Homem é confundido com irmão gêmeo morto em acidente de trânsito

CONFUSÃO DESFEITA

Homem é confundido com irmão gêmeo morto em acidente de trânsito

O engano só foi desfeito após a Pefoce comparar as impressões digitais dos gêmeos idênticos e perceber que há pontos distintos nas marcas deixadas por seus dedos

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

23 de janeiro de 2020 às 13:08

Há 4 semanas

Pefoce precisou comparar digitais dos gêmeos idênticos para desfazer o engano (FOTO: Divulgação/Pefoce)

Quando Damião Cosmo, de 51 anos, faleceu em um acidente de trânsito, familiares se confundiram e entregaram documentos de seu irmão gêmeo, Cosmo Damião (nome alternado do irmão), à Perícia Forense do Estado Ceará (Pefoce). A princípio, o erro não ficou explícito, já que as impressões digitais do corpo coincidiram com as do banco de dados da Pefoce. Assim, o atestado de óbito foi emitido em nome do irmão que estava vivo.

Depois que a família percebeu o equívoco e avisou à Pefoce, o Laboratório de Identificação Necropapiloscópica (LIN) entrou em ação e comparou as impressões digitais dos irmãos gêmeos idênticos. O resultado mostrou que eles possuem pontos distintos na marca deixada pelos dedos. Essa é a única maneira de diferenciá-los, já que univitelinos possuem diversas características em comum, incluindo o mesmo material genético.

O assessor técnico do LIN Laerte Gonçalves explica que esse exame, chamado de papiloscopia, é um dos métodos científicos de identificação eficaz para casos de gêmeos univitelinos. “Não há um ser humano no mundo com as impressões digitais idênticas a de outra pessoa, nem nos casos dos gêmeos univitelinos que são idênticos na aparência, mas possuem impressões digitais diferentes”, enfatiza.

Para a elucidação do caso, atuaram equipes do LIN e do Laboratório de Impressões Papiloscópicas (LIP), ambos pertencentes à Coordenadoria de Identificação Humana e Perícias Biométricas (CIHPB) da Pefoce. Os profissionais em papiloscopia verificaram a documentação de ambos os irmãos e confrontaram as informações contidas na base de dados do sistema da Pefoce.

Todos os dados levantados e confrontados confirmaram a identificação dos gêmeos. Assim, desfez-se o engano.

(*) Com informações da Perícia Forense

Publicidade

Dê sua opinião

CONFUSÃO DESFEITA

Homem é confundido com irmão gêmeo morto em acidente de trânsito

O engano só foi desfeito após a Pefoce comparar as impressões digitais dos gêmeos idênticos e perceber que há pontos distintos nas marcas deixadas por seus dedos

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

23 de janeiro de 2020 às 13:08

Há 4 semanas

Pefoce precisou comparar digitais dos gêmeos idênticos para desfazer o engano (FOTO: Divulgação/Pefoce)

Quando Damião Cosmo, de 51 anos, faleceu em um acidente de trânsito, familiares se confundiram e entregaram documentos de seu irmão gêmeo, Cosmo Damião (nome alternado do irmão), à Perícia Forense do Estado Ceará (Pefoce). A princípio, o erro não ficou explícito, já que as impressões digitais do corpo coincidiram com as do banco de dados da Pefoce. Assim, o atestado de óbito foi emitido em nome do irmão que estava vivo.

Depois que a família percebeu o equívoco e avisou à Pefoce, o Laboratório de Identificação Necropapiloscópica (LIN) entrou em ação e comparou as impressões digitais dos irmãos gêmeos idênticos. O resultado mostrou que eles possuem pontos distintos na marca deixada pelos dedos. Essa é a única maneira de diferenciá-los, já que univitelinos possuem diversas características em comum, incluindo o mesmo material genético.

O assessor técnico do LIN Laerte Gonçalves explica que esse exame, chamado de papiloscopia, é um dos métodos científicos de identificação eficaz para casos de gêmeos univitelinos. “Não há um ser humano no mundo com as impressões digitais idênticas a de outra pessoa, nem nos casos dos gêmeos univitelinos que são idênticos na aparência, mas possuem impressões digitais diferentes”, enfatiza.

Para a elucidação do caso, atuaram equipes do LIN e do Laboratório de Impressões Papiloscópicas (LIP), ambos pertencentes à Coordenadoria de Identificação Humana e Perícias Biométricas (CIHPB) da Pefoce. Os profissionais em papiloscopia verificaram a documentação de ambos os irmãos e confrontaram as informações contidas na base de dados do sistema da Pefoce.

Todos os dados levantados e confrontados confirmaram a identificação dos gêmeos. Assim, desfez-se o engano.

(*) Com informações da Perícia Forense