artigo Archives - Vagas Online 
Publicidade

Vagas Online

por Márcia Catunda

artigo

Empregos temporários podem se tornar fixos

Por Márcia Catunda em Artigo

10 de dezembro de 2019

A treinadora comportamental Camilla Martins ensina alguns pontos para garantir a tão sonhada vaga de trabalho. Instagram: @profcamillaoficial

 

Agora no fim do ano, é corriqueiro abrir milhares de vagas de empregos temporárias, o que é uma ótima opção para quem busca recolocação no mercado de trabalho.

Você sabia que um emprego temporário pode virar um emprego fixo?

Para isso é preciso alguns requisitos fundamentais, e jamais esquecer que você será avaliado do primeiro até o último dia. O primeiro passo é o processo seletivo, acompanhe algumas dicas para se dar bem na entrevista:

-Conheça um pouco a empresa que está realizando o processo seletivo. Qual produto ou serviço ela oferece.

– Qual é a missão, valores e objetivos da empresa (você se conecta com estes valores?)

– Há quanto tempo a  empresa está no ramo de atividade? Não tem estas informações na internet?  Ligue e pergunte, assim você se prepara melhor para as perguntas.

– Se for um processo seletivo para área da saúde, pergunte se deve ir de branco ou não.

-Nunca vá para uma entrevista de shorts, bermuda, boné, piercing, maquiagem pesada, decotes ou roupas curtas.

-Preste atenção nas pegadinhas, nunca fale mal do seu último emprego, por pior que tenha sido para você.

-Seja sincero e se mostre disposto a aprender.

Tenha em mente as respostas para as seguintes perguntas:

– Por que devo te contratar?

– Como você pode contribuir com a empresa?

-Quais são seus planos para o futuro?

As duas primeiras respostas têm muito a ver com resultados. Empresas querem colaboradores que deem resultados e vistam a camisa.

Se você deseja ficar na empresa, dizer a eles que entre seus planos estão o desejo de fazer parte do quadro fixo é uma grande sacada.

Essas são dicas preciosas para conquistar uma vaga, depois basta se dedicar e mostrar serviço.

leia tudo sobre

Publicidade

Posicionamento nas mídias digitais impacta diretamente vida profissional

Por Márcia Catunda em Artigo

03 de dezembro de 2019

Marcelo Camorim destaca que postura do funcionário pode afetar a empresa

 

Pesquisa desenvolvida pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic), divulgada este ano, apontou que o número de brasileiros que usam a internet com regularidade chega a 126,9 milhões. O número representa 70% da população do  país. Dados do Facebook apontam que o Brasil tem 130 milhões de usuários na rede social. O número garante a terceira posição no ranking internacional. No Instagram, o Brasil lidera o ranking com 16 milhões de usuários. No Linkedin são 29 milhões de inscritos. Outro levantamento realizado pela rede de agências de marketing e relações públicas Ecco, presente em 40 países,  revelou que houve um crescimento de 55% na quantidade de CEOs ativos no Linkedin no Brasil.

De acordo com Marcelo Camorim, especialista em gestão e governança, a presença dos altos executivos nas redes sociais é positiva por aproximar a empresa dos clientes e públicos de interesse e  por permitir um acompanhamento mais próximo do que que é compartilhado e comentado sobre a empresa e seu mercado nesses canais. Ele destaca que eles devem ser ser orientados para não cometerem gafes nessas plataformas. “É preciso cautela para que os líderes não manifestem posições pessoais controversas e em desacordo ao posicionamento institucional. O executivo não pode esquecer que representa uma empresa o tempo todo. Isso acontece  mesmo quando fala em um perfil pessoal privado, somente para seguidores autorizados numa rede social”, explicou.

Recrutadores usam redes sociais como ferramenta para seleção

O especialista ressalta que a  premissa vale também para profissionais de outros setores da empresa. Segundo ele, o  processo seletivo, em muitas organizações passa por uma visita pelos perfis nas redes sociais. Por este motivo, quem busca  colocação ou uma promoção, a comunicação nestas plataformas se torna fundamental para êxito ou fracasso.

“É aconselhável que os posicionamentos sejam realizados com bom senso e equilíbrio,  levando em consideração aquilo que deve ser postado ou comentado e aquilo que deve ser ignorado para que os perfis sociais permaneçam apropriados e alinhados com a sua trajetória profissional”, disse Camorim. Ele enfatiza ainda que bons perfis, com publicações relacionadas a área de atuação contam em favor do profissional, por mostrar dedicação e interesse.

Camorim revela que a atenção deve ser redobrada quando já se está empregado. “Mesmo que o profissional não exerça um papel de liderança é importante que busque, nas suas plataformas digitais, manter uma conduta condizente com o perfil da empresa para evitar desgastes com colegas e com clientes”, explica.

 

*Dicas para não se prejudicar profissionalmente nas redes sociais*

 

Para auxiliar os profissionais a manter uma conduta correta e que o auxilie a crescer, Camorim deixou algumas dicas. Confira:

 

  •  Não critique o local em que você trabalha ou trabalhou;
  • Lembre-se que a sua imagem é ou será associada ao local em que trabalha, portanto mesmo nas redes sociais é preciso lembrar que tudo que você fizer pode prejudicar a sua imagem ou da empresa;
  • Não faça comentários maldosos sobre clientes. Isso pode gerar rescisão de contratos e afastar  potenciais novos clientes;
  • Fique atento às regras gramaticais. Escrever corretamente é fundamental;
  • Jamais faça comentários racistas, homofóbicos e/ou misóginos.  É muito rude e pode ter grandes consequências, além da demissão;
  • Controle a privacidade do que é publicado: é possível escolher se o post será visto por todos ou apenas pelos seus amigos;
  • Escolha uma boa foto para colocar no seu perfil;
  • Preocupe-se com a sua aparência, afinal ela é também um cartão de visitas.

leia tudo sobre

Publicidade

Um currículo para ter orgulho de chamar de seu

Por Márcia Catunda em Artigo

29 de novembro de 2019

Por Cris Moutella

Consultora de Carreira e Transformações Pessoais

contato@crismoutella.com.br

 

Um currículo para ter orgulho de chamar de seu

 

Seu currículo é o instrumento que você tem para representar toda sua vida profissional perante quem vai decidir se você merece ou não participar de um processo seletivo.

 

Você precisa ter muito orgulho dele, assim como tem de si mesmo!

 

Uma parte de você precisa andar junto com seu CV. Um tanto da sua energia precisa passear entre as suas palavras, para que você esteja, de certa forma, presente.

 

Tudo o que você construiu e toda garra do que é capaz de fazer tem que estar ali, mostrando que você é a pessoa certa para aquela vaga.

 

Considere seu currículo a chave de uma porta, o toque da sua mão, o seu olhar. A primeira senha para passar pelo processo de ser selecionado em um banco de talentos, uma pasta de e-mails, por um recrutador ou headhunter.

 

Com tamanha importância, o currículo não pode ser feito de qualquer jeito. Não basta contar a sua história, mas COMO contá-la fará muita diferença.

 

Além de ter o perfil adequado para a vaga, você precisa saber apresentar suas qualificações e competências. Em alguns segundos, tem que convencer o recrutador de que você é, possivelmente, a pessoa certa para aquela função. Valorize seu currículo, mostre quem você é e do que é capaz.

 

CABEÇALHO

 

  • Comece seu CV com seu nome destacado, seguido de seu objetivo. Se estiver respondendo a uma vaga, seu objetivo deve ser o nome da vaga em questão. Se não for para uma vaga específica, escreva o nome dos cargos e funções do seu interesse.
  • Em seguida, informe telefone com ddd, cidade e estado. Em cidades como São Paulo, o bairro também pode ser importante.
  • Inclua seu e-mail e perfil LinkedIn, se tiver.
  • Endereço completo e documentos só quando pedirem.
  • Nada de estado civil, data de nascimento, idade ou foto, a não ser que sua profissão exija.

 

Exemplo de cabeçalho:

 

Cristina Moutella

TREINAMENTOS – PALESTRAS – CURSOS

 

(99) 99999-9999 – Fortaleza, CE

contato@crismoutella.com.br

br.linkedin.com/in/crismoutella

 

RESUMO

Uma das partes mais importantes do seu currículo é o Resumo. Fica logo no início e apresenta as informações mais relevantes sobre você. Se quem estiver lendo não gostar, grande chance de seu currículo ser descartado sem ser lido até o final.

 

É aqui que você tem os famosos 6 segundos de atenção de quem está lendo.

 

Se não “fisgar” o interesse no Resumo, nada mais será lido e seu currículo estará fora do processo seletivo.

 

 

  • Resuma suas principais experiências profissionais. Foque nos resultados entregues, o que você fez pelas empresas e que foram pontos altos na sua carreira.
  • Destaque ações e resultados numéricos. Não perca tempo detalhando tarefas ou responsabilidades.
  • Cite as principais conquistas, prêmios e reconhecimentos.
  • Não esqueça dos seus talentos, conhecimentos técnicos, de informática e idiomas que domina.
  • Cada experiência que você possui e mostra que realmente tem é um diferencial em relação aos demais candidatos. O que valerá, no final, é se você tem o perfil que a empresa precisa. Como você não sabe qual é, precisa mostrar tudo o que tem.
  • Se tiver alguma experiência no exterior, inclua também.
  • Seu Resumo tem que ser atraente e engajado!
  • Utilize palavras relacionadas à sua carreira, profissão e trabalho, bem como às suas habilidades e competências. Você é encontrado através das buscas feitas por palavras chave que empresas, recrutadores e headhunters utilizam.

 

 

 

 

FORMAÇÃO

  • Relacione sua Formação (ensino médio ou técnico, graduação, especialização, pós-graduação, MBA, mestrado, doutorado), da mais recente para a mais antiga, informando o título, local e ano de conclusão.
  • Se estiver cursando, coloque o ano previsto de conclusão. Informe o ensino médio somente se essa for sua única formação.

 

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

 

  • Detalhe sua experiência profissional, da mais recente para a mais antiga, colocando o cargo em destaque, o período e o nome da empresa.
  • Descreva sua experiência e atividades, sempre focando nos resultados e nas entregas. Elencar tarefas não é um diferencial e não vai vender os seus talentos.
  • Destaque os projetos em cada empresa: nome, problema, solução, resultados alcançados. Todos os projetos em que você participou são importantes. Diga como colaborou. Você estava lá, fez parte, contribuiu, vivenciou!Mostre as habilidades que possui e utilizou para alcançar os resultados. Não diga “sou criativo” ou “inovador”. Mostre através de FATOS e DADOS.

 

 

  • Dê exemplos de conquistas, prêmios e reconhecimentos. Seja sempre suscinto, objetivo, claro, direto. Não é para contar toda história. É para passar informação suficiente para que quem está lendo goste do que leu e queira saber mais (chamar você para uma entrevista).
  • Não esqueça de utilizar as palavras chave relacionadas à sua profissão e às competências necessárias para exercê-la.
  • Pode se limitar aos últimos 3 cargos ou aos últimos 10 anos. Isso não é obrigatório, mas uma sugestão, para que seu currículo não vire uma tripa de experiências de muitos e muitos anos, muitas vezes nem relevante para a função que quer exercer no momento. Em outros casos, passa a ser relevante quando conta uma história assertiva de crescimento profissional. Use o bom senso.
  • Modelo de currículo: o mais simples, claro e legível possível. A não ser que você seja um artista gráfico.

 

CURSOS

 

  • Relacione cursos extracurriculares, workshops e palestras, em ordem decrescente de data, informando nome do curso, instituição onde fez e ano.
  • Procure listar aqueles relacionados ao cargo desejado, deixando de lado os que não agregam valor ao seu currículo ou à vaga que pretende ocupar (p. ex.: curso de kitesurf em currículo só justifica se a função a ser exercida tiver relação, direta ou indireta, com essa atividade esportiva).

 

Algumas certificações são importantes e devem ser destacadas em separado, de acordo com sua profissão e exigência do mercado, como o registro na OAB de um advogado, o CRM de um médico ou uma certificação SCRUM de um Gerente de Projetos. Nesse caso, cria-se o item CERTIFICAÇÕES logo após a FORMAÇÃO, para dar o devido destaque.

 

OUTRAS EXPERIÊNCIAS

 

Se você tiver outras experiências relevantes, como intercâmbio, viagens, voluntariado ou atividades paralelas que possam agregar valor ao seu currículo, aqui é o lugar de contar.

 

ATENÇÃO!

 

  • Se você não possui experiência ou é recém-formado, baseie seu currículo na sua formação, habilidades e competências. Mostre o seu potencial!
  • Se você tiver interesse em áreas/profissões distintas, faça currículos separados. Para se alcançar um objetivo, é preciso FOCO.
  • Enviar seu CURRÍCULO sem ter as qualificações exigidas pela vaga é perda de tempo!
  • Tente não passar de 2 páginas. Aprenda a resumir. Deixe para explorar mais no seu perfil LinkedIn.
  • Não minta. Você não conseguirá mentir por muito tempo. Vai se queimar à toa.
  • Não erre. Erros de português e de informação são imperdoáveis. Revise tudo, até o número do seu telefone. Informações erradas são fatais!
  • Envie seu currículo sempre em pdf. Mais elegante e seguro!

 

SEU CURRÍCULO NÃO É PANFLETO PUBLICITÁRIO

 

  • Dê valor ao seu currículo e não saia distribuindo por aí sem critério. A maioria vai jogar no lixo e você, definitivamente, NÃO É LIXO!
  • Envie somente para responder às vagas que você possui os requisitos e tem aderência. Ou entregue diretamente aos que solicitarem.
  • Siga empresas e pessoas que trabalham em empresas, ficando assim atento às vagas publicadas. Enviar o currículo assim que a vaga sair é uma vantagem competitiva. Enviar sem ter vaga, é desperdício de tempo e energia.
  • Empresas são feitas de pessoas e são elas que geram as vagas, não os robôs. Aumente e fortaleça sua rede de relacionamento e contatos.
  • Deixe sempre claro o que você está buscando, quem você é e o que faz, mas não se vitimize. Todos querem pessoas positivas em seus times.

 

leia tudo sobre

Publicidade

Expo CIEE Ceará oferecerá 1,2 mil vagas de estágio e aprendizagem

Por Márcia Catunda em Artigo

27 de novembro de 2019

Nos dias 28 e 29 de novembro, o Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza, recebe mais uma EXPO CIEE Ceará. Desenvolvido a partir de uma nova identidade visual, o evento tem foco no público jovem e é aberto a pessoas de todas as idades. O evento é uma parceria com o Governo do Estado do Ceará por meio do Ceará Pacífico. Quem passar pelo local poderá conferir novas tendências do ensino técnico e superior, orientação para o mundo do trabalho, além de entretenimento e serviços. Em 2018 foram 10 mil visitantes e, por conta das novidades, a expectativa é que esse número seja ainda maior nesta edição. Confira:

Vagas de estágio e aprendizagem

Serão 800 vagas de estágio e 400 para aprendizagem, disponíveis no espaço Vagas CIEE. Quem passar pelo local também poderá realizar alteração no cadastro, e ser encaminhado para processos seletivos em empresas privadas ou órgãos públicos.  Além disso, por meio de uma parceria com o Ministério da Economia serão disponibilizados dois terminais de autoatendimento para emissão da carteira de trabalho digital.

Instituições de ensino participam

Unifor, Unifametro, Uninassau e Estácio estão confirmadas. Os jovens poderão conferir informações sobre cursos de graduação e pós-graduação oferecidos, além de participar de ações promocionais. Também participam a Quero Bolsa, instituição que divulga e fomenta iniciativas pensadas em promover acesso ao ensino superior, e o Colégio Ari de Sá, que recentemente teve um grupo de alunos premiado na Olimpíada do Futuro.

Palestras com foco no jovem

Haverá 32 palestras, cada uma com duração de 30 minutos, com temas diversos, como o processo de escolha de carreira e educação financeira. Outro destaque são os bate-papos sobre a importância do inglês como ferramenta de inserção profissional. Para todos que acompanharem as palestras estão previstos certificados de participação.

Arena Games

Óculos de realidade virtual, hologramas e até casa inteligente comandada por voz. Não faltam atrações para os apaixonados por games e tecnologia. Consoles de PS4 para a galera se divertir e futebol de robôs também devem empolgar quem passar pelo espaço, que terá coordenação da Escola Pixels.

Serviço

EXPO CIEE Ceará

28 e 29 de Novembro, no Centro de Eventos do Ceará

Das 9h às 17h (inscrições podem ser realizadas no site: http://www.expociee.com.br/ceara)

Gratuita

Sobre a Expo CIEE

A Expo CIEE é a maior feira estudantil da América Latina focada na educação, capacitação, orientação e direcionamento profissional do público jovem, que ocorre desde 1997, na cidade de São Paulo. O evento tem como objetivo promover em único espaço um encontro entre empresas e instituições de ensino, que visam a juventude brasileira como o futuro do país, proporcionando a troca de informações que direcionam e ampliam a visão dos jovens acerca da formação e do crescimento profissional, além de promover entretenimento gratuito ao público. A Expo CIEE vem crescendo a cada ano, alcançando edições em outras cidades, como Goiânia, São José dos Campos, Sorocaba e Fortaleza.

leia tudo sobre

Publicidade

O Linkedin não é para todos?

Por Márcia Catunda em Artigo

04 de novembro de 2019

contato@crismoutella.com.br

Tem profissionais que acham que o LinkedIn não é para todos. Quem? Aqueles que acreditam que são para o LinkedIn. São pessoas que se sentem excluídas, estão na zona de conforto, felizes com o que tem, com visão limitada do futuro e/ou sem grana para investir na carreira.

Mas quem disse que não é POSSÍVEL?

Ninguém tem o poder de rebaixar ninguém. Essa sensação de se sentir “por baixo”, inferior aos demais, é sua. O fato de uma pessoa saber mais ou ter um cargo maior que o seu, não faz dela uma pessoa melhor nem pior. Há pessoas simples maravilhosas e executivos monstruosos.
A causa dessa sensação de inferioridade é baixa autoestima e pouca autoconfiança, o que se resolve com DESENVOLVIMENTO PESSOAL.

Aumentamos nossa AUTOESTIMA quando confiamos mais em nós mesmos. E AUTOCONFIANÇA a gente adquire com AUTOCONHECIMENTO, ou seja, conhecer a si próprio, do que você é capaz, onde é mais forte, trabalhando seus pontos fracos.

Adquirir novos CONHECIMENTOS e COMPETÊNCIAS também ajuda muito, pois além de trazer mais segurança, nos destaca no mercado de trabalho e nos diferencia de nossos concorrentes.

Como descobrir as COMPETÊNCIAS que eu preciso para ser contratada?

Vamos ver um caso genérico de um profissional hoje desempregado, cuja última função foi Auxiliar Administrativo. Já trabalhou com atendimento ao cliente e operações de caixa. Possui Ensino Médio e seu sonho é fazer uma faculdade de Administração. Possui conhecimentos médios de Office, inglês básico, é bem comunicativo e trabalha bem em equipe. Seu objetivo atual é atuar na área Administrava ou Atendimento ao Cliente, para poder pagar a faculdade.

Vamos desenvolver aqui um exemplo, que pode ser adaptado para qualquer cargo.

Com uma simples busca no Google, eu descubro que um Auxiliar Administrativo possui as seguintes responsabilidades:

• Conhecer a empresa onde trabalha e o que cada pessoa faz
• Receber correspondências e documentos
• Controlar as contas a pagar
• Emitir notas fiscais
• Preparar e encaminhar documentos e atas
• Tirar cópias
• Envira documentos para o departamento contábil e fiscal
• Atender telefonemas e esclarecer dúvidas
• Elaborar e apresentar relatórios financeiros e apresentações
• Organizar viagens, reuniões e eventos
• Coordenar as compras de materiais
• Elaborar orçamentos e controlar estoques
• Pagar contas e faturas
• Manter organizados arquivos e cadastros
• Sugerir novos métodos de trabalho

Que envolvem as seguintes competências:

• Atenção aos detalhes
• Capacidade de concentração
• Atendimento ao público
• Organização
• Solução de problemas
• Facilidade em lidar com tecnologia (computadores, celulares etc)
• Dinamismo/Agilidade
• Determinação
• Saber trabalhar sob pressão
• Saber guardar sigilo de informações confidenciais
• Administrar bem o tempo e saber priorizar tarefas
• Facilidade com números e cálculos
• Domínio das regras básicas do Português
• Boa comunicação, de forma clara e direta
• Habilidade de relacionamento com pessoas diferentes
• Facilidade de adaptação a mudanças (de ambientes, tarefas, pessoas)
• Boa memória
• Ser confiável, responsável e proativo (ter iniciativa)

Você já viu uma vaga tão detalhada assim? Não mesmo.

O que se espera do candidato é sempre muito mais do que está descrito em uma vaga. Cabe a você descobrir realmente o que a empresa quer e SE PREPARAR para conquistar a vaga. Mas antes, vamos falar sobre como adquirir as competências que você precisa.
Você precisa de TODAS essas competências para conquistar uma vaga? Também não.
Algumas você pode desenvolver, outras talvez nem seja necessárias naquela empresa, mas tudo irá depender do cargo, dos valores e da cultura da organização.

Como DESENVOLVER UMA NOVA COMPETÊNCIA?

A maneira mais eficiente é com TREINO. Quanto mais praticar, melhor fica. Se precisar começar do zero, leia sobre o assunto e faça cursos. Livros podem ser caros, mas há resumos online, alguns livros disponíveis para download e versões mais baratas para ser lido online. Você também pode tirar um tempo para ler os livros em uma biblioteca na própria livraria (algumas permitem).
Existem sites que oferecem cursos online gratuitos para tudo o que você possa imaginar. Destaquei vários no artigo Não tem mais desculpa! Atualize-se de graça. É só clicar e conferir.
Mas eu não ia deixar de destacar alguma competência, principalmente a que eu vejo que mais falta, o INGLÊS. Como assim, tem curso de graça de inglês e ainda por cima online? Tem. E de Espanhol, Italiano, francês, alemão… Conheça o Duolingo. Há outros, ok? Descubra.
Espere aí, Cris… Como vou aprender a ter concentração? A concentração melhora quando você treina também a memória. Experimente buscar no Google por “curso online gratuito” + memória ou qualquer outra palavra que você esteja buscando. Para a memória, também é bom fazer quebra-cabeças e jogar palavras cruzadas.
Agora só falta você descobrir as competências que precisa desenvolver e se dedicar a trabalhar nelas.

Use o LinkedIn para AJUDAR VOCÊ A SE RECOLOCAR

Agora que você já melhorou seu autoconhecimento e aumentou sua autoestima, vamos trabalhar o seu LinkedIn.
Seu currículo é a chave para ter um perfil que saiba apresentar suas qualificações e competências. Aprenda aqui a valorizar seu currículo.
Configure seu perfil de acordo com seu currículo e aproveite para mostrar um pouco mais sobre sua vida profissional, com recursos como colocar seu CV em pdf na seção Sobre, incluir fotos e documentos nas suas experiências, cadastrar seus projetos, trabalhos voluntários (se tiver) e cursos que você fez (inclusive os gratuitos).

Capriche na sessão Sobre: Como destacar o seu Resumo.

Tarefas semanais:

1. Veja as publicações e notícias. Curta e comente as que estão relacionadas à sua área de atuação e IGNORE as que não estão relacionadas ao seu objetivo.

2. Publique ou compartilhe algo relacionado à sua área de atuação. Sua rede precisa conhecer você e saber do que é profissionalmente capaz.

3. Consulte quem viu seu perfil e entre em contato, mas sem pedir emprego de primeira. É assim que começamos novos relacionamentos.

4. Adicione à sua rede profissionais da sua área de atuação, RH e headhunters. Siga, se preferir.

5. Quando novas conexões aceitarem você, envie uma mensagem personalizada de boas-vindas.

6. Procure por vagas.

7. Procure por empresas do seu interesse e siga.

8. Nessas empresas, procure por profissionais de RH e da sua área de atuação. Conecte-se com eles.

9. Siga empresas de RH e consultorias de recrutamento.

10. Vote nas competências das suas conexões e peça votos para as suas competências. Aprenda aqui Como aumentar suas chances de ser encontrado pelas suas competências.

11. Solicite recomendações das pessoas com quem você trabalhou. Recomende também.

12. Pelo menos uma vez por semana, atualize seu perfil. Mude algo na sessão Sobre, para seu perfil ser compartilhado com sua rede.

Fez tudo? Comece outra vez!
Investir na carreira dá trabalho. Procurar emprego também.
Mas ninguém vai fazer isso por você.

leia tudo sobre

Publicidade

VOCÊ JUSTIFICA OS SEUS ERROS OU APRENDE COM ELES?

Por Márcia Catunda em Artigo

02 de novembro de 2019

Por Eliabe Teófilo- Coach

Instagram: @eliabeteofilocoach

 

VOCÊ JUSTIFICA OS SEUS ERROS OU APRENDE COM ELES?

Se for para justificar os seus erros, aprenda com eles. Essa é a 5° lei da Autorresponsabilidade.

Sem dúvidas o erro é parte integrante do processo de aprendizagem e crescimento. Se não houver erro, não haverá aprendizado.
Muitas pessoas já debilitadas emocionalmente e acostumadas a ser criticadas, e até mesmo humilhadas, ao errar foram inconscientemente programadas para negar e fugir de seus erros, evitando tanto quanto possível, reconhecê-los, e assim, evitando se sentir mais uma vez diminuídas e inválidas

E como se livrar disso?

É necessário adquirimos uma nova crença: “não existem erros, apenas resultados”. Pessoas realizadas e autorresponsáveis acreditam de fato, que tudo de ruim que lhes acontece, não são erros, muito menos fracassos, são efeitos, são resultados. E para não colher os mesmos resultados, basta fazer diferente na próxima vez.
Einstein dizia: “Loucura é continuar fazendo a mesma coisa e esperar resultados diferentes”.

leia tudo sobre

Publicidade

Como o autoconhecimento pode potencializar a sua carreira?

Por Márcia Catunda em Artigo

16 de outubro de 2019

Guilherme Said- Cofundador e sócio da EASE Brasil

@guilhermesaidoficial

www.easebrasil.edu.br

Você já parou para pensar qual é a sua missão nessa vida? Por que você está aqui? E o seu trabalho, aquilo que você está fazendo hoje, está alinhado com os seus valores? Com aquilo que você é? Com aquilo que você quer cumprir?

Essas são apenas algumas perguntas de muitas que podem ser feitas no processo de autoconhecimento e planejamento da sua trajetória pessoal e profissional.

Assim, o autoconhecimento é essencial para você planejar a sua carreira e atingir os seus objetivos. Mas o que significa autoconhecimento? De forma simples e objetiva trata-se do aprofundamento que nós temos a respeito das nossas características, da nossa missão, nossa visão, nossas fortalezas e fraquezas. O que somos? Qual a nossa razão de ser nesse mundo? Onde eu quero chegar? Que projetos estariam adaptados à minha visão de mundo?

Diversos pesquisadores já buscaram entender por que existem pessoas de alta performance, que conseguem excelentes resultados, e outras que permanecem na mediocridade, ou seja, na média. Para muitos estudiosos, um dos principais comportamentos observados nas pessoas excelentes e acima da média é que elas possuem um elevado grau de autoconhecimento, com uma missão, uma visão e objetivos próprios bem definidos, e, em diversos casos, por escrito.

Lembro da história do psicólogo e psiquiatra austríaco Victor Frankl, que sobreviveu aos campos de concentração mais difíceis na época da segunda guerra mundial.

Resumidamente, ao ser levado para o campo de concentração, Frankl inicialmente decidiu que teria 3 grandes metas a serem atingidas naquele ambiente de terror: 1) Sobreviver; 2) Utilizar suas habilidades médicas para ajudar os outros e 3) Tentar aprender alguma coisa. Nessa busca por conhecimento, o médico observou que, de todos os prisioneiros, os que melhor conservavam o autodomínio e a sanidade eram aqueles que tinham um forte senso de dever, de missão e uma visão de futuro específica. Ele percebeu que o ser humano seria capaz de passar pelo mais intenso sofrimento quando tivesse uma razão e um por que viver. Enfim, a ausência de significado, de sentido para a vida, seria a principal causa de muitas doenças, depressões e problemas vividos pela humanidade.

Após 3 anos de prisão, Victor Frankl foi libertado em abril de 1945, com 40 anos e 25 quilos. Após saber da morte dos seus familiares e da sua esposa, aumentando sobremaneira o seu sofrimento, sistematizou uma teoria psicanalítica – a Logoterapia –, baseada nas suas experiências e reflexões no campo de concentração, que revolucionou as ciências humanas que buscavam compreender o ser humano e suas neuroses.

Todos nós passamos, também, pelos nossos “campos de concentração”. Muitas vezes precisamos chegar no fundo, para subir com força para o alto. No processo de planejamento de carreira, é preciso colocar isso em mente e saber que a vida não segue um padrão pré-determinado, e as situações não irão sempre ocorrer como tínhamos previsto.

Dessa forma, é preciso planejar e criar a sua visão de longo prazo, porém comportamentos como flexibilidade, resiliência e abertura ao novo são essenciais para a construção de um futuro de prosperidade.

Assim ocorre com as empresas e com as pessoas.

Vamos praticar?

 

 

leia tudo sobre

Publicidade

A importância de se vestir bem no ambiente de trabalho

Por Márcia Catunda em Artigo

13 de outubro de 2019

Por Ana Carolina- Personal Stylist / Consultora de Imagem e Estilo
Instagram @stylistanapersonal

 

Suas roupas passam uma mensagem, você querendo ou não.
E é preciso ficar atenta/o à sua imagem para ir ao trabalho.

E o que é imagem?
Imagem é a representação visual de uma pessoa, ou seja, o que você veste, usa, o que você fala e o que você faz.

E o que vestir para ir trabalhar?
Por que me preocupar com isso?

Porque existe um código de vestimenta que tem o objetivo de ordenar e padronizar o visual para as diferentes ocasiões, sejam elas profissionais ou sociais, o Dress Code.

Esses códigos de vestuário são usados no ambiente de trabalho por diversas razões. Uma delas é para comunicar uma imagem corporativa mais séria e facilitar a sua identificação por parte dos clientes, e às vezes, níveis hierárquicos.

No caso de empresas que não fazem uso do uniforme, é imprescindível que os funcionários observem os colegas e o padrão interno.

As mulheres devem ter uma atenção especial ao se vestir, para evitar situações desagradáveis. Não use peças muito chamativas que atraiam a atenção para seu corpo.
Evite: decotes profundos, roupas de festa, shorts e vestidos curtos, qualquer roupa com apelo sensual,
transparências, sutiã aparecendo, roupas justas ou que exibam pele demais. Evite, usar sandálias de tiras fininhas, misturar tons dourados ou prateados.
Exageros como esmaltes muito forte, maquiagem muito pesada ou perfumes muito marcantes são deselegantes.
Tatuagens e piercings à mostra, devem receber uma atenção especial para que não haja problemas futuros.

Para não errar, o decote deve estar na linha da axila. Saias podem ser até quatro dedos acima dos joelhos, embora cobri-los, seja o mais adequado. Calças mais soltas, que não marquem ou apareça a calcinha.
Opte por brincos pequenos ou médios.
Se a roupa for discreta, é possível usar sapatos coloridos, de preferência os fechados.

Preze pelo equilíbrio, afinal, você está indo trabalhar, precisa mostrar seu profissionalismo, não seu corpo.

Para os homens, uma boa opção é calça de sarja e camisas de manga comprida, podendo tê-las dobradas.
Atenção as camisetas com desenhos, frases, furadas ou rasgadas, em número menor que o seu. A cueca não deve estar para fora da calça, aparecendo. Se for o caso, use um cinto, bem como evitar calças muito largas.
Jeans e camisas polo sem estampas e calças escuras, sem lavagens, são elegantes.
Se você usa barba, ela precisa ser bem feita, alinhada e limpa. O corte de cabelo também precisa estar em dia. E apare as unhas.
Quanto à calça jeans, evite lavagens, escolha o azul escuro.
Peças como sapatos mal engraxados, roupas desbotadas, descosturadas, com botões caindo, mal-passadas ou sujas causam uma imagem ruim.

Por que investir na consultoria de imagem pessoal ou de uma empresa?

Para você ou para as empresas, que tenham dificuldade em estabelecer seu estilo, que não sabe bem fazer as combinações corretas ou dress code de empresarial, contrate uma personal stylist e crie uma imagem e uma comunicação por meio das roupas, pois elas falam mais do que você imagina.

leia tudo sobre

Publicidade

Torne-se um Profissional Plural e seja desejado pelo mercado

Por Márcia Catunda em Artigo

04 de outubro de 2019

 

 

 

contato@crismoutella.com.br

 

De acordo com estudo da Ernst & Young, 5% dos empregos de hoje não existirão em 2025, mas novas funções surgirão. Já temos Business Partners, Cientistas de Dados, Gestores de Comunidade Digital, entre vários novos cargos, para mostrar que o mercado precisa e exige profissionais com conhecimentos cada vez mais amplos, criativos e inovadores. As empresas querem candidatos que entendam de muitos assuntos. E sim, temos que ser especialistas em várias áreas, assobiar, chupar cana, sorrir e mostrar resultados.

Quando chegou o Windows, muitos não acreditaram. Eu instalei em casa e comecei a me preparar para o futuro. O DOS já era (mesmo tendo me salvado várias vezes depois!). E assim foi com o Lotus, ERP, MS Office, VB, e-commerce e tudo o que aparecia pela frente, porque ninguém segura a inovação e eu não ia ficar só assistindo.Fiz isso com minha própria carreira por uma questão de sobrevivência. Quando me formei, nos anos 80, não tínhamos acesso à internet nem aos microcomputadores. Um ano depois, eu estava fazendo uma especialização em Análise de Sistemas porque não tinha como fugir.

No caminho, aprendi sobre negócios, marketing, pessoas, comunicação, finanças, produção, indústrias e serviços, o que me deu uma visão ímpar. Depois de um tempo, eu me intitulava uma Profissional Plural, uma forma de me vender em um mercado que buscava por especialistas. Minha defesa: sei tudo isso e ainda aprendo o que for preciso. Não ficava sem emprego.

Havia os especialistas, que entediam tudo de uma área, os generalistas, que faziam de tudo um pouco, mas não eram especialistas em nada, e eu, que me especializava em tudo que me metia. Até então, eu não conhecia ninguém igual a mim e nunca tinha ouvido ninguém chamar um profissional de “plural”. Mas eu me chamava rs.

Veio a década de 90, época em que os softwares substituíram as funções, aumentando a produtividade. Mas agora é diferente! Estamos na era dos softwares que operam máquinas e produzem, substituindo os trabalhadores. Quantas funções já deixaram de existir e não são feitas mais por humanos, mas por máquinas?

Um dos grandes desafios atuais do mercado de trabalho, então, é a necessidade do conhecimento interdisciplinar, não somente nos níveis operacionais, mas também para aqueles com determinado nível de especialização.

O que fazer?

Tornar-se um Profissional Plural (ou múltiplo), que consiga desenvolver habilidades da sua área relacionando-se com outras áreas e, assim, se diferenciar. Pessoas com aptidões para resolver problemas da empresa, envolvendo várias áreas e competências além das que os tornam especialistas na sua área. Profissionais prontos para assumir responsabilidades, resolver imprevistos e gerenciar mudanças. Quem não quer?

Como me tornar um Profissional Plural?

Ser um Profissional Múltiplo (ou Plural) tem a ver com ser curioso, prestativo, antenado às novidades e flexível às mudanças, mas tem muito a ver com estudar.

Estar sempre atento ao movimento do mercado, da sua área de atuação e do segmento onde atua. Captar as oportunidades de crescimento e investir nelas.

Um profissional focado em tarefas, muitas vezes não percebe o mundo que o cerca. Já um focado em resultados, não gosta de rotina, percebe as mudanças, adora um projeto novo, participa de atividades da empresa, ajuda um colega, trabalha em equipe e está sempre atento ao que acontece de novo.

Se eu fazia isso na década de 90, sem internet, imagine o que você pode fazer hoje com Ted, LinkedIn, Meet up, EAD, webnários, palestras, broadcast, podcast, Big Data, Data Science, Business Inteligence, dashboards, Duolingo, cursos online gratuitos e toda essa tecnologia à sua disposição?

A atualização constante, seja através de cursos, livros, jornais, blogs, vídeos, documentários, grupos ou eventos, permite que você aprofunde seus conhecimentos e se torne polivalente, com um olhar além dos demais.

Um profissional que acompanha as notícias e tem cultura geral está mais preparado para apresentar soluções, um diferencial nesse mercado que busca por profissionais múltiplos.

Fique atento à Transformação Digital

As empresas estão se adaptando ao mundo digital e quem não acompanhar vai ficar para trás. Para Hugo Tadeu, Coordenador do Programa de Transformação Digital da Fundação Dom Cabral, os profissionais devem ser curiosos e questionadores. “Ele não pode ter aquele sentimento de conformidade. Tem que buscar mais, ser crítico, entender de tecnologia, design e negócios.”, afirma.

 

Conhecimento não ocupa espaço e só torna você melhor a cada dia. Mais competitivo, múltiplo, multidisciplinar e plural.

 

leia tudo sobre

Publicidade

Olho na revisão, rumo à contratação!

Por Márcia Catunda em Artigo

01 de outubro de 2019

Larissa Castelo Branco

Revisora Textual e Consultora de Conteúdo

laari.bastos@gmail.com

 

 

A busca pela recolocação no mercado de trabalho é uma realidade para milhares de brasileiros, durante os processos seletivos, sempre há uma grande expectativa por parte dos candidatos e muitos destes se perguntam sobre o porquê de sua eliminação para uma etapa seguinte ou até mesmo por que a empresa nunca o chamou para uma entrevista e estas situações podem ser explicadas com um detalhe que por muitas vezes passa despercebido: os habituais erros de Português e de digitação nos currículos enviados.

Chega a ser delicado tocar neste tema, dada a realidade educacional do país, é necessário tratar esta questão com empatia, visto que cerca de 11,3 milhões de brasileiros são analfabetos ou possuem baixo conhecimento de Português e de suas regras básicas, um número alarmante tendo em vista as exigências do mercado. Outro fator a ser considerado é o uso desenfreado das redes sociais, cuja interação permite uma gama de abreviações e palavras escritas erroneamente – muitas vezes propositalmente – já que o linguajar na internet é livre e desprovido de julgamentos, o que pode acarretar em uma certa acomodação por parte do internauta, que acaba trazendo o vocabulário virtual para a vida real.

Vale lembrar o leitor da importância de um currículo sem falhas no Português: ele é um documento, o cartão de visita do candidato para a vaga almejada. Logo, é a partir dele que o recrutador analisará aspectos como: disciplina, concentração, experiência adquirida, escolaridade, dentre outros. Um currículo com erros de Português pode, por muitas vezes, representar o reflexo de um candidato displicente, descuidado ou até mesmo a imagem de alguém que ignora a formalidade de sua própria língua, podendo refletir isto no ambiente de trabalho, de forma verbal ou escrita, comprometendo os padrões empresariais estabelecidos para a excelência no atendimento ou prestação de serviços.

Cometer erros de Português no currículo é a forma mais comum de ser eliminado de um processo seletivo, ultrapassando fatores como a falta de experiência, distância e ausência de cursos complementares à formação profissional.  Portanto, é essencial ao candidato que ele esteja atento a detalhes como ortografia, regência, concordância e principalmente pontuação. É compreensível que haja dúvidas sobre a aplicação de cada um destes itens na elaboração do currículo, porém graças à tecnologia, existem plataformas online de revisão instantânea, assim como portais de consulta e Gramáticas disponibilizadas em versão digital, tudo ao alcance do candidato para que seu currículo seja atrativo aos olhos do recrutador e represente um diferencial em meio aos concorrentes.

leia tudo sobre

Publicidade

Olho na revisão, rumo à contratação!

Por Márcia Catunda em Artigo

01 de outubro de 2019

Larissa Castelo Branco

Revisora Textual e Consultora de Conteúdo

laari.bastos@gmail.com

 

 

A busca pela recolocação no mercado de trabalho é uma realidade para milhares de brasileiros, durante os processos seletivos, sempre há uma grande expectativa por parte dos candidatos e muitos destes se perguntam sobre o porquê de sua eliminação para uma etapa seguinte ou até mesmo por que a empresa nunca o chamou para uma entrevista e estas situações podem ser explicadas com um detalhe que por muitas vezes passa despercebido: os habituais erros de Português e de digitação nos currículos enviados.

Chega a ser delicado tocar neste tema, dada a realidade educacional do país, é necessário tratar esta questão com empatia, visto que cerca de 11,3 milhões de brasileiros são analfabetos ou possuem baixo conhecimento de Português e de suas regras básicas, um número alarmante tendo em vista as exigências do mercado. Outro fator a ser considerado é o uso desenfreado das redes sociais, cuja interação permite uma gama de abreviações e palavras escritas erroneamente – muitas vezes propositalmente – já que o linguajar na internet é livre e desprovido de julgamentos, o que pode acarretar em uma certa acomodação por parte do internauta, que acaba trazendo o vocabulário virtual para a vida real.

Vale lembrar o leitor da importância de um currículo sem falhas no Português: ele é um documento, o cartão de visita do candidato para a vaga almejada. Logo, é a partir dele que o recrutador analisará aspectos como: disciplina, concentração, experiência adquirida, escolaridade, dentre outros. Um currículo com erros de Português pode, por muitas vezes, representar o reflexo de um candidato displicente, descuidado ou até mesmo a imagem de alguém que ignora a formalidade de sua própria língua, podendo refletir isto no ambiente de trabalho, de forma verbal ou escrita, comprometendo os padrões empresariais estabelecidos para a excelência no atendimento ou prestação de serviços.

Cometer erros de Português no currículo é a forma mais comum de ser eliminado de um processo seletivo, ultrapassando fatores como a falta de experiência, distância e ausência de cursos complementares à formação profissional.  Portanto, é essencial ao candidato que ele esteja atento a detalhes como ortografia, regência, concordância e principalmente pontuação. É compreensível que haja dúvidas sobre a aplicação de cada um destes itens na elaboração do currículo, porém graças à tecnologia, existem plataformas online de revisão instantânea, assim como portais de consulta e Gramáticas disponibilizadas em versão digital, tudo ao alcance do candidato para que seu currículo seja atrativo aos olhos do recrutador e represente um diferencial em meio aos concorrentes.