IBovespa bate 10% de queda e a bolsa brasileira paralisa as operações por 30 minutos

CRISE NA BOLSA

IBovespa bate 10% de queda e a bolsa brasileira paralisa as operações por 30 minutos

Com a queda e a paralisação, as ações da Petrobras chegaram a desabar mais de 25% nos primeiros negócios

Por Tribuna Bandnews FM em Negócios

9 de março de 2020 às 17:34

Há 3 semanas

Ações da Petrobras chegaram a <strong>desabar mais de 25%</strong> nos primeiros negócios (FOTO: Agência Brasil)

Durante a manhã desta segunda-feira (9), o IBovespa bateu os 10% de queda e a bolsa brasileira paralisou as operações por 30 minutos. Com isso, as ações da Petrobras chegaram a desabar mais de 25% nos primeiros negócios.

O vice-presidente do Instituto Brasileiro de Executivo de Finanças (IBEF Ceará), Raul dos Santos Neto, explica que esse colapso é um reflexo da disseminação do Coronavírus e da briga comercial entre a Arábia Saudita e a Rússia pelo preço do petróleo. Ele diz, ainda, que fatores internos na política do Brasil também estão envolvidos neste cenário.

“Eu colocaria como um fator interno a falta de diálogo entre o Legislativo e o Executivo para aprovação das duas reformas que faltam, a Administrativa e a Tributária. Juntando esses fatores internos com externos, criou-se um ambiente propício para esse queda tão forte da bolsa”, explica.

Com a interligação global no mercado de exportação, a crise do IBovespa afeta a venda de produtos do Ceará para outros países. Um grande polo de exportação está no Porto do Pecém, onde há a produção de chapas de aço bruto.

Raul acredita que isso impacta na arrecadação de impostos, além da redução de demandas pelo arrefecimento da economia global. “Impacta na arrecadação de impostos para o estado, como também em exportadores tradicionais que, de uma forma ou de outra, são afetadas pela redução de demanda”.

Por outro lado, o Ceará pode ser beneficiado em outros setores. “O turismo internacional em queda pode gerar benefícios para o turismo nacional, então nesse ponto, o Ceará pode ser beneficiado”, considera.

Raul reforça que o mercado financeiro se comporta de acordo com os acontecimentos globais. Para ele, esse cenário pode se regularizar em breve.

“Pelo coronavírus, pelo menos mais dois ou três meses. Quanto ao petróleo, nós temos uma janela interna no país que é até julho para que Executivo e Legislativo se entendam. Acredito eu que talvez não se aprove as dua reformas que faltam. Acredito que o Governo vai focar em uma delas para o mercado entender um salto como merecimento de credibilidade”, sugere.

Essa não é a primeira vez que o Brasil passa pela crise na Bolsa. Em 2017, quando houve a delação da JBS e denúncias contra Michel Temer, a bolsa também despencou 10%. Em 2008, houve a crise da subprime, motivada pela concessão de empréstimos hipotecários de alto risco. E em 1999, houve uma implementação das políticas de câmbio flutuante, que resultou na desvalorização do Real.

Em meio à recente queda do IBovespa, o dólar valorizou e chegou a bater pela primeira vez R$ 4,79.

Confira a matéria completa de Lôrrane Mendonça, da Tribuna BandNews FM:

Publicidade

Dê sua opinião

CRISE NA BOLSA

IBovespa bate 10% de queda e a bolsa brasileira paralisa as operações por 30 minutos

Com a queda e a paralisação, as ações da Petrobras chegaram a desabar mais de 25% nos primeiros negócios

Por Tribuna Bandnews FM em Negócios

9 de março de 2020 às 17:34

Há 3 semanas

Ações da Petrobras chegaram a <strong>desabar mais de 25%</strong> nos primeiros negócios (FOTO: Agência Brasil)

Durante a manhã desta segunda-feira (9), o IBovespa bateu os 10% de queda e a bolsa brasileira paralisou as operações por 30 minutos. Com isso, as ações da Petrobras chegaram a desabar mais de 25% nos primeiros negócios.

O vice-presidente do Instituto Brasileiro de Executivo de Finanças (IBEF Ceará), Raul dos Santos Neto, explica que esse colapso é um reflexo da disseminação do Coronavírus e da briga comercial entre a Arábia Saudita e a Rússia pelo preço do petróleo. Ele diz, ainda, que fatores internos na política do Brasil também estão envolvidos neste cenário.

“Eu colocaria como um fator interno a falta de diálogo entre o Legislativo e o Executivo para aprovação das duas reformas que faltam, a Administrativa e a Tributária. Juntando esses fatores internos com externos, criou-se um ambiente propício para esse queda tão forte da bolsa”, explica.

Com a interligação global no mercado de exportação, a crise do IBovespa afeta a venda de produtos do Ceará para outros países. Um grande polo de exportação está no Porto do Pecém, onde há a produção de chapas de aço bruto.

Raul acredita que isso impacta na arrecadação de impostos, além da redução de demandas pelo arrefecimento da economia global. “Impacta na arrecadação de impostos para o estado, como também em exportadores tradicionais que, de uma forma ou de outra, são afetadas pela redução de demanda”.

Por outro lado, o Ceará pode ser beneficiado em outros setores. “O turismo internacional em queda pode gerar benefícios para o turismo nacional, então nesse ponto, o Ceará pode ser beneficiado”, considera.

Raul reforça que o mercado financeiro se comporta de acordo com os acontecimentos globais. Para ele, esse cenário pode se regularizar em breve.

“Pelo coronavírus, pelo menos mais dois ou três meses. Quanto ao petróleo, nós temos uma janela interna no país que é até julho para que Executivo e Legislativo se entendam. Acredito eu que talvez não se aprove as dua reformas que faltam. Acredito que o Governo vai focar em uma delas para o mercado entender um salto como merecimento de credibilidade”, sugere.

Essa não é a primeira vez que o Brasil passa pela crise na Bolsa. Em 2017, quando houve a delação da JBS e denúncias contra Michel Temer, a bolsa também despencou 10%. Em 2008, houve a crise da subprime, motivada pela concessão de empréstimos hipotecários de alto risco. E em 1999, houve uma implementação das políticas de câmbio flutuante, que resultou na desvalorização do Real.

Em meio à recente queda do IBovespa, o dólar valorizou e chegou a bater pela primeira vez R$ 4,79.

Confira a matéria completa de Lôrrane Mendonça, da Tribuna BandNews FM: