junho 2019 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

junho 2019

O bate e assopra de Ciro em Lula e Bolsonaro

Por Wanfil em Política

27 de junho de 2019

De entrevista em entrevista, Ciro vai se mantendo em evidência. Imagem: arquivo Tribuna do Ceará

Ciro Gomes voltou a dizer, agora em entrevista concedida à Jovem Pan de São Paulo, que Lula foi condenado sem provas, apesar de não ser inocente. Para não deixar dúvidas, foi enfático: “Se alguém sabe que o Lula não tem nada de inocente, sou eu”.

Repetiu ainda que o presidente da República não termina o mandato, mas dessa vez tratou de avisar: “Quem falar ‘fora Bolsonaro’ não conte comigo”.

Parece contraditório, mas o discurso recorrente tem sua razão de ser. É uma forma de trabalhar a imagem do esquerdista sem vínculos com os crimes de Lula e do oposicionista combativo dentro das regras democráticas.

Se vai dar certo, é impossível prever. Dizer que sabia sobre a culpa de Lula depois que o ex-presidente foi condenado e preso é algo que poderá ser usado contra o pedetista. São riscos próprios da política que ele conhece bem. Aliás, como diria Ciro, repare bem: foi essa a estratégia de Bolsonaro nos anos que antecederam sua eleição.

O fato é que de declaração em declaração, de entrevista em entrevista, de polêmica em polêmica, Ciro vai se mantendo em evidência, enquanto seus adversários no campo da oposição somem no esquecimento.

Publicidade

Camilo anuncia operação tapa-buraco: “Importante dizer que não se trata de tapa-buraco”

Por Wanfil em Ceará

26 de junho de 2019

Buracos: apesar dos anúncios, eles sempre voltam, num eterno retorno

O Governo do Ceará anunciou obras de recuperação de estradas que ficaram criticamente esburacadas após o incrível fenômeno das chuvas. Serão R$ 153 milhões para refazer, em seis meses, 57 trechos, que totalizam 1.646,89 km.

Segundo o governador Camilo Santana, em live no Facebook, é “importante dizer que não se trata de tapa-buraco”.

Desde outras gestões esses anúncios sempre são muito parecidos, incluindo nesse rol as estradas federais. São milhões gastos e milhares de quilômetros refeitos, ano após ano. Tudo devidamente registrado nas campanhas eleitorais como prova de competência, embora a frequência com que essas operações se repetem devessem desabonar a capacidade gerencial dos responsáveis. Para a Confederação Nacional dos Transportes, uma estrada nova deveria durar de 8 a 12 anos.

Pois é. Vamos ter que esperar o próximo inverno para saber que esses trechos realmente foram reconstruídos com pavimentação de maior durabilidade ou se continuam, até prova em contrário, dentro do tradicional modelo tapa-buraco de sempre.

Publicidade

PT me convence a defender privatização da Petrobras no Ceará

Por Wanfil em Economia

17 de junho de 2019

Cuidando da Petrobras: Sérgio Gabrielli, Dilma Rousseff e Paulo Roberto Costa (delator do Petrolão) – Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

A Comissão de Indústria, Comércio, Turismo e Serviços da Assembleia Legislativa do Ceará realizou nesta segunda-feira (17) uma audiência pública contra a privatização da Lubnor, empresa subsidiária da Petrobras com sede em Fortaleza que produz asfalto e lubrificantes.

Entre os convidados para o evento, solicitado pelo deputado Moisés Braz (PT), destaque para  José Sérgio Gabrielli, o ex-presidente da Petrobras entre 2005 e 20012.

Nesse período, José Sérgio Gabrielli:

– Garantiu as promessas de uma refinaria da Petrobras no Ceará feitas aos cearenses por Lula e Dilma (em abril de 2010, ano eleitoral, Lula e Gabrielli são mostrados em propaganda oficial do Governo do Ceará falando sobre as maravilhas do projeto que nunca chegou perto de sair do papel);

– comprou a refinaria de Pasadena, nos EUA, no pior negócio da história do capitalismo (os belgas da Astra Oil adquiriram a refinaria por US$ 42,5 milhões e a revenderam em seguida para a Petrobras, que acabou desembolsando US$1,2 bilhão pela sucata);

– viu a Lava Jato revelar o Petrolão. A operação recuperou mais de R$ 1 bilhão desviado da empresa por diversos partidos durante os governos do PT.

Com esse histórico, se agora Sérgio Gabrielli diz que a privatização da Lubnor é ruim para o Ceará, é porque deve ser boa.

Publicidade

O efeito hacker: Conversas privadas entre juízes, procuradores, advogados e réus sob suspeita

Por Wanfil em Judiciário

13 de junho de 2019

O vazamento de conversas entre o procurador Deltan Dallagnol, da Lava Jato, e o ex-juiz Sérgio Moro, tem implicações que ainda não foram devidamente exploradas. Ainda é cedo para certezas absolutas e muitas dúvidas ainda pairam no ar sobre esse material, aparentemente seletivo e editado, que não foi (se é que será), para efeito legal, periciado.

E a que implicações me refiro? Ora, ao clima de suspeição generalizado que se instalou sobre as relações entre operadores do direito e o mundo político. Me acompanhem: os diálogos vazados soam inapropriados porque juízes precisam manter equidistância das partes e dos réus. Certo? Certo. Pois bem, o que dizer então, por exemplo, hipoteticamente, de advogados de prefeitos cassados em audiências privadas em um Tribunal de Justiça? Sobre o que falariam? Futebol?

Ou mais ainda: imagine um político enrolado com a Justiça contratando um escritório advocatício que tem em seus quadros a esposa ou o filho de um magistrado que poderia influenciar na ação? Ou talvez, vejam só, parentes de um desembargador ocupando cargo de confiança em governos? Não seria tudo isso inapropriado também? Claro que sim. E vou além.

Amizades pessoais entre advogados renomados (e caríssimos) e ministros de instâncias superiores, pode? Contratação de parentes de políticos em gabinetes judiciais, pode? Jantares, eventos, confraternizações em que magistrados e chefes do Executivo ou membros do Legislativo, que possuem ações tramitando ao alcance desses mesmos juízes, pode? Todos sabem que o magistrado pode se declarar impedido de atuar em certos casos por motivos de foro íntimo. Será que isso basta para garantir a efetiva imparcialidade?

É claro que essas hipóteses, bastante verossímeis  – para não irmos longe – aqui no Ceará, não configuram, a princípio, ilegalidades (menos no caso de nepotismo cruzado). Mas a questão é essa: se o excesso de proximidade entre as partes de um processo e representantes de instituições que deveriam ser independentes é a raiz da polêmica levantada pelas conversas vazadas ilegalmente, é forçoso um exame mais amplo das regras que orientam esses relacionamentos, especialmente em comarcas e instâncias que funcionam tão distantes dos holofotes da imprensa e do interesse de hackers.

Quem realmente tem disposição de ir até o fim nessa discussão? É só outra pergunta hipotética.

Publicidade

O efeito hacker: Conversas privadas entre juízes, procuradores, advogados e réus sob suspeita

Por Wanfil em Judiciário

13 de junho de 2019

O vazamento de conversas entre o procurador Deltan Dallagnol, da Lava Jato, e o ex-juiz Sérgio Moro, tem implicações que ainda não foram devidamente exploradas. Ainda é cedo para certezas absolutas e muitas dúvidas ainda pairam no ar sobre esse material, aparentemente seletivo e editado, que não foi (se é que será), para efeito legal, periciado.

E a que implicações me refiro? Ora, ao clima de suspeição generalizado que se instalou sobre as relações entre operadores do direito e o mundo político. Me acompanhem: os diálogos vazados soam inapropriados porque juízes precisam manter equidistância das partes e dos réus. Certo? Certo. Pois bem, o que dizer então, por exemplo, hipoteticamente, de advogados de prefeitos cassados em audiências privadas em um Tribunal de Justiça? Sobre o que falariam? Futebol?

Ou mais ainda: imagine um político enrolado com a Justiça contratando um escritório advocatício que tem em seus quadros a esposa ou o filho de um magistrado que poderia influenciar na ação? Ou talvez, vejam só, parentes de um desembargador ocupando cargo de confiança em governos? Não seria tudo isso inapropriado também? Claro que sim. E vou além.

Amizades pessoais entre advogados renomados (e caríssimos) e ministros de instâncias superiores, pode? Contratação de parentes de políticos em gabinetes judiciais, pode? Jantares, eventos, confraternizações em que magistrados e chefes do Executivo ou membros do Legislativo, que possuem ações tramitando ao alcance desses mesmos juízes, pode? Todos sabem que o magistrado pode se declarar impedido de atuar em certos casos por motivos de foro íntimo. Será que isso basta para garantir a efetiva imparcialidade?

É claro que essas hipóteses, bastante verossímeis  – para não irmos longe – aqui no Ceará, não configuram, a princípio, ilegalidades (menos no caso de nepotismo cruzado). Mas a questão é essa: se o excesso de proximidade entre as partes de um processo e representantes de instituições que deveriam ser independentes é a raiz da polêmica levantada pelas conversas vazadas ilegalmente, é forçoso um exame mais amplo das regras que orientam esses relacionamentos, especialmente em comarcas e instâncias que funcionam tão distantes dos holofotes da imprensa e do interesse de hackers.

Quem realmente tem disposição de ir até o fim nessa discussão? É só outra pergunta hipotética.