Triciclos feitos com peças reaproveitadas fazem sucesso entre a criançada em Horizonte

PEDALET BIKE

Triciclos feitos com peças reaproveitadas fazem sucesso entre a criançada em Horizonte

Ricardo ficou desempregado há 4 anos e decidiu montar o negócio com os triciclos. Agora, ela estuda transformar a Pedalet Bike em um empreendimento social

Por William Barros em Negócios

10 de novembro de 2019 às 07:00

Há 5 meses

Ricardo Chammas tem experiência em desenvolvimento de produtos automobilísticos (FOTO: Arquivo pessoal)

Um real por cada cinco minutos. É esse o preço que os pais pagam para que a criançada se divirta com os triciclos de Ricardo Chammas na praça da Igreja Matriz de Horizonte, na Região Metropolitana de Fortaleza

Desempregado há 4 anos, o engenheiro mecânico automobilístico encontrou nesse novo negócio uma forma de complementar a renda. É ele mesmo quem monta os veículos, a partir de peças reutilizadas.

A iniciativa tem feito bastante sucesso durante os finais de semana. É tanto que Ricardo já é conhecido na cidade como “Tio da Bicicletinha”. Segundo ele, a clientela é fiel. “Os filhos ficam puxando a calça do pai e dizendo que querem andar de ‘bicicletinha'”, comemora. O paulista mora no Ceará há 10 anos e já fazia triciclos para os filhos brincarem quando estes ainda eram crianças.

Com o sucesso, Ricardo criou a Pedalet Bike. Ele afirma que a empresa “é comandada por uma ‘euquipe'”. “É um equipe que só tem eu. Eu que compro o material, corto, faço uma pré-soldagem e levo para um especialista em soldagem”, explica, acrescentando que já estuda registrar a patente do produto.

Outro diferencial da Pedalet é a reutilização do material. “Eu pego uma parte de uma bicicleta que foi levada para o ferro-velho e reutilizo, quando estão em bom estado. O que eu faço não é reciclagem, é diferente. Também não uso material reciclado. Tudo aqui já foi criado antes e eu só adapto”, descreve o engenheiro.

Trabalho social, um plano

Ao longo dos finais de semana, Ricardo percebeu que a Pedalet poderia realizar um trabalho social, envolvendo crianças que convivem com necessidades especiais. “Comecei a receber pais de crianças com autismo, síndrome de down, que disseram que o equipamento era excelente, porque o filho tinha medo de andar de bicicleta e que, nesse, ele não cai. As crianças pedalam sem medo”, argumenta.

Desde então, o empresário tem visitado entidades que recebem crianças com essas necessidades. A Associação Pestalozzi de Fortaleza, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e o Instituto Mão Amiga estão entre os projetos com os quais Ricardo pretende fazer parceria. O engenheiro está apresentando seu equipamento aos responsáveis por essas organizações sociais.

“Meu interesse é tocar o projeto, principalmente com essas instituições. Caiu muito bem. Alguma empresa pode financiar e ter isenção fiscal. Estou tocando o projeto, por enquanto, mas preciso de investimento”, argumenta o empresário, que pretende transformar seu empreendimento numa atividade social.

Publicidade

Dê sua opinião

PEDALET BIKE

Triciclos feitos com peças reaproveitadas fazem sucesso entre a criançada em Horizonte

Ricardo ficou desempregado há 4 anos e decidiu montar o negócio com os triciclos. Agora, ela estuda transformar a Pedalet Bike em um empreendimento social

Por William Barros em Negócios

10 de novembro de 2019 às 07:00

Há 5 meses

Ricardo Chammas tem experiência em desenvolvimento de produtos automobilísticos (FOTO: Arquivo pessoal)

Um real por cada cinco minutos. É esse o preço que os pais pagam para que a criançada se divirta com os triciclos de Ricardo Chammas na praça da Igreja Matriz de Horizonte, na Região Metropolitana de Fortaleza

Desempregado há 4 anos, o engenheiro mecânico automobilístico encontrou nesse novo negócio uma forma de complementar a renda. É ele mesmo quem monta os veículos, a partir de peças reutilizadas.

A iniciativa tem feito bastante sucesso durante os finais de semana. É tanto que Ricardo já é conhecido na cidade como “Tio da Bicicletinha”. Segundo ele, a clientela é fiel. “Os filhos ficam puxando a calça do pai e dizendo que querem andar de ‘bicicletinha'”, comemora. O paulista mora no Ceará há 10 anos e já fazia triciclos para os filhos brincarem quando estes ainda eram crianças.

Com o sucesso, Ricardo criou a Pedalet Bike. Ele afirma que a empresa “é comandada por uma ‘euquipe'”. “É um equipe que só tem eu. Eu que compro o material, corto, faço uma pré-soldagem e levo para um especialista em soldagem”, explica, acrescentando que já estuda registrar a patente do produto.

Outro diferencial da Pedalet é a reutilização do material. “Eu pego uma parte de uma bicicleta que foi levada para o ferro-velho e reutilizo, quando estão em bom estado. O que eu faço não é reciclagem, é diferente. Também não uso material reciclado. Tudo aqui já foi criado antes e eu só adapto”, descreve o engenheiro.

Trabalho social, um plano

Ao longo dos finais de semana, Ricardo percebeu que a Pedalet poderia realizar um trabalho social, envolvendo crianças que convivem com necessidades especiais. “Comecei a receber pais de crianças com autismo, síndrome de down, que disseram que o equipamento era excelente, porque o filho tinha medo de andar de bicicleta e que, nesse, ele não cai. As crianças pedalam sem medo”, argumenta.

Desde então, o empresário tem visitado entidades que recebem crianças com essas necessidades. A Associação Pestalozzi de Fortaleza, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e o Instituto Mão Amiga estão entre os projetos com os quais Ricardo pretende fazer parceria. O engenheiro está apresentando seu equipamento aos responsáveis por essas organizações sociais.

“Meu interesse é tocar o projeto, principalmente com essas instituições. Caiu muito bem. Alguma empresa pode financiar e ter isenção fiscal. Estou tocando o projeto, por enquanto, mas preciso de investimento”, argumenta o empresário, que pretende transformar seu empreendimento numa atividade social.