27 de agosto de 2019 - Top Music 
Publicidade

Top Music

por Greyce Matias

27 de agosto de 2019

Forró das Antigas Festival agita milhares de pessoas no Ceará e se consolida como o maior evento do gênero no Brasil

Por Greyce Matias em Eventos

27 de agosto de 2019

Sucesso de público, o evento Forró das Antigas Festival agitou o Estacionamento da Arena Castelão no último sábado (24). A festa, promovido pela Social Music e Somzoom Eventos, contou com grandes nomes do gênero durante mais de 10 horas de duração. Com sucessos que embalaram várias gerações de apaixonados do gênero, o maior evento de forró do Brasil contou com dois palcos e uma estrutura que disponibilizava o máximo de conforto para proporcionar a melhor experiência ao público.

Com 10 atrações e setlists que fizeram coro entre o público, o evento começou pontualmente às 20h com a banda Mel com Terra abrindo a programação com grandes clássicos do forró. Em seguida, foi a vez da Noda de Caju se apresentar com um repertório embalado por suas versões românticas de músicas internacionais, como “Lindos Momentos” e “Eu Juro”, e de músicas autorais, como “Meu Vício” e “Tanto Amor”.

Considerada rainha do forró, a cantora Eliane apresentou músicas do recém lançado EP e sucessos que marcaram sua carreira. Com uma trajetória marcada por grandes hits, como “Me Usa” e “É Chamego ou Xaveco”, a banda Magníficos também animou o público. O evento ainda contou com o ritmo do rei da lambada, Beto Barbosa, levando grandes sucessos da carreira como o megahit “Adocica”.

A banda Mastruz com Leite emocionou o público com hinos do forró como “Meu Vaqueiro Meu Peão” e “Saga de um Vaqueiro”. Em seguida, foi a vez do Forró Real animar com canções atuais e sucessos que marcaram a trajetória da banda ao lado de Nildinha, que foi vocalista do grupo durante 10 anos. O evento contou também com o show da duplaSirano e Sirino, trazendo também um repertório embalado por mais de 20 anos de carreira.

Considerada uma das bandas mais românticas do Brasil, Lagosta Bronzeada embalou o público apaixonado com um show cheio de emoções. Com mais de 25 anos de história e mais de 30 CDs lançados e 7 DVDs, além de discos de ouro e platina na bagagem, a banda Limão com Mel encerrou a festa, animando o público até o sol nascer.

Confira as fotos

*Fotos AssCom Forró das Antigas Festival

leia tudo sobre

Publicidade

Alessandro Belchior Imóveis inova no aniversário de 30 anos da marca e lança playlists temáticas no Spotify

Por Greyce Matias em Sem categoria

27 de agosto de 2019

Em um mundo com informação em grande quantidade, contar com uma curadoria de temas de interesse ajuda até mesmo a fidelizar clientes e ampliar a visibilidade das marcas. Em meio às comemorações dos seus 30 anos de mercado imobiliário, a Alessandro Belchior Imóveis vem promovendo uma série de ações de engajamento de seus clientes reforçando a visibilidade da marca. Uma dessas novidades mais recentes foi o lançamento de playlists temáticas em um dos aplicativos de músicas mais conhecidos e acessados no mundo: o Spotify.

O conteúdo foi lançado em dezembro do ano passado, sendo disponibilizado através do perfil da Alessandro Belchior Imóveis no aplicativo. A iniciativa é uma parceria com o DJ Moor, natural de Fortaleza, trazendo temas musicais que remetam direta ou indiretamente a empreendimentos, bairros, pontos históricos ou espaços nobres da capital cearense, como Volta da Jurema, Água Fria, Praça Portugal, Cine São Luiz, Trilha no Cocó, Via Paris e Eden Club, ou mesmo tendências e serviços do mercado imobiliário, como Built to Suit, Retrofit, Esquina Positiva, Aluguel Garantido e Sale&Leaseback.

No total, já foram produzidas 35 coleções musicais sobre temas variados e com trilha sonora que remeta ao tema de cada lista, trazendo artistas renomados e novidades do cenário da música mundial. O objetivo da empresa é divulgar uma playlist por semana, com um máximo de 20 músicas cada, homenageando os vários espaços da capital cearense e atendendo o gosto musical de seus clientes. O conteúdo está disponível para usuários de smartphones nas plataformas iOS e Android. “A receptividade dos nossos clientes e até mesmo de pessoas que passaram a nos conhecer a partir dessas listas tem sido muito grande. Alguns já chegaram a comentar que utilizaram as listas para animar momentos de encontros em família ou amigos, e outros utilizam em ambiente de trabalho”, comenta Germano Belchior, diretor-superintendente da Alessandro Belchior Imóveis.

 

Alessandro Belchior Imóveis no Spotify

https://spoti.fi/2KKA3mE

Sobre a Alessandro Belchior Imóveis

Com 30 anos de experiência, a Alessandro Belchior Imóveis trabalha em toda a cadeia imobiliária nas áreas de comercialização, locação e administração de imóveis. A empresa administra imóveis de todos os portes, atuando em toda a Grande Fortaleza e em alguns municípios do interior. Como empresa socialmente responsável, a Alessandro Belchior Imóveis criou em 1992 o seu principal projeto social, o Amigos em Ação, que beneficia anualmente instituições filantrópicas com doações de alimentos. A campanha começou como uma atividade de arrecadação de alimentos para serem doados durante o período natalino e expandiu-se alcançando resultados sociais expressivos.

leia tudo sobre

Publicidade

Chambinho do Acordeon grava novo clipe da música “Foi Você”

Por Greyce Matias em Lançamento

27 de agosto de 2019

O cantor e compositor Chambinho do Acordeon gravou o novo clipe, da música “Foi Você”, na última terça-feira (20), no Parque Nacional Vale do Catimbau (RN). Com um cenário exuberante e de tirar o fôlego, o forrozeiro gravou o clipe da canção, que está presente no novo CD de vaquejada lançado pelo artista intitulado “Tributo a Karaveia”, e tem a assinatura da produtora Casa da Filmagem.

Chambinho também vive a expectativa de interpretar o “rei do baião” Luiz Gonzaga no segundo filme da carreira, “Légua Tirana”. Mais informações sobre o clipe serão divulgadas em breve.

Sobre Chambinho do Acordeon

O músico nordestino Nivaldo Expedito de Carvalho, o Chambinho do Acordeon, ficou conhecido nacionalmente por interpretar Luiz Gonzaga no cinema pelo filme “Gonzaga — De Pai Pra Filho”, em 2012. O filme foi exibido nos Estados Unidos, Europa e ganhou festival de cinema brasileiro e Moscou, na Rússia. De lá para cá, o artista não parou mais e tornou-se uma das principais referências artísticas regionais pelo carisma e musicalidade que encantam multidões.

Influenciado pelo avô, que ensinou a tocar os primeiros acordes, Chambinho criou laços com a música desde pequeno. O artista nasceu em São Paulo, mas aos oito anos de idade mudou-se com a família para a cidade de Jaicós (PI) – essa foi sua primeira escola e lhe fez conhecer os velhos sanfoneiros nordestinos e tomar gosto pelo autêntico forró.

leia tudo sobre

Publicidade

Matriz, novo show de Pitty, chega a Fortaleza no dia 21 de setembro

Por Greyce Matias em Eventos

27 de agosto de 2019

Em turnê pelo Brasil, Pitty vem a Fortaleza no próximo dia 21 de setembro para apresentação única na Praça Verde do Dragão do Mar. O evento é uma realização da Multi Entretenimento e da Stallo’s Produções.

Tem Bahia como nunca e tem rock como sempre no quinto álbum de estúdio de Pitty, mas, antes de colocar “MATRIZ” (Deck) para rodar, convém desmontar a “roqueira baiana Pitty”, conforme dizíamos, na falta de referências melhores, nos tempos de “Máscara”, os tempos dos prêmios da MTV Brasil, os tempos da menina de testa franzida se impondo no ambiente “testosteronado” do rock alternativo brasileiro do início dos anos 2000. Dezesseis anos depois, o que não nos falta são (boas) referências sobre ela: todos os hits, todos os mega-hits (“Me Adora”, “Equalize”), os temas em novela, as indicações ao Grammy Latino, os projetos paralelos, os shows internacionais, os shows nos grandes festivais, a apresentação do Saia Justa, a maternidade — tudo trilha para um mundo em velocidade tão alta que fez de Pitty, ao mesmo tempo, a jovem representante da última geração do rock brasileiro que se atreveu a ir de encontro ao gosto popular e a veterana que detém a receita do sucesso aparentemente perdida em algum lugar dos anos 1980, 90 ou sabe-se lá onde.

É esse o ponto muito especial em que “MATRIZ” chega aos nossos ouvidos.

Não parece acaso que o álbum soe como um grande e multicolorido álbum de fotos em diferentes paisagens que revela tanto sobre os olhos, a alma e as raízes de Pitty. E, apesar disso, não há o menor cheiro de naftalina ou nostalgia careta no repertório: “Eu vim de lá, mas não posso mais voltar”, como ela canta em “Bahia Blues”, sendo justamente o que lhe permite cantar “Eu vim de lá e agora eu posso voltar”. Como Peter Gabriel que defendia que “nós precisamos entrar para poder sair”, Pitty olha o tempo todo para dentro de si e de sua história para encarar o mundo a sua volta.

O que inclui, claro, o rock à sua volta. Da participação do BaianaSystem em “Roda”, uma das músicas mais pesadas do álbum, à dançante “Noite Inteira”, tudo soa fresco, contemporâneo, relevante, completamente 2019.

Mas me deixe começar do começo. No caso, “Bicho Solto”, sombria, enigmática, quase uma declaração de princípios (“eu me domestiquei pra fazer parte do jogo/ mas não se engane, maluco, continuo bicho solto”). Você vai achar Dorival Caymmi sampleado, psicodelia, percussão corporal, trip-hop, Raul Seixas, matas fechadas e arranha-céus, e você estará no caminho certo. “MATRIZ” é justamente sobre possibilidades de trilhas; sobre como Pitty, depois de deixar sua marca pressuposta no cenário brasileiro, descobriu ser capaz de trilhar todos os caminhos com a mesma propriedade.

Há um lado no álbum irremediavelmente pop — no sentido de ser irresistível, ganchudo, chicletudo como todo mundo sabia que Pitty podia ser, mas talvez só o tempo tenha dado a segurança para que ela assumisse totalmente. A dançante “Ninguém É De Ninguém” (curiosamente, uma parceria com seu esposo, Dani Weksler) soa como um ska cyberpunk, enquanto a lisérgica e barroca balada “Motor”, que leva a original (lançada pelo grupo baiano Maglore em 2013) ao espaço sideral. Já a doce “Para O Grande Amor” esconde um amargo tributo a Peu Sousa, guitarrista e parceiro de Pitty entre 2002 e 2005, morto aos 35 anos, em 2013.

Embora não seja uma palavra mencionada nenhuma vez ao longo de todo o álbum, a ideia de estarmos diante de uma “MATRIZ” realmente percorre completamente o trabalho. No sentido indisfarçável de estarmos diante de uma mulher segura e orgulhosa de sua maturidade (quem vai dizer que não tenha a ver com a maternidade?). No sentido em que há as imagens e os sons que remetem à Bahia de sua infância e os sons da sua adolescência, ao reggae e à new wave. Às raízes negras de todos nós – humanos – no canto afro-soul de Lazzo Matumbi em “Noite Inteira” ou a capoeirada moura de “Redimir”. Mas também porque é torno da Matriz onde os amigos se encontram – para fazer revolução ou falar besteira. E há tantos amigos presentes no álbum, como Pupillo (ex-Nação Zumbi), Larissa Luz e Marlon Sette, em volta da banda que está em turnê desde 2018 — Pitty nos vocais, Martin na guitarra, Gui Almeida no baixo, Paulo Kishimoto numa variedade de instrumentos e Dani Weksler na bateria.

“MATRIZ” é Pitty como seus fãs esperavam há meia década, e é o álbum mais surpreendente de sua carreira. Um projeto conceitualmente bem amarrado e o coeso, e o trabalho mais variado, tropicalista, multifacetado que alguém poderia esperar dela. Fiel às arestas cortantes das raízes hardcore e pop de ensinar sua filha a cantar no caminho da escola. Futurista, concreto, areia e dendê. É a prova definitiva de que, com tanto tempo de carreira e tanto sucesso acumulado, Pitty se domesticou. Mas, claro, continua sendo bicho solto. Soltíssimo.

SERVIÇO – PITTY SHOW MATRIZ

Data: 21 de setembro (sábado)

Abertura dos portões: 21h

Local: Praça Verde do Dragão do Mar, Rua Dragão do Mar – Nº 81

Ingressos: Pista (Meia) = R$ 60,00; Pista (Inteira) = R$ 120,00; Front (Meia) = R$ 90,00; Front (Inteira) = R$180,00.

Pontos de vendas: Bilheteria do Dragão do Mar – Rua Dragão do Mar, Nº 81 – Praia de Iracema. Funcionamento de terça a sábado: 14h às 19h30; Ticket Shop – Shopping Iguatemi, Av. Washington Soares, 85 – Edson Queiroz. Funcionamento: segunda a sábado: 10h às 22h e aos domingos: 12h às 21h; e Ticket Shop – Shopping Riomar Kennedy, Av. Sargento Hermínio Sampaio, 3100. Funcionamento: segunda a sábado: 10h às 22h e aos domingos: 12h às 21h. Também é possível encontrar através do site da Bilheteria Virtual (www.bilheteriavirtual.com.br)

Classificação etária: 16 anos

Realização: Multi Entretenimento e Stallo’s Produções

leia tudo sobre

Publicidade

Matriz, novo show de Pitty, chega a Fortaleza no dia 21 de setembro

Por Greyce Matias em Eventos

27 de agosto de 2019

Em turnê pelo Brasil, Pitty vem a Fortaleza no próximo dia 21 de setembro para apresentação única na Praça Verde do Dragão do Mar. O evento é uma realização da Multi Entretenimento e da Stallo’s Produções.

Tem Bahia como nunca e tem rock como sempre no quinto álbum de estúdio de Pitty, mas, antes de colocar “MATRIZ” (Deck) para rodar, convém desmontar a “roqueira baiana Pitty”, conforme dizíamos, na falta de referências melhores, nos tempos de “Máscara”, os tempos dos prêmios da MTV Brasil, os tempos da menina de testa franzida se impondo no ambiente “testosteronado” do rock alternativo brasileiro do início dos anos 2000. Dezesseis anos depois, o que não nos falta são (boas) referências sobre ela: todos os hits, todos os mega-hits (“Me Adora”, “Equalize”), os temas em novela, as indicações ao Grammy Latino, os projetos paralelos, os shows internacionais, os shows nos grandes festivais, a apresentação do Saia Justa, a maternidade — tudo trilha para um mundo em velocidade tão alta que fez de Pitty, ao mesmo tempo, a jovem representante da última geração do rock brasileiro que se atreveu a ir de encontro ao gosto popular e a veterana que detém a receita do sucesso aparentemente perdida em algum lugar dos anos 1980, 90 ou sabe-se lá onde.

É esse o ponto muito especial em que “MATRIZ” chega aos nossos ouvidos.

Não parece acaso que o álbum soe como um grande e multicolorido álbum de fotos em diferentes paisagens que revela tanto sobre os olhos, a alma e as raízes de Pitty. E, apesar disso, não há o menor cheiro de naftalina ou nostalgia careta no repertório: “Eu vim de lá, mas não posso mais voltar”, como ela canta em “Bahia Blues”, sendo justamente o que lhe permite cantar “Eu vim de lá e agora eu posso voltar”. Como Peter Gabriel que defendia que “nós precisamos entrar para poder sair”, Pitty olha o tempo todo para dentro de si e de sua história para encarar o mundo a sua volta.

O que inclui, claro, o rock à sua volta. Da participação do BaianaSystem em “Roda”, uma das músicas mais pesadas do álbum, à dançante “Noite Inteira”, tudo soa fresco, contemporâneo, relevante, completamente 2019.

Mas me deixe começar do começo. No caso, “Bicho Solto”, sombria, enigmática, quase uma declaração de princípios (“eu me domestiquei pra fazer parte do jogo/ mas não se engane, maluco, continuo bicho solto”). Você vai achar Dorival Caymmi sampleado, psicodelia, percussão corporal, trip-hop, Raul Seixas, matas fechadas e arranha-céus, e você estará no caminho certo. “MATRIZ” é justamente sobre possibilidades de trilhas; sobre como Pitty, depois de deixar sua marca pressuposta no cenário brasileiro, descobriu ser capaz de trilhar todos os caminhos com a mesma propriedade.

Há um lado no álbum irremediavelmente pop — no sentido de ser irresistível, ganchudo, chicletudo como todo mundo sabia que Pitty podia ser, mas talvez só o tempo tenha dado a segurança para que ela assumisse totalmente. A dançante “Ninguém É De Ninguém” (curiosamente, uma parceria com seu esposo, Dani Weksler) soa como um ska cyberpunk, enquanto a lisérgica e barroca balada “Motor”, que leva a original (lançada pelo grupo baiano Maglore em 2013) ao espaço sideral. Já a doce “Para O Grande Amor” esconde um amargo tributo a Peu Sousa, guitarrista e parceiro de Pitty entre 2002 e 2005, morto aos 35 anos, em 2013.

Embora não seja uma palavra mencionada nenhuma vez ao longo de todo o álbum, a ideia de estarmos diante de uma “MATRIZ” realmente percorre completamente o trabalho. No sentido indisfarçável de estarmos diante de uma mulher segura e orgulhosa de sua maturidade (quem vai dizer que não tenha a ver com a maternidade?). No sentido em que há as imagens e os sons que remetem à Bahia de sua infância e os sons da sua adolescência, ao reggae e à new wave. Às raízes negras de todos nós – humanos – no canto afro-soul de Lazzo Matumbi em “Noite Inteira” ou a capoeirada moura de “Redimir”. Mas também porque é torno da Matriz onde os amigos se encontram – para fazer revolução ou falar besteira. E há tantos amigos presentes no álbum, como Pupillo (ex-Nação Zumbi), Larissa Luz e Marlon Sette, em volta da banda que está em turnê desde 2018 — Pitty nos vocais, Martin na guitarra, Gui Almeida no baixo, Paulo Kishimoto numa variedade de instrumentos e Dani Weksler na bateria.

“MATRIZ” é Pitty como seus fãs esperavam há meia década, e é o álbum mais surpreendente de sua carreira. Um projeto conceitualmente bem amarrado e o coeso, e o trabalho mais variado, tropicalista, multifacetado que alguém poderia esperar dela. Fiel às arestas cortantes das raízes hardcore e pop de ensinar sua filha a cantar no caminho da escola. Futurista, concreto, areia e dendê. É a prova definitiva de que, com tanto tempo de carreira e tanto sucesso acumulado, Pitty se domesticou. Mas, claro, continua sendo bicho solto. Soltíssimo.

SERVIÇO – PITTY SHOW MATRIZ

Data: 21 de setembro (sábado)

Abertura dos portões: 21h

Local: Praça Verde do Dragão do Mar, Rua Dragão do Mar – Nº 81

Ingressos: Pista (Meia) = R$ 60,00; Pista (Inteira) = R$ 120,00; Front (Meia) = R$ 90,00; Front (Inteira) = R$180,00.

Pontos de vendas: Bilheteria do Dragão do Mar – Rua Dragão do Mar, Nº 81 – Praia de Iracema. Funcionamento de terça a sábado: 14h às 19h30; Ticket Shop – Shopping Iguatemi, Av. Washington Soares, 85 – Edson Queiroz. Funcionamento: segunda a sábado: 10h às 22h e aos domingos: 12h às 21h; e Ticket Shop – Shopping Riomar Kennedy, Av. Sargento Hermínio Sampaio, 3100. Funcionamento: segunda a sábado: 10h às 22h e aos domingos: 12h às 21h. Também é possível encontrar através do site da Bilheteria Virtual (www.bilheteriavirtual.com.br)

Classificação etária: 16 anos

Realização: Multi Entretenimento e Stallo’s Produções