Barra do Ceará tem maior população jovem de Fortaleza


Barra do Ceará tem a maior população jovem de Fortaleza

Quanto à educação, a pesquisa indica que apenas 37,2% dos jovens de Fortaleza são estudantes, enquanto que 61% não estudavam, mas já haviam estudado e concluído algum nível escolar

Por Hayanne Narlla em Ceará

23 de abril de 2013 às 20:08

Há 7 anos

Um estudo realizado com a população jovem de Fortaleza demonstrou que a cidade possuía 718.613 pessoas no grupo etário de 15 a 29 anos de idade. O total representa 29,3% da população fortalezense e 28,8% do total de jovens do estado. O levantamento foi realizado pelo Ipece, com base no Censo Demográfico realizado em 2010.

De acordo com o estudo, há uma predominância de pessoas na faixa etária de 20 a 25 anos. Além disso, a divisão por sexo (feminino e masculina) é bem igual, tendo poucas variações.

“No que diz respeito à identificação de cor ou raça, os que se declararam pardos correspondiam a 59%, seguidos pelos 35% que se declararam brancos e 4,4% se identificavam como negros. Os jovens fortalezenses que se reportaram a pesquisa como amarelos (asiáticos) e de origem indígena correspondiam a 1,5% e 0,1% da população considerada”, consta na pesquisa.

Divisão por bairros de Fortaleza

Dentre os bairros com maior população jovem estão: a Barra do Ceará, com 22.577 representantes; Mondubim (Sede), com 22.306; e Vila Velha, 17.836. No entanto, estes bairros correspondem exatamente aos mais populosos de Fortaleza, “o que justifica a grande concentração da população jovem”.

Dessa forma, foi realizada uma divisão percentual de jovens por bairros. Assim, os bairros com maior proporção foram: Benfica, com 33%; Edson Queiroz, também com 33%; e Curió, 32,7%. “Isso se justifica pela proximidade com universidades e faculdades e parece se confirmar pela maior concentração de jovens de 20 a 29 anos”.

Educação e nível escolar

Quanto à educação, a pesquisa indica que apenas 37,2% dos jovens de Fortaleza são estudantes, enquanto que 61% não estudavam, mas já haviam estudado e concluído algum nível escolar. Mesmo assim, ainda existe o percentual de 1,9% de jovens que nunca frequentou a escola e de 2,1% ter afirmado que não sabe ler e nem escrever.

Além disso, dos jovens que estudavam, 38,9% estava cursando o ensino médio, quase a metade (48,8%) com idade entre 15 e 19 anos. Outros 28,7% cursavam algum curso superior de graduação, destes 54,9% tinham de 20 a 24 anos. Ainda 18,2% cursava o ensino fundamental, em sua maioria (83,7%) jovens de 15 a 19 anos de idade.

A frequência das aulas também foi um item analisado. O grupo com idade entre 15 e 19 anos tem percentual de 69,7% com boa frequência; o que se justifica por se tratar de idades em que a vida escolar é bastante ativa. Já entre os grupos de idade superior, essa frequência tende a declinar naturalmente à medida que os jovens ingressam no mercado de trabalho. Entre os que possuem de 20 a 24 anos, 28,5% estudam e, entre os de 25 a 29 anos, 16,4% declararam estar frequentando algum nível de ensino.

Trabalho

Diferentemente do número absoluto de homens e mulheres em Fortaleza, a proporção de jovens ativos no mercado de trabalho é maior entre os do sexo masculino (67,2%) comparado com as do sexo feminino (56,2%). “Um conjunto de fatores está associado com essa diferença, dentre eles o fato de que mulheres tendem a dedicar mais tempo na vida escolar”, justifica o estudo.

No que diz respeito à taxa de desemprego, 13,8% dos jovens que vivem em Fortaleza estavam desempregados, segundo os dados censitários. A taxa é menor entre os que possuem de 25 a 29 anos (8,3%) e maior entre os que possuem de 15 a 19 anos (26,1%).

A média de renda dos que trabalham na capital cearense é de R$ 803,20. Na faixa etária de 15 a 19 anos, a média é de R$ 447,70; de 20 a 24 anos, é de R$ 694,80; e de 25 a 29, R$ 1006,20.

Estudo e trabalho

Do total, 24,6% de jovens se dedicam exclusivamente aos estudos e 12,6% declararam que estudam e trabalham. Entre o grupo de 15 a 19 anos, o percentual dos que se dedicam apenas aos estudos é de 57,1% e 12,7% estudam e trabalham.

O percentual de jovens que apenas trabalham é de 40,4%. Esse percentual era maior entre os que possuíam entre 25 e 29 anos de idade. Entre os que tinham entre 15 e 19 anos de idade esse percentual era de 17,6% e de 26% entre os que tinham de 20 a 24 anos.

No grupo etário considerado 22,4% declarou não estudar e nem trabalhar. “Com base nessa tabulação, chama a atenção que o maior percentual de jovens que não estudam e não trabalham foi observado no grupo entre 25 e 29 anos – 23,1%. Ainda mais intrigante é a análise da condição dos jovens entre estudo e atividade no mercado de trabalho. Nesse caso é considerada a decisão de estudar e a de estar no mercado de trabalho, o que inclui jovens que não estão ocupados, mas estão pelo menos buscando trabalho”.

Sobre família

Entre os jovens fortalezenses, 16,4% se declararam como responsáveis pelo domicílio entrevistado, sendo que 14,4% se declararam casados. Segundo o estudo, a proporção de jovens que são chefes de domicílios é maior entre os que possuem entre 25 e 29 anos de idade, 28,4%. A grande maioria dos jovens (49,1%) são filhos do responsável do domicílio. Entre os que possuem de 15 a 19 anos esse percentual é de 67,8%, e entre os de 25 a 29 essa proporção chega a ser de 32,5%.

Publicidade

Dê sua opinião

Barra do Ceará tem a maior população jovem de Fortaleza

Quanto à educação, a pesquisa indica que apenas 37,2% dos jovens de Fortaleza são estudantes, enquanto que 61% não estudavam, mas já haviam estudado e concluído algum nível escolar

Por Hayanne Narlla em Ceará

23 de abril de 2013 às 20:08

Há 7 anos

Um estudo realizado com a população jovem de Fortaleza demonstrou que a cidade possuía 718.613 pessoas no grupo etário de 15 a 29 anos de idade. O total representa 29,3% da população fortalezense e 28,8% do total de jovens do estado. O levantamento foi realizado pelo Ipece, com base no Censo Demográfico realizado em 2010.

De acordo com o estudo, há uma predominância de pessoas na faixa etária de 20 a 25 anos. Além disso, a divisão por sexo (feminino e masculina) é bem igual, tendo poucas variações.

“No que diz respeito à identificação de cor ou raça, os que se declararam pardos correspondiam a 59%, seguidos pelos 35% que se declararam brancos e 4,4% se identificavam como negros. Os jovens fortalezenses que se reportaram a pesquisa como amarelos (asiáticos) e de origem indígena correspondiam a 1,5% e 0,1% da população considerada”, consta na pesquisa.

Divisão por bairros de Fortaleza

Dentre os bairros com maior população jovem estão: a Barra do Ceará, com 22.577 representantes; Mondubim (Sede), com 22.306; e Vila Velha, 17.836. No entanto, estes bairros correspondem exatamente aos mais populosos de Fortaleza, “o que justifica a grande concentração da população jovem”.

Dessa forma, foi realizada uma divisão percentual de jovens por bairros. Assim, os bairros com maior proporção foram: Benfica, com 33%; Edson Queiroz, também com 33%; e Curió, 32,7%. “Isso se justifica pela proximidade com universidades e faculdades e parece se confirmar pela maior concentração de jovens de 20 a 29 anos”.

Educação e nível escolar

Quanto à educação, a pesquisa indica que apenas 37,2% dos jovens de Fortaleza são estudantes, enquanto que 61% não estudavam, mas já haviam estudado e concluído algum nível escolar. Mesmo assim, ainda existe o percentual de 1,9% de jovens que nunca frequentou a escola e de 2,1% ter afirmado que não sabe ler e nem escrever.

Além disso, dos jovens que estudavam, 38,9% estava cursando o ensino médio, quase a metade (48,8%) com idade entre 15 e 19 anos. Outros 28,7% cursavam algum curso superior de graduação, destes 54,9% tinham de 20 a 24 anos. Ainda 18,2% cursava o ensino fundamental, em sua maioria (83,7%) jovens de 15 a 19 anos de idade.

A frequência das aulas também foi um item analisado. O grupo com idade entre 15 e 19 anos tem percentual de 69,7% com boa frequência; o que se justifica por se tratar de idades em que a vida escolar é bastante ativa. Já entre os grupos de idade superior, essa frequência tende a declinar naturalmente à medida que os jovens ingressam no mercado de trabalho. Entre os que possuem de 20 a 24 anos, 28,5% estudam e, entre os de 25 a 29 anos, 16,4% declararam estar frequentando algum nível de ensino.

Trabalho

Diferentemente do número absoluto de homens e mulheres em Fortaleza, a proporção de jovens ativos no mercado de trabalho é maior entre os do sexo masculino (67,2%) comparado com as do sexo feminino (56,2%). “Um conjunto de fatores está associado com essa diferença, dentre eles o fato de que mulheres tendem a dedicar mais tempo na vida escolar”, justifica o estudo.

No que diz respeito à taxa de desemprego, 13,8% dos jovens que vivem em Fortaleza estavam desempregados, segundo os dados censitários. A taxa é menor entre os que possuem de 25 a 29 anos (8,3%) e maior entre os que possuem de 15 a 19 anos (26,1%).

A média de renda dos que trabalham na capital cearense é de R$ 803,20. Na faixa etária de 15 a 19 anos, a média é de R$ 447,70; de 20 a 24 anos, é de R$ 694,80; e de 25 a 29, R$ 1006,20.

Estudo e trabalho

Do total, 24,6% de jovens se dedicam exclusivamente aos estudos e 12,6% declararam que estudam e trabalham. Entre o grupo de 15 a 19 anos, o percentual dos que se dedicam apenas aos estudos é de 57,1% e 12,7% estudam e trabalham.

O percentual de jovens que apenas trabalham é de 40,4%. Esse percentual era maior entre os que possuíam entre 25 e 29 anos de idade. Entre os que tinham entre 15 e 19 anos de idade esse percentual era de 17,6% e de 26% entre os que tinham de 20 a 24 anos.

No grupo etário considerado 22,4% declarou não estudar e nem trabalhar. “Com base nessa tabulação, chama a atenção que o maior percentual de jovens que não estudam e não trabalham foi observado no grupo entre 25 e 29 anos – 23,1%. Ainda mais intrigante é a análise da condição dos jovens entre estudo e atividade no mercado de trabalho. Nesse caso é considerada a decisão de estudar e a de estar no mercado de trabalho, o que inclui jovens que não estão ocupados, mas estão pelo menos buscando trabalho”.

Sobre família

Entre os jovens fortalezenses, 16,4% se declararam como responsáveis pelo domicílio entrevistado, sendo que 14,4% se declararam casados. Segundo o estudo, a proporção de jovens que são chefes de domicílios é maior entre os que possuem entre 25 e 29 anos de idade, 28,4%. A grande maioria dos jovens (49,1%) são filhos do responsável do domicílio. Entre os que possuem de 15 a 19 anos esse percentual é de 67,8%, e entre os de 25 a 29 essa proporção chega a ser de 32,5%.