Saiba como se tornar bombeiro no Ceará, profissão que exige dedicação exclusiva

MOVIDOS PELO AMOR

Saiba como se tornar bombeiro no Ceará, profissão que exige dedicação exclusiva

Para se tornar bombeiro militar, é necessário ser aprovado em um concurso público. Já o bombeiro civil precisa realizar um curso de formação e ser aprovado em provas teóricas e práticas

Por Vitória Barbosa em Cotidiano

15 de novembro de 2019 às 07:00

Há 2 meses
O bombeiro militar é um servidor público que atua em vários tipos de salvamentos e resgate (FOTO: CB BM Gusmão/ SD BM Gilseppe)

O bombeiro militar é um servidor público que atua em vários tipos de salvamentos e resgate (FOTO: CB BM Gusmão/ SD BM Gilseppe)

A descrição da jornada de trabalho no edital do concurso público já indica a responsabilidade da profissão: “dedicação exclusiva”. A profissão é de bombeiro militar, profissional que há um mês trabalhou exaustivamente no resgate das vítimas do desabamento do Edifício Andréa.

Assim como em outros estados, o bombeiro militar é um servidor público que atua em atividades de defesa civil, prevenção e combate a incêndios, buscas, salvamentos e socorros públicos. No Ceará, para ser um bombeiro militar é necessário ser aprovado em um concurso público. Atualmente, o salário inicial de um soldado é R$ 3.833,58.

Segundo o tenente João Romário Fernandes, do Corpo de Bombeiros Militar do Ceará (CBM-CE), atualmente é possível ingressar como soldado, na condição de praça, ou como oficial, no cargo de tenente no CBMCE. “Em ambos, o concurso conta com as etapas: prova intelectual, exames médicos, provas físicas, investigação social e o curso de formação”, explicou.

De acordo com o edital N°01, redigido em 18 de novembro de 2013, para soldado BMCE, cerca de 20 requisitos são necessários para ocupar a vaga. Entre eles, estão possuir idade superior a 18 anos e inferior a 30 anos, certificado devidamente registrado de conclusão do Ensino Médio, estar quite com obrigações eleitorais e militares (em caso de homens), não ser e nem ter sido condenado judicialmente e ter aptidão física e mental para o cargo.

Assim como na carreira de policial militar, a de bombeiro também exige alguns critérios físicos. Candidatos do sexo masculino devem ter, no mínimo, 1,62 m de altura e, do sexo feminino, 1,57 m. Mulheres também não podem estar grávida durante o curso de formação profissional, “devido à incompatibilidade desse estado com os exercícios exigidos”, diz o edital.

Etapas do concurso

As etapas do concurso para bombeiro militar são três, sendo a primeira de provas objetivas, contendo conhecimentos básicos e específicos, e de caráter eliminatório e classificatório. Já a segunda fase são os exames médico-odontológico, biométrico e toxicológico (caráter eliminatório). A terceira e última fase é mais conhecida por Curso de Formação Profissional, com caráter eliminatório, incluindo avaliação psicológica, avaliação de capacidade física, investigação social, e provas finais (caráter eliminatório e classificatório).

Curso de Formação Profissional

O Curso de Formação Profissional é dirigido para capacitação funcional do candidato e tem a carga horária de 1.020 horas/aula, sendo ministrado presencialmente e com o mínimo de oito horas por dia, podendo as aulas acontecerem em dias úteis ou não. As turmas são distribuídas na Academia Estadual de Segurança Pública (AESP) e nas demais Unidades do Sistema de Segurança. Durante o curso, atividades teóricas e práticas são realizadas.

No curso, a capacidade física do candidato também é avaliada para o Curso de Formação Profissional de Soldado Bombeiro Militar. Os testes mais comuns são: flexão abdominal, natação, corrida de 50 metros rasos, flexão de braço na barra fixa e corrida de 12 minutos.

Especialidades dentro da profissão

De acordo com o tenente-coronel Oscar Neto do CBM-CE, todos os bombeiros são habilitados para realizar salvamentos e resgates, mas existem batalhões em que os militares possuem especialização em áreas específicas de atuação, como a Busca e Resgate em Edificações Colapsadas (BREC). Na área de salvamento, há bombeiros militares especialistas em salvamento aquático, terrestre e em altura.

Batalhão de Busca e Salvamento (BBS), Canil (Unidade de Operações com Cães), Batalhão de Socorro de Urgência (BSU), que atua com o auxílio de ambulâncias, e Comando de Engenharia e Prevenção de Incêndio (CEPI) são alguns dos citados pelo coronel.

Oscar Neto destaca que em operações, como a do desabamento do Edifício Andréa, o Comando de Engenharia e Prevenção de Incêndio tem um papel especial, realizando um trabalho técnico, que consiste em fazer análises técnicas de plantas do prédio, fotos e vídeos e, ainda, estudar a sistemática de queda da edificação para localizar vítimas. A intenção desses profissionais é passar estratégias para as equipes que estão em campo.

“Todos pensam que as equipes de campo atuam aleatoriamente, mas não funciona assim. Tudo é decidido dentro de um local chamado Sala de Situação, ou posto de comando”, ressalta.

Diferença entre bombeiro civil e militar

Nátaly trabalhou 24 horas seguidas durante o resgate do Edifício Andréa (FOTO: TV Jangadeiro)

Nátaly Amaral trabalhou 24 horas seguidas durante o resgate do Edifício Andréa (FOTO: TV Jangadeiro)

Nátaly Amaral é bombeira civil fez parte do efetivo que trabalhou no resgate à vítimas do desabamento do Edifício Andréa. Ela conta que ingressou na carreira por gostar da área da saúde e de ajudar pessoas. “Já trabalho em vários projetos sociais e fiz o curso [de Bombeiro Civil] para agregar, podendo salvar vidas e dar o meu melhor como pessoa”, justificou.

A bombeira explicou a diferença entre bombeiro civil e militar. Segundo ela, o bombeiro civil é formado por um curso em instituições de ensino voltadas para a área e com duração média de 1 ano e 6 meses. O curso oferece aulas teóricas e práticas. “No curso de formação, o treinamento é praticamente igual ao de bombeiro militar, mas a gente tem algumas restrições”, explicou.

Depois de formado, o bombeiro civil trabalha, principalmente, dentro de empresas privadas, como em shoppings e em eventos. O objetivo da contratação desse profissional é a prevenção de acidentes.

Já o bombeiro militar, é um servidor público e atua em várias situações em que é necessário realizar resgate e salvamentos. O objetivo do servidor é a segurança das pessoas, mas ele atua sem distinção, inclusive em resgates e salvamentos de animais. Trabalhando em conjunto com bombeiros militares, a atuação do bombeiro civil fica subordinada às ordens do Corpo de Bombeiros Militar.

Publicidade

Dê sua opinião

MOVIDOS PELO AMOR

Saiba como se tornar bombeiro no Ceará, profissão que exige dedicação exclusiva

Para se tornar bombeiro militar, é necessário ser aprovado em um concurso público. Já o bombeiro civil precisa realizar um curso de formação e ser aprovado em provas teóricas e práticas

Por Vitória Barbosa em Cotidiano

15 de novembro de 2019 às 07:00

Há 2 meses
O bombeiro militar é um servidor público que atua em vários tipos de salvamentos e resgate (FOTO: CB BM Gusmão/ SD BM Gilseppe)

O bombeiro militar é um servidor público que atua em vários tipos de salvamentos e resgate (FOTO: CB BM Gusmão/ SD BM Gilseppe)

A descrição da jornada de trabalho no edital do concurso público já indica a responsabilidade da profissão: “dedicação exclusiva”. A profissão é de bombeiro militar, profissional que há um mês trabalhou exaustivamente no resgate das vítimas do desabamento do Edifício Andréa.

Assim como em outros estados, o bombeiro militar é um servidor público que atua em atividades de defesa civil, prevenção e combate a incêndios, buscas, salvamentos e socorros públicos. No Ceará, para ser um bombeiro militar é necessário ser aprovado em um concurso público. Atualmente, o salário inicial de um soldado é R$ 3.833,58.

Segundo o tenente João Romário Fernandes, do Corpo de Bombeiros Militar do Ceará (CBM-CE), atualmente é possível ingressar como soldado, na condição de praça, ou como oficial, no cargo de tenente no CBMCE. “Em ambos, o concurso conta com as etapas: prova intelectual, exames médicos, provas físicas, investigação social e o curso de formação”, explicou.

De acordo com o edital N°01, redigido em 18 de novembro de 2013, para soldado BMCE, cerca de 20 requisitos são necessários para ocupar a vaga. Entre eles, estão possuir idade superior a 18 anos e inferior a 30 anos, certificado devidamente registrado de conclusão do Ensino Médio, estar quite com obrigações eleitorais e militares (em caso de homens), não ser e nem ter sido condenado judicialmente e ter aptidão física e mental para o cargo.

Assim como na carreira de policial militar, a de bombeiro também exige alguns critérios físicos. Candidatos do sexo masculino devem ter, no mínimo, 1,62 m de altura e, do sexo feminino, 1,57 m. Mulheres também não podem estar grávida durante o curso de formação profissional, “devido à incompatibilidade desse estado com os exercícios exigidos”, diz o edital.

Etapas do concurso

As etapas do concurso para bombeiro militar são três, sendo a primeira de provas objetivas, contendo conhecimentos básicos e específicos, e de caráter eliminatório e classificatório. Já a segunda fase são os exames médico-odontológico, biométrico e toxicológico (caráter eliminatório). A terceira e última fase é mais conhecida por Curso de Formação Profissional, com caráter eliminatório, incluindo avaliação psicológica, avaliação de capacidade física, investigação social, e provas finais (caráter eliminatório e classificatório).

Curso de Formação Profissional

O Curso de Formação Profissional é dirigido para capacitação funcional do candidato e tem a carga horária de 1.020 horas/aula, sendo ministrado presencialmente e com o mínimo de oito horas por dia, podendo as aulas acontecerem em dias úteis ou não. As turmas são distribuídas na Academia Estadual de Segurança Pública (AESP) e nas demais Unidades do Sistema de Segurança. Durante o curso, atividades teóricas e práticas são realizadas.

No curso, a capacidade física do candidato também é avaliada para o Curso de Formação Profissional de Soldado Bombeiro Militar. Os testes mais comuns são: flexão abdominal, natação, corrida de 50 metros rasos, flexão de braço na barra fixa e corrida de 12 minutos.

Especialidades dentro da profissão

De acordo com o tenente-coronel Oscar Neto do CBM-CE, todos os bombeiros são habilitados para realizar salvamentos e resgates, mas existem batalhões em que os militares possuem especialização em áreas específicas de atuação, como a Busca e Resgate em Edificações Colapsadas (BREC). Na área de salvamento, há bombeiros militares especialistas em salvamento aquático, terrestre e em altura.

Batalhão de Busca e Salvamento (BBS), Canil (Unidade de Operações com Cães), Batalhão de Socorro de Urgência (BSU), que atua com o auxílio de ambulâncias, e Comando de Engenharia e Prevenção de Incêndio (CEPI) são alguns dos citados pelo coronel.

Oscar Neto destaca que em operações, como a do desabamento do Edifício Andréa, o Comando de Engenharia e Prevenção de Incêndio tem um papel especial, realizando um trabalho técnico, que consiste em fazer análises técnicas de plantas do prédio, fotos e vídeos e, ainda, estudar a sistemática de queda da edificação para localizar vítimas. A intenção desses profissionais é passar estratégias para as equipes que estão em campo.

“Todos pensam que as equipes de campo atuam aleatoriamente, mas não funciona assim. Tudo é decidido dentro de um local chamado Sala de Situação, ou posto de comando”, ressalta.

Diferença entre bombeiro civil e militar

Nátaly trabalhou 24 horas seguidas durante o resgate do Edifício Andréa (FOTO: TV Jangadeiro)

Nátaly Amaral trabalhou 24 horas seguidas durante o resgate do Edifício Andréa (FOTO: TV Jangadeiro)

Nátaly Amaral é bombeira civil fez parte do efetivo que trabalhou no resgate à vítimas do desabamento do Edifício Andréa. Ela conta que ingressou na carreira por gostar da área da saúde e de ajudar pessoas. “Já trabalho em vários projetos sociais e fiz o curso [de Bombeiro Civil] para agregar, podendo salvar vidas e dar o meu melhor como pessoa”, justificou.

A bombeira explicou a diferença entre bombeiro civil e militar. Segundo ela, o bombeiro civil é formado por um curso em instituições de ensino voltadas para a área e com duração média de 1 ano e 6 meses. O curso oferece aulas teóricas e práticas. “No curso de formação, o treinamento é praticamente igual ao de bombeiro militar, mas a gente tem algumas restrições”, explicou.

Depois de formado, o bombeiro civil trabalha, principalmente, dentro de empresas privadas, como em shoppings e em eventos. O objetivo da contratação desse profissional é a prevenção de acidentes.

Já o bombeiro militar, é um servidor público e atua em várias situações em que é necessário realizar resgate e salvamentos. O objetivo do servidor é a segurança das pessoas, mas ele atua sem distinção, inclusive em resgates e salvamentos de animais. Trabalhando em conjunto com bombeiros militares, a atuação do bombeiro civil fica subordinada às ordens do Corpo de Bombeiros Militar.