Especialista ensina como estacionar fazendo baliza; veja infográfico


Especialista ensina como estacionar fazendo baliza; veja infográfico

Para garantir seu lugar, sem preocupações, especialista dá dica de como estacionar bem e colocar o carro direitinho na vaga

Por Roberta Tavares em Mobilidade Urbana

27 de fevereiro de 2015 às 09:00

Há 5 anos
A baliza é uma das manobras mais temidas pelos recém-motorizados (FOTO: Yágo Nascimento/Tribuna do Ceará)

A baliza é uma das manobras mais temidas por alguns motoristas (FOTO: Yágo Nascimento)

Achar vaga de estacionamento nas ruas de Fortaleza já é difícil. Às vezes, o lugar disponível está justamente entre dois carros, sendo necessário fazer a tão temida baliza. Para alguns motoristas, a manobra é um verdadeiro terror. Não é raro que as pessoas “aprendam” o método ensinado pelos instrutores na auto-escola só para passar no teste final do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). E, então, depois esqueçam como se faz no dia a dia, evitando a todo custo vagas que, muitas vezes, nem são tão pequenas assim.

A baliza perfeita é aquela em que o carro fica completamente alinhado com o meio-fio. De acordo com o Roberto Tadeu, da Auto-Escola Montenegro, em Fortaleza, é necessário alinhar bem o carro com o veículo da frente e não esquecer a sinalização. “Antes de entrar e sair na vaga, sinalize. Só em seguida, gire o volante”, explica.

Com o objetivo de ajudar os recém-motorizados (ou os motoristas que há anos estão com a CNH em mãos), o Tribuna do Ceará fez um resumo do que deve ser feito para se dar bem numa baliza – e estacionar em qualquer vaga. Veja abaixo e pratique:

(ARTE: Tiago Leite)

(ARTE: Tiago Leite)

Segundo Roberto, a baliza já não aterroriza mais tanto os alunos nos testes. Mesmo que alguns ainda apresentem a ‘Síndrome da Baliza’, na terceira aula já estão se sentindo tranquilos. “Hoje em dia, os erros mais comuns são de sinalização. As pessoas veem tantos erros no trânsito da cidade, que acabam levando essas ‘manias’ para o dia do exame”, conta o instrutor, que trabalha há 23 anos no ramo.

Publicidade

Dê sua opinião

Especialista ensina como estacionar fazendo baliza; veja infográfico

Para garantir seu lugar, sem preocupações, especialista dá dica de como estacionar bem e colocar o carro direitinho na vaga

Por Roberta Tavares em Mobilidade Urbana

27 de fevereiro de 2015 às 09:00

Há 5 anos
A baliza é uma das manobras mais temidas pelos recém-motorizados (FOTO: Yágo Nascimento/Tribuna do Ceará)

A baliza é uma das manobras mais temidas por alguns motoristas (FOTO: Yágo Nascimento)

Achar vaga de estacionamento nas ruas de Fortaleza já é difícil. Às vezes, o lugar disponível está justamente entre dois carros, sendo necessário fazer a tão temida baliza. Para alguns motoristas, a manobra é um verdadeiro terror. Não é raro que as pessoas “aprendam” o método ensinado pelos instrutores na auto-escola só para passar no teste final do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). E, então, depois esqueçam como se faz no dia a dia, evitando a todo custo vagas que, muitas vezes, nem são tão pequenas assim.

A baliza perfeita é aquela em que o carro fica completamente alinhado com o meio-fio. De acordo com o Roberto Tadeu, da Auto-Escola Montenegro, em Fortaleza, é necessário alinhar bem o carro com o veículo da frente e não esquecer a sinalização. “Antes de entrar e sair na vaga, sinalize. Só em seguida, gire o volante”, explica.

Com o objetivo de ajudar os recém-motorizados (ou os motoristas que há anos estão com a CNH em mãos), o Tribuna do Ceará fez um resumo do que deve ser feito para se dar bem numa baliza – e estacionar em qualquer vaga. Veja abaixo e pratique:

(ARTE: Tiago Leite)

(ARTE: Tiago Leite)

Segundo Roberto, a baliza já não aterroriza mais tanto os alunos nos testes. Mesmo que alguns ainda apresentem a ‘Síndrome da Baliza’, na terceira aula já estão se sentindo tranquilos. “Hoje em dia, os erros mais comuns são de sinalização. As pessoas veem tantos erros no trânsito da cidade, que acabam levando essas ‘manias’ para o dia do exame”, conta o instrutor, que trabalha há 23 anos no ramo.