26/06/2019 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

26/06/2019

Camilo anuncia operação tapa-buraco: “Importante dizer que não se trata de tapa-buraco”

Por Wanfil em Ceará

26 de junho de 2019

Buracos: apesar dos anúncios, eles sempre voltam, num eterno retorno

O Governo do Ceará anunciou obras de recuperação de estradas que ficaram criticamente esburacadas após o incrível fenômeno das chuvas. Serão R$ 153 milhões para refazer, em seis meses, 57 trechos, que totalizam 1.646,89 km.

Segundo o governador Camilo Santana, em live no Facebook, é “importante dizer que não se trata de tapa-buraco”.

Desde outras gestões esses anúncios sempre são muito parecidos, incluindo nesse rol as estradas federais. São milhões gastos e milhares de quilômetros refeitos, ano após ano. Tudo devidamente registrado nas campanhas eleitorais como prova de competência, embora a frequência com que essas operações se repetem devessem desabonar a capacidade gerencial dos responsáveis. Para a Confederação Nacional dos Transportes, uma estrada nova deveria durar de 8 a 12 anos.

Pois é. Vamos ter que esperar o próximo inverno para saber que esses trechos realmente foram reconstruídos com pavimentação de maior durabilidade ou se continuam, até prova em contrário, dentro do tradicional modelo tapa-buraco de sempre.

Publicidade

Camilo anuncia operação tapa-buraco: “Importante dizer que não se trata de tapa-buraco”

Por Wanfil em Ceará

26 de junho de 2019

Buracos: apesar dos anúncios, eles sempre voltam, num eterno retorno

O Governo do Ceará anunciou obras de recuperação de estradas que ficaram criticamente esburacadas após o incrível fenômeno das chuvas. Serão R$ 153 milhões para refazer, em seis meses, 57 trechos, que totalizam 1.646,89 km.

Segundo o governador Camilo Santana, em live no Facebook, é “importante dizer que não se trata de tapa-buraco”.

Desde outras gestões esses anúncios sempre são muito parecidos, incluindo nesse rol as estradas federais. São milhões gastos e milhares de quilômetros refeitos, ano após ano. Tudo devidamente registrado nas campanhas eleitorais como prova de competência, embora a frequência com que essas operações se repetem devessem desabonar a capacidade gerencial dos responsáveis. Para a Confederação Nacional dos Transportes, uma estrada nova deveria durar de 8 a 12 anos.

Pois é. Vamos ter que esperar o próximo inverno para saber que esses trechos realmente foram reconstruídos com pavimentação de maior durabilidade ou se continuam, até prova em contrário, dentro do tradicional modelo tapa-buraco de sempre.