Carne de porco deve ficar mais barata com campanha de incentivo ao consumo


Carne de porco deve ficar mais barata com campanha de incentivo ao consumo

Com o objetivo de garantir mais espaço para a carne de porco nas prateleiras dos supermercados foi lançada, nesta quinta-feira (13), a campanha de incentivo ao consumo da carne suína

Por Rodrigo Cavalcante em Ceará

13 de setembro de 2012 às 11:43

Há 8 anos
Com o objetivo de garantir mais espaço para a carne de porco nas prateleiras dos supermercados foi lançada, nesta quinta-feira (13), a campanha de incentivo ao consumo da carne suína

O objetivo é que o consumo da carne suína cresça (Foto: Divulgação)

Com o objetivo de garantir mais espaço para a carne de porco nas prateleiras dos supermercados foi lançada, nesta quinta-feira (13), a campanha de incentivo ao consumo da carne suína. De acordo com a gestora executiva do Projeto de Desenvolvimento da Suinocultura no Ceará, Paula Braga, a ideia é treinar os profissionais de açougues para que façam diferentes cortes no alimento além de baratear a carne.

“Outra finalidade é evitar o preconceito que existe em relação à carne suína. Ela pode ter os mesmos cortes da carne de gado: colchão mole, colchão duro, picanha, alcatra e lombo; mas as pessoas insistem em acreditar que só o pernil e o carré existem”, afirma. Braga garantiu ainda que os cortes de carne suína vão ter preços diferenciados em alguns supermercados de Fortaleza, como Pão de Açúcar, Extra e Center Box.

Expectativa

A expectativa da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) é que, com a campanha, o consumo médio anual de carne suína do brasileiro suba de 15 para 18 quilos até 2015. De acordo com a nutricionista Cristiana Praciano, a carne de porco é rica em proteínas, importante para a constituição dos tecidos e crescimento das crianças e adolescentes. “Ela é como as outras carnes, a única contraindicação é o alto teor de gordura”, afirma.

Contraindicação

Praciano explica que, na carne suída, a gordura fica embutida nas fibras. Isso dificulta a visualização e a retirada dela. “Nesse caso, não é como a carne de gado, que você vê a gordura e consegue tirar”. O excesso de gordura no organismo promove o aumento do colesterol e possível interrupção de artéria, podendo causar Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou infarto.

Segundo a nutricionista, “os fabricantes de carne de porco estão tentando controlar a ração e o peso do animal, para evitar que a taxa de gordura não seja tão alta. É o chamado porco light”. A nutricionista ainda fez uma alerta às pessoas que comem muito durante o fim de semana. “Aqueles que comem porco assado e pernil, por exemplo, e não fazem exames regularmente, só vão descobrir que o exagero faz mal quando já tiverem um problema maior”.

Semana Nacional

O governo também anunciou, nesta quarta, o apoio à Semana Nacional da Carne Suína. De acordo com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, o consumo interno é importante. “É necessário que recuperemos a totalidade da Rússia, que nós estejamos atentos com a questão da Argentina, que nós estejamos chegando no Japão. Nós precisamos lembrar desse mercado, que é extraordinariamente importante e que pode aumentar muito a boa qualidade da venda e a boa vida e a boa condição para o produtor”.

Publicidade

Dê sua opinião

Carne de porco deve ficar mais barata com campanha de incentivo ao consumo

Com o objetivo de garantir mais espaço para a carne de porco nas prateleiras dos supermercados foi lançada, nesta quinta-feira (13), a campanha de incentivo ao consumo da carne suína

Por Rodrigo Cavalcante em Ceará

13 de setembro de 2012 às 11:43

Há 8 anos
Com o objetivo de garantir mais espaço para a carne de porco nas prateleiras dos supermercados foi lançada, nesta quinta-feira (13), a campanha de incentivo ao consumo da carne suína

O objetivo é que o consumo da carne suína cresça (Foto: Divulgação)

Com o objetivo de garantir mais espaço para a carne de porco nas prateleiras dos supermercados foi lançada, nesta quinta-feira (13), a campanha de incentivo ao consumo da carne suína. De acordo com a gestora executiva do Projeto de Desenvolvimento da Suinocultura no Ceará, Paula Braga, a ideia é treinar os profissionais de açougues para que façam diferentes cortes no alimento além de baratear a carne.

“Outra finalidade é evitar o preconceito que existe em relação à carne suína. Ela pode ter os mesmos cortes da carne de gado: colchão mole, colchão duro, picanha, alcatra e lombo; mas as pessoas insistem em acreditar que só o pernil e o carré existem”, afirma. Braga garantiu ainda que os cortes de carne suína vão ter preços diferenciados em alguns supermercados de Fortaleza, como Pão de Açúcar, Extra e Center Box.

Expectativa

A expectativa da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) é que, com a campanha, o consumo médio anual de carne suína do brasileiro suba de 15 para 18 quilos até 2015. De acordo com a nutricionista Cristiana Praciano, a carne de porco é rica em proteínas, importante para a constituição dos tecidos e crescimento das crianças e adolescentes. “Ela é como as outras carnes, a única contraindicação é o alto teor de gordura”, afirma.

Contraindicação

Praciano explica que, na carne suída, a gordura fica embutida nas fibras. Isso dificulta a visualização e a retirada dela. “Nesse caso, não é como a carne de gado, que você vê a gordura e consegue tirar”. O excesso de gordura no organismo promove o aumento do colesterol e possível interrupção de artéria, podendo causar Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou infarto.

Segundo a nutricionista, “os fabricantes de carne de porco estão tentando controlar a ração e o peso do animal, para evitar que a taxa de gordura não seja tão alta. É o chamado porco light”. A nutricionista ainda fez uma alerta às pessoas que comem muito durante o fim de semana. “Aqueles que comem porco assado e pernil, por exemplo, e não fazem exames regularmente, só vão descobrir que o exagero faz mal quando já tiverem um problema maior”.

Semana Nacional

O governo também anunciou, nesta quarta, o apoio à Semana Nacional da Carne Suína. De acordo com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, o consumo interno é importante. “É necessário que recuperemos a totalidade da Rússia, que nós estejamos atentos com a questão da Argentina, que nós estejamos chegando no Japão. Nós precisamos lembrar desse mercado, que é extraordinariamente importante e que pode aumentar muito a boa qualidade da venda e a boa vida e a boa condição para o produtor”.