Colégio dos Bombeiros tem 19 premiados na Olimpíada de Ciências

GRANDE RESULTADO!

Colégio dos Bombeiros tem 19 alunos premiados na Olimpíada Nacional de Ciências

“Foi o melhor resultado da rede pública federal, estadual e municipal em Fortaleza”, explica o primeiro-tenente João Romário Fernandes Filho, professor de Astronomia da escola

Por Roberta Tavares em Educação

1 de dezembro de 2019 às 10:19

Há 1 semana
Foram três medalhas de ouro, quatro de prata e seis de bronze, além de seis menções honrosas (FOTO: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Foram três medalhas de ouro, quatro de prata e seis de bronze, além de seis menções honrosas (FOTO: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Em sua primeira participação na maior olimpíada científica do Brasil, o Colégio Militar do Corpo de Bombeiros garantiu três medalhas de ouro, quatro de prata e seis de bronze, além de seis menções honrosas.

“Foi o melhor resultado da rede pública federal, estadual e municipal em Fortaleza”, explica o primeiro-tenente João Romário Fernandes Filho, professor de Astronomia da escola e responsável pela preparação dos alunos para a Olimpíada Nacional de Ciências.

Um dos trunfos, segundo o professor, foi a Astronomia, que passou a integrar o currículo da Olimpíada. “Aproveitando a bagagem dos nossos alunos do 8º e do 9º anos, multimedalhistas na OBA, dedicamos as aulas de Astronomia deste segundo semestre a uma abordagem integrada com a Física, a Química e a Biologia, focada na Olimpíada de Ciências”.

Universo Científico Marvel

“Assim que voltamos das férias, começamos a ter aula mais temáticas e divertidas, abordando, por exemplo, filmes da Marvel, tentando encaixar explicações sobre física, química e biologia com as cenas dos filmes. Essas aulas facilitaram o aprendizado e nos instigaram para aprender”, explica Eduardo Assunção, aluno do 8º ano que obteve medalha de bronze, mesmo disputando com alunos do 9º ano de todo o país.

“A aula dinâmica, com coisas novas e interessantes, algumas até baseadas nos filmes de heróis, aqueles que a maioria conhece e gosta, faz uma junção de aprendizados e diversão na medida certa. É algo que prende a nossa atenção e torna tudo mais interessante”, avalia Bianca Lima, medalhista de prata na Olimpíada.

Para o infinito

Por terem obtido medalha de ouro na Olimpíada Brasileira de Astronomia deste ano, vários dos alunos do 9º ano premiados na Olimpíada Nacional de Ciências encontram-se em meio ao processo seletivo para as olimpíadas internacionais de Astronomia de 2020. Desde setembro, eles participam de provas online, em disputa com milhares de estudantes do Ensino Médio de todo o país, que ajudarão na escolha dos 20 alunos que representarão o país na Olimpíada Latinoamericana de Astronomia, que acontece no México e tem tradicionalmente no Brasil seu maior expoente, e na ainda desafiadora Olimpíada Internacional de Astronomia, que acontece na Colômbia.

Publicidade

Dê sua opinião

GRANDE RESULTADO!

Colégio dos Bombeiros tem 19 alunos premiados na Olimpíada Nacional de Ciências

“Foi o melhor resultado da rede pública federal, estadual e municipal em Fortaleza”, explica o primeiro-tenente João Romário Fernandes Filho, professor de Astronomia da escola

Por Roberta Tavares em Educação

1 de dezembro de 2019 às 10:19

Há 1 semana
Foram três medalhas de ouro, quatro de prata e seis de bronze, além de seis menções honrosas (FOTO: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Foram três medalhas de ouro, quatro de prata e seis de bronze, além de seis menções honrosas (FOTO: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Em sua primeira participação na maior olimpíada científica do Brasil, o Colégio Militar do Corpo de Bombeiros garantiu três medalhas de ouro, quatro de prata e seis de bronze, além de seis menções honrosas.

“Foi o melhor resultado da rede pública federal, estadual e municipal em Fortaleza”, explica o primeiro-tenente João Romário Fernandes Filho, professor de Astronomia da escola e responsável pela preparação dos alunos para a Olimpíada Nacional de Ciências.

Um dos trunfos, segundo o professor, foi a Astronomia, que passou a integrar o currículo da Olimpíada. “Aproveitando a bagagem dos nossos alunos do 8º e do 9º anos, multimedalhistas na OBA, dedicamos as aulas de Astronomia deste segundo semestre a uma abordagem integrada com a Física, a Química e a Biologia, focada na Olimpíada de Ciências”.

Universo Científico Marvel

“Assim que voltamos das férias, começamos a ter aula mais temáticas e divertidas, abordando, por exemplo, filmes da Marvel, tentando encaixar explicações sobre física, química e biologia com as cenas dos filmes. Essas aulas facilitaram o aprendizado e nos instigaram para aprender”, explica Eduardo Assunção, aluno do 8º ano que obteve medalha de bronze, mesmo disputando com alunos do 9º ano de todo o país.

“A aula dinâmica, com coisas novas e interessantes, algumas até baseadas nos filmes de heróis, aqueles que a maioria conhece e gosta, faz uma junção de aprendizados e diversão na medida certa. É algo que prende a nossa atenção e torna tudo mais interessante”, avalia Bianca Lima, medalhista de prata na Olimpíada.

Para o infinito

Por terem obtido medalha de ouro na Olimpíada Brasileira de Astronomia deste ano, vários dos alunos do 9º ano premiados na Olimpíada Nacional de Ciências encontram-se em meio ao processo seletivo para as olimpíadas internacionais de Astronomia de 2020. Desde setembro, eles participam de provas online, em disputa com milhares de estudantes do Ensino Médio de todo o país, que ajudarão na escolha dos 20 alunos que representarão o país na Olimpíada Latinoamericana de Astronomia, que acontece no México e tem tradicionalmente no Brasil seu maior expoente, e na ainda desafiadora Olimpíada Internacional de Astronomia, que acontece na Colômbia.