Confira dicas para uma negociação salarial bem-sucedida

DIÁLOGO

Confira dicas para uma negociação salarial bem-sucedida

O foco deve ser o bom senso e também um bom diálogo

Por Lyvia Rocha em Carreira

20 de abril de 2016 às 06:00

Há 4 anos
A negociação pode ser feita de forma amigável (FOTO: Divulgação)

A negociação pode ser feita de forma amigável (FOTO: Divulgação)

Algumas etapas no emprego são complicadas. A negociação do salário é uma delas. Para ajudar na orientação dos profissionais, a líder mundial em recrutamento executivo, a Michael Page, listou dicas que auxiliarão a lidar com a negociação de sucesso.

Segundo a gerente-executiva da empresa, Patricia Tourinho, o candidato deve se mostrar, calmo e coerente ao entrevistador. “Compreender o cenário macroeconômico, ter clareza nos seus objetivos de carreira e ser realista na pedida salarial podem fazer a diferença no processo de seleção”, analisa.

1 – Foco no projeto

Na primeira entrevista ou no primeiro contato com o headhunter, tenha como foco o projeto e o escopo de trabalho para aquela posição. Não inicie uma entrevista perguntando sobre salário e pacote de benefícios. Prefira discorrer sobre as suas competências técnicas e experiências anteriores, evidenciando que está preparado para uma movimentação.

2 – Sem pressão

Durante o processo seletivo, não pressione o interlocutor/recrutador apressando a abordagem do tema remuneração. Seja paciente e espere o momento adequado para tratar do assunto. Normalmente, a remuneração “entra em cena” ao final das entrevistas ou dos processos seletivos.

3 – Dinheiro não é tudo

Ao avaliar uma proposta de trabalho, o executivo deve ter em mente que dinheiro não é o único critério ou diferencial em uma movimentação. Porém, é importante avaliar o assunto com cautela, afinal mesmo tendo grande interesse no projeto, uma remuneração mal formatada pode fazer com que a posição deixe de ser interessante, ocasionando uma nova movimentação, muitas vezes precipitada

Faça uma análise realista: quais são seus custos fixos e quanto custa sua vida diária. Uma boa dica de chegar nesses números é avaliar seu histórico como consumidor: custos fixos como aluguel, escola das crianças (para quem tem filhos), além de valores gastos com saúde e alimentação.

Somente conhecendo muito bem essas informações será possível definir a remuneração adequada para o cargo e avaliar se mesmo abaixo da sua remuneração atual ela segue sendo do seu interesse.

4 – Avaliação integral da remuneração

Entenda por remuneração o pacote anual oferecido pela companhia. O salário deve ser avaliado integralmente. Atente-se ao pacote completo de benefícios e avalie a remuneração total atrelada à posição, inclusive, o variável proposto.

Importante também ter atenção com o descritivo de como a remuneração variável poderá ser atingida. Metas claras trazem segurança à proposta e evitam que o cumprimento dos objetivos esteja completamente atrelado ao resultado da companhia, muitas vezes afetado pelo cenário desfavorável.

5 – Tenha bom senso

Mantenha os pés no chão quando o assunto é calcular incremento salarial. Mesmo após chegar à conclusão que sua remuneração está desatualizada, ou fora das práticas comuns de mercado, não espere receber a diferença total do que pretende em uma única movimentação.

Pesquisar a remuneração de seus pares no mercado pode te dar um parâmetro. Existem sites especializados na internet, que podem ajudar na hora de entender mais sobre o assunto.

6 – Transparência

Seja responsável, transparente e atencioso ao abordar o tema remuneração durante o processo de entrevistas. Esse assunto deve ser tratado de forma aberta e natural. Informe ao recrutador qual é seu pacote atual. A transparência neste quesito vai ajudar seu futuro empregador a elaborar uma proposta coerente.

Uma boa dica para abordar o assunto é verificar se a companhia tem definida uma faixa de remuneração atrelada ao cargo que está concorrendo. Com essa resposta fica mais fácil entender se o seu enquadramento pretendido é viável.

Publicidade

Dê sua opinião

DIÁLOGO

Confira dicas para uma negociação salarial bem-sucedida

O foco deve ser o bom senso e também um bom diálogo

Por Lyvia Rocha em Carreira

20 de abril de 2016 às 06:00

Há 4 anos
A negociação pode ser feita de forma amigável (FOTO: Divulgação)

A negociação pode ser feita de forma amigável (FOTO: Divulgação)

Algumas etapas no emprego são complicadas. A negociação do salário é uma delas. Para ajudar na orientação dos profissionais, a líder mundial em recrutamento executivo, a Michael Page, listou dicas que auxiliarão a lidar com a negociação de sucesso.

Segundo a gerente-executiva da empresa, Patricia Tourinho, o candidato deve se mostrar, calmo e coerente ao entrevistador. “Compreender o cenário macroeconômico, ter clareza nos seus objetivos de carreira e ser realista na pedida salarial podem fazer a diferença no processo de seleção”, analisa.

1 – Foco no projeto

Na primeira entrevista ou no primeiro contato com o headhunter, tenha como foco o projeto e o escopo de trabalho para aquela posição. Não inicie uma entrevista perguntando sobre salário e pacote de benefícios. Prefira discorrer sobre as suas competências técnicas e experiências anteriores, evidenciando que está preparado para uma movimentação.

2 – Sem pressão

Durante o processo seletivo, não pressione o interlocutor/recrutador apressando a abordagem do tema remuneração. Seja paciente e espere o momento adequado para tratar do assunto. Normalmente, a remuneração “entra em cena” ao final das entrevistas ou dos processos seletivos.

3 – Dinheiro não é tudo

Ao avaliar uma proposta de trabalho, o executivo deve ter em mente que dinheiro não é o único critério ou diferencial em uma movimentação. Porém, é importante avaliar o assunto com cautela, afinal mesmo tendo grande interesse no projeto, uma remuneração mal formatada pode fazer com que a posição deixe de ser interessante, ocasionando uma nova movimentação, muitas vezes precipitada

Faça uma análise realista: quais são seus custos fixos e quanto custa sua vida diária. Uma boa dica de chegar nesses números é avaliar seu histórico como consumidor: custos fixos como aluguel, escola das crianças (para quem tem filhos), além de valores gastos com saúde e alimentação.

Somente conhecendo muito bem essas informações será possível definir a remuneração adequada para o cargo e avaliar se mesmo abaixo da sua remuneração atual ela segue sendo do seu interesse.

4 – Avaliação integral da remuneração

Entenda por remuneração o pacote anual oferecido pela companhia. O salário deve ser avaliado integralmente. Atente-se ao pacote completo de benefícios e avalie a remuneração total atrelada à posição, inclusive, o variável proposto.

Importante também ter atenção com o descritivo de como a remuneração variável poderá ser atingida. Metas claras trazem segurança à proposta e evitam que o cumprimento dos objetivos esteja completamente atrelado ao resultado da companhia, muitas vezes afetado pelo cenário desfavorável.

5 – Tenha bom senso

Mantenha os pés no chão quando o assunto é calcular incremento salarial. Mesmo após chegar à conclusão que sua remuneração está desatualizada, ou fora das práticas comuns de mercado, não espere receber a diferença total do que pretende em uma única movimentação.

Pesquisar a remuneração de seus pares no mercado pode te dar um parâmetro. Existem sites especializados na internet, que podem ajudar na hora de entender mais sobre o assunto.

6 – Transparência

Seja responsável, transparente e atencioso ao abordar o tema remuneração durante o processo de entrevistas. Esse assunto deve ser tratado de forma aberta e natural. Informe ao recrutador qual é seu pacote atual. A transparência neste quesito vai ajudar seu futuro empregador a elaborar uma proposta coerente.

Uma boa dica para abordar o assunto é verificar se a companhia tem definida uma faixa de remuneração atrelada ao cargo que está concorrendo. Com essa resposta fica mais fácil entender se o seu enquadramento pretendido é viável.