Crítica: 'Além da Escuridão - Star Trek' é uma aula de ficção científica e um presente aos fãs - Diversão


Crítica: ‘Além da Escuridão – Star Trek’ é uma aula de ficção científica e um presente aos fãs

Com efeitos 3D e um vilão ameaçador, J.J. Abrams faz uma continuação ainda melhor que o reinício da franquia em 2009

Por Thiago Sampaio em Cinema

13 de junho de 2013 às 16:45

Há 6 anos
STAR 1

Além da Escuridão – Star Trek (FOTO: Paramount/divulgação)

Após cinco gerações de seriados de TV, entre 1966 e 2005, e 10 longas-metragens, J.J. Abrams (criador da série de TV ‘Lost’) conseguiu a difícil missão de recontar com primor a saga “Star Trek” (ou Jornada nas Estrelas, como preferir…) do início, com novos atores, no longa de 2009. Mantendo os pés no chão, o cineasta mantém o alto nível nesta continuação, intitulada “Além da Escuridão – Star Trek” (Star Trek Into Darkness, 2013), que agrada em cheio aos fãs.

Trama

O capitão Kirk (Chris Pine) está em crise com a Frota Estelar após violar regras para salvar o amigo Spock (Zachary Quinto) da morte em um vulcão, em um planeta primitivo. Porém, ele retoma o comando da nave Enterprise para combater um mal maior: John Harrison (Benedict Cumberbatch), um renegado alterado geneticamente que busca uma vingança contra a Frota e comanda um misterioso plano que pode culminar em um caos no universo. Para isso, a tripulação precisa viajar para um planetóide, em beira de guerra, dentro do império Klingon.

Um dos principais méritos de J.J Abrams no longa de 2009 foi não se deslumbrar com as pirotecnias do cinema atual, mantendo o espírito da série dos anos 60, mas usando os recursos modernos como complemento.

Nesta continuação, mais uma vez ele não recorre às cenas de ação como fator principal, de modo que a tensão entre os personagens é o que move a trama. O espírito moleque e ousado de Kirk, a frieza “não humana” de Spock, a preocupação de McCoy (Karl Urban), a disciplina de Uhura (Zoe Saldana), a cordialidade de Sulu (John Cho)… é Star Trek que está em cena.

SATR 4

Além da Escuridão – Star Trek (FOTO: Paramount/divulgação)

Roteiro

Agora sem a necessidade de apresentar os personagens para a nova geração de espectadores, os roteiristas Roberto Orci, Alex Kurtzman e Damon Lindelof (os mesmos do longa de 2005) passeiam por várias vertentes características da série, como guerra e paz, lealdade, autoritarismo, corrupção, sexismo, etc. Tudo isso sem perder o bom humor através das tiradas de Kirk com as orelhas de Spock, o desconcertado Scotty (Simon Pegg), com espaço ainda para a peculiar relação entre Spock e Uhura.

E se o longa de 2009 também prima por ter criado uma linha tênue entre os acontecimentos da nova franquia e os do seriado de 1960, de modo que a aparição do Spock original, vivido por Leonard Nimoy, soa plausível, esta continuação segue o mesmo rumo.

STAR 2

Além da Escuridão – Star Trek (FOTO:Paramount/divulgação)

Desta vez, o roteiro traz mais presentes aos fãs com diversas referências, sendo a mais óbvia ao clássico Jornada nas Estrelas II – A Ira de Khan (1982). São muitos os momentos de êxtase para os nostálgicos de plantão, desde bordões ao retorno da trilha sonora de abertura, ausente no filme anterior.

Mas o fato de J.J Abrams ter os pés nos chão não significa que Além da Escuridão não seja grandioso. São muitas as cenas de ação, todas elas eficientes. Desde a movimentada sequencia inicial no planeta primitivo, passando pelo ataque de Kirk e John Harrison na nave do Almirante Marcus (o eterno Robocop, Peter Weller), até a sensacional luta-perseguição de Spock com o vilão no clímax, o cineasta mostra uma habilidade impressionante, contando com efeitos especiais cada vez mais eficientes.

STAR 3

Além da Escuridão – Star Trek (FOTO:Paramount/divulgação)

3D

Em tempos em que o mundo da luta está na moda, o cineasta mostra uma atenção extra nos muitos combates corporais, principalmente levando em conta o fato de John Harrison ter habilidades sobre-humanas.

Explosões de naves aos montes, lançamentos de corpos em pleno espaço sideral… A aventura está forte neste novo episódio. O recurso do 3D vai além de apenas jogar objetos no espectador e funciona bem no sentido de imersão na fantasia.

Elenco

Levando em conta que o foco está na relação entre Kirk e Spock, Chris Pine e Zachary Quinto mais uma vez mostram eficiência nos seus papéis. O primeiro, com a necessidade de lidar com a própria imaturidade em um cargo de liderança. O segundo, lutando contra a própria essência “sem sentimentos” e agindo em nome da razão, quando há muitas vertentes profundas ao redor.

SATR TREK 1

Além da Escuridão – Star Trek (FOTO:Paramount/divulgação)

 Mas o inglês Benedict Cumberbatch (do seriado “Sherlock”) rouba a cena, captando alguns trejeitos do vilão vivido por Ricardo Montalbán em A Ira de Khan, porém, ainda mais ameaçador.

Fazer um filme de ficção científica nos dias de hoje com qualidade acima da média não é uma missão fácil. E temos que reconhecer que J.J Abrams entende quando o assunto é agradar ao mundo nerd, tanto que agora vai assumir o sétimo “Star Wars” (Wars, não Trek, por favor não confundam), sob a patente da Disney. Sobre a nova franquia de Star Trek, só temos que desejar vida longa e próspera…

Termo vetor - segunda versão - DEITADA - 9

Publicidade

Dê sua opinião

Crítica: ‘Além da Escuridão – Star Trek’ é uma aula de ficção científica e um presente aos fãs

Com efeitos 3D e um vilão ameaçador, J.J. Abrams faz uma continuação ainda melhor que o reinício da franquia em 2009

Por Thiago Sampaio em Cinema

13 de junho de 2013 às 16:45

Há 6 anos
STAR 1

Além da Escuridão – Star Trek (FOTO: Paramount/divulgação)

Após cinco gerações de seriados de TV, entre 1966 e 2005, e 10 longas-metragens, J.J. Abrams (criador da série de TV ‘Lost’) conseguiu a difícil missão de recontar com primor a saga “Star Trek” (ou Jornada nas Estrelas, como preferir…) do início, com novos atores, no longa de 2009. Mantendo os pés no chão, o cineasta mantém o alto nível nesta continuação, intitulada “Além da Escuridão – Star Trek” (Star Trek Into Darkness, 2013), que agrada em cheio aos fãs.

Trama

O capitão Kirk (Chris Pine) está em crise com a Frota Estelar após violar regras para salvar o amigo Spock (Zachary Quinto) da morte em um vulcão, em um planeta primitivo. Porém, ele retoma o comando da nave Enterprise para combater um mal maior: John Harrison (Benedict Cumberbatch), um renegado alterado geneticamente que busca uma vingança contra a Frota e comanda um misterioso plano que pode culminar em um caos no universo. Para isso, a tripulação precisa viajar para um planetóide, em beira de guerra, dentro do império Klingon.

Um dos principais méritos de J.J Abrams no longa de 2009 foi não se deslumbrar com as pirotecnias do cinema atual, mantendo o espírito da série dos anos 60, mas usando os recursos modernos como complemento.

Nesta continuação, mais uma vez ele não recorre às cenas de ação como fator principal, de modo que a tensão entre os personagens é o que move a trama. O espírito moleque e ousado de Kirk, a frieza “não humana” de Spock, a preocupação de McCoy (Karl Urban), a disciplina de Uhura (Zoe Saldana), a cordialidade de Sulu (John Cho)… é Star Trek que está em cena.

SATR 4

Além da Escuridão – Star Trek (FOTO: Paramount/divulgação)

Roteiro

Agora sem a necessidade de apresentar os personagens para a nova geração de espectadores, os roteiristas Roberto Orci, Alex Kurtzman e Damon Lindelof (os mesmos do longa de 2005) passeiam por várias vertentes características da série, como guerra e paz, lealdade, autoritarismo, corrupção, sexismo, etc. Tudo isso sem perder o bom humor através das tiradas de Kirk com as orelhas de Spock, o desconcertado Scotty (Simon Pegg), com espaço ainda para a peculiar relação entre Spock e Uhura.

E se o longa de 2009 também prima por ter criado uma linha tênue entre os acontecimentos da nova franquia e os do seriado de 1960, de modo que a aparição do Spock original, vivido por Leonard Nimoy, soa plausível, esta continuação segue o mesmo rumo.

STAR 2

Além da Escuridão – Star Trek (FOTO:Paramount/divulgação)

Desta vez, o roteiro traz mais presentes aos fãs com diversas referências, sendo a mais óbvia ao clássico Jornada nas Estrelas II – A Ira de Khan (1982). São muitos os momentos de êxtase para os nostálgicos de plantão, desde bordões ao retorno da trilha sonora de abertura, ausente no filme anterior.

Mas o fato de J.J Abrams ter os pés nos chão não significa que Além da Escuridão não seja grandioso. São muitas as cenas de ação, todas elas eficientes. Desde a movimentada sequencia inicial no planeta primitivo, passando pelo ataque de Kirk e John Harrison na nave do Almirante Marcus (o eterno Robocop, Peter Weller), até a sensacional luta-perseguição de Spock com o vilão no clímax, o cineasta mostra uma habilidade impressionante, contando com efeitos especiais cada vez mais eficientes.

STAR 3

Além da Escuridão – Star Trek (FOTO:Paramount/divulgação)

3D

Em tempos em que o mundo da luta está na moda, o cineasta mostra uma atenção extra nos muitos combates corporais, principalmente levando em conta o fato de John Harrison ter habilidades sobre-humanas.

Explosões de naves aos montes, lançamentos de corpos em pleno espaço sideral… A aventura está forte neste novo episódio. O recurso do 3D vai além de apenas jogar objetos no espectador e funciona bem no sentido de imersão na fantasia.

Elenco

Levando em conta que o foco está na relação entre Kirk e Spock, Chris Pine e Zachary Quinto mais uma vez mostram eficiência nos seus papéis. O primeiro, com a necessidade de lidar com a própria imaturidade em um cargo de liderança. O segundo, lutando contra a própria essência “sem sentimentos” e agindo em nome da razão, quando há muitas vertentes profundas ao redor.

SATR TREK 1

Além da Escuridão – Star Trek (FOTO:Paramount/divulgação)

 Mas o inglês Benedict Cumberbatch (do seriado “Sherlock”) rouba a cena, captando alguns trejeitos do vilão vivido por Ricardo Montalbán em A Ira de Khan, porém, ainda mais ameaçador.

Fazer um filme de ficção científica nos dias de hoje com qualidade acima da média não é uma missão fácil. E temos que reconhecer que J.J Abrams entende quando o assunto é agradar ao mundo nerd, tanto que agora vai assumir o sétimo “Star Wars” (Wars, não Trek, por favor não confundam), sob a patente da Disney. Sobre a nova franquia de Star Trek, só temos que desejar vida longa e próspera…

Termo vetor - segunda versão - DEITADA - 9