Artista brasileiro homenageia Dandara com escultura exposta em Nova York

TORTURADA E ASSASSINADA

Artista brasileiro homenageia Dandara com escultura exposta em Nova York

Batizada de “Dandara”, o par de asas possui 10 metros de altura, 13 metros de largura e é feito de fibra de vidro

Por Vitória Barbosa em Cotidiano

8 de novembro de 2019 às 10:13

Há 1 mês
"Dandara" é uma das esculturas que faz parte de uma série chamada de "Máquina de Sonhos" (FOTO: Reprodução/Instagram)

“Dandara” é uma das esculturas que faz parte de uma série chamada de “Máquina de Sonhos” (FOTO: Reprodução/Instagram)

O artista brasileiro Rubem Robierb homenageou a cearense Dandara dos Santos e a comunidade LGBTQ com uma escultura fixada em um parque de Nova York. Intitulada de “Dandara”, o par de asas de borboleta, feito de fibra de vidro, possui 10 metros de altura e 13 m de largura. A escultura, que fica no topo de uma base de aço, virou, além de plano de fundo para fotos de nova-iorquinos, mais uma forma de lembrar Dandara.

Rubem explica que tem uma série de obras, a “Dream Machine” (Máquina de Sonhos), que homenageia alguém famoso ou anônimo que viveu lutando por seus próprios sonhos e de outras pessoas. “O caso Dandara me chocou muito na época e eu meti na cabeça que tinha que fazer algo a respeito quando chegasse a oportunidade e chegou”, disse Rubem. O brasileiro foi selecionado para pôr uma escultura em um espaço público de Nova York e ele decidiu batizar a escultura de Dandara, a homenageando.

Dandara dos Santos, de 42 anos, foi torturada e assassinada por seis homens, que filmaram o crime, no bairro Bom Jardim, em Fortaleza. O vídeo foi compartilhado nas redes sociais e ajudou a Polícia a identificar os autores, que foram condenados por homicídio triplamente qualificado. O caso teve repercussão internacional.

Antes de ser morta a tiros, Dandara foi torturada por seis homens, que filmaram todo o crime (FOTO: Arquivo Pessoal)

Antes de ser morta a tiros, Dandara foi torturada por seis homens, que filmaram todo o crime (FOTO: Arquivo Pessoal)

Assim como na escultura, a capa do livro Casulo Dandara, uma biografia da cearense escrita pela inspetora da Polícia Civil, Vitória Holanda, também é uma borboleta. A inspetora, que também era amiga de infância de Dandara, se surpreendeu com a homenagem. Ela ficou sabendo da homenagem pelo próprio Rubem, nas redes sociais. “Quando eu olhei o perfil dele me surpreendi. Fiquei impressionada com a coincidência da borboleta”.

Segundo Vitória, o artista só ficou sabendo do livro quando a escultura já estava pronta, então a borboleta acabou sendo uma coincidência. Para ela, a coincidência é expressão de uma mesma percepção. “Acho que nosso consciente coincidiu sobre o que era a Dandara. Eu expressei em forma de literatura e ele expressou em forma de escultura”.

A inspetora explicou, ainda, que a borboleta da capa do livro significa “Dandara saindo do casulo”, uma metáfora à vida da travesti, que com o passar do tempo se descobriu quanto sua sexualidade. Na obra, ela conta toda a vida da amiga. “A borboleta significa o melhor de Dandara, a fase em que ela se encontra mais feliz”, destacou.

Vitória também comenta que na infância e adolescência, Dandara sempre dizia que um dia iria ser famosa. “Meu sentimento, além da emoção, é de gratidão em tudo que tem repercussão sobre a Dandara porque ela dizia que ia ser estrela e ela é”, finalizou.

Publicidade

Dê sua opinião

TORTURADA E ASSASSINADA

Artista brasileiro homenageia Dandara com escultura exposta em Nova York

Batizada de “Dandara”, o par de asas possui 10 metros de altura, 13 metros de largura e é feito de fibra de vidro

Por Vitória Barbosa em Cotidiano

8 de novembro de 2019 às 10:13

Há 1 mês
"Dandara" é uma das esculturas que faz parte de uma série chamada de "Máquina de Sonhos" (FOTO: Reprodução/Instagram)

“Dandara” é uma das esculturas que faz parte de uma série chamada de “Máquina de Sonhos” (FOTO: Reprodução/Instagram)

O artista brasileiro Rubem Robierb homenageou a cearense Dandara dos Santos e a comunidade LGBTQ com uma escultura fixada em um parque de Nova York. Intitulada de “Dandara”, o par de asas de borboleta, feito de fibra de vidro, possui 10 metros de altura e 13 m de largura. A escultura, que fica no topo de uma base de aço, virou, além de plano de fundo para fotos de nova-iorquinos, mais uma forma de lembrar Dandara.

Rubem explica que tem uma série de obras, a “Dream Machine” (Máquina de Sonhos), que homenageia alguém famoso ou anônimo que viveu lutando por seus próprios sonhos e de outras pessoas. “O caso Dandara me chocou muito na época e eu meti na cabeça que tinha que fazer algo a respeito quando chegasse a oportunidade e chegou”, disse Rubem. O brasileiro foi selecionado para pôr uma escultura em um espaço público de Nova York e ele decidiu batizar a escultura de Dandara, a homenageando.

Dandara dos Santos, de 42 anos, foi torturada e assassinada por seis homens, que filmaram o crime, no bairro Bom Jardim, em Fortaleza. O vídeo foi compartilhado nas redes sociais e ajudou a Polícia a identificar os autores, que foram condenados por homicídio triplamente qualificado. O caso teve repercussão internacional.

Antes de ser morta a tiros, Dandara foi torturada por seis homens, que filmaram todo o crime (FOTO: Arquivo Pessoal)

Antes de ser morta a tiros, Dandara foi torturada por seis homens, que filmaram todo o crime (FOTO: Arquivo Pessoal)

Assim como na escultura, a capa do livro Casulo Dandara, uma biografia da cearense escrita pela inspetora da Polícia Civil, Vitória Holanda, também é uma borboleta. A inspetora, que também era amiga de infância de Dandara, se surpreendeu com a homenagem. Ela ficou sabendo da homenagem pelo próprio Rubem, nas redes sociais. “Quando eu olhei o perfil dele me surpreendi. Fiquei impressionada com a coincidência da borboleta”.

Segundo Vitória, o artista só ficou sabendo do livro quando a escultura já estava pronta, então a borboleta acabou sendo uma coincidência. Para ela, a coincidência é expressão de uma mesma percepção. “Acho que nosso consciente coincidiu sobre o que era a Dandara. Eu expressei em forma de literatura e ele expressou em forma de escultura”.

A inspetora explicou, ainda, que a borboleta da capa do livro significa “Dandara saindo do casulo”, uma metáfora à vida da travesti, que com o passar do tempo se descobriu quanto sua sexualidade. Na obra, ela conta toda a vida da amiga. “A borboleta significa o melhor de Dandara, a fase em que ela se encontra mais feliz”, destacou.

Vitória também comenta que na infância e adolescência, Dandara sempre dizia que um dia iria ser famosa. “Meu sentimento, além da emoção, é de gratidão em tudo que tem repercussão sobre a Dandara porque ela dizia que ia ser estrela e ela é”, finalizou.