Confira dicas para trabalhar legalmente nos Estados Unidos

TRABALHE FORA

Confira dicas para trabalhar legalmente nos Estados Unidos

As oportunidades de trabalhar no País estão cada vez maiores

Por Lyvia Rocha em Carreira

30 de abril de 2016 às 06:00

Há 4 anos
O primeiro passo é tirar o visto americano (FOTO: Divulgação)

O primeiro passo é tirar o visto americano (FOTO: Divulgação)

A oportunidade de conseguir um estágio, realizar um cursos férias ou de trabalhar permanente nos Estados Unidos está aumentando a cada dia para os brasileiros. Pensando nisso, a consultoria imobiliária Elite International Realty, que fica em Miami, dirigida por Léo e Daniel Ickowicz preparou um guia para quem tem o desejo de ir a “Terra do Tio Sam”.

“Qualquer mudança requer um estudo apurado das viabilidades. Quando se trata de mudança de país, o estudo é complexo e envolve uma série de análises, como domínio do idioma e método de entrada no país desejado”, afirma Léo Ickowicz.

O processo burocrático para quem pretende se aventurar é demorado, mas não um bicho de sete cabeças. O primeiro passo quando se está prestes a sair do país de origem é providenciar a documentação exigida, já com uma programação definida da viagem.

Passo a passo

O primeiro documento necessário é um passaporte, seguido pela obtenção de um visto temporário de trabalho, que oferece a condição de estar dentro dos Estados Unidos por um período determinado no qual a atividade poderá ser exercida de forma legal. Existem diversos tipos de vistos, para imigrantes ou de trabalho, cada um com suas particularidades específicas.

Qualquer pessoa pode solicitar o visto de imigrante a fim de residir legalmente nos Estados Unidos, tendo ou não o intuito de procurar emprego. O interessado deverá estar atento às leis e procedimentos e saber se ele se enquadra nos requisitos desse visto.

O visto H-1B de trabalho, por exemplo, é destinado principalmente para a área técnica. Geralmente é custeado pela empresa que oferece a oportunidade de emprego. Para obtê-lo, é necessário ser licenciado em qualquer carreira e ter um diploma, que poderá ser requerido pela empresa. Tem duração média de três anos, podendo ser estendido, desde que não ultrapasse 6 anos.

O visto EB-5 garante a concessão do green card ao estrangeiro que fizer um aporte mínimo de US$ 500 mil (dólares) a ser aplicado em negócios novos, com capacidade de geração de pelo menos 10 empregos nos Estados Unidos.

A maioria dos interessados no green card são profissionais que procuram segurança para a família e oportunidade para seus filhos, pessoas de 30 a 40 anos que já tiveram contato com a cultura americana como estudantes e querem voltar a viver nos Estados Unidos.

Existem planos de intercâmbio para acadêmicos de qualquer tipo de instituição, pública ou privada, que muitas vezes possui convênios com universidades americanas, possibilitando um intercâmbio e até mesmo um estágio no país.

Outra maneira é sendo indicado para trabalhar em uma empresa americana, normalmente pelo mérito excepcional da pessoa. A empresa certamente auxiliará nos procedimentos que envolvem a obtenção de vistos e documentação necessária, simplificando o processo de imigração.

Programas como Au Pair são regulamentados pelo governo norte-americano e oferecidos apenas a candidatas do sexo feminino, que tenham entre 18 e 26 anos, com disponibilidade para ficar 12 meses nos Estados Unidos. Elas praticam o inglês e recebem uma remuneração, morando em casas de famílias para cuidar de crianças.

Trabalhar na Disney é o sonho de muita gente que pode exercer várias atividades dentro de hotéis e parques do complexo, incluindo área de alimentos e bebidas, entretenimento e mercadorias. O programa é realizado nas férias de verão do Brasil e alguns dos pré-requisitos são: ter no mínimo 18 anos de idade e inglês fluente.

Publicidade

Dê sua opinião

TRABALHE FORA

Confira dicas para trabalhar legalmente nos Estados Unidos

As oportunidades de trabalhar no País estão cada vez maiores

Por Lyvia Rocha em Carreira

30 de abril de 2016 às 06:00

Há 4 anos
O primeiro passo é tirar o visto americano (FOTO: Divulgação)

O primeiro passo é tirar o visto americano (FOTO: Divulgação)

A oportunidade de conseguir um estágio, realizar um cursos férias ou de trabalhar permanente nos Estados Unidos está aumentando a cada dia para os brasileiros. Pensando nisso, a consultoria imobiliária Elite International Realty, que fica em Miami, dirigida por Léo e Daniel Ickowicz preparou um guia para quem tem o desejo de ir a “Terra do Tio Sam”.

“Qualquer mudança requer um estudo apurado das viabilidades. Quando se trata de mudança de país, o estudo é complexo e envolve uma série de análises, como domínio do idioma e método de entrada no país desejado”, afirma Léo Ickowicz.

O processo burocrático para quem pretende se aventurar é demorado, mas não um bicho de sete cabeças. O primeiro passo quando se está prestes a sair do país de origem é providenciar a documentação exigida, já com uma programação definida da viagem.

Passo a passo

O primeiro documento necessário é um passaporte, seguido pela obtenção de um visto temporário de trabalho, que oferece a condição de estar dentro dos Estados Unidos por um período determinado no qual a atividade poderá ser exercida de forma legal. Existem diversos tipos de vistos, para imigrantes ou de trabalho, cada um com suas particularidades específicas.

Qualquer pessoa pode solicitar o visto de imigrante a fim de residir legalmente nos Estados Unidos, tendo ou não o intuito de procurar emprego. O interessado deverá estar atento às leis e procedimentos e saber se ele se enquadra nos requisitos desse visto.

O visto H-1B de trabalho, por exemplo, é destinado principalmente para a área técnica. Geralmente é custeado pela empresa que oferece a oportunidade de emprego. Para obtê-lo, é necessário ser licenciado em qualquer carreira e ter um diploma, que poderá ser requerido pela empresa. Tem duração média de três anos, podendo ser estendido, desde que não ultrapasse 6 anos.

O visto EB-5 garante a concessão do green card ao estrangeiro que fizer um aporte mínimo de US$ 500 mil (dólares) a ser aplicado em negócios novos, com capacidade de geração de pelo menos 10 empregos nos Estados Unidos.

A maioria dos interessados no green card são profissionais que procuram segurança para a família e oportunidade para seus filhos, pessoas de 30 a 40 anos que já tiveram contato com a cultura americana como estudantes e querem voltar a viver nos Estados Unidos.

Existem planos de intercâmbio para acadêmicos de qualquer tipo de instituição, pública ou privada, que muitas vezes possui convênios com universidades americanas, possibilitando um intercâmbio e até mesmo um estágio no país.

Outra maneira é sendo indicado para trabalhar em uma empresa americana, normalmente pelo mérito excepcional da pessoa. A empresa certamente auxiliará nos procedimentos que envolvem a obtenção de vistos e documentação necessária, simplificando o processo de imigração.

Programas como Au Pair são regulamentados pelo governo norte-americano e oferecidos apenas a candidatas do sexo feminino, que tenham entre 18 e 26 anos, com disponibilidade para ficar 12 meses nos Estados Unidos. Elas praticam o inglês e recebem uma remuneração, morando em casas de famílias para cuidar de crianças.

Trabalhar na Disney é o sonho de muita gente que pode exercer várias atividades dentro de hotéis e parques do complexo, incluindo área de alimentos e bebidas, entretenimento e mercadorias. O programa é realizado nas férias de verão do Brasil e alguns dos pré-requisitos são: ter no mínimo 18 anos de idade e inglês fluente.