Qual a diferença entre os bolos mole e Luiz Felipe? Conheça os bolos típicos de São João

FARTURA

Qual a diferença entre os bolos mole e Luiz Felipe? Conheça os bolos típicos de São João

Segundo o Sindpan, o mês de junho é o melhor do ano para as padarias, tanto no faturamento quanto na animação dos clientes

Por Tribuna do Ceará em Gastronomia

29 de junho de 2019 às 07:00

Há 3 semanas
Os bolos juninos na Casa do Bolo variam de R $ 20 a R$ 25 (FOTO: Reprodução)

Os bolos juninos na Casa do Bolo variam de R $ 20 a R$ 25 (FOTO: Reprodução)

Por Vitória Barbosa

Para muitos, festa junina é sinônimo de comidas típicas. No cardápio dessas festas, os bolos não podem faltar. Pé de moleque, milho, batata, macaxeira e grude. Esses são os principais sabores dos bolos juninos e os mais procurados.

Fábio Silva, proprietário da confeitaria Casa do Bolo, destacou que as vendas crescem 80% nesta época do ano. Entre os sabores oferecidos, o pé de moleque é o mais procurado, seguido do bolo de milho.

É o pé de moleque, também, o bolo mais difícil de se fazer, segundo Fábio. O preparo a partir da rapadura, ingrediente responsável por adoçar o bolo, requer que os boleiros façam, primeiramente, um mel com o doce. Em relação ao tempo de forneamento, ele é um dos bolos mais demorados.

Por outro lado, de acordo com o proprietário, o bolo de grude é o mais fácil de se fazer, por possuir poucos ingredientes. Na receita, se utiliza, apenas, açúcar, coco, goma, leite de coco e sal.

Os demais bolos possuem ingredientes de fácil acesso, como milho, queijo e coco. No entanto, sofrem variação de preço por conta da época do ano, ficando com valores mais altos.

O bolo mole também é outro sabor encontrado nas festas e, por vezes, se confunde com o bolo Luiz Felipe. Fábio explicou, no entanto, que o Luiz Felipe tem todo um diferencial no preparo e nos ingredientes. Além de leite, açúcar, farinha de trigo e ovos, o bolo precisa de leite de coco, queijo e manteiga especial.

“Costumamos dizer que todo Luiz Felipe é bolo mole, porém nem todo bolo mole é Luiz Felipe”, enfatizou.

Sobre a origem do nome do bolo, acredita-se que seja uma homenagem a Luiz Felipe, senhor de engenho no Nordeste, que adorava a receita feita pelas sinhás na época do Brasil colonial.

No restante do ano, geralmente as padarias vendem apenas o bolo de milho. Os outros continuam sendo vendidos por dois meses após o período junino. “Os demais ficam uns dois meses sendo produzidos apenas de quinta a sábado”, disse Fábio.

Para Lauro Martins, vice-presidente do Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria do Ceará (Sindipan-CE), o mês de junho é o melhor do ano para as padarias. “Além da melhora no faturamento, é um mês alegre e com movimento todos os dias”.

Segundo ele, os bolos típicos, na grande maioria das padarias, aumentam em volumes de produção, em média 300%. Em relação a maio, Lauro espera que as padarias tenham incremento nas vendas em torno de 15%.

Publicidade

Dê sua opinião

FARTURA

Qual a diferença entre os bolos mole e Luiz Felipe? Conheça os bolos típicos de São João

Segundo o Sindpan, o mês de junho é o melhor do ano para as padarias, tanto no faturamento quanto na animação dos clientes

Por Tribuna do Ceará em Gastronomia

29 de junho de 2019 às 07:00

Há 3 semanas
Os bolos juninos na Casa do Bolo variam de R $ 20 a R$ 25 (FOTO: Reprodução)

Os bolos juninos na Casa do Bolo variam de R $ 20 a R$ 25 (FOTO: Reprodução)

Por Vitória Barbosa

Para muitos, festa junina é sinônimo de comidas típicas. No cardápio dessas festas, os bolos não podem faltar. Pé de moleque, milho, batata, macaxeira e grude. Esses são os principais sabores dos bolos juninos e os mais procurados.

Fábio Silva, proprietário da confeitaria Casa do Bolo, destacou que as vendas crescem 80% nesta época do ano. Entre os sabores oferecidos, o pé de moleque é o mais procurado, seguido do bolo de milho.

É o pé de moleque, também, o bolo mais difícil de se fazer, segundo Fábio. O preparo a partir da rapadura, ingrediente responsável por adoçar o bolo, requer que os boleiros façam, primeiramente, um mel com o doce. Em relação ao tempo de forneamento, ele é um dos bolos mais demorados.

Por outro lado, de acordo com o proprietário, o bolo de grude é o mais fácil de se fazer, por possuir poucos ingredientes. Na receita, se utiliza, apenas, açúcar, coco, goma, leite de coco e sal.

Os demais bolos possuem ingredientes de fácil acesso, como milho, queijo e coco. No entanto, sofrem variação de preço por conta da época do ano, ficando com valores mais altos.

O bolo mole também é outro sabor encontrado nas festas e, por vezes, se confunde com o bolo Luiz Felipe. Fábio explicou, no entanto, que o Luiz Felipe tem todo um diferencial no preparo e nos ingredientes. Além de leite, açúcar, farinha de trigo e ovos, o bolo precisa de leite de coco, queijo e manteiga especial.

“Costumamos dizer que todo Luiz Felipe é bolo mole, porém nem todo bolo mole é Luiz Felipe”, enfatizou.

Sobre a origem do nome do bolo, acredita-se que seja uma homenagem a Luiz Felipe, senhor de engenho no Nordeste, que adorava a receita feita pelas sinhás na época do Brasil colonial.

No restante do ano, geralmente as padarias vendem apenas o bolo de milho. Os outros continuam sendo vendidos por dois meses após o período junino. “Os demais ficam uns dois meses sendo produzidos apenas de quinta a sábado”, disse Fábio.

Para Lauro Martins, vice-presidente do Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria do Ceará (Sindipan-CE), o mês de junho é o melhor do ano para as padarias. “Além da melhora no faturamento, é um mês alegre e com movimento todos os dias”.

Segundo ele, os bolos típicos, na grande maioria das padarias, aumentam em volumes de produção, em média 300%. Em relação a maio, Lauro espera que as padarias tenham incremento nas vendas em torno de 15%.