Fafi Bar é fechado por falta de segurança


Fafi Bar fecha por falta de segurança

Os proprietários Mateus Montenegro e Renato Carneiro, há dois anos na gestão do estabelecimento, reclamam principalmente da falta de segurança

Por Jackson Cruz em Fortaleza

21 de novembro de 2012 às 16:34

Há 8 anos

Por falta de segurança, proprietário decidiu fechar o Fafi Bar. Foto: Divulgação

O bar conhecido como Fafi, situado em uma travessa apelidada com o mesmo nome, tem data marcada para o fechamento: sábado (24). Desde 2003 no mesmo endereço – Rua Norvinda Pires, na Aldeota–, os proprietários Mateus Montenegro e Renato Carneiro, há dois anos na gestão do estabelecimento, reclamam de vários fatores, principalmente da falta de segurança.

“Uma decisão dessas nunca é fácil de ser tomada, até pela responsabilidade social e cultural”, desabafa Mateus. De acordo com o proprietário, os vendedores ambulantes chegaram no local, fazendo concorrência com os bares, “o preço igual, mas não pagam funcionários, nem impostos”. Ele ainda afirmou que os problemas foram agravados há 6 meses e, por isso, decidiu fechar o bar até antes de um possível “boom”, que seria nas férias.

Dessa forma, os proprietários de bares da travessa se articularam contra a concorrência dos ambulantes. “A gente tentou ações com o Ministério Público para reverter, mas fomos completamente ignorados”. Além do Fafi, Mateus ressalta que o Bebedouro (bar mais antigo da rua) e o Trip Bar também estão fechando.

“A vinda dos ambulantes atraiu outro público, que acabou misturando muito. Trouxe esses problemas sociais, furtos, assaltos a carros. Ninguém sentia mais segurança. Chegavam denúncias, inclusive podíamos ficar até fevereiro, mas querendo proteger os clientes, o nome e marca do bar, resolvemos fechar”, declarou.

Outros fatores

Mateus também considerou um fator de agravamento da situação a questão do lixo. “Ambulantes deixavam muito lixo na rua. Éramos nós do Fafi que limpávamos as ruas. Aquele lixo incomodava as lojas que funcionavam pelo dia”.

Segundo o proprietário, denúncias da vizinhança ainda apontavam que o bar seria culpado pela poluição sonora do local. “Quando pessoas com carros de som alto apareciam, reclamava que era do Fafi, por causa do nome da rua ser conhecida como Fafi”.

De acordo com ele, a vizinhança se reuniu, querendo que a família – que é dona de todas as propriedades da rua – não renovasse os contratos dos bares para os próximos anos.

Possível reabertura

Sobre a marca do estabelecimento, Mateus afirma que estão estudando algumas possibilidades de uma possível reabertura. “Precisamos ver um local, até porque aquela rua tinha uma magia. Temos estudar um local certo, se for o caso reabrir o bar. Mas é só projeto”, comentou.

Publicidade

Dê sua opinião

Fafi Bar fecha por falta de segurança

Os proprietários Mateus Montenegro e Renato Carneiro, há dois anos na gestão do estabelecimento, reclamam principalmente da falta de segurança

Por Jackson Cruz em Fortaleza

21 de novembro de 2012 às 16:34

Há 8 anos

Por falta de segurança, proprietário decidiu fechar o Fafi Bar. Foto: Divulgação

O bar conhecido como Fafi, situado em uma travessa apelidada com o mesmo nome, tem data marcada para o fechamento: sábado (24). Desde 2003 no mesmo endereço – Rua Norvinda Pires, na Aldeota–, os proprietários Mateus Montenegro e Renato Carneiro, há dois anos na gestão do estabelecimento, reclamam de vários fatores, principalmente da falta de segurança.

“Uma decisão dessas nunca é fácil de ser tomada, até pela responsabilidade social e cultural”, desabafa Mateus. De acordo com o proprietário, os vendedores ambulantes chegaram no local, fazendo concorrência com os bares, “o preço igual, mas não pagam funcionários, nem impostos”. Ele ainda afirmou que os problemas foram agravados há 6 meses e, por isso, decidiu fechar o bar até antes de um possível “boom”, que seria nas férias.

Dessa forma, os proprietários de bares da travessa se articularam contra a concorrência dos ambulantes. “A gente tentou ações com o Ministério Público para reverter, mas fomos completamente ignorados”. Além do Fafi, Mateus ressalta que o Bebedouro (bar mais antigo da rua) e o Trip Bar também estão fechando.

“A vinda dos ambulantes atraiu outro público, que acabou misturando muito. Trouxe esses problemas sociais, furtos, assaltos a carros. Ninguém sentia mais segurança. Chegavam denúncias, inclusive podíamos ficar até fevereiro, mas querendo proteger os clientes, o nome e marca do bar, resolvemos fechar”, declarou.

Outros fatores

Mateus também considerou um fator de agravamento da situação a questão do lixo. “Ambulantes deixavam muito lixo na rua. Éramos nós do Fafi que limpávamos as ruas. Aquele lixo incomodava as lojas que funcionavam pelo dia”.

Segundo o proprietário, denúncias da vizinhança ainda apontavam que o bar seria culpado pela poluição sonora do local. “Quando pessoas com carros de som alto apareciam, reclamava que era do Fafi, por causa do nome da rua ser conhecida como Fafi”.

De acordo com ele, a vizinhança se reuniu, querendo que a família – que é dona de todas as propriedades da rua – não renovasse os contratos dos bares para os próximos anos.

Possível reabertura

Sobre a marca do estabelecimento, Mateus afirma que estão estudando algumas possibilidades de uma possível reabertura. “Precisamos ver um local, até porque aquela rua tinha uma magia. Temos estudar um local certo, se for o caso reabrir o bar. Mas é só projeto”, comentou.