chris pine Archives - Cinema Sinergia 
Publicidade

Cinema Sinergia

por Thiago Sampaio

chris pine

Crítica: “Homem-Aranha no Aranhaverso” é o melhor longa-metragem já feito sobre o personagem

Por Thiago Sampaio em Crítica

17 de Janeiro de 2019

Foto: Divulgação

Se tratando de Homem-Aranha nos cinemas, já foram dois reboots em menos de 20 anos. Atualmente, Tom Holland, o terceiro ator a encarnar o Cabeça de Teia, vive o mesmo no badalado universo compartilhado da Marvel Studios, num acordo de co-produção com a Sony, que por sua vez, desenvolve filmes individuais dos vilões, como “Venom” (idem, 2018), que apesar da qualidade questionável, foi sucesso de bilheteria. Um longa sobre o vampiro Morbius é o próximo da fila. Com toda essa bagunça, será que uma animação com o herói geraria interesse?

À primeira vista, a ideia de misturar vários Aranhas, enquanto a sua versão em live-action está na ativa, só viria a embaralhar ainda mais a lógica. Mas eis a surpresa: “Homem-Aranha no Aranhaverso” (Spiderman Into The Spider-Verse, 2018) não só é um deleite aos olhos como é a melhor produção para as telonas com o personagem já feita. Faz rir, emociona, garante cenas de ação incríveis e, de quebra, faz graça com a enorme quantidade de elementos inseridos e os desenvolve de maneira admirável.
Leia mais

Publicidade

Crítica: “Mulher-Maravilha” traz protagonismo feminino e uma eficiente aventura de época

Por Thiago Sampaio em Crítica

01 de junho de 2017

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A disputa entre as adaptações da Marvel e DC para os cinemas virou uma rivalidade por parte dos fãs que beira o clubismo. Mas é fato que a DC está tentando tirar o atraso, enquanto a concorrente já estabeleceu o seu próprio universo compartilhado de heróis. “O Homem de Aço” (2013) e “Batman Vs Superman” (2016) balançaram as críticas e “Esquadrão Suicida” (2016) foi uma unanimidade negativa.

“Mulher-Maravilha” (Wonder Woman, 2017) chega com a responsabilidade de introduzir o primeiro longa solo de uma personagem mulher dos dois mundos. E o resultado é uma superprodução honesta que agrada aos fãs e o público em geral, abordando temas como feminismo e inclusão, o que já a torna um diferencial. Para o universo da DC nas telonas, uma esperança para o que virá em seguida: “Liga da Justiça”.

Na trama, Diana Prince (Gal Gadot) é treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível. Nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor (Chris Pine) se acidenta e cai numa praia do lugar, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “A Qualquer Custo” traz um retrato cru dos dias atuais

Por Thiago Sampaio em Crítica

08 de Fevereiro de 2017

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

“A Qualquer Custo” (Hell or High Water, 2016) é aquele tipo de filme que não é fácil de ser digerido por todos. É monótono e, por muitas vezes, incômodo. Porém, essa peculiaridade é algo que o torna tão diferenciado. Indicado a quatro Oscars (Filme, Ator Coadjuvante, Roteiro Original e Montagem), esse faroeste contemporâneo tem uma forte crítica social escondida numa trama, aparentemente não muito criativa, sobre irmãos que assaltam bancos. Aqui, não há heróis, não há bandidos. Todos são homens comuns, vítimas do sistema opressivo pós depressão americana.

O longa se passa no interior do Texas, Estados Unidos. Toby (Chris Pine) e Tannar (Ben Foster) são irmãos que se reúnem após anos de separação para roubar agências do banco que ameaça a falência das terras da família. Porém, eles se encontram na mira de Marcus (Jeff Bridges), um Texas Ranger que procura por uma última grande perseguição nas vésperas de sua aposentadoria, e seu parceiro comanche, Alberto (Gil Birmingham). Com os perseguidores à sua sombra, os irmãos tramam um último golpe para completar o plano.

Leia mais

Publicidade

Crítica: ‘Além da Escuridão – Star Trek’ é uma aula de ficção científica e um presente aos fãs

Por Thiago Sampaio em Crítica

13 de junho de 2013

Crítica de 'Além da Escuridão - Star Trek'

Foto: Divulgação

Após cinco gerações de seriados de TV, entre 1966 e 2005, e 10 longas-metragens, J.J. Abrams (criador da série de TV ‘Lost’) conseguiu a difícil missão de recontar com primor a saga “Star Trek” (ou Jornada nas Estrelas, como preferir…) do início, com novos atores, no longa de 2009. Mantendo os pés no chão, o cineasta mantém o alto nível nesta continuação, intitulada “Além da Escuridão – Star Trek” (Star Trek Into Darkness, 2013), que agrada em cheio aos fãs.

O capitão Kirk (Chris Pine) está em crise com a Frota Estelar após violar regras para salvar o amigo Spock (Zachary Quinto) da morte em um vulcão, em um planeta primitivo. Porém, ele retoma o comando da nave Enterprise para combater um mal maior: John Harrison (Benedict Cumberbatch), um renegado alterado geneticamente que busca uma vingança contra a Frota e comanda um misterioso plano que pode culminar em um caos no universo. Para isso, a tripulação precisa viajar para um planetóide, em beira de guerra, dentro do império Klingon.

Leia mais

Publicidade

Crítica: ‘Além da Escuridão – Star Trek’ é uma aula de ficção científica e um presente aos fãs

Por Thiago Sampaio em Crítica

13 de junho de 2013

Crítica de 'Além da Escuridão - Star Trek'

Foto: Divulgação

Após cinco gerações de seriados de TV, entre 1966 e 2005, e 10 longas-metragens, J.J. Abrams (criador da série de TV ‘Lost’) conseguiu a difícil missão de recontar com primor a saga “Star Trek” (ou Jornada nas Estrelas, como preferir…) do início, com novos atores, no longa de 2009. Mantendo os pés no chão, o cineasta mantém o alto nível nesta continuação, intitulada “Além da Escuridão – Star Trek” (Star Trek Into Darkness, 2013), que agrada em cheio aos fãs.

O capitão Kirk (Chris Pine) está em crise com a Frota Estelar após violar regras para salvar o amigo Spock (Zachary Quinto) da morte em um vulcão, em um planeta primitivo. Porém, ele retoma o comando da nave Enterprise para combater um mal maior: John Harrison (Benedict Cumberbatch), um renegado alterado geneticamente que busca uma vingança contra a Frota e comanda um misterioso plano que pode culminar em um caos no universo. Para isso, a tripulação precisa viajar para um planetóide, em beira de guerra, dentro do império Klingon.

(mais…)