Homem que coloria pintos é preso por crime ambiental em Canindé

MAUS-TRATOS

Homem que coloria pintos é preso por crime ambiental em Canindé

Os animais eram vendidos por R$ 2 em uma feira às quartas-feiras. Outro suspeito ainda é procurado pela polícia

Por Tribuna do Ceará em Ceará

18 de setembro de 2019 às 11:20

Há 4 semanas

Um dos suspeitos de praticar crime ambiental contra aves ainda está sendo procurado pela polícia (FOTO: Reprodução / WhatsApp)

Roxo, vermelho, amarelo, verde, rosa e branco. Essas eram algumas das tonalidades da penugem de aves comercializadas em uma feira de Canindé, a 118 km de Fortaleza. Um dos responsáveis por essas vendas foi preso na manhã desta quarta-feira (18), acusado de praticar crime ambiental.

Segundo informações da Delegacia Regional de Canindé, o homem identificado como Erinaldo Lino Pereira agia junto com outro suspeito, conhecido como “Zezin”, que ainda está sendo procurado pela polícia.

De acordo com a equipe de investigadores, os animais eram vendidos por R$ 2 em uma feira realizada sempre às quartas-feiras no centro da cidade de Canindé.

Pela Lei de Crimes Ambientais, os acusados podem ser penalizados com 3 meses a 1 ano de detenção ou multa, por “praticar atos de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”.

Publicidade

Dê sua opinião

MAUS-TRATOS

Homem que coloria pintos é preso por crime ambiental em Canindé

Os animais eram vendidos por R$ 2 em uma feira às quartas-feiras. Outro suspeito ainda é procurado pela polícia

Por Tribuna do Ceará em Ceará

18 de setembro de 2019 às 11:20

Há 4 semanas

Um dos suspeitos de praticar crime ambiental contra aves ainda está sendo procurado pela polícia (FOTO: Reprodução / WhatsApp)

Roxo, vermelho, amarelo, verde, rosa e branco. Essas eram algumas das tonalidades da penugem de aves comercializadas em uma feira de Canindé, a 118 km de Fortaleza. Um dos responsáveis por essas vendas foi preso na manhã desta quarta-feira (18), acusado de praticar crime ambiental.

Segundo informações da Delegacia Regional de Canindé, o homem identificado como Erinaldo Lino Pereira agia junto com outro suspeito, conhecido como “Zezin”, que ainda está sendo procurado pela polícia.

De acordo com a equipe de investigadores, os animais eram vendidos por R$ 2 em uma feira realizada sempre às quartas-feiras no centro da cidade de Canindé.

Pela Lei de Crimes Ambientais, os acusados podem ser penalizados com 3 meses a 1 ano de detenção ou multa, por “praticar atos de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”.