Florence Pugh Archives - Cinema Sinergia 
Publicidade

Cinema Sinergia

por Thiago Sampaio

Florence Pugh

Crítica: Ari Aster mostra em “Midsommar” que é possível ser perturbador sem apelar para clichês

Por Thiago Sampaio em Crítica

19 de setembro de 2019

Foto: Divulgação

Após a boa repercussão de “Hereditário” (Hereditary, 2018), um dos melhores filmes do ano passado, era natural que fosse criada uma expectativa para o segundo longa do jovem diretor Ari Aster, de apenas 33 anos, lançado mais rápido do que muitos imaginavam. Em “Midsommar – O Mal Não Espera a Noite” (Midsommar, 2019), mais uma vez ele mostra o seu valor sem se render a recursos baratos para agradar o grande público. Apesar de bem diferente da sua produção anterior, este consegue ser novamente perturbador e excêntrico.

Na sinopse pouco reveladora, após vivenciar uma grande perda pessoal, Dani (Florence Pugh) vai com o namorado Christian (Jack Reynor) e um grupo de amigos até a Suécia para participar de um festival local de verão. Mas, ao invés das férias tranquilas com a qual todos sonhavam, os jovens vão se deparar com rituais bizarros de uma adoração pagã.

Midsommar significa algo como solstício de verão, um feriado nacional idolatrado na Suécia e considerado uma das festas mais importantes do ano. Para eles, uma época para curtir como nunca, regada a muita dança, cantoria, comida e bebedeira. Serve para contextualizar o culto que move a narrativa desta produção, porém, sem tantos fins de diversão, e sim como manual de vida. Um pequeno pretexto para ir surpreendendo os espectadores de maneira simultânea com o grupo principal.
Leia mais

Publicidade

Crítica: Ari Aster mostra em “Midsommar” que é possível ser perturbador sem apelar para clichês

Por Thiago Sampaio em Crítica

19 de setembro de 2019

Foto: Divulgação

Após a boa repercussão de “Hereditário” (Hereditary, 2018), um dos melhores filmes do ano passado, era natural que fosse criada uma expectativa para o segundo longa do jovem diretor Ari Aster, de apenas 33 anos, lançado mais rápido do que muitos imaginavam. Em “Midsommar – O Mal Não Espera a Noite” (Midsommar, 2019), mais uma vez ele mostra o seu valor sem se render a recursos baratos para agradar o grande público. Apesar de bem diferente da sua produção anterior, este consegue ser novamente perturbador e excêntrico.

Na sinopse pouco reveladora, após vivenciar uma grande perda pessoal, Dani (Florence Pugh) vai com o namorado Christian (Jack Reynor) e um grupo de amigos até a Suécia para participar de um festival local de verão. Mas, ao invés das férias tranquilas com a qual todos sonhavam, os jovens vão se deparar com rituais bizarros de uma adoração pagã.

Midsommar significa algo como solstício de verão, um feriado nacional idolatrado na Suécia e considerado uma das festas mais importantes do ano. Para eles, uma época para curtir como nunca, regada a muita dança, cantoria, comida e bebedeira. Serve para contextualizar o culto que move a narrativa desta produção, porém, sem tantos fins de diversão, e sim como manual de vida. Um pequeno pretexto para ir surpreendendo os espectadores de maneira simultânea com o grupo principal.
(mais…)