Professor segura bebê no colo para aluna fazer prova e cativa internautas

EMPATIA

Professor segura bebê no colo para aluna fazer prova e cativa internautas

O caso aconteceu durante a prova de uma turma de 2° semestre, do curso de Odontologia, do Centro Universitário Fametro. A atitude emocionou estudantes e cativou os internautas

Por Vitória Barbosa em Cotidiano

21 de novembro de 2019 às 16:23

Há 3 semanas
O professor ficou com a filha da aluna durante toda a prova (FOTO: Reprodução/WhatsApp)

O professor ficou com a filha da aluna durante toda a prova (FOTO: Reprodução/WhatsApp)

A prova era de “Anatomia de cabeça e pescoço”, mas a lição foi de empatia. Durante a aplicação de uma prova do curso de Odontologia, em uma turma de 2° semestre, do Centro Universitário Fametro, a filha de uma aluna acordou, e o professor Pedro Rebouças a colocou no braço. Durante toda a avaliação, o professor ficou com a bebê no colo para que a estudante pudesse realizar a prova. O caso foi registrado por outro aluno e repercutiu em uma página de internet. A foto do professor com o bebê já alcançou quase 50 mil curtidas.

Dentista por formação, Pedro é especializado em Odontopediatria e professor do curso de Odontologia na instituição desde 2018. Ele conta que Ana Teresa Campos, mãe da Maria Flor Campos, a bebê de 2 meses, ainda está em regime especial por conta da gravidez, mas foi fazer a prova. Ele relembra que, chegando à sala, ele avisou para Ana: “Fique tranquila, faça sua prova que eu vou ficar com seu bebê”, e assim o fez.

Após mamar, o professor se prontificou a colocar Maria Flor nos braços “para arrotar”, ato comum depois que o bebê se alimenta. “Eu coloquei ela para arrotar e, depois, cuidei dela enquanto a mãe fazia a prova tranquila”. Pedro disse que lembrou da posição que sua filha mais gostava, quando bebê, e ele usou a mesma com Maria Flor. Segundo ele, a bebê não chorou em nenhum momento.

Para Ana Teresa, a admiração pelo professor só aumentou com a atitude. “Ele é um grande ser humano. A atitude marcou meu dia, marcou minha vida”, descreveu. Até o final deste semestre, a estudante levará a filha para as aulas também, pois a licença-maternidade já encerrou, e ela não tem com quem deixá-la, já que Maria Flor necessita de amamentação. Ela explica que sua família e o pai da bebê moram no interior do estado.

O registro, até então novidade para o professor, foi feito pelo vidro da porta, por um aluno que já havia finalizado a avaliação. Pedro destacou que, assim como ele, os colegas também foram empáticos com Ana Teresa e não reclamaram da presença de uma criança na sala de aula durante uma prova.

Licença-maternidade para estudantes

Em 1975, ainda durante o Regime Militar, a lei que permite a licença-maternidade para estudantes foi criada. A medida, nº 6.202, prevê que estudantes grávidas, seja durante a faculdade ou ensino básico, podem estudar pelo regime de exercícios domiciliares, desde que haja a necessidade comprovada por um atestado médico.

“A partir do oitavo mês de gestação e, durante três meses, a estudante em estado de gravidez ficará assistida pelo regime de exercícios domiciliares instituído pelo Decreto-lei número 1.044, 21 de outubro de 1969”, diz o Art. 1° da lei. O período de afastamento pode ser estendido por mais meses, desde que seja necessário, como em uma gravidez de risco.

Publicidade

Dê sua opinião

EMPATIA

Professor segura bebê no colo para aluna fazer prova e cativa internautas

O caso aconteceu durante a prova de uma turma de 2° semestre, do curso de Odontologia, do Centro Universitário Fametro. A atitude emocionou estudantes e cativou os internautas

Por Vitória Barbosa em Cotidiano

21 de novembro de 2019 às 16:23

Há 3 semanas
O professor ficou com a filha da aluna durante toda a prova (FOTO: Reprodução/WhatsApp)

O professor ficou com a filha da aluna durante toda a prova (FOTO: Reprodução/WhatsApp)

A prova era de “Anatomia de cabeça e pescoço”, mas a lição foi de empatia. Durante a aplicação de uma prova do curso de Odontologia, em uma turma de 2° semestre, do Centro Universitário Fametro, a filha de uma aluna acordou, e o professor Pedro Rebouças a colocou no braço. Durante toda a avaliação, o professor ficou com a bebê no colo para que a estudante pudesse realizar a prova. O caso foi registrado por outro aluno e repercutiu em uma página de internet. A foto do professor com o bebê já alcançou quase 50 mil curtidas.

Dentista por formação, Pedro é especializado em Odontopediatria e professor do curso de Odontologia na instituição desde 2018. Ele conta que Ana Teresa Campos, mãe da Maria Flor Campos, a bebê de 2 meses, ainda está em regime especial por conta da gravidez, mas foi fazer a prova. Ele relembra que, chegando à sala, ele avisou para Ana: “Fique tranquila, faça sua prova que eu vou ficar com seu bebê”, e assim o fez.

Após mamar, o professor se prontificou a colocar Maria Flor nos braços “para arrotar”, ato comum depois que o bebê se alimenta. “Eu coloquei ela para arrotar e, depois, cuidei dela enquanto a mãe fazia a prova tranquila”. Pedro disse que lembrou da posição que sua filha mais gostava, quando bebê, e ele usou a mesma com Maria Flor. Segundo ele, a bebê não chorou em nenhum momento.

Para Ana Teresa, a admiração pelo professor só aumentou com a atitude. “Ele é um grande ser humano. A atitude marcou meu dia, marcou minha vida”, descreveu. Até o final deste semestre, a estudante levará a filha para as aulas também, pois a licença-maternidade já encerrou, e ela não tem com quem deixá-la, já que Maria Flor necessita de amamentação. Ela explica que sua família e o pai da bebê moram no interior do estado.

O registro, até então novidade para o professor, foi feito pelo vidro da porta, por um aluno que já havia finalizado a avaliação. Pedro destacou que, assim como ele, os colegas também foram empáticos com Ana Teresa e não reclamaram da presença de uma criança na sala de aula durante uma prova.

Licença-maternidade para estudantes

Em 1975, ainda durante o Regime Militar, a lei que permite a licença-maternidade para estudantes foi criada. A medida, nº 6.202, prevê que estudantes grávidas, seja durante a faculdade ou ensino básico, podem estudar pelo regime de exercícios domiciliares, desde que haja a necessidade comprovada por um atestado médico.

“A partir do oitavo mês de gestação e, durante três meses, a estudante em estado de gravidez ficará assistida pelo regime de exercícios domiciliares instituído pelo Decreto-lei número 1.044, 21 de outubro de 1969”, diz o Art. 1° da lei. O período de afastamento pode ser estendido por mais meses, desde que seja necessário, como em uma gravidez de risco.