores; detergente: botar colarinho branco atrás das grades.

4) Facilite a leitura da banca examinadora, uma letrinha legível antes de passar para Medicina é a receita. Cuidado também com frases ambíguas, duplo sentido no Enem vale dois pontos, ambos no queixo – é bem difícil se levantar da lona antes dos dez.

Desafio de redação.

Reescreva as frases abaixo de modo a eliminar a ambiguidade do texto.

1) A comissão que corrigia as provas ontem divulgou nota à imprensa.

2) Seu desenvolvimento nos últimos meses tem despertado a curiosidade de muitos observadores.

3) Fecharam a livraria do bairro que eu costumava frequentar.

4) Sendo um fascinado por contos, meu pai me trouxe Os doze parafusos.

Envie sua proposta de correção para marjangadei@gmail.com

Sábado, comentário do blogueiro. Domingo, retorno ao PV. Ufa!

O STJD tarda, mas não falha.

Saudações.