Warning: Use of undefined constant S3_URL - assumed 'S3_URL' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/tribu/public_html/blogs/wp-content/themes/2016_tribuna_blogs/functions.php on line 11
Castelão Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Castelão

O verdadeiro legado da Copa para os cearenses

Por Wanfil em Ceará

23 de junho de 2016

Eles fizeram a festa, mas você ainda paga a conta

O Ceará quer refinanciar empréstimo junto ao BNDES. Eles fizeram a festa, mas é você quem a conta

O governo do Ceará quer refinanciar o empréstimo de R$ 351 milhões de reais feito ao BNDES em 2010 para a reforma do estádio Castelão. Na época, de nada adiantou a oposição reclamar da urgência do empréstimo, aprovado sem maiores discussões na Assembleia Legislativa, afinal, o País sediaria a “Copa das Copas” e o clima era de festa e confiança.

Pois bem. Depois da Copa vieram as pedaladas eleitoreiras de Dilma Rousseff (com o apoio entusiasmado dos governistas locais) e, passadas as eleições, a recessão derrubou os repasses federais para o Estado.

Agora o que resta aos cearenses pagar as parcelas da reformado Castelão. É dinheiro que agora faz falta, como prova o pedido de refinanciamento. Nem reforma do aeroporto, nem VLT ou metrô. Por enquanto, a dívida com o BNDES é o verdadeiro legado da Copa.

Publicidade

Quebraram o Castelão de novo. Qual a surpresa? (Ou: Que moral têm nossos cartolas e autoridades para criticar vândalos?)

Por Wanfil em Cultura

18 de outubro de 2015

Leio que torcedores do Fortaleza quebraram cadeiras do estádio Castelão por causa de mais uma frustração em campo. Não sou especialista em futebol, mas qualquer pessoa que acompanhe o noticiário percebe que o esporte, cada vez mais, degenera em brigas de torcida e escândalos financeiros, eventos mais comuns de serem notados nas páginas policiais ou políticas. De modo que isso não surpreende mais.

Sempre que depredações como a do Castelão acontecem, invariavelmente seguem-se os lamentos pela a selvageria e pela falta de respeito ao bem comum e aos espaços públicos. Estão certos, claro, mas em certa medida, tudo isso é previsível. Basta ver o ambiente que cerca o mundo do futebol.

Não existem mais jogadores que assumam a postura de referência para os torcedores, especialmente para as crianças. Aliás, a maioria dos principais craques acabam confundindo sucesso com ostentação, deslumbrados com seus contratos. Mas são, de todo modo, a matéria prima do espetáculo. São eles que se doam pra valer, que perdem a privacidade, que são vaiados e cobrados e por aí vai. Dos males, o menor.

Pior são os cartolas. Dirigentes da FIFA e da CBF estão presos. Isso basta para qualificar o negócio. São esses os que fazem as regras do jogo. Como confiar nisso? Eu, sinceramente, não dou um centavo a esse pessoal. Vamos adiante. No juiz, coitado, ninguém confia mesmo. NO Brasil, os estádios feitos para a “maior Copa de todos os tempos” são quase todos objeto de suspeitas de órgãos como o Ministério Público. Custaram aos cofres públicos muito mais do que similares na Europa. No Ceará, o governo fez o diabo (para usar uma expressão da moda) para engavetar uma CPI. São monumentos à prática do superfaturamento. Mas, vá lá, é a paixão nacional e a roubalheira sempre existiu, conformam-se os apaixonados pelo esporte. Isso, no entanto, contamina outras esferas.

Não justifica, mas…
A grande vítima, claro, é o bom torcedor. Sei que s maus torcedores são minoria, mas são muitos, em número suficiente para atrapalhar os demais. Deveriam ser banidos, mas além de sentirem-se à vontade para ignorar as regras por conta dos exemplos dos chefões do futebol, também apostam na impunidade. Isso não justifica a ação desses vândalos, porém, convenhamos, acaba por estimulá-los, infelizmente. E ninguém faz nada, por que ninguém quer fazer nada.

No final das contas, as cadeiras quebradas são o menor dos prejuízos nesse universo de negociatas. De fato, somos o país do futebol.

Publicidade

Notas soltas: Niemeyer amava curvas e Fidel as retas; inflação sobe e PIB cai; faculdades reprovadas e cotas raciais

Por Wanfil em Noticiário

07 de dezembro de 2012

Uma olhada no noticiário com breves comentários.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONFERE NOTA MÁXIMA PARA APENAS 27 INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR E 27% SÃO REPROVADAS

Bom, se as universidades são ruins agora, como ficarão com a substituição do mérito pela política de cotas raciais? Sejamos, entretanto, otimistas. Se o problema da má qualidade do ensino superior no Brasil piorar, pelo menos teremos um país menos desigual: a educação será de má qualidade para alunos do ensino básico, médio e superior, sem distinção.

INFLAÇÃO SOBE 0,6% EM NOVEMBRO E CHEGA A 5% EM 2012, DIZ IBGE

Quando o IBGE admite que a pressão inflacionária é uma realidade no Brasil perfeito de hoje (inflação é uma média cuja escolha dos produtos pode interferir no resultado final), é porque na prática (e no bolso), a coisa está ruim. Lembrando ainda que o PIB do ano foi um fiasco, fica claro que o repique não é resultado de excesso de demanda dos consumidores. Mas nem tudo está perdido. Inflação é imposto sobre os pobres. A vantagem, para o governo, é que os pobres não sabem disso até que lhes falte dinheiro para pagar os carnês de eletrodomésticos comprados em 36 vezes. Empurrar com a barriga, como vimos no PAC, é a essência do estilo Dilma de administrar. Se foi assim que ela chegou lá, por que haveria de fazer diferente agora?

CASTELÃO ESTÁ QUASE PRONTO PARA A INAUGURAÇÃO

Nem tudo é notícia ruim. O estádio Castelão está aí para provar e é preciso reconhecer o mérito de quem tornou esse sonho maravilhoso possível: eu e você, caro leitor. Sim, o difícil para a construção de uma obra dessas – cujo retorno me é difícil de ver – é o dinheiro. Como pagamos impostos pesados (voar de São Paulo para o Ceará é mais caro do que voar para a Argentina por causa do ICMS ), há dinheiro em caixa. E os gestores? Não fizeram mais do que a obrigação, não é?

FIDEL MANDA COROA DE FLORES PARA ENTERRO DE NIEMEYER

O que curvas e retas separam, a ideologia comunista reúne. Oscar Niemeyer – segundo clichê publicado em todos os textos jornalísticos sobre a morte do arquiteto – preferia “a beleza das curvas” em oposição à “linha reta, dura, inflexível criada pelo homem”. Já Fidel sempre preferiu a trajetória das linhas retas, que perfazem a eficiência dos pelotões de fuzilamento com os quais eliminou milhares de adversários. Apesar disso, eram amigos que se admiravam, que cultivavam o mesmo sonho da utopia em que retas e curvas poderiam viver em igualdade, a despeito das naturais diferenças entre os homens. Em Cuba, 18 mil criaturas que discordaram disso, morreram.

Publicidade

Notas soltas: Niemeyer amava curvas e Fidel as retas; inflação sobe e PIB cai; faculdades reprovadas e cotas raciais

Por Wanfil em Noticiário

07 de dezembro de 2012

Uma olhada no noticiário com breves comentários.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONFERE NOTA MÁXIMA PARA APENAS 27 INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR E 27% SÃO REPROVADAS

Bom, se as universidades são ruins agora, como ficarão com a substituição do mérito pela política de cotas raciais? Sejamos, entretanto, otimistas. Se o problema da má qualidade do ensino superior no Brasil piorar, pelo menos teremos um país menos desigual: a educação será de má qualidade para alunos do ensino básico, médio e superior, sem distinção.

INFLAÇÃO SOBE 0,6% EM NOVEMBRO E CHEGA A 5% EM 2012, DIZ IBGE

Quando o IBGE admite que a pressão inflacionária é uma realidade no Brasil perfeito de hoje (inflação é uma média cuja escolha dos produtos pode interferir no resultado final), é porque na prática (e no bolso), a coisa está ruim. Lembrando ainda que o PIB do ano foi um fiasco, fica claro que o repique não é resultado de excesso de demanda dos consumidores. Mas nem tudo está perdido. Inflação é imposto sobre os pobres. A vantagem, para o governo, é que os pobres não sabem disso até que lhes falte dinheiro para pagar os carnês de eletrodomésticos comprados em 36 vezes. Empurrar com a barriga, como vimos no PAC, é a essência do estilo Dilma de administrar. Se foi assim que ela chegou lá, por que haveria de fazer diferente agora?

CASTELÃO ESTÁ QUASE PRONTO PARA A INAUGURAÇÃO

Nem tudo é notícia ruim. O estádio Castelão está aí para provar e é preciso reconhecer o mérito de quem tornou esse sonho maravilhoso possível: eu e você, caro leitor. Sim, o difícil para a construção de uma obra dessas – cujo retorno me é difícil de ver – é o dinheiro. Como pagamos impostos pesados (voar de São Paulo para o Ceará é mais caro do que voar para a Argentina por causa do ICMS ), há dinheiro em caixa. E os gestores? Não fizeram mais do que a obrigação, não é?

FIDEL MANDA COROA DE FLORES PARA ENTERRO DE NIEMEYER

O que curvas e retas separam, a ideologia comunista reúne. Oscar Niemeyer – segundo clichê publicado em todos os textos jornalísticos sobre a morte do arquiteto – preferia “a beleza das curvas” em oposição à “linha reta, dura, inflexível criada pelo homem”. Já Fidel sempre preferiu a trajetória das linhas retas, que perfazem a eficiência dos pelotões de fuzilamento com os quais eliminou milhares de adversários. Apesar disso, eram amigos que se admiravam, que cultivavam o mesmo sonho da utopia em que retas e curvas poderiam viver em igualdade, a despeito das naturais diferenças entre os homens. Em Cuba, 18 mil criaturas que discordaram disso, morreram.