'CASULO DANDARA'

Biografia sobre Dandara, escrita por policial amiga, será lançada na Bienal do Livro

Amiga de infância de Dandara, a inspetora da Polícia Civil foi responsável por investigar o assassinato da travesti e agora lança o livro “O Casulo Dandara”

O livro sobre a vida de Dandara levou dois meses para ser escrito (FOTOS: Reprodução)

Vitória Holanda, inspetora da Polícia Civil, foi uma das responsáveis por investigar o assassinato de uma das suas melhores amigas, a travesti Dandara dos Santos, em 2017. Dois anos depois, a policial conta essa história nas páginas de O Casulo Dandara, livro que será lançado na XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará nesta quarta-feira (21), em Fortaleza.

“Sempre tive certeza que o livro ia ser um sucesso. Estou falando da vida de um ser humano que estudava, brincava, tinha amigos, projetos, sonhos. Era uma pessoa, tinha vida, merecia dignidade”, explica a autora, que conviveu com Dandara desde a infância e afirma ter acompanhado todas as fases da vida da travesti.

Segundo Vitória, a ideia de escrever o livro surgiu no momento em que soube da morte da amiga. Mesmo sem nenhuma experiência com a escrita literária, a policial começou a construir seu texto em folhas de caderno. O processo durou de outubro a dezembro de 2018.

“Para escrever, escutava Legião Urbana, que era o que eu e ela mais ouvíamos na nossa adolescência. Fui lembrando de tudo, da infância, do contexto social. Fui tomando gosto e não parei mais de escrever”, revela Vitória, que recebeu ajuda do sobrinho para digitar o material.

A inspetora Vitória foi a primeira pessoa a receber as filmagens da agressão que culminou na morte da amiga (FOTO: Arquivo pessoal)

Entenda o caso

Dandara dos Santos, de 42 anos, foi morta violentamente por seis homens, que filmaram o crime. O vídeo acabou compartilhado nas redes sociais, o que ajudou a Polícia a identificar os autores e a Justiça a condená-los por homicídio homicídio triplamente qualificado. O caso, ocorrido no bairro Bom Jardim, repercutiu internacionalmente.

Dos entrevistados para o livro, Vitória Holanda ouviu detalhes ainda desconhecidos da história da amiga. “Foram sabendo que eu estava escrevendo e pediram para participar. Conversei com amigas dela da Itália, foi emocionante. Cafetinas também fizeram contato comigo”, cita, referindo-se à fase em que Dandara se prostituiu.

Na Bienal, a escritora estreante distribuirá autógrafos e participará de uma roda de conversa com o tema “Combate à violência contra LGBTs”. O assunto talvez seja o maior legado deixado por Dandara, e remonta diretamente ao propósito de Vitória com a obra: “Que as pessoas enxerguem que as pessoas LGBTs são, acima de tudo, pessoas”.

Serviço:

Lançamento de O Casulo de Dandara

Onde: XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará – Arena Multicultural Juvenal Galeno, no Centro de Eventos do Ceará (Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz, Fortaleza – CE)
Quando: Quarta-feira, 21 de agosto, às 17h30
Quanto: Gratuito