Warning: Use of undefined constant S3_URL - assumed 'S3_URL' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/tribu/public_html/blogs/wp-content/themes/2016_tribuna_blogs/functions.php on line 11
Cinema Sinergia - Por Thiago Sampaio 
Publicidade

Cinema Sinergia

por Thiago Sampaio


Warning: Use of undefined constant php - assumed 'php' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/tribu/public_html/blogs/wp-content/themes/2016_tribuna_blogs/index.php on line 45

Crítica: “The Old Guard” balança na ação mas acerta na ousadia

Por Thiago Sampaio em Crítica

15 de julho de 2020

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

É curioso como Hollywood insiste em fazer de Charlize Theron, uma atriz que tem um Oscar na prateleira (por “Monster”, 2003), uma estrela de filmes de ação. Desde o fraco “Aeon Flux” (idem, 2005), passando pela obra prima “Mad Max – Estrada da Fúria” (2015), como vilã de “Velozes e Furiosos 8” (2017) e no eficiente “Atômica” (2017), ela parece estar se divertindo com isso.

Quando surgiram nos materiais de divulgação deste “The Old Guard” (idem, 2020), lançado pela Netflix, com armas que que pareciam saídas de jogos de RPG, a impressão é que seria algo na linha de “Aeon Flux”. Mas felizmente o projeto surpreendeu por adotar um tom bem menos frenético e mais reflexivo.

Baseado na história em quadrinhos de Greg Rucka e Leandro Fernandez, o longa apresenta um grupo de soldados com uma pequena peculiaridade: eles são imortais. Eles vivem através dos anos oferecendo seus serviços como mercenários para aqueles que podem pagar, realizando missões que acreditam serem justas para o mundo. A rotina deles muda por completo quando descobrem a existência de uma nova importam que vem a se juntar a eles.
Leia mais

Publicidade

Crítica: “Destacamento Blood” é Spike Lee com ação e ironia afiada

Por Thiago Sampaio em Crítica

05 de julho de 2020

Foto: Divulgação

A temática racial sempre esteve presente na carreira de Spike Lee (dos ótimos “Faça a Coisa Certa”, 1989; “Febre da Selva”, 1991), que levou em 2019 o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado pelo excelente “Infiltrado na Klan” (BlacKKKlansman, 2019). Seu mais recente projeto, “Destacamento Blood” (Da 5 Blood, 2020), lançado pela Netflix, não poderia vir em momento mais apropriado, em que o mundo se comoveu pela morte bárbara de George Floyd por um policial branco e o slogan “Black Lives Matter” ganhou ampla repercussão.

Na trama, quatro veteranos da Guerra do Vietnã voltam aquele cenário para procurar um ouro que haviam enterrado e também o corpo do amigo e antigo líder do grupo.

Como é típico de Spike Lee, as mensagens muitas vezes ficam implícitas, até de maneira irônica. É comum ele fazer o seu produto leve sob uma embalagem comercial, até para ganhar mais amplitude, mas sem deixar suas críticas nas entrelinhas.
Leia mais

Publicidade

Documentário “Aqui é Flamengo” mostra paixão pelo futebol no interior cearense

Por Thiago Sampaio em Serviço

18 de Maio de 2020

Foto: Divulgação

Curte a mistura de futebol e cinema? E com uma boa pegada de regionalismo? Pois tem documentário de produção cearense que estreou no último domingo (17) no DAZN, o maior streaming esportivo do mundo: “Aqui é Flamengo” (idem, 2020), um co-produção do site Verminosos Por Futebol e da Sinfonia Filmes.

Dirigido pelo jornalista Rafael Luis Azevedo, o curta-metragem de 28 minutos aborda o amor dos moradores do isolado distrito de Flamengo, localizado no município de Saboeiro, no Sertão do Ceará, pelo Clube de Regatas Flamengo.

A apuração ocorre numa época bastante apropriada: a final da Copa Libertadores da América de 2019, em que o clube do Rio de Janeiro se sagrou bicampeão ao vencer de virada o River Plate-ARG.

Através de relatos dos moradores, o material faz um apanhado histórico do distrito, que recebeu o nome ainda nos anos 30 em virtude do tom avermelhado da terra, fato que contribuiu para a criação do forte vínculo com o time carioca.
Leia mais

Publicidade

Crítica: Netflix acerta com “Resgate”, longa de ação diferenciado e entretenimento de alto nível

Por Thiago Sampaio em Crítica

29 de Abril de 2020

Foto: Divulgação

Uma obra de ação estrelada pelo ator que vive o Thor, produzida e roteirizada pelos diretores de “Vingadores: Guerra Infinita” (2018) e “Ultimato” (2019) certamente teria apelo nos cinemas. Mas em tempos de isolamento social por conta da pandemia do coronavirus, “Resgate” (Extraction, 2020), produção original da Netflix, ganhou uma notoriedade talvez até maior do que teria. Ainda bem, pois não só temos o melhor longa do gênero lançado pela plataforma de streaming, como ele tem valor próprio para cair no gosto popular.

Na trama, um mercenário (vivido por Chris Hemsworth) é contratado junto a uma equipe para a missão de resgatar um garoto indiano, filho de um mafioso preso no país, que é sequestrado por um rival, chefão do tráfico de drogas de Bangladesh.
Leia mais

Publicidade

Crítica: Remake de “O Homem Invisível” é uma surpreendente atualização para os dias atuais

Por Thiago Sampaio em Crítica

20 de Março de 2020

Foto: Divulgação

Durou pouco a ideia da Universal Pictures de criar uma franquia integrada com os monstros clássicos de terror após o fracasso do ruim “A Múmia” (The Mummy, 2017), estrelado por Tom Cruise. O que no fim das contas pode ter sido o melhor! Isso porque esta releitura de “O Homem Invisível” (The Invisible Man, 2020), pela bem sucedida produtora Blumhouse, tem toda a liberdade criativa de uma obra autoral, enveredando para o horror social. Cheio de metáforas sobre relacionamentos abusivos, a nova versão é atualizada com muita eficiência para os dias atuais.

Na trama, quando o ex-namorado de Cecilia (Elisabeth Moss), um bilionário do ramo da ótica, tira a própria vida e deixa sua fortuna, ela suspeita que a morte dele tenha sido uma farsa. Como uma série de coincidências se torna letal, ela tenta provar que está sendo caçada por alguém que ninguém pode ver.
Leia mais

Publicidade

Crítica: Prometia uma bomba, mas até que “Sonic: O Filme” agrada!

Por Thiago Sampaio em Crítica

20 de Fevereiro de 2020

Foto: Divulgação

Um filme em live-action sobre Sonic, game da Sega lançado no início dos anos 90 que se resumia a correr e acumular argolas, não era uma ideia animadora desde o início. Quando saiu o primeiro trailer, o rebuliço na internet sobre o visual do famoso ouriço azul (que de fato era horrível) foi tão grande que os realizadores optaram por adiar a estreia e aumentar o orçamento para realizarem alterações. Sinais nada animadores. Eis que, para a surpresa geral, “Sonic: O Filme” (Sonic The Hedgehog, 2019) é mais divertido do que tinha o direito de ser. Pode funcionar como entretenimento até para o público que já passou da fase de curtir a Galinha Pintadinha.

Na trama, Sonic tenta se adaptar à nova vida na Terra com seu novo melhor amigo humano, o policial Tom Wachowski (James Marsden). Eles unem forças para tentar impedir que o vilão Dr. Robotnik (Jim Carrey), um especialista em tecnologia, o capture e use seus poderes para dominar a humanidade.
Leia mais

Publicidade

Crítica: “Aves de Rapina” é colorido, divertido e sem compromisso

Por Thiago Sampaio em Crítica

17 de Fevereiro de 2020

Foto: Divulgação

“Esquadrão Suicida” (Suicide Squad, 2016), definitivamente, é um filme a ser esquecido. Mas se teve algo que funcionou ali foi a performance de Margot Robbie como Arlequina, junto ao bom trabalho de maquiagem (que inclusive ganhou o Oscar!), estimulando muitas mulheres a fazerem cosplays. Um longa solo com a personagem não era uma aposta das mais seguras, mas a DC Comics parece vir se reestruturando com boas produções individuais, sem a pressão para criar um novo universo compartilhado, vide “Aquaman” (2018) e “Shazam!” (2019).

“Aves de Rapina: Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa” (Birds of Prey and the Fantabulous Emancipation of One Harley Quinn, 2019) – cujo enorme subtítulo causou uma certa confusão, fazendo a Warner Bros. alterá-lo em alguns lugares para “Arlequina em Aves de Rapina” -, de fato, passa bem longe daquele ar sombrio dos longas dirigidos por Zack Snyder, com o tom mais próximo dos últimos citados acima. Não se leva à sério e passa a mensagem de empoderamento feminino sem discursos didáticos. Ainda que seja bobo e passageiro, o resultado funciona por jogar seguro, com breves pitadas de ousadia.
Leia mais

Publicidade

Bong, Scorsese e a importância da consolidação de “Parasita”

Por Thiago Sampaio em Opinião

10 de Fevereiro de 2020

Foto: Reprodução

Martin Scorsese viu o seu “O Irlandês” sair de mãos vazias no Oscar 2020, mas teve o seu valor reconhecido pelo grande vencedor da noite, Bong Joon-ho. Sorrisos sinceros que simbolizam a importância da consagração de “Parasita”, o primeiro longa falado em língua não inglesa a levar o troféu de Melhor Filme. Na verdade, todo real apreciador do cinema se deu como satisfeito pela vitória do longa sul-coreano, ainda que tivesse outros preferidos.

É costumeiro ver obras de tom “neutro”, de difícil rejeição, serem premiadas. Assim, “O Discurso do Rei” tirou o prêmio de “A Rede Social” ou “Cisne Negro” em 2011, “Spotlight” tirou de “Mad Max – Estrada da Fúria” em 2016 e, ano passado, o de péssimo gosto “Green Book” tirou de “Infiltrado na Klan” ou “Roma”. Tudo indicava que em 2020 o escolhido seria “1917”. É correto e visualmente deslumbrante. Mas felizmente desviaram da aposta “segura”.
Leia mais

Publicidade

Oscar 2020: Em noite história, Academia surpreende e premia “Parasita” como Melhor Filme

Por Thiago Sampaio em Oscar

10 de Fevereiro de 2020

Foto: Instagram/TNT

O Oscar 2020, realizado neste domingo (9), parecia mais uma cerimônia sonolenta como de costume. Mas na reta final, veio uma surpresa histórica: “Parasita” foi o primeiro longa de língua não inglesa a levar o principal prêmio da Academia. A obra de Bong Joon-ho saiu com quatro troféus de alta relevância: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original e Melhor Filme Estrangeiro.

No mais, prêmios previsíveis como o de Melhor Ator para Joaquin Phoenix por “Coringa” e Renée Zellweger de Melhor Atriz por “Judy”, além de Brad Pitt e Laura Dern nas categorias de coadjuvantes.

Entre os poucos destaques, uma apresentação musical de Eminem cantando “Lose Yourself” com 17 anos de atraso (ele não compareceu em 2003 quando a canção foi premiada por “8 Mile”) e um momento cômico com Rebel Wilson e James Corden vestidos como gatos ao anunciar o prêmio de Melhores Efeitos Visuais, satirizando o execrado “Cats”.
Leia mais

Publicidade

Confira os tradicionais pitacos para o Oscar 2020

Por Thiago Sampaio em Oscar

08 de Fevereiro de 2020

Foto: Montagem/Divulgação

A cerimônia do Oscar 2020 acontece neste domingo (9) e, como faço todos os anos, aponto os meus pitacos sobre quem acho que vai vencer e quem eu gostaria que levasse o prêmio.

Tudo baseado nas últimas premiações (Globo de Ouro, BAFTA, DGA, SAG, PGA, WGA, Spirit, etc) e como as campanhas estão reverberando nos bastidores. Vamos lá!
Leia mais

Publicidade

Confira os tradicionais pitacos para o Oscar 2020

Por Thiago Sampaio em Oscar

08 de Fevereiro de 2020

Foto: Montagem/Divulgação

A cerimônia do Oscar 2020 acontece neste domingo (9) e, como faço todos os anos, aponto os meus pitacos sobre quem acho que vai vencer e quem eu gostaria que levasse o prêmio.

Tudo baseado nas últimas premiações (Globo de Ouro, BAFTA, DGA, SAG, PGA, WGA, Spirit, etc) e como as campanhas estão reverberando nos bastidores. Vamos lá!
(mais…)