Biografia sobre Dandara, escrita por policial amiga, será lançada na Bienal do Livro

'CASULO DANDARA'

Biografia sobre Dandara, escrita por policial amiga, será lançada na Bienal do Livro

Amiga de infância de Dandara, a inspetora da Polícia Civil foi responsável por investigar o assassinato da travesti e agora lança o livro “O Casulo Dandara”

Por William Barros em Cotidiano

20 de agosto de 2019 às 13:33

Há 3 meses

O livro sobre a vida de Dandara levou dois meses para ser escrito (FOTOS: Reprodução)

Vitória Holanda, inspetora da Polícia Civil, foi uma das responsáveis por investigar o assassinato de uma das suas melhores amigas, a travesti Dandara dos Santos, em 2017. Dois anos depois, a policial conta essa história nas páginas de O Casulo Dandara, livro que será lançado na XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará nesta quarta-feira (21), em Fortaleza.

“Sempre tive certeza que o livro ia ser um sucesso. Estou falando da vida de um ser humano que estudava, brincava, tinha amigos, projetos, sonhos. Era uma pessoa, tinha vida, merecia dignidade”, explica a autora, que conviveu com Dandara desde a infância e afirma ter acompanhado todas as fases da vida da travesti.

Segundo Vitória, a ideia de escrever o livro surgiu no momento em que soube da morte da amiga. Mesmo sem nenhuma experiência com a escrita literária, a policial começou a construir seu texto em folhas de caderno. O processo durou de outubro a dezembro de 2018.

“Para escrever, escutava Legião Urbana, que era o que eu e ela mais ouvíamos na nossa adolescência. Fui lembrando de tudo, da infância, do contexto social. Fui tomando gosto e não parei mais de escrever”, revela Vitória, que recebeu ajuda do sobrinho para digitar o material.

A inspetora Vitória foi a primeira pessoa a receber as filmagens da agressão que culminou na morte da amiga (FOTO: Arquivo pessoal)

Entenda o caso

Dandara dos Santos, de 42 anos, foi morta violentamente por seis homens, que filmaram o crime. O vídeo acabou compartilhado nas redes sociais, o que ajudou a Polícia a identificar os autores e a Justiça a condená-los por homicídio homicídio triplamente qualificado. O caso, ocorrido no bairro Bom Jardim, repercutiu internacionalmente.

Dos entrevistados para o livro, Vitória Holanda ouviu detalhes ainda desconhecidos da história da amiga. “Foram sabendo que eu estava escrevendo e pediram para participar. Conversei com amigas dela da Itália, foi emocionante. Cafetinas também fizeram contato comigo”, cita, referindo-se à fase em que Dandara se prostituiu.

Na Bienal, a escritora estreante distribuirá autógrafos e participará de uma roda de conversa com o tema “Combate à violência contra LGBTs”. O assunto talvez seja o maior legado deixado por Dandara, e remonta diretamente ao propósito de Vitória com a obra: “Que as pessoas enxerguem que as pessoas LGBTs são, acima de tudo, pessoas”.

Serviço:

Lançamento de O Casulo de Dandara

Onde: XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará – Arena Multicultural Juvenal Galeno, no Centro de Eventos do Ceará (Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz, Fortaleza – CE)
Quando: Quarta-feira, 21 de agosto, às 17h30
Quanto: Gratuito

View this post on Instagram

INSPETORA VITÓRIA HOLANDA, QUE ELUCIDOU O HOMICIDIO DA TRAVESTI DANDARA E A CONHECIA DESDE CRIANÇA, LANÇA LIVRO DIA 21 DE AGOSTO DESCRIÇÃO: "Escrever sobre Dandara e sua vida talvez não convença algumas pessoas as quais acham que ser travesti é uma doença, que é falta de vergonha ou simplesmente pelo fato de acreditarem que “meninos vestem azul e meninas vestem rosa”. Entretanto, é uma forma de mostrar que ser travesti na vida dela não foi uma escolha de criança influenciada na escola ou na mídia. Ela nasceu Dandara." RESUMO DO AUTOR: VITÓRIA HOLANDA Vitória Régia Holanda da Silva é licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e bacharel em direito pela UNIGRANDE – Centro Universitário em Fortaleza. Ingressou na carreira policial como inspetora de polícia Civil no estado do Ceará no ano de 2006 e foi Chefe de investigação nos bairros bom jardim e conjunto Ceará-ambos periferia de Fortaleza- nos anos de 2013 a 2019. Professora da Academia Estadual de Segurança Pública nas disciplinas de Direitos Humanos, Investigação Policial, Inteligência Policial e Isolamento e local de crime. Realizou após as investigações do Caso Dandara palestras voltadas a novos policiais civis e militares do Estado do Ceará, sobre Enfretamento da Homofobia, realizadas na Academia Estadual de Segurança Pública (AESP). Foi homenageada pela Assembleia Legislativa do Estado Do Ceará no ano de 2016 pelos serviços prestados a sociedade Cearense. Recebeu Cerificado de relevantes serviços Prestados ao Sistema de Segurança Pública Estadual e a toda sociedade Cearense no ano de 2017 pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social. Foi destaque nas forças de segurança do Ceará no mês da mulher no ano de 2017. #cultura #libros #lendo #as #como #familia #es #livro #literaturanacional #pensamentos #poemas #escritor #livrosnovos #s #trechosdelivros #euamolivros #vida #livro-do-livro #livro da folha #livroselituras #l #autoresnacionais #brasil #love #amazon #leituradiaria #leituradodia #conhecimento #arte #leitores#bienaldolivro @pfembrasil @mulheres_na_policia_ @napolicia @mulheres_na_literatura @pfemoralizada @pc_ce @editoracene

A post shared by Vitoria Holanda (@vitoria.holanda.7) on

Publicidade

Dê sua opinião

'CASULO DANDARA'

Biografia sobre Dandara, escrita por policial amiga, será lançada na Bienal do Livro

Amiga de infância de Dandara, a inspetora da Polícia Civil foi responsável por investigar o assassinato da travesti e agora lança o livro “O Casulo Dandara”

Por William Barros em Cotidiano

20 de agosto de 2019 às 13:33

Há 3 meses

O livro sobre a vida de Dandara levou dois meses para ser escrito (FOTOS: Reprodução)

Vitória Holanda, inspetora da Polícia Civil, foi uma das responsáveis por investigar o assassinato de uma das suas melhores amigas, a travesti Dandara dos Santos, em 2017. Dois anos depois, a policial conta essa história nas páginas de O Casulo Dandara, livro que será lançado na XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará nesta quarta-feira (21), em Fortaleza.

“Sempre tive certeza que o livro ia ser um sucesso. Estou falando da vida de um ser humano que estudava, brincava, tinha amigos, projetos, sonhos. Era uma pessoa, tinha vida, merecia dignidade”, explica a autora, que conviveu com Dandara desde a infância e afirma ter acompanhado todas as fases da vida da travesti.

Segundo Vitória, a ideia de escrever o livro surgiu no momento em que soube da morte da amiga. Mesmo sem nenhuma experiência com a escrita literária, a policial começou a construir seu texto em folhas de caderno. O processo durou de outubro a dezembro de 2018.

“Para escrever, escutava Legião Urbana, que era o que eu e ela mais ouvíamos na nossa adolescência. Fui lembrando de tudo, da infância, do contexto social. Fui tomando gosto e não parei mais de escrever”, revela Vitória, que recebeu ajuda do sobrinho para digitar o material.

A inspetora Vitória foi a primeira pessoa a receber as filmagens da agressão que culminou na morte da amiga (FOTO: Arquivo pessoal)

Entenda o caso

Dandara dos Santos, de 42 anos, foi morta violentamente por seis homens, que filmaram o crime. O vídeo acabou compartilhado nas redes sociais, o que ajudou a Polícia a identificar os autores e a Justiça a condená-los por homicídio homicídio triplamente qualificado. O caso, ocorrido no bairro Bom Jardim, repercutiu internacionalmente.

Dos entrevistados para o livro, Vitória Holanda ouviu detalhes ainda desconhecidos da história da amiga. “Foram sabendo que eu estava escrevendo e pediram para participar. Conversei com amigas dela da Itália, foi emocionante. Cafetinas também fizeram contato comigo”, cita, referindo-se à fase em que Dandara se prostituiu.

Na Bienal, a escritora estreante distribuirá autógrafos e participará de uma roda de conversa com o tema “Combate à violência contra LGBTs”. O assunto talvez seja o maior legado deixado por Dandara, e remonta diretamente ao propósito de Vitória com a obra: “Que as pessoas enxerguem que as pessoas LGBTs são, acima de tudo, pessoas”.

Serviço:

Lançamento de O Casulo de Dandara

Onde: XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará – Arena Multicultural Juvenal Galeno, no Centro de Eventos do Ceará (Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz, Fortaleza – CE)
Quando: Quarta-feira, 21 de agosto, às 17h30
Quanto: Gratuito

View this post on Instagram

INSPETORA VITÓRIA HOLANDA, QUE ELUCIDOU O HOMICIDIO DA TRAVESTI DANDARA E A CONHECIA DESDE CRIANÇA, LANÇA LIVRO DIA 21 DE AGOSTO DESCRIÇÃO: "Escrever sobre Dandara e sua vida talvez não convença algumas pessoas as quais acham que ser travesti é uma doença, que é falta de vergonha ou simplesmente pelo fato de acreditarem que “meninos vestem azul e meninas vestem rosa”. Entretanto, é uma forma de mostrar que ser travesti na vida dela não foi uma escolha de criança influenciada na escola ou na mídia. Ela nasceu Dandara." RESUMO DO AUTOR: VITÓRIA HOLANDA Vitória Régia Holanda da Silva é licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e bacharel em direito pela UNIGRANDE – Centro Universitário em Fortaleza. Ingressou na carreira policial como inspetora de polícia Civil no estado do Ceará no ano de 2006 e foi Chefe de investigação nos bairros bom jardim e conjunto Ceará-ambos periferia de Fortaleza- nos anos de 2013 a 2019. Professora da Academia Estadual de Segurança Pública nas disciplinas de Direitos Humanos, Investigação Policial, Inteligência Policial e Isolamento e local de crime. Realizou após as investigações do Caso Dandara palestras voltadas a novos policiais civis e militares do Estado do Ceará, sobre Enfretamento da Homofobia, realizadas na Academia Estadual de Segurança Pública (AESP). Foi homenageada pela Assembleia Legislativa do Estado Do Ceará no ano de 2016 pelos serviços prestados a sociedade Cearense. Recebeu Cerificado de relevantes serviços Prestados ao Sistema de Segurança Pública Estadual e a toda sociedade Cearense no ano de 2017 pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social. Foi destaque nas forças de segurança do Ceará no mês da mulher no ano de 2017. #cultura #libros #lendo #as #como #familia #es #livro #literaturanacional #pensamentos #poemas #escritor #livrosnovos #s #trechosdelivros #euamolivros #vida #livro-do-livro #livro da folha #livroselituras #l #autoresnacionais #brasil #love #amazon #leituradiaria #leituradodia #conhecimento #arte #leitores#bienaldolivro @pfembrasil @mulheres_na_policia_ @napolicia @mulheres_na_literatura @pfemoralizada @pc_ce @editoracene

A post shared by Vitoria Holanda (@vitoria.holanda.7) on