Confira 10 dicas que vão te ajudar a garantir um emprego

RAIO-X DA EMPREGABILIDADE

Confira 10 dicas que vão te ajudar a garantir um emprego

Gerente de RH dá dicas para um bom currículo, uma boa entrevista, reputação de imagem, inclusive nas redes sociais, mudança de carreira e vocação

Por Tribuna do Ceará em Carreira

8 de novembro de 2019 às 07:00

Há 4 dias
É importante se preparar para garantir um emprego, diante da alta competitividade (Foto: Freepik)

É importante se preparar para garantir um emprego, diante da alta competitividade (Foto: Freepik)

Com a competitividade alta, qualquer esforço deve ser maximizado quando o assunto é vaga de emprego. Veja abaixo 10 tópicos, listados pela gerente de RH da UniCarioca, com orientação ao candidato, incluindo estudantes universitários, em diversos temas do universo da empregabilidade. Ela dá dicas para um bom currículo, uma boa entrevista, reputação de imagem, inclusive nas redes sociais, mudança de carreira e vocação.

1) 5 dicas do que o universitário e/ou recém-formado pode fazer para aumentar a sua empregabilidade:

A. Faça um currículo bem elaborado, objetivo, sem erros de português e de acordo com o perfil profissional. Ele precisa expressar de verdade o que representa o candidato;

B. Posicione-se nas redes sociais de forma coerente tanto no perfil profissional quanto no pessoal. Evite exageros e excesso de exposição;

C. Faça trabalho voluntário. É uma forma de mostrar seu potencial e encontrar oportunidades;

D. Construa e mantenha uma rede de contatos profissionais. Comece pelos seus colegas, professores e colaboradores da faculdade, amigos da família. Participe de eventos, feiras e palestras;

E. Conheça as principais técnicas de seleção utilizadas nas empresas, como entrevistas técnicas e por competências, dinâmica de grupo, pitch, estudo de caso e outras alternativas.

2) Planejamento da carreira:

A partir do Ensino Médio já é recomendável. Os estudantes estão chegando às universidades mais jovens, cheios de dúvidas e com muita pressão para o ingresso no mercado de trabalho.

Nessa fase, o recomendável é que o planejamento de carreiras comece a ser implementado por meio de atividades de autoconhecimento, de identificação de valores, de análise dos cenários e do entendimento que o mundo do trabalho pode ter um posicionamento de trajetórias profissionais em diferentes níveis da formação.

Dessa forma, o planejamento de carreira pode ter uma influência decisiva na vida acadêmica e profissional dos estudantes.

3) Empregabilidade X habilidades emocionais:

As habilidades socioemocionais (comunicação, relacionamento, capacidade de adaptação e de tomar decisões) são fundamentais para adaptação ao mundo nas próximas décadas. São elas que permitirão as pessoas se diferenciarem das máquinas. Por isso, quando desenvolvidas, passam a ser um diferencial nos profissionais dentro das organizações.

4) Redes sociais X reputação e recolocação no mercado de trabalho:

As empresas utilizam as redes sociais para buscar perfis profissionais e, com isso, fazem uma avaliação mais ampla. Dependendo da exposição e do comportamento, os pontos poderão ser a favor ou contra o candidato. Por esse motivo, alguns erros devem ser evitados tanto para quem está em busca de uma vaga quanto para quem já está atuando: fotos inadequadas; comentários negativos sobre empresas, líderes imediatos e colegas; postagem passeando em um lugar no horário de trabalho, entre outros cuidados.

As redes sociais precisam ser usadas como um espaço de oportunidade para divulgação de trabalhos, de conteúdos que valorizam o perfil e de interação com diversos profissionais.

5) Voluntariado como diferencial:

O trabalho voluntariado potencializa o currículo e aumenta o conhecimento e a chance de conseguir um emprego, pois as empresas valorizam os jovens que se dedicam a uma causa, que se comprometem, praticam a cidadania e demonstram responsabilidade.

6) Currículo de candidato com muita experiência:

Quando não se tem muita experiência, é importante colocar em destaque formação, idioma, intercâmbio e trabalho voluntariado, lembrando que o currículo deve expressar a verdade do candidato.

7) Principais erros e acertos das entrevistas de emprego:

Erros: Chegar atrasado, falta de informação básica sobre a empresa, falar mal dos empregos anteriores e de colegas de trabalho, atender celular, fumar, mascar chiclete, tentar ser íntimo da pessoa que está recrutando, falar gírias.

Acertos: Falar a verdade, vestir-se adequadamente (se possível, descubra o dress code da empresa), ter atitude, deixar o celular desligado ou no silencioso, ser discreto, ter boa comunicação.

8) Vocação X conjuntura econômica favorável ao ofício:

Acredito que o propósito tem mais a ver com o modelo mental deste século. Ele nos ajuda a focar naquilo que, de fato, é importante e nos faz feliz e, com isso, priorizamos e nos colocamos em uma realidade evolutiva, adaptativa e mutante.

9) Aliando universidade, trabalho, salário e experiência profissional:

A decisão de carreira precisa girar em torno do propósito. Uma remuneração menos competitiva, podendo ser agregada a benefícios, deslocamentos mais fáceis, aprendizado, possibilidade de crescimento e bom clima, poderá ser mais viável para ingressar numa empresa ou mudar para outra. No entanto, para isso, é importante fazer um planejamento financeiro e avaliar o melhor momento.

10) Mudança de carreira:

Mudar de carreira não significa que o profissional deverá deixar para trás tudo o que realizou. É importante analisar e descobrir o motivo real da mudança, que pode ser insatisfação, e não necessariamente a atividade que desempenha.

Não há erro em querer mudar. O profissional apenas precisa identificar seus sonhos, necessidades, habilidades, objetivos, pontos positivos e negativos dessa fase. E, se isso não for possível sozinho, o ideal é buscar profissionais especializados, que possam ajudar na condução desse processo de transformação e planejamento de carreira.

Publicidade

Dê sua opinião

RAIO-X DA EMPREGABILIDADE

Confira 10 dicas que vão te ajudar a garantir um emprego

Gerente de RH dá dicas para um bom currículo, uma boa entrevista, reputação de imagem, inclusive nas redes sociais, mudança de carreira e vocação

Por Tribuna do Ceará em Carreira

8 de novembro de 2019 às 07:00

Há 4 dias
É importante se preparar para garantir um emprego, diante da alta competitividade (Foto: Freepik)

É importante se preparar para garantir um emprego, diante da alta competitividade (Foto: Freepik)

Com a competitividade alta, qualquer esforço deve ser maximizado quando o assunto é vaga de emprego. Veja abaixo 10 tópicos, listados pela gerente de RH da UniCarioca, com orientação ao candidato, incluindo estudantes universitários, em diversos temas do universo da empregabilidade. Ela dá dicas para um bom currículo, uma boa entrevista, reputação de imagem, inclusive nas redes sociais, mudança de carreira e vocação.

1) 5 dicas do que o universitário e/ou recém-formado pode fazer para aumentar a sua empregabilidade:

A. Faça um currículo bem elaborado, objetivo, sem erros de português e de acordo com o perfil profissional. Ele precisa expressar de verdade o que representa o candidato;

B. Posicione-se nas redes sociais de forma coerente tanto no perfil profissional quanto no pessoal. Evite exageros e excesso de exposição;

C. Faça trabalho voluntário. É uma forma de mostrar seu potencial e encontrar oportunidades;

D. Construa e mantenha uma rede de contatos profissionais. Comece pelos seus colegas, professores e colaboradores da faculdade, amigos da família. Participe de eventos, feiras e palestras;

E. Conheça as principais técnicas de seleção utilizadas nas empresas, como entrevistas técnicas e por competências, dinâmica de grupo, pitch, estudo de caso e outras alternativas.

2) Planejamento da carreira:

A partir do Ensino Médio já é recomendável. Os estudantes estão chegando às universidades mais jovens, cheios de dúvidas e com muita pressão para o ingresso no mercado de trabalho.

Nessa fase, o recomendável é que o planejamento de carreiras comece a ser implementado por meio de atividades de autoconhecimento, de identificação de valores, de análise dos cenários e do entendimento que o mundo do trabalho pode ter um posicionamento de trajetórias profissionais em diferentes níveis da formação.

Dessa forma, o planejamento de carreira pode ter uma influência decisiva na vida acadêmica e profissional dos estudantes.

3) Empregabilidade X habilidades emocionais:

As habilidades socioemocionais (comunicação, relacionamento, capacidade de adaptação e de tomar decisões) são fundamentais para adaptação ao mundo nas próximas décadas. São elas que permitirão as pessoas se diferenciarem das máquinas. Por isso, quando desenvolvidas, passam a ser um diferencial nos profissionais dentro das organizações.

4) Redes sociais X reputação e recolocação no mercado de trabalho:

As empresas utilizam as redes sociais para buscar perfis profissionais e, com isso, fazem uma avaliação mais ampla. Dependendo da exposição e do comportamento, os pontos poderão ser a favor ou contra o candidato. Por esse motivo, alguns erros devem ser evitados tanto para quem está em busca de uma vaga quanto para quem já está atuando: fotos inadequadas; comentários negativos sobre empresas, líderes imediatos e colegas; postagem passeando em um lugar no horário de trabalho, entre outros cuidados.

As redes sociais precisam ser usadas como um espaço de oportunidade para divulgação de trabalhos, de conteúdos que valorizam o perfil e de interação com diversos profissionais.

5) Voluntariado como diferencial:

O trabalho voluntariado potencializa o currículo e aumenta o conhecimento e a chance de conseguir um emprego, pois as empresas valorizam os jovens que se dedicam a uma causa, que se comprometem, praticam a cidadania e demonstram responsabilidade.

6) Currículo de candidato com muita experiência:

Quando não se tem muita experiência, é importante colocar em destaque formação, idioma, intercâmbio e trabalho voluntariado, lembrando que o currículo deve expressar a verdade do candidato.

7) Principais erros e acertos das entrevistas de emprego:

Erros: Chegar atrasado, falta de informação básica sobre a empresa, falar mal dos empregos anteriores e de colegas de trabalho, atender celular, fumar, mascar chiclete, tentar ser íntimo da pessoa que está recrutando, falar gírias.

Acertos: Falar a verdade, vestir-se adequadamente (se possível, descubra o dress code da empresa), ter atitude, deixar o celular desligado ou no silencioso, ser discreto, ter boa comunicação.

8) Vocação X conjuntura econômica favorável ao ofício:

Acredito que o propósito tem mais a ver com o modelo mental deste século. Ele nos ajuda a focar naquilo que, de fato, é importante e nos faz feliz e, com isso, priorizamos e nos colocamos em uma realidade evolutiva, adaptativa e mutante.

9) Aliando universidade, trabalho, salário e experiência profissional:

A decisão de carreira precisa girar em torno do propósito. Uma remuneração menos competitiva, podendo ser agregada a benefícios, deslocamentos mais fáceis, aprendizado, possibilidade de crescimento e bom clima, poderá ser mais viável para ingressar numa empresa ou mudar para outra. No entanto, para isso, é importante fazer um planejamento financeiro e avaliar o melhor momento.

10) Mudança de carreira:

Mudar de carreira não significa que o profissional deverá deixar para trás tudo o que realizou. É importante analisar e descobrir o motivo real da mudança, que pode ser insatisfação, e não necessariamente a atividade que desempenha.

Não há erro em querer mudar. O profissional apenas precisa identificar seus sonhos, necessidades, habilidades, objetivos, pontos positivos e negativos dessa fase. E, se isso não for possível sozinho, o ideal é buscar profissionais especializados, que possam ajudar na condução desse processo de transformação e planejamento de carreira.