Novo ministro da Educação já polemizou ao dizer que professores precisam trabalhar "por amor, e não por dinheiro"


Novo ministro da Educação já disse que professores precisam trabalhar “por amor, e não por dinheiro”

Durante sua gestão como governador do Ceará, Cid Gomes pediu para professores trabalharem “por amor” durante greve, reprimida de forma violenta pela Polícia Militar

Por Wolney Batista em Educação

24 de dezembro de 2014 às 16:55

Há 6 anos
Índice do Ceará foi positivo no Ideb durante gestão de Cid Gomes (FOTO: Reprodução/ Facebook)

Índice do Ceará foi positivo no Ideb durante gestão de Cid Gomes (FOTO: Reprodução/ Facebook)

O burburinho sobre o nome de Cid Gomes (Pros) para assumir o Ministério da Educação durante o segundo mandato de Dilma Rousseff foi confirmado, por meio de nota oficial da presidente, na última terça-feira (23). O fato também foi reiterado durante discurso do cearense nos seus últimos atos como governador do Estado, em sessão na Assembleia Legislativa, simultaneamente.

As razões para a nomeação são fortes. Governador de 2007 a 2014, Cid sempre se mostrou um aliado político leal a Dilma. O desempenho positivo do Ceará no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) durante a sua gestão no Estado também pesou na escolha. Em 2005, a nota dos estudantes cearenses no Ideb era de 2,8. Em 2013, essa taxa alcançou os 5 pontos. Mas nem tudo foram flores na relação do governador com a educação.

Um dos episódios mais emblemáticos de sua gestão aconteceu em frente ao mesmo palco do anúncio de Cid como futuro ministro, a tribuna da Assembleia Legislativa, em Fortaleza. Uma manifestação de professores, durante greve em 2011, foi violentamente reprimida pela Polícia Militar e ganhou projeção em todo o País.

A crise entre o chefe do executivo do Ceará e os funcionários estaduais da Educação piorou com a declaração feita por Cid Gomes, ainda na Assembleia Legislativa. “Quem quer dar aula faz isso por gosto, e não pelo salário. Se quer ganhar melhor, pede demissão e vai para o ensino privado. Quem entra em atividade pública deve entrar por amor, não por dinheiro”, retrucou o político na época, apesar de negar a autoria da frase posteriormente.

“Quem entra em atividade pública deve entrar por amor, não por dinheiro”.

A atuação de Ferreira Gomes, incluindo seu irmão Ciro Gomes, diante das universidades estaduais conta pontos negativos, conforme a secretaria do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação do Ceará (Sindiute), Gardênia Baima. “A Uece [Universidade Estadual do Ceará] reiteradas vezes paralisou as atividades em greves. Talvez tenha faltado mais negociação, o redimensionamento do financiamento para que a educação não esteja sempre nas cotas das despesas, mas de investimentos”.

O novo cargo, inclusive, já pode começar envolto de uma relação conflituosa com o corpo docente federal, posiciona-se a secretaria da Sindiute.  “O primeiro desafio vai ser o de tentar o piso nacional dos professores, que tem como data base janeiro”.

Outdoors foram espalhados por Fortaleza na época da frase polêmica de Cid (FOTO: Reprodução/ Facebook)

Outdoors foram espalhados por Fortaleza na época da frase polêmica de Cid (FOTO: Reprodução/ Facebook)

Publicidade

Dê sua opinião

Novo ministro da Educação já disse que professores precisam trabalhar “por amor, e não por dinheiro”

Durante sua gestão como governador do Ceará, Cid Gomes pediu para professores trabalharem “por amor” durante greve, reprimida de forma violenta pela Polícia Militar

Por Wolney Batista em Educação

24 de dezembro de 2014 às 16:55

Há 6 anos
Índice do Ceará foi positivo no Ideb durante gestão de Cid Gomes (FOTO: Reprodução/ Facebook)

Índice do Ceará foi positivo no Ideb durante gestão de Cid Gomes (FOTO: Reprodução/ Facebook)

O burburinho sobre o nome de Cid Gomes (Pros) para assumir o Ministério da Educação durante o segundo mandato de Dilma Rousseff foi confirmado, por meio de nota oficial da presidente, na última terça-feira (23). O fato também foi reiterado durante discurso do cearense nos seus últimos atos como governador do Estado, em sessão na Assembleia Legislativa, simultaneamente.

As razões para a nomeação são fortes. Governador de 2007 a 2014, Cid sempre se mostrou um aliado político leal a Dilma. O desempenho positivo do Ceará no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) durante a sua gestão no Estado também pesou na escolha. Em 2005, a nota dos estudantes cearenses no Ideb era de 2,8. Em 2013, essa taxa alcançou os 5 pontos. Mas nem tudo foram flores na relação do governador com a educação.

Um dos episódios mais emblemáticos de sua gestão aconteceu em frente ao mesmo palco do anúncio de Cid como futuro ministro, a tribuna da Assembleia Legislativa, em Fortaleza. Uma manifestação de professores, durante greve em 2011, foi violentamente reprimida pela Polícia Militar e ganhou projeção em todo o País.

A crise entre o chefe do executivo do Ceará e os funcionários estaduais da Educação piorou com a declaração feita por Cid Gomes, ainda na Assembleia Legislativa. “Quem quer dar aula faz isso por gosto, e não pelo salário. Se quer ganhar melhor, pede demissão e vai para o ensino privado. Quem entra em atividade pública deve entrar por amor, não por dinheiro”, retrucou o político na época, apesar de negar a autoria da frase posteriormente.

“Quem entra em atividade pública deve entrar por amor, não por dinheiro”.

A atuação de Ferreira Gomes, incluindo seu irmão Ciro Gomes, diante das universidades estaduais conta pontos negativos, conforme a secretaria do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação do Ceará (Sindiute), Gardênia Baima. “A Uece [Universidade Estadual do Ceará] reiteradas vezes paralisou as atividades em greves. Talvez tenha faltado mais negociação, o redimensionamento do financiamento para que a educação não esteja sempre nas cotas das despesas, mas de investimentos”.

O novo cargo, inclusive, já pode começar envolto de uma relação conflituosa com o corpo docente federal, posiciona-se a secretaria da Sindiute.  “O primeiro desafio vai ser o de tentar o piso nacional dos professores, que tem como data base janeiro”.

Outdoors foram espalhados por Fortaleza na época da frase polêmica de Cid (FOTO: Reprodução/ Facebook)

Outdoors foram espalhados por Fortaleza na época da frase polêmica de Cid (FOTO: Reprodução/ Facebook)