Artigo Archives - Vagas Online 
Publicidade

Vagas Online

por Márcia Catunda

Artigo

O Linkedin não é para todos?

Por Márcia Catunda em Artigo

04 de novembro de 2019

contato@crismoutella.com.br

Tem profissionais que acham que o LinkedIn não é para todos. Quem? Aqueles que acreditam que são para o LinkedIn. São pessoas que se sentem excluídas, estão na zona de conforto, felizes com o que tem, com visão limitada do futuro e/ou sem grana para investir na carreira.

Mas quem disse que não é POSSÍVEL?

Ninguém tem o poder de rebaixar ninguém. Essa sensação de se sentir “por baixo”, inferior aos demais, é sua. O fato de uma pessoa saber mais ou ter um cargo maior que o seu, não faz dela uma pessoa melhor nem pior. Há pessoas simples maravilhosas e executivos monstruosos.
A causa dessa sensação de inferioridade é baixa autoestima e pouca autoconfiança, o que se resolve com DESENVOLVIMENTO PESSOAL.

Aumentamos nossa AUTOESTIMA quando confiamos mais em nós mesmos. E AUTOCONFIANÇA a gente adquire com AUTOCONHECIMENTO, ou seja, conhecer a si próprio, do que você é capaz, onde é mais forte, trabalhando seus pontos fracos.

Adquirir novos CONHECIMENTOS e COMPETÊNCIAS também ajuda muito, pois além de trazer mais segurança, nos destaca no mercado de trabalho e nos diferencia de nossos concorrentes.

Como descobrir as COMPETÊNCIAS que eu preciso para ser contratada?

Vamos ver um caso genérico de um profissional hoje desempregado, cuja última função foi Auxiliar Administrativo. Já trabalhou com atendimento ao cliente e operações de caixa. Possui Ensino Médio e seu sonho é fazer uma faculdade de Administração. Possui conhecimentos médios de Office, inglês básico, é bem comunicativo e trabalha bem em equipe. Seu objetivo atual é atuar na área Administrava ou Atendimento ao Cliente, para poder pagar a faculdade.

Vamos desenvolver aqui um exemplo, que pode ser adaptado para qualquer cargo.

Com uma simples busca no Google, eu descubro que um Auxiliar Administrativo possui as seguintes responsabilidades:

• Conhecer a empresa onde trabalha e o que cada pessoa faz
• Receber correspondências e documentos
• Controlar as contas a pagar
• Emitir notas fiscais
• Preparar e encaminhar documentos e atas
• Tirar cópias
• Envira documentos para o departamento contábil e fiscal
• Atender telefonemas e esclarecer dúvidas
• Elaborar e apresentar relatórios financeiros e apresentações
• Organizar viagens, reuniões e eventos
• Coordenar as compras de materiais
• Elaborar orçamentos e controlar estoques
• Pagar contas e faturas
• Manter organizados arquivos e cadastros
• Sugerir novos métodos de trabalho

Que envolvem as seguintes competências:

• Atenção aos detalhes
• Capacidade de concentração
• Atendimento ao público
• Organização
• Solução de problemas
• Facilidade em lidar com tecnologia (computadores, celulares etc)
• Dinamismo/Agilidade
• Determinação
• Saber trabalhar sob pressão
• Saber guardar sigilo de informações confidenciais
• Administrar bem o tempo e saber priorizar tarefas
• Facilidade com números e cálculos
• Domínio das regras básicas do Português
• Boa comunicação, de forma clara e direta
• Habilidade de relacionamento com pessoas diferentes
• Facilidade de adaptação a mudanças (de ambientes, tarefas, pessoas)
• Boa memória
• Ser confiável, responsável e proativo (ter iniciativa)

Você já viu uma vaga tão detalhada assim? Não mesmo.

O que se espera do candidato é sempre muito mais do que está descrito em uma vaga. Cabe a você descobrir realmente o que a empresa quer e SE PREPARAR para conquistar a vaga. Mas antes, vamos falar sobre como adquirir as competências que você precisa.
Você precisa de TODAS essas competências para conquistar uma vaga? Também não.
Algumas você pode desenvolver, outras talvez nem seja necessárias naquela empresa, mas tudo irá depender do cargo, dos valores e da cultura da organização.

Como DESENVOLVER UMA NOVA COMPETÊNCIA?

A maneira mais eficiente é com TREINO. Quanto mais praticar, melhor fica. Se precisar começar do zero, leia sobre o assunto e faça cursos. Livros podem ser caros, mas há resumos online, alguns livros disponíveis para download e versões mais baratas para ser lido online. Você também pode tirar um tempo para ler os livros em uma biblioteca na própria livraria (algumas permitem).
Existem sites que oferecem cursos online gratuitos para tudo o que você possa imaginar. Destaquei vários no artigo Não tem mais desculpa! Atualize-se de graça. É só clicar e conferir.
Mas eu não ia deixar de destacar alguma competência, principalmente a que eu vejo que mais falta, o INGLÊS. Como assim, tem curso de graça de inglês e ainda por cima online? Tem. E de Espanhol, Italiano, francês, alemão… Conheça o Duolingo. Há outros, ok? Descubra.
Espere aí, Cris… Como vou aprender a ter concentração? A concentração melhora quando você treina também a memória. Experimente buscar no Google por “curso online gratuito” + memória ou qualquer outra palavra que você esteja buscando. Para a memória, também é bom fazer quebra-cabeças e jogar palavras cruzadas.
Agora só falta você descobrir as competências que precisa desenvolver e se dedicar a trabalhar nelas.

Use o LinkedIn para AJUDAR VOCÊ A SE RECOLOCAR

Agora que você já melhorou seu autoconhecimento e aumentou sua autoestima, vamos trabalhar o seu LinkedIn.
Seu currículo é a chave para ter um perfil que saiba apresentar suas qualificações e competências. Aprenda aqui a valorizar seu currículo.
Configure seu perfil de acordo com seu currículo e aproveite para mostrar um pouco mais sobre sua vida profissional, com recursos como colocar seu CV em pdf na seção Sobre, incluir fotos e documentos nas suas experiências, cadastrar seus projetos, trabalhos voluntários (se tiver) e cursos que você fez (inclusive os gratuitos).

Capriche na sessão Sobre: Como destacar o seu Resumo.

Tarefas semanais:

1. Veja as publicações e notícias. Curta e comente as que estão relacionadas à sua área de atuação e IGNORE as que não estão relacionadas ao seu objetivo.

2. Publique ou compartilhe algo relacionado à sua área de atuação. Sua rede precisa conhecer você e saber do que é profissionalmente capaz.

3. Consulte quem viu seu perfil e entre em contato, mas sem pedir emprego de primeira. É assim que começamos novos relacionamentos.

4. Adicione à sua rede profissionais da sua área de atuação, RH e headhunters. Siga, se preferir.

5. Quando novas conexões aceitarem você, envie uma mensagem personalizada de boas-vindas.

6. Procure por vagas.

7. Procure por empresas do seu interesse e siga.

8. Nessas empresas, procure por profissionais de RH e da sua área de atuação. Conecte-se com eles.

9. Siga empresas de RH e consultorias de recrutamento.

10. Vote nas competências das suas conexões e peça votos para as suas competências. Aprenda aqui Como aumentar suas chances de ser encontrado pelas suas competências.

11. Solicite recomendações das pessoas com quem você trabalhou. Recomende também.

12. Pelo menos uma vez por semana, atualize seu perfil. Mude algo na sessão Sobre, para seu perfil ser compartilhado com sua rede.

Fez tudo? Comece outra vez!
Investir na carreira dá trabalho. Procurar emprego também.
Mas ninguém vai fazer isso por você.

leia tudo sobre

Publicidade

VOCÊ JUSTIFICA OS SEUS ERROS OU APRENDE COM ELES?

Por Márcia Catunda em Artigo

02 de novembro de 2019

Por Eliabe Teófilo- Coach

Instagram: @eliabeteofilocoach

 

VOCÊ JUSTIFICA OS SEUS ERROS OU APRENDE COM ELES?

Se for para justificar os seus erros, aprenda com eles. Essa é a 5° lei da Autorresponsabilidade.

Sem dúvidas o erro é parte integrante do processo de aprendizagem e crescimento. Se não houver erro, não haverá aprendizado.
Muitas pessoas já debilitadas emocionalmente e acostumadas a ser criticadas, e até mesmo humilhadas, ao errar foram inconscientemente programadas para negar e fugir de seus erros, evitando tanto quanto possível, reconhecê-los, e assim, evitando se sentir mais uma vez diminuídas e inválidas

E como se livrar disso?

É necessário adquirimos uma nova crença: “não existem erros, apenas resultados”. Pessoas realizadas e autorresponsáveis acreditam de fato, que tudo de ruim que lhes acontece, não são erros, muito menos fracassos, são efeitos, são resultados. E para não colher os mesmos resultados, basta fazer diferente na próxima vez.
Einstein dizia: “Loucura é continuar fazendo a mesma coisa e esperar resultados diferentes”.

leia tudo sobre

Publicidade

Como o autoconhecimento pode potencializar a sua carreira?

Por Márcia Catunda em Artigo

16 de outubro de 2019

Guilherme Said- Cofundador e sócio da EASE Brasil

@guilhermesaidoficial

www.easebrasil.edu.br

Você já parou para pensar qual é a sua missão nessa vida? Por que você está aqui? E o seu trabalho, aquilo que você está fazendo hoje, está alinhado com os seus valores? Com aquilo que você é? Com aquilo que você quer cumprir?

Essas são apenas algumas perguntas de muitas que podem ser feitas no processo de autoconhecimento e planejamento da sua trajetória pessoal e profissional.

Assim, o autoconhecimento é essencial para você planejar a sua carreira e atingir os seus objetivos. Mas o que significa autoconhecimento? De forma simples e objetiva trata-se do aprofundamento que nós temos a respeito das nossas características, da nossa missão, nossa visão, nossas fortalezas e fraquezas. O que somos? Qual a nossa razão de ser nesse mundo? Onde eu quero chegar? Que projetos estariam adaptados à minha visão de mundo?

Diversos pesquisadores já buscaram entender por que existem pessoas de alta performance, que conseguem excelentes resultados, e outras que permanecem na mediocridade, ou seja, na média. Para muitos estudiosos, um dos principais comportamentos observados nas pessoas excelentes e acima da média é que elas possuem um elevado grau de autoconhecimento, com uma missão, uma visão e objetivos próprios bem definidos, e, em diversos casos, por escrito.

Lembro da história do psicólogo e psiquiatra austríaco Victor Frankl, que sobreviveu aos campos de concentração mais difíceis na época da segunda guerra mundial.

Resumidamente, ao ser levado para o campo de concentração, Frankl inicialmente decidiu que teria 3 grandes metas a serem atingidas naquele ambiente de terror: 1) Sobreviver; 2) Utilizar suas habilidades médicas para ajudar os outros e 3) Tentar aprender alguma coisa. Nessa busca por conhecimento, o médico observou que, de todos os prisioneiros, os que melhor conservavam o autodomínio e a sanidade eram aqueles que tinham um forte senso de dever, de missão e uma visão de futuro específica. Ele percebeu que o ser humano seria capaz de passar pelo mais intenso sofrimento quando tivesse uma razão e um por que viver. Enfim, a ausência de significado, de sentido para a vida, seria a principal causa de muitas doenças, depressões e problemas vividos pela humanidade.

Após 3 anos de prisão, Victor Frankl foi libertado em abril de 1945, com 40 anos e 25 quilos. Após saber da morte dos seus familiares e da sua esposa, aumentando sobremaneira o seu sofrimento, sistematizou uma teoria psicanalítica – a Logoterapia –, baseada nas suas experiências e reflexões no campo de concentração, que revolucionou as ciências humanas que buscavam compreender o ser humano e suas neuroses.

Todos nós passamos, também, pelos nossos “campos de concentração”. Muitas vezes precisamos chegar no fundo, para subir com força para o alto. No processo de planejamento de carreira, é preciso colocar isso em mente e saber que a vida não segue um padrão pré-determinado, e as situações não irão sempre ocorrer como tínhamos previsto.

Dessa forma, é preciso planejar e criar a sua visão de longo prazo, porém comportamentos como flexibilidade, resiliência e abertura ao novo são essenciais para a construção de um futuro de prosperidade.

Assim ocorre com as empresas e com as pessoas.

Vamos praticar?

 

 

leia tudo sobre

Publicidade

A importância de se vestir bem no ambiente de trabalho

Por Márcia Catunda em Artigo

13 de outubro de 2019

Por Ana Carolina- Personal Stylist / Consultora de Imagem e Estilo
Instagram @stylistanapersonal

 

Suas roupas passam uma mensagem, você querendo ou não.
E é preciso ficar atenta/o à sua imagem para ir ao trabalho.

E o que é imagem?
Imagem é a representação visual de uma pessoa, ou seja, o que você veste, usa, o que você fala e o que você faz.

E o que vestir para ir trabalhar?
Por que me preocupar com isso?

Porque existe um código de vestimenta que tem o objetivo de ordenar e padronizar o visual para as diferentes ocasiões, sejam elas profissionais ou sociais, o Dress Code.

Esses códigos de vestuário são usados no ambiente de trabalho por diversas razões. Uma delas é para comunicar uma imagem corporativa mais séria e facilitar a sua identificação por parte dos clientes, e às vezes, níveis hierárquicos.

No caso de empresas que não fazem uso do uniforme, é imprescindível que os funcionários observem os colegas e o padrão interno.

As mulheres devem ter uma atenção especial ao se vestir, para evitar situações desagradáveis. Não use peças muito chamativas que atraiam a atenção para seu corpo.
Evite: decotes profundos, roupas de festa, shorts e vestidos curtos, qualquer roupa com apelo sensual,
transparências, sutiã aparecendo, roupas justas ou que exibam pele demais. Evite, usar sandálias de tiras fininhas, misturar tons dourados ou prateados.
Exageros como esmaltes muito forte, maquiagem muito pesada ou perfumes muito marcantes são deselegantes.
Tatuagens e piercings à mostra, devem receber uma atenção especial para que não haja problemas futuros.

Para não errar, o decote deve estar na linha da axila. Saias podem ser até quatro dedos acima dos joelhos, embora cobri-los, seja o mais adequado. Calças mais soltas, que não marquem ou apareça a calcinha.
Opte por brincos pequenos ou médios.
Se a roupa for discreta, é possível usar sapatos coloridos, de preferência os fechados.

Preze pelo equilíbrio, afinal, você está indo trabalhar, precisa mostrar seu profissionalismo, não seu corpo.

Para os homens, uma boa opção é calça de sarja e camisas de manga comprida, podendo tê-las dobradas.
Atenção as camisetas com desenhos, frases, furadas ou rasgadas, em número menor que o seu. A cueca não deve estar para fora da calça, aparecendo. Se for o caso, use um cinto, bem como evitar calças muito largas.
Jeans e camisas polo sem estampas e calças escuras, sem lavagens, são elegantes.
Se você usa barba, ela precisa ser bem feita, alinhada e limpa. O corte de cabelo também precisa estar em dia. E apare as unhas.
Quanto à calça jeans, evite lavagens, escolha o azul escuro.
Peças como sapatos mal engraxados, roupas desbotadas, descosturadas, com botões caindo, mal-passadas ou sujas causam uma imagem ruim.

Por que investir na consultoria de imagem pessoal ou de uma empresa?

Para você ou para as empresas, que tenham dificuldade em estabelecer seu estilo, que não sabe bem fazer as combinações corretas ou dress code de empresarial, contrate uma personal stylist e crie uma imagem e uma comunicação por meio das roupas, pois elas falam mais do que você imagina.

leia tudo sobre

Publicidade

Torne-se um Profissional Plural e seja desejado pelo mercado

Por Márcia Catunda em Artigo

04 de outubro de 2019

 

 

 

contato@crismoutella.com.br

 

De acordo com estudo da Ernst & Young, 5% dos empregos de hoje não existirão em 2025, mas novas funções surgirão. Já temos Business Partners, Cientistas de Dados, Gestores de Comunidade Digital, entre vários novos cargos, para mostrar que o mercado precisa e exige profissionais com conhecimentos cada vez mais amplos, criativos e inovadores. As empresas querem candidatos que entendam de muitos assuntos. E sim, temos que ser especialistas em várias áreas, assobiar, chupar cana, sorrir e mostrar resultados.

Quando chegou o Windows, muitos não acreditaram. Eu instalei em casa e comecei a me preparar para o futuro. O DOS já era (mesmo tendo me salvado várias vezes depois!). E assim foi com o Lotus, ERP, MS Office, VB, e-commerce e tudo o que aparecia pela frente, porque ninguém segura a inovação e eu não ia ficar só assistindo.Fiz isso com minha própria carreira por uma questão de sobrevivência. Quando me formei, nos anos 80, não tínhamos acesso à internet nem aos microcomputadores. Um ano depois, eu estava fazendo uma especialização em Análise de Sistemas porque não tinha como fugir.

No caminho, aprendi sobre negócios, marketing, pessoas, comunicação, finanças, produção, indústrias e serviços, o que me deu uma visão ímpar. Depois de um tempo, eu me intitulava uma Profissional Plural, uma forma de me vender em um mercado que buscava por especialistas. Minha defesa: sei tudo isso e ainda aprendo o que for preciso. Não ficava sem emprego.

Havia os especialistas, que entediam tudo de uma área, os generalistas, que faziam de tudo um pouco, mas não eram especialistas em nada, e eu, que me especializava em tudo que me metia. Até então, eu não conhecia ninguém igual a mim e nunca tinha ouvido ninguém chamar um profissional de “plural”. Mas eu me chamava rs.

Veio a década de 90, época em que os softwares substituíram as funções, aumentando a produtividade. Mas agora é diferente! Estamos na era dos softwares que operam máquinas e produzem, substituindo os trabalhadores. Quantas funções já deixaram de existir e não são feitas mais por humanos, mas por máquinas?

Um dos grandes desafios atuais do mercado de trabalho, então, é a necessidade do conhecimento interdisciplinar, não somente nos níveis operacionais, mas também para aqueles com determinado nível de especialização.

O que fazer?

Tornar-se um Profissional Plural (ou múltiplo), que consiga desenvolver habilidades da sua área relacionando-se com outras áreas e, assim, se diferenciar. Pessoas com aptidões para resolver problemas da empresa, envolvendo várias áreas e competências além das que os tornam especialistas na sua área. Profissionais prontos para assumir responsabilidades, resolver imprevistos e gerenciar mudanças. Quem não quer?

Como me tornar um Profissional Plural?

Ser um Profissional Múltiplo (ou Plural) tem a ver com ser curioso, prestativo, antenado às novidades e flexível às mudanças, mas tem muito a ver com estudar.

Estar sempre atento ao movimento do mercado, da sua área de atuação e do segmento onde atua. Captar as oportunidades de crescimento e investir nelas.

Um profissional focado em tarefas, muitas vezes não percebe o mundo que o cerca. Já um focado em resultados, não gosta de rotina, percebe as mudanças, adora um projeto novo, participa de atividades da empresa, ajuda um colega, trabalha em equipe e está sempre atento ao que acontece de novo.

Se eu fazia isso na década de 90, sem internet, imagine o que você pode fazer hoje com Ted, LinkedIn, Meet up, EAD, webnários, palestras, broadcast, podcast, Big Data, Data Science, Business Inteligence, dashboards, Duolingo, cursos online gratuitos e toda essa tecnologia à sua disposição?

A atualização constante, seja através de cursos, livros, jornais, blogs, vídeos, documentários, grupos ou eventos, permite que você aprofunde seus conhecimentos e se torne polivalente, com um olhar além dos demais.

Um profissional que acompanha as notícias e tem cultura geral está mais preparado para apresentar soluções, um diferencial nesse mercado que busca por profissionais múltiplos.

Fique atento à Transformação Digital

As empresas estão se adaptando ao mundo digital e quem não acompanhar vai ficar para trás. Para Hugo Tadeu, Coordenador do Programa de Transformação Digital da Fundação Dom Cabral, os profissionais devem ser curiosos e questionadores. “Ele não pode ter aquele sentimento de conformidade. Tem que buscar mais, ser crítico, entender de tecnologia, design e negócios.”, afirma.

 

Conhecimento não ocupa espaço e só torna você melhor a cada dia. Mais competitivo, múltiplo, multidisciplinar e plural.

 

leia tudo sobre

Publicidade

Olho na revisão, rumo à contratação!

Por Márcia Catunda em Artigo

01 de outubro de 2019

Larissa Castelo Branco

Revisora Textual e Consultora de Conteúdo

laari.bastos@gmail.com

 

 

A busca pela recolocação no mercado de trabalho é uma realidade para milhares de brasileiros, durante os processos seletivos, sempre há uma grande expectativa por parte dos candidatos e muitos destes se perguntam sobre o porquê de sua eliminação para uma etapa seguinte ou até mesmo por que a empresa nunca o chamou para uma entrevista e estas situações podem ser explicadas com um detalhe que por muitas vezes passa despercebido: os habituais erros de Português e de digitação nos currículos enviados.

Chega a ser delicado tocar neste tema, dada a realidade educacional do país, é necessário tratar esta questão com empatia, visto que cerca de 11,3 milhões de brasileiros são analfabetos ou possuem baixo conhecimento de Português e de suas regras básicas, um número alarmante tendo em vista as exigências do mercado. Outro fator a ser considerado é o uso desenfreado das redes sociais, cuja interação permite uma gama de abreviações e palavras escritas erroneamente – muitas vezes propositalmente – já que o linguajar na internet é livre e desprovido de julgamentos, o que pode acarretar em uma certa acomodação por parte do internauta, que acaba trazendo o vocabulário virtual para a vida real.

Vale lembrar o leitor da importância de um currículo sem falhas no Português: ele é um documento, o cartão de visita do candidato para a vaga almejada. Logo, é a partir dele que o recrutador analisará aspectos como: disciplina, concentração, experiência adquirida, escolaridade, dentre outros. Um currículo com erros de Português pode, por muitas vezes, representar o reflexo de um candidato displicente, descuidado ou até mesmo a imagem de alguém que ignora a formalidade de sua própria língua, podendo refletir isto no ambiente de trabalho, de forma verbal ou escrita, comprometendo os padrões empresariais estabelecidos para a excelência no atendimento ou prestação de serviços.

Cometer erros de Português no currículo é a forma mais comum de ser eliminado de um processo seletivo, ultrapassando fatores como a falta de experiência, distância e ausência de cursos complementares à formação profissional.  Portanto, é essencial ao candidato que ele esteja atento a detalhes como ortografia, regência, concordância e principalmente pontuação. É compreensível que haja dúvidas sobre a aplicação de cada um destes itens na elaboração do currículo, porém graças à tecnologia, existem plataformas online de revisão instantânea, assim como portais de consulta e Gramáticas disponibilizadas em versão digital, tudo ao alcance do candidato para que seu currículo seja atrativo aos olhos do recrutador e represente um diferencial em meio aos concorrentes.

leia tudo sobre

Publicidade

Aumente as chances de seu currículo ser selecionado

Por Márcia Catunda em Artigo

17 de setembro de 2019

contato@crismoutella.com.br

 

Seu currículo é a sua chave para ser selecionado em um banco de talentos, uma pasta de e-mails, por recrutadores ou headhunters.

 

Além de ter o perfil adequado para a vaga, você precisa saber apresentar suas qualificações e competências. Em alguns segundos, tem que convencer o recrutador de que você é, possivelmente, a pessoa certa para aquela função.  Valorize seu currículo, mostre quem você é e do que é capaz.

 

CABEÇALHO

 

Comece seu CV com seu nome destacado, seguido de seu objetivo. Se estiver respondendo a uma vaga, seu objetivo deve ser o nome da vaga em questão. Se não for para uma vaga específica, escreva o nome dos cargos e funções do seu interesse.

 

Em seguida, informe telefone com ddd, cidade e estado.  Inclua seu e-mail e seu perfil LinkedIn, se tiver. Endereço completo e documentos só depois, quando pedirem. E nada de estado civil, data de nascimento, idade ou foto, a não ser que sua profissão exija.

 

Exemplo:

Cristina Moutella

Treinamentos / Palestras / Meets up

(99) 99999-9999 – Fortaleza, CE

contato@crismoutella.com.br  

br.linkedin.com/in/crismoutella

 

RESUMO

 

Uma das partes mais importantes do seu currículo é o Resumo. Fica logo no início e apresenta as informações mais relevantes sobre você.  Se quem estiver lendo não gostar, grande chance de seu currículo ser descartado sem ser lido até o final.

 

Resuma suas principais experiências profissionais. Foque nos resultados entregues, o que você fez pelas empresas e que foram pontos altos na sua carreira.

 

Destaque ações, projetos e resultados numéricos. Não perca tempo detalhando tarefas ou responsabilidades.

 

Destaque também as habilidades que possui e utilizou para alcançar esses resultados.

 

Dê exemplos de projetos, conquistas e prêmios.

 

Não esqueça dos seus talentos, conhecimentos técnicos, de informática e idiomas que domina.

 

Se tiver alguma experiência no exterior, inclua também.

 

Seu Resumo tem que ser atraente e engajado!

 

Utilize palavras relacionadas à sua carreira, profissão e trabalho, bem como às suas habilidades e competências. Você é encontrado através das buscas por palavras chave que empresas, recrutadores e headhunters utilizam para encontrar você. Quanto mais palavras chave você utilizar, maior sua chance de ser encontrado.

 

FORMAÇÃO

 

Relacione sua Formação (ensino médio ou técnico, graduação, especialização, pós-graduação, MBA, mestrado, doutorado), da mais recente para a mais antiga, informando o título, local e ano de conclusão. Se estiver cursando, coloque o ano previsto de conclusão.  Informe o ensino médio somente se essa for sua única formação.

 

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

 

Detalhe sua experiência profissional, da mais recente para a mais antiga, colocando o cargo em destaque, o período e o nome da empresa. Descreva sua experiência e atividades, sempre focando nos resultados e nas entregas. Destaque os projetos em cada empresa.

 

Elencar tarefas não é um diferencial e não vai vender os seus talentos.

 

Não esqueça de utilizar as palavras chave relacionadas à sua profissão e às competências necessárias para exercê-la.

 

Pode se limitar aos últimos 3 cargos ou aos últimos 10 anos. Isso não é obrigatório, mas uma sugestão, para que seu currículo não vire uma tripa de experiências de muitos e muitos anos, muitas vezes nem relevante para a função que quer exercer no momento. Em outros casos, passa a ser relevante quando conta uma história assertiva de crescimento profissional.

 

CURSOS

 

Relacione cursos extracurriculares, workshops e palestras, em ordem decrescente de data, informando nome do curso, instituição onde fez e ano. Procure listar aqueles relacionados ao cargo desejado, deixando de lado aqueles que não agregam valor ao seu currículo ou à vaga que pretende ocupar (p. ex.: curso de kitesurf em currículo só justifica se a função a ser exercida tiver relação, direta ou indireta, com essa atividade esportiva).

 

Algumas certificações são importantes e devem ser destacadas em separado, de acordo com sua profissão e exigência do mercado, como o registro na OAB de um advogado, o CRM de um médico ou uma certificação SCRUM de um Gerente de Projetos. Nesse caso, cria-se o item Certificações, logo após a Formação, para dar o devido destaque.

 

OUTRAS EXPERIÊNCIAS

 

Se você tiver outras experiências relevantes, como intercâmbio, viagens, voluntariado ou atividades paralelas que possam agregar valor ao seu currículo, aqui é o lugar de contar.

 

ATENÇÃO!

  • Se você não possui experiência ou é recém-formado, baseie seu currículo na sua formação, habilidades e competências. Mostre o seu potencial!
  • Se você tiver interesse em áreas/profissões distintas, faça currículos separados. Para se alcançar um objetivo, é preciso FOCO.
  • Enviar seu CV sem ter as qualificações exigidas pela vaga é perda de tempo!
  • Tente não passar de 2 folhas, no máximo 3.
  • Não minta. Jamais!
  • Não erre. Erros de português são imperdoáveis.
  • Revise tudo, até o número do seu telefone. Informações erradas são fatais!
  • Envie seu currículo sempre em pdf. Mais elegante e seguro!

 

SUCESSO!

leia tudo sobre

Publicidade

Faculdade Pitágoras Fortaleza amplia acesso ao ensino superior para quem está em busca de recolocação profissional

Por Márcia Catunda em Artigo

27 de agosto de 2019

Na missão de ajudar na empregabilidade e redução do desemprego no Brasil, a Faculdade Pitágoras Fortaleza apoiará quem está em busca de trabalho e aposta no ensino superior para garantir uma formação de qualidade. Até o dia 30 de setembro, quem não estiver trabalhando formalmente pode contar com a Bolsa Inclusão que isenta o estudante de, no mínimo, duas mensalidades do curso. As vagas são limitadas e a iniciativa contempla formações nas modalidades presencial ou EAD, mediante taxa de matrícula no valor a partir de R$ 59, com exceção dos cursos de Medicina, Medicina Veterinária, Odontologia e Direito.

O benefício da Bolsa Inclusão Social poderá ser ampliado caso o interessado indique a instituição para outras pessoas que se matriculem a partir dessa recomendação. Nesses casos, o aluno que fez a indicação é isento do pagamento das mensalidades até o final do ano.

A Bolsa Inclusão Social foi criada para incentivar quem está em busca de recolocação. “Uma vez dentro da instituição de ensino, as condições de voltar ao mercado aumentam exponencialmente. Além de capacitar o aluno por meio de um ensino de qualidade, temos ferramentas de network importantíssimas, como o Canal Conecta, em que empresas ofertam vagas no nosso portal de empregabilidade exclusivo para os estudantes da Faculdade Pitágoras Fortaleza  ”, afirma o diretor da Odilia Moliterni.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) referentes ao segundo trimestre de 2019, atualmente há 12,8 milhões de pessoas sem emprego no país. Já a Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) apontou, em seu último estudo divulgado no final de 2018, que 40% dos brasileiros precisam de apoio para pagar a mensalidade e que, para 24%, o acesso ao ensino superior só é viável por meio de descontos, bolsas de estudo ou financiamento.

Como participar

Para garantir o benefício, o interessado precisará apresentar a Carteira de Trabalho para comprovar que teve, ao menos, um vínculo empregatício anterior e que está momentaneamente desempregado. Outros documentos exigidos são: histórico escolar, CPF e documento original com foto.

Para mais informações sobre o programa, entre em contato com a instituição pelo WhatsApp (85)99240-2584; pelo e-mail  bruna.s.menezes@pitagoras.com.br  ou direto na unidade, localizada na Rua Barão de Aratanha, 51 Centro- Fortaleza.

leia tudo sobre

Publicidade

5 habilidades para desenvolver a liderança empática

Por Márcia Catunda em Artigo

26 de agosto de 2019

Flora Alves idealizadora do Trahentem®

Não importa o nível hierárquico, posição ou situação. Pode ser o CEO de uma grande empresa, um chefe de equipe, um morador de um bairro ou pai e mãe de uma família. Desenvolver habilidades de liderança o torna alguém capaz de fazer a diferença no lugar onde atua, influenciando positivamente pessoas a alcançarem um bem comum.
Hoje, ao falarmos de desenvolvimento de pessoas, o maior desafio é saber lidar com o lado comportamental das pessoas. Faz-se necessário estar presente integralmente, saber ouvir, incluir e conciliar situações. Pensamos primeiro em profissionais coerentes, éticos, íntegros e fiéis a seus valores, e depois pensamos em resultados. As empresas exigem que as posições de maior responsabilidade sejam ocupadas por pessoas capazes de colocar em prática um tipo específico de liderança: a empática. Mas, afinal, o que é empatia?
Empatia consiste na habilidade de perceber o outro, muitas vezes sem que ele precise dizer algo acerca de sua situação emocional ou afetiva. Ou seja, por meio do tom de voz ou de sua expressão, entre outras maneiras, uma pessoa pode demonstrar se está satisfeita ou insatisfeita. Cabe ao uso da empatia para identificar tais conjunturas. A empatia significa “colocar-se no lugar do outro”, tentar compreender como seria se você estivesse naquela mesma situação. Abranger a forma de sentir e as demais emoções da outra pessoa.
Utilizando da empatia, os líderes poderão exercer melhor a sua liderança, evitando as queixas e insatisfações de seus funcionários. Um líder empático demonstra um interesse genuíno e ativo diante das preocupações dos colaboradores e será capaz de comunicar de maneira efetiva ao resto de sua equipe o que eles precisam fazer, de tal forma que irá despertar neles o desejo de trabalhar, tratando os objetivos que alcançarem como seus próprios. Nos dias de hoje, um líder que não se comunica e age quase como um “ditador” não possui mais espaço.
E como desenvolver a liderança empática? Algumas habilidades são:
Empatia
Obviamente, uma pessoa que deseja se tornar um líder empático deve ser capaz de se colocar no lugar dos outros. Mas a empatia não consiste simplesmente em entender em um nível racional o que o outro está pensando: alguém que queira desenvolver suas habilidades de liderança empática terá que entender como uma ação irá afetar cada um dos membros de sua equipe. Para muitas pessoas, essa capacidade de se colocar no lugar do outro “não vem de fábrica”. No entanto, as pesquisas mais recentes mostram que é perfeitamente possível desenvolver empatia para a maioria das pessoas.
Entusiasmo
Uma pessoa que possui habilidades de liderança empática é capaz de colocar energia e paixão no que possui, propõe e realiza, de tal forma que serve como um exemplo para seus companheiros.
Cordialidade
Como é capaz de se colocar no lugar dos outros membros de sua equipe, também é capaz de fornecer soluções ao seu redor, sendo sensível e justo com as circunstâncias individuais. Um relacionamento cordial ajuda a manter uma boa relação de trabalho e, portanto, de equipe.
Serenidade
O líder empático deve ser capaz de manter a calma em situações complicadas, emotivas ou estressantes. Para conseguir liderar sua equipe de maneira eficaz, deve se tornar um exemplo para eles. Portanto, se deixar que seus impulsos o dominem, logo perderá o respeito de seus funcionários.
Capacidade para estabelecer limites
Apesar de ser capaz de entender o restante dos membros de sua equipe, um bom líder empático deve saber como se impor e manter a distância quando esta for necessária. Caso contrário, deixará de ser um líder para se tornar mais um integrante do grupo. Portanto, para uma pessoa que queira desenvolver uma liderança empática, será muito bom dominar as habilidades de comunicação, como a assertividade.
Para Flora Alves, uma das maiores especialistas em aprendizagem corporativa do Brasil e idealizadora do Trahentem®, o conceito de bom líder é muito distinto daquele de anos atrás. “Antes vistos como autoritários, inflexíveis e “duros na queda”, a imagem do líder eficiente passou por profundas transformações, conforme nossa sociedade foi desligando-se pouco a pouco de uma visão mecanicista e hierarquizada de processos, funções e tarefas no mundo corporativo. Atualmente, a visão mais humanizada dos liderados é a mais valorizada. Equipes que contam com alguém que, além de liderar, apoia, suporta e comanda de maneira humana e empática, demonstram níveis de produtividade, eficiência e resultados bem altos. Sendo assim, um dos principais papéis do líder moderno é valorizar, cada vez mais, as pessoas e fazer bom uso de suas competências humanas”.

leia tudo sobre

Publicidade

Estudantes ainda desconhecem seus direitos como estagiários

Por Márcia Catunda em Artigo

20 de agosto de 2019

O estágio se estabeleceu como a principal porta de entrada para jovens profissionais. Se por um lado o estudante tem deveres, também conquistou direitos através da Lei do Estágio 11.788, que completou 11 anos em 2019. Entre seus benefícios estão 30 dias de Recesso Remunerado – caso o contrato ultrapasse um ano de duração, auxílio-transporte e seguro de vida, sendo que não há previsão de desconto em folha.

 

Para o estágio não-obrigatório é exigido pagamento de Bolsa-Auxílio que deve ser acordado antes da contratação. Vale destacar que não existe valor máximo ou mínimo e que não há incidência de encargos, como INSS e FGTS. Entretanto, se o montante atingir o teto para tributação do Imposto de Renda o imposto será descontado e repassado à Receita Federal do Brasil.

 

Para que o ambiente do estágio seja de aprendizado e um complemento a grade curricular, foi estabelecida carga horária de seis horas por dia/ 30 horas semanais. Outro ponto importante é que o estágio regular tem duração máxima de dois anos na mesma empresa.

 

Para Luiz Gustavo Coppola, superintendente de Atendimento do Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE, desde a criação da lei a relação entre empresa e estagiário sofreu uma verdadeira transformação. “Atualmente o estagiário não está mais ligado somente às atividades de baixa complexidade. Ele é encarado como um futuro funcionário que está sendo moldado e treinado para assumir oportunidades dentro da companhia”, conta.

 

Responsabilidade

Assim como qualquer outro funcionário, o estudante deve evitar faltas e ausências não justificadas, o que pode acarretar em descontos na sua bolsa-auxílio no final do mês, e cumprir a risca seus horários de entrada e saída.

 

Além disso, precisa apresentar semestralmente um relatório das atividades executadas à instituição de ensino. Caso decida trancar a matrícula, a companhia deve ser avisada imediatamente.

leia tudo sobre

Publicidade

Estudantes ainda desconhecem seus direitos como estagiários

Por Márcia Catunda em Artigo

20 de agosto de 2019

O estágio se estabeleceu como a principal porta de entrada para jovens profissionais. Se por um lado o estudante tem deveres, também conquistou direitos através da Lei do Estágio 11.788, que completou 11 anos em 2019. Entre seus benefícios estão 30 dias de Recesso Remunerado – caso o contrato ultrapasse um ano de duração, auxílio-transporte e seguro de vida, sendo que não há previsão de desconto em folha.

 

Para o estágio não-obrigatório é exigido pagamento de Bolsa-Auxílio que deve ser acordado antes da contratação. Vale destacar que não existe valor máximo ou mínimo e que não há incidência de encargos, como INSS e FGTS. Entretanto, se o montante atingir o teto para tributação do Imposto de Renda o imposto será descontado e repassado à Receita Federal do Brasil.

 

Para que o ambiente do estágio seja de aprendizado e um complemento a grade curricular, foi estabelecida carga horária de seis horas por dia/ 30 horas semanais. Outro ponto importante é que o estágio regular tem duração máxima de dois anos na mesma empresa.

 

Para Luiz Gustavo Coppola, superintendente de Atendimento do Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE, desde a criação da lei a relação entre empresa e estagiário sofreu uma verdadeira transformação. “Atualmente o estagiário não está mais ligado somente às atividades de baixa complexidade. Ele é encarado como um futuro funcionário que está sendo moldado e treinado para assumir oportunidades dentro da companhia”, conta.

 

Responsabilidade

Assim como qualquer outro funcionário, o estudante deve evitar faltas e ausências não justificadas, o que pode acarretar em descontos na sua bolsa-auxílio no final do mês, e cumprir a risca seus horários de entrada e saída.

 

Além disso, precisa apresentar semestralmente um relatório das atividades executadas à instituição de ensino. Caso decida trancar a matrícula, a companhia deve ser avisada imediatamente.