Professores da Uece e Urca deliberam "Greve de Ocupação" - Noticias


Professores da Uece e Urca deliberam “Greve de Ocupação”

A paralisação já está em vigor e abrange os campus da capital e do interior.

Por Renata Monte em Educação

18 de setembro de 2014 às 12:08

Há 6 anos
A assembleia aconteceu no Auditório Central do Campus do Itaperi.

A assembleia aconteceu no Auditório Central do Campus do Itaperi.

No início da tarde desta quarta-feira (17), os professores da Universidade Estadual do Ceará (Uece) e da Universidade Regional do Cariri (Urca) decidiram entrar em greve. A decisão foi tomada depois de uma assembleia realizada no Auditório Central do Campus do Itaperi, com 71 votos a favor, 28 contra e 7 abstenções. A paralisação começa a valer a partir de hoje.

Segundo a atual presidente do Sindicato dos Docentes da Uece (SindUece), Elda Maria Freire Maciel, as reivindicações são em torno das pautas não atendidas pelo governador Cid Gomes, na greve passada, que durou de outubro de 2013 à janeiro de 2014: “Nós fizemos a nossa parte, concluímos nossas atividades e agora esperamos mais uma vez que o Governador cumpra o que prometeu.”, afirmou.

As exigências dos docentes são mais uma vez: concurso público para professores efetivos – já que a Uece sofre carência de servidores e os alunos ficam sem aulas; Planos de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) – pois ainda falta a Lei do Professor Associado a ser regulamentada; segurança nos campus – devido aos inúmeros casos de assalto dentro das Universidades, e a reforma e ampliação do prédio de educação de Itapipoca.

Em nota, a Reitoria da Uece afirmou que essas demandas dependem da decisão do Governador e a greve está dentro do período de proibições eleitorais. Quanto a isso, Elda Maria afirmou que não há ilegalidade na paralisação: “Necessitamos de concurso imediatamente. Isso não tem nenhuma implicação eleitoral, porque deveria ter sido atendido até o dia 30 de julho. Exigimos isso desde a greve do ano passado”, argumentou.

Próximos atos:

A parede desta vez será chamada de “greve de ocupação”. A proposta é ocupar as universidades e a cidade, convocando a população para apoiar a greve. Amanhã (18), a partir das 8h, o SindUece vai promover atividades culturais, no campus do Itaperi, em Fortaleza.

Na próxima segunda (22), às 9h, haverá uma nova assembleia dos professores no Auditório Central do Campus do Itaperi da Uece, e às 17h, os estudantes também realizarão uma assembleia em apoio à greve.

Publicidade

Dê sua opinião

Professores da Uece e Urca deliberam “Greve de Ocupação”

A paralisação já está em vigor e abrange os campus da capital e do interior.

Por Renata Monte em Educação

18 de setembro de 2014 às 12:08

Há 6 anos
A assembleia aconteceu no Auditório Central do Campus do Itaperi.

A assembleia aconteceu no Auditório Central do Campus do Itaperi.

No início da tarde desta quarta-feira (17), os professores da Universidade Estadual do Ceará (Uece) e da Universidade Regional do Cariri (Urca) decidiram entrar em greve. A decisão foi tomada depois de uma assembleia realizada no Auditório Central do Campus do Itaperi, com 71 votos a favor, 28 contra e 7 abstenções. A paralisação começa a valer a partir de hoje.

Segundo a atual presidente do Sindicato dos Docentes da Uece (SindUece), Elda Maria Freire Maciel, as reivindicações são em torno das pautas não atendidas pelo governador Cid Gomes, na greve passada, que durou de outubro de 2013 à janeiro de 2014: “Nós fizemos a nossa parte, concluímos nossas atividades e agora esperamos mais uma vez que o Governador cumpra o que prometeu.”, afirmou.

As exigências dos docentes são mais uma vez: concurso público para professores efetivos – já que a Uece sofre carência de servidores e os alunos ficam sem aulas; Planos de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) – pois ainda falta a Lei do Professor Associado a ser regulamentada; segurança nos campus – devido aos inúmeros casos de assalto dentro das Universidades, e a reforma e ampliação do prédio de educação de Itapipoca.

Em nota, a Reitoria da Uece afirmou que essas demandas dependem da decisão do Governador e a greve está dentro do período de proibições eleitorais. Quanto a isso, Elda Maria afirmou que não há ilegalidade na paralisação: “Necessitamos de concurso imediatamente. Isso não tem nenhuma implicação eleitoral, porque deveria ter sido atendido até o dia 30 de julho. Exigimos isso desde a greve do ano passado”, argumentou.

Próximos atos:

A parede desta vez será chamada de “greve de ocupação”. A proposta é ocupar as universidades e a cidade, convocando a população para apoiar a greve. Amanhã (18), a partir das 8h, o SindUece vai promover atividades culturais, no campus do Itaperi, em Fortaleza.

Na próxima segunda (22), às 9h, haverá uma nova assembleia dos professores no Auditório Central do Campus do Itaperi da Uece, e às 17h, os estudantes também realizarão uma assembleia em apoio à greve.