Cineclube Vila das Artes apresenta vida e obra de Sganzerla


Cineclube Vila das Artes apresenta vida e obra de Sganzerla

Sganzerla é considerado representante do ‘Cinema Marginal’, mas sempre renegou o rótulo, por isso em junho e julho as sessões trarão a descrição “Sganzerla – cinema sim, marginal não.”

Por Arimatéia Moura em Cinema

6 de junho de 2013 às 09:10

Há 6 anos
O cineasta brasileiro Rogério Sganzerla e sua obra são o tema das sessões do Cineclube Vila das Artes deste mês e do próximo

O cineasta brasileiro Rogério Sganzerla e sua obra são o tema das sessões do Cineclube Vila das Artes deste mês e do próximo (FOTO: Divulgação/Vila das Artes)

O cineasta brasileiro Rogério Sganzerla e sua obra são o tema das sessões do Cineclube Vila das Artes deste mês e do próximo. O artista vem sendo cada vez mais reconhecido no Brasil, e mesmo antes de produzir já mostrava interesse pela sétima arte, passando quatro anos escrevendo sobre cinema no jornal O Estado de São Paulo.

Sganzerla é considerado representante do ‘Cinema Marginal‘, mas sempre renegou o rótulo, por isso em junho e julho as sessões trarão a descrição “Sganzerla – cinema sim, marginal não.” A mostra se divide em dois momentos, sendo junho o mês em que serão exibidos filmes produzidos ou dirigidos pelo cineasta, e julho o mês em que a mostra traz filmes que falam da trajetória de Sganzerla.

Ele realizou seu primeiro curta-metragem, Documentário, em 1967 e seu primeiro longa no ano seguinte. Sganzerla faleceu em 2004 com uma vasta obra realizada e uma série de projetos inacabados ou nunca publicados.

As exibições acontecem todas as quartas-feiras, às 18h30, no auditório da Vila das Artes (Rua 24 de Maio, 1221 – Centro). As sessões são gratuitas e abertas ao público.

JUNHO

Dia 05 – Curtas -Metragens de Rogério Sganzerla
” Documentário” (1966), de Rogério Sganzerla. Ficção – 11 min
“Histórias Em Quadrinhos” (COMICS) (1969), de Rogério Sganzerla & Álvaro De Moya – documentário, 7 Min
“Brasil” (1981), de Rogério Sganzerla – documentário, 12 min
“B2” (2001), de Rogério Sganzerla e Sylvio Renoldi – documentário, 11 min
Dia 12 – “Sem essa, Aranha” (1970), de Rogério Sganzerla
Ficção, 96 min
Dia 19 – “O Signo do Caos” (2003), de Rogério Sganzerla.
Ficção – 80 min – 12 anos
Dia 26 – “O Bandido Da Luz Vermelha” (1968), de Rogério Sganzerla.
Ficção – 92 Min – 16 anos

JULHO

Dia 03 – “Luz nas Trevas – A volta do Bandido da Luz Vermelha” (2010) – de Helena Ignez e Ícaro Martins – 83 min – 14 anos
Dia 10 – “Elogio da Luz” (2003) de Joel Pizzini e Paloma Rocha,
Documentário, 54 min – Livre
Dia 17 – “Belair” (2009) de Bruno Safadi e Noa Bressane
Documentário – 80min – Livre
Dia 24 – Curtas-Metragens
“A Reinvenção da Rua” de Helena Ignez,
Documentário, 27 minutos, Montagem Rogério Sganzerla. Livre
“A Miss e o Dinossauro – Bastidores da Belair” (2005), de Helena Ignez, Documentário – 17 minutos – 16 anos
31/07 – “Horror Palace Hotel” (1978), de Jairo Ferreira – Codireção e montagem: Rogério Sganzerla
Documentário – 50 min – Livre

Publicidade

Dê sua opinião

Cineclube Vila das Artes apresenta vida e obra de Sganzerla

Sganzerla é considerado representante do ‘Cinema Marginal’, mas sempre renegou o rótulo, por isso em junho e julho as sessões trarão a descrição “Sganzerla – cinema sim, marginal não.”

Por Arimatéia Moura em Cinema

6 de junho de 2013 às 09:10

Há 6 anos
O cineasta brasileiro Rogério Sganzerla e sua obra são o tema das sessões do Cineclube Vila das Artes deste mês e do próximo

O cineasta brasileiro Rogério Sganzerla e sua obra são o tema das sessões do Cineclube Vila das Artes deste mês e do próximo (FOTO: Divulgação/Vila das Artes)

O cineasta brasileiro Rogério Sganzerla e sua obra são o tema das sessões do Cineclube Vila das Artes deste mês e do próximo. O artista vem sendo cada vez mais reconhecido no Brasil, e mesmo antes de produzir já mostrava interesse pela sétima arte, passando quatro anos escrevendo sobre cinema no jornal O Estado de São Paulo.

Sganzerla é considerado representante do ‘Cinema Marginal‘, mas sempre renegou o rótulo, por isso em junho e julho as sessões trarão a descrição “Sganzerla – cinema sim, marginal não.” A mostra se divide em dois momentos, sendo junho o mês em que serão exibidos filmes produzidos ou dirigidos pelo cineasta, e julho o mês em que a mostra traz filmes que falam da trajetória de Sganzerla.

Ele realizou seu primeiro curta-metragem, Documentário, em 1967 e seu primeiro longa no ano seguinte. Sganzerla faleceu em 2004 com uma vasta obra realizada e uma série de projetos inacabados ou nunca publicados.

As exibições acontecem todas as quartas-feiras, às 18h30, no auditório da Vila das Artes (Rua 24 de Maio, 1221 – Centro). As sessões são gratuitas e abertas ao público.

JUNHO

Dia 05 – Curtas -Metragens de Rogério Sganzerla
” Documentário” (1966), de Rogério Sganzerla. Ficção – 11 min
“Histórias Em Quadrinhos” (COMICS) (1969), de Rogério Sganzerla & Álvaro De Moya – documentário, 7 Min
“Brasil” (1981), de Rogério Sganzerla – documentário, 12 min
“B2” (2001), de Rogério Sganzerla e Sylvio Renoldi – documentário, 11 min
Dia 12 – “Sem essa, Aranha” (1970), de Rogério Sganzerla
Ficção, 96 min
Dia 19 – “O Signo do Caos” (2003), de Rogério Sganzerla.
Ficção – 80 min – 12 anos
Dia 26 – “O Bandido Da Luz Vermelha” (1968), de Rogério Sganzerla.
Ficção – 92 Min – 16 anos

JULHO

Dia 03 – “Luz nas Trevas – A volta do Bandido da Luz Vermelha” (2010) – de Helena Ignez e Ícaro Martins – 83 min – 14 anos
Dia 10 – “Elogio da Luz” (2003) de Joel Pizzini e Paloma Rocha,
Documentário, 54 min – Livre
Dia 17 – “Belair” (2009) de Bruno Safadi e Noa Bressane
Documentário – 80min – Livre
Dia 24 – Curtas-Metragens
“A Reinvenção da Rua” de Helena Ignez,
Documentário, 27 minutos, Montagem Rogério Sganzerla. Livre
“A Miss e o Dinossauro – Bastidores da Belair” (2005), de Helena Ignez, Documentário – 17 minutos – 16 anos
31/07 – “Horror Palace Hotel” (1978), de Jairo Ferreira – Codireção e montagem: Rogério Sganzerla
Documentário – 50 min – Livre