Warning: Use of undefined constant S3_URL - assumed 'S3_URL' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/tribu/public_html/blogs/wp-content/themes/2016_tribuna_blogs/functions.php on line 11
Caic Raimundo Gomes de Carvalho Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Caic Raimundo Gomes de Carvalho

Aula de descaso com o patrimônio público

Por Wanfil em Educação

17 de junho de 2015

O portal Tribuna do Ceará publicou matéria sobre a interdição, a mudança, o abandono, e posterior saque e depredação da escola Caic Raimundo Gomes de Carvalho, construída com dinheiro público no bairro Autran Nunes, em Fortaleza. Segundo a diretora da instituição, Eliene Sales, o prédio foi “condenado” pela Secretaria de Educação do Ceará e por isso as aulas passaram a ser ministradas em outro prédio alugado, com dinheiro público, no mesmo bairro. Prejuízo duplo ao contribuinte cearense.

Escola interditada vira alvo de saques. De quem é a culpa? Dos alunos que não é. (FOTO: Marianna Gomes/ Tribuna do Ceará)

Escola interditada vira alvo de saques. De quem é a culpa? Dos alunos que não é. (FOTO: Marianna Gomes/ Tribuna do Ceará)

A matéria foi sugerida por um leitor do site. Ao saber disso, a direção chegou a negar o problema, mas diante de fotos  (para ver mais clique aqui) limitou-se a dizer o seguinte: “Desde que saímos de lá, o que acontecer no antigo prédio não é mais nossa responsabilidade”.

De quem é então? Segundo a diretora, é da Secretaria de Educação. E o que diz a Secretaria? Vai abrir uma sindicância para apurar o caso? Não. Diz apenas que providenciará a vigilância do Caic e que fará uma reforma no prédio abandonado, porém, sem previsão de data. Fica o dito pelo não dito, como se tornou comum no Ceará.

Mau exemplo
A melhor forma de ensinar é pelo exemplo. Assim, a Secretaria de Educação dá uma triste lição de como não cuidar de uma escola pública. Menos mal que tenha optado pela transferência dos alunos antes que algo mais grave viesse a acontecer, mas a questão é saber como as coisas chegaram a esse ponto. É por isso que não se admite que o governo venha a propor mais impostos, quando resta evidente que as verbas sob seus cuidados são gastas assim.

Comoção
Comovido com a dificuldade desses gestores na educação em definir e COBRAR responsabilidades nesse episódio, vai aqui, de graça, uma lição de lógica básica:

1 – procurem saber se a interdição da escola aconteceu por a) falha no projeto; b) problemas na execução do projeto; c) falta de manutenção adequada; d) todas as opções;

2 – o prédio da escola estava sem vigilância por a) ausência de comunicação da escola sobre a data da mudança; b) falta de orientação da secretaria no trâmite da operação; c) descaso generalizado com o patrimônio público; d) todas as opções.

Pronto. Com as respostas a esses questionamentos, é possível abrir os devidos procedimentos administrativos para averiguar quem deve o que nessa história. Quando se trata de dinheiro público, para perdas por corrupção ou por incompetência, um boa punição ainda tem o seu valor pedagógico.

PS. É possível responsabilizar os larápios que roubaram a estrutura do prédio. Mas aí, convenhamos, é consequência e não causa do problema.

Publicidade

Aula de descaso com o patrimônio público

Por Wanfil em Educação

17 de junho de 2015

O portal Tribuna do Ceará publicou matéria sobre a interdição, a mudança, o abandono, e posterior saque e depredação da escola Caic Raimundo Gomes de Carvalho, construída com dinheiro público no bairro Autran Nunes, em Fortaleza. Segundo a diretora da instituição, Eliene Sales, o prédio foi “condenado” pela Secretaria de Educação do Ceará e por isso as aulas passaram a ser ministradas em outro prédio alugado, com dinheiro público, no mesmo bairro. Prejuízo duplo ao contribuinte cearense.

Escola interditada vira alvo de saques. De quem é a culpa? Dos alunos que não é. (FOTO: Marianna Gomes/ Tribuna do Ceará)

Escola interditada vira alvo de saques. De quem é a culpa? Dos alunos que não é. (FOTO: Marianna Gomes/ Tribuna do Ceará)

A matéria foi sugerida por um leitor do site. Ao saber disso, a direção chegou a negar o problema, mas diante de fotos  (para ver mais clique aqui) limitou-se a dizer o seguinte: “Desde que saímos de lá, o que acontecer no antigo prédio não é mais nossa responsabilidade”.

De quem é então? Segundo a diretora, é da Secretaria de Educação. E o que diz a Secretaria? Vai abrir uma sindicância para apurar o caso? Não. Diz apenas que providenciará a vigilância do Caic e que fará uma reforma no prédio abandonado, porém, sem previsão de data. Fica o dito pelo não dito, como se tornou comum no Ceará.

Mau exemplo
A melhor forma de ensinar é pelo exemplo. Assim, a Secretaria de Educação dá uma triste lição de como não cuidar de uma escola pública. Menos mal que tenha optado pela transferência dos alunos antes que algo mais grave viesse a acontecer, mas a questão é saber como as coisas chegaram a esse ponto. É por isso que não se admite que o governo venha a propor mais impostos, quando resta evidente que as verbas sob seus cuidados são gastas assim.

Comoção
Comovido com a dificuldade desses gestores na educação em definir e COBRAR responsabilidades nesse episódio, vai aqui, de graça, uma lição de lógica básica:

1 – procurem saber se a interdição da escola aconteceu por a) falha no projeto; b) problemas na execução do projeto; c) falta de manutenção adequada; d) todas as opções;

2 – o prédio da escola estava sem vigilância por a) ausência de comunicação da escola sobre a data da mudança; b) falta de orientação da secretaria no trâmite da operação; c) descaso generalizado com o patrimônio público; d) todas as opções.

Pronto. Com as respostas a esses questionamentos, é possível abrir os devidos procedimentos administrativos para averiguar quem deve o que nessa história. Quando se trata de dinheiro público, para perdas por corrupção ou por incompetência, um boa punição ainda tem o seu valor pedagógico.

PS. É possível responsabilizar os larápios que roubaram a estrutura do prédio. Mas aí, convenhamos, é consequência e não causa do problema.