jack reacher Archives - Cinema Sinergia 
Publicidade

Cinema Sinergia

por Thiago Sampaio

jack reacher

Confira as novidades sobre o novo Homem-Aranha e um ‘clássico’ do boxe no cinema

Por Thiago Sampaio em Cinema

26 de Fevereiro de 2013

Sylvester Stallone e Robert De Niro voltarão a viver pugilistas em 'Grudge Match'

Sylvester Stallone e Robert De Niro voltarão a viver pugilistas em ‘Grudge Match’ – Foto: Divulgação

Dois dos maiores ícones do boxe nos cinemas, Rocky Balboa (“Rocky – Um Lutador”) e Jake La Motta (“Touro Indomável) vão se enfrentar em breve em um duelo histórico. Bom, pelo menos os intérpretes deles, em idade já um tanto avançada, e em uma comédia.

Sylvester Stallone (66 anos) e Robert De Niro (69 anos) vão voltar a interpretar pugilistas na comédia “Grudge Match“, dirigida por Peter Segal (“Como Se Fosse a Primeira Vez”, “Agente 86”). A trama envolve dois lutadores aposentados que planejam uma luta final, 50 anos depois do seu último embate. Vale lembrar que os atores já contracenaram em “Cop Land”, em 1997.

Leia mais

Publicidade

Crítica: ‘Jack Reacher – O Último Tiro’ se atropela nas pretensões e se mostra apenas mais um bom filme do gênero

Por Thiago Sampaio em Crítica

17 de Janeiro de 2013

Jack Reacher

Pôster de Jack Reacher – O Último Tiro – Foto: Divulgação

Não tem como negar que o seriado “24 Horas” e a trilogia Bourne (estrelada por Matt Damon, excluindo o quarto longa com Jeremy Renner), deram início a uma nova geração de filmes sobre superespiões, adotando um estilo de direção mais sério e até “realista”. Ditou o rumo das novas produções de 007, vieram “Salt”, “Busca Implacável”, entre outros. Tom Cruise também resolveu entrar na moda com “Jack Reacher – O Último Tiro”, adaptação da obra “Um Tiro” (do britânico Lee Child) e, apesar da enorme pretensão, acaba se mostrando apenas mais uma boa produção do gênero.

O longa já começa com a execução de um crime brutal, cometido por um atirador de elite contra cinco pessoas ao mesmo tempo. Preso logo em seguida, ele cita durante o interrogatório apenas o nome de Jack Reacher (Tom Cruise), um ex-combatente com inúmeras condecorações, dado como desaparecido para o governo e autoridades. Jack aparece do nada e resolve investigar por conta própria o tal mistério. Sua teoria é que existe uma ligação entre as mortes e o verdadeiro responsável tem outros interesses, procurando desviar a atenção.

O diretor Christopher McQuarrie (roteirista do ótimo “Os Suspeitos” e diretor do mediano “A Sangue Frio”) mostra logo na cena inicial um tom estiloso ao girar horizontalmente a câmera a partir da mira do atirador procurando as suas vítimas, de modo a fazer o expectador imaginar quem irá morrer em seguida. Mas a pouca experiência atrás das câmeras faz o cineasta cair em uma série de clichês. Para começar, cria uma áurea de mistério para lá de exagerada para a primeira aparição do protagonista, algo desnecessário para um personagem ainda desconhecido do grande público.

Leia mais

Publicidade

Crítica: ‘Jack Reacher – O Último Tiro’ se atropela nas pretensões e se mostra apenas mais um bom filme do gênero

Por Thiago Sampaio em Crítica

17 de Janeiro de 2013

Jack Reacher

Pôster de Jack Reacher – O Último Tiro – Foto: Divulgação

Não tem como negar que o seriado “24 Horas” e a trilogia Bourne (estrelada por Matt Damon, excluindo o quarto longa com Jeremy Renner), deram início a uma nova geração de filmes sobre superespiões, adotando um estilo de direção mais sério e até “realista”. Ditou o rumo das novas produções de 007, vieram “Salt”, “Busca Implacável”, entre outros. Tom Cruise também resolveu entrar na moda com “Jack Reacher – O Último Tiro”, adaptação da obra “Um Tiro” (do britânico Lee Child) e, apesar da enorme pretensão, acaba se mostrando apenas mais uma boa produção do gênero.

O longa já começa com a execução de um crime brutal, cometido por um atirador de elite contra cinco pessoas ao mesmo tempo. Preso logo em seguida, ele cita durante o interrogatório apenas o nome de Jack Reacher (Tom Cruise), um ex-combatente com inúmeras condecorações, dado como desaparecido para o governo e autoridades. Jack aparece do nada e resolve investigar por conta própria o tal mistério. Sua teoria é que existe uma ligação entre as mortes e o verdadeiro responsável tem outros interesses, procurando desviar a atenção.

O diretor Christopher McQuarrie (roteirista do ótimo “Os Suspeitos” e diretor do mediano “A Sangue Frio”) mostra logo na cena inicial um tom estiloso ao girar horizontalmente a câmera a partir da mira do atirador procurando as suas vítimas, de modo a fazer o expectador imaginar quem irá morrer em seguida. Mas a pouca experiência atrás das câmeras faz o cineasta cair em uma série de clichês. Para começar, cria uma áurea de mistério para lá de exagerada para a primeira aparição do protagonista, algo desnecessário para um personagem ainda desconhecido do grande público.

(mais…)