Opinião: "Nós somos o resultado das nossas crenças"

QUAL O SEU EVEREST?

Opinião: “Nós somos o resultado das nossas crenças”

São as nossas crenças que nos impulsionam a realizar algo importante. Também são elas que nos limitam a deixar de fazer algo que deveríamos fazer

Por Tribuna do Ceará em Opinião

13 de julho de 2020 às 10:22

Há 3 semanas

Digamos que seu pai é O maior exemplo de seriedade e comprometimento que você conhece. Ele está com 102 anos e, apesar de lúcido, se encontra no leito de morte.

Nas suas últimas palavras ele fala pra você: “Meu filho, você é o meu filho único e eu tenho um segredo que jamais falei para alguém e preciso falar isso para você: eu herdei do seu avô 10 quilos de ouro, isso vale pelo menos 10 vezes o valor da minha casa, que agora passará a ser sua. Por não estar precisando dele na ocasião que o recebi, tomei a decisão de enterrá-lo na sala da minha casa, guardei como reserva para usar um dia em caso de necessidade. Mas, graças ao meu trabalho, nunca precisei usá-lo e agora isso lhe pertence”. Após a confissão, seu pai completa o seu ciclo de vida terrena e parte.

O que você vai fazer quando chegar em casa? Destruir pelo menos o piso da sua casa e cavar até encontrar o tesouro deixado por seu pai. Por que você faria isso? Porque você acredita que o tesouro que vale uma fortuna está ali. Por que você não duvida? Porque você acredita no seu pai por conta da honradez e o exemplo de seriedade dele. Isso se chama crença. E, quando você acredita em algo, você vai lá e faz o que acredita ser o certo.

São as nossas crenças que nos impulsionam a realizar algo importante. Também são elas que nos limitam a deixar de fazer algo que deveríamos fazer. Toda a nossa vida gira em torno das crenças que alimentamos. Se são positivas, construímos uma vida de abundâncias e liberdade de escolhas. Quando são negativas construímos uma vida de escassez, medo e sofrimento.

Acredito que os mais importantes recursos que dispomos não estão nos bens materiais e nem mesmo no conhecimento que adquirimos, mas nas nossas crenças. O que me levou a acreditar na possibilidade de escalar as maiores montanhas da terra foram as minhas crenças. Graças a elas, apesar de todas as dificuldades e falta de recursos, eu jamais duvidei da minha capacidade para executar o PROJETO SETE CUMES.

Mesmo que seu pai estivesse falando uma verdade, mas se você não confiasse nele, certamente sua crença nele seria baixa e, possivelmente, você não iria mexer um dedo para buscar o tesouro que você teria direito. Portanto repense suas crenças: e se elas são positivas e construtivas, mergulhe de cabeça.

O bom é saber que, graças à psicologia moderna e positiva, nós podemos entender o sistema de crenças que alimentamos e, quando necessário, podemos reprogramá-las.

Te desejo uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Opinião: “Nós somos o resultado das nossas crenças”

São as nossas crenças que nos impulsionam a realizar algo importante. Também são elas que nos limitam a deixar de fazer algo que deveríamos fazer

Por Tribuna do Ceará em Opinião

13 de julho de 2020 às 10:22

Há 3 semanas

Digamos que seu pai é O maior exemplo de seriedade e comprometimento que você conhece. Ele está com 102 anos e, apesar de lúcido, se encontra no leito de morte.

Nas suas últimas palavras ele fala pra você: “Meu filho, você é o meu filho único e eu tenho um segredo que jamais falei para alguém e preciso falar isso para você: eu herdei do seu avô 10 quilos de ouro, isso vale pelo menos 10 vezes o valor da minha casa, que agora passará a ser sua. Por não estar precisando dele na ocasião que o recebi, tomei a decisão de enterrá-lo na sala da minha casa, guardei como reserva para usar um dia em caso de necessidade. Mas, graças ao meu trabalho, nunca precisei usá-lo e agora isso lhe pertence”. Após a confissão, seu pai completa o seu ciclo de vida terrena e parte.

O que você vai fazer quando chegar em casa? Destruir pelo menos o piso da sua casa e cavar até encontrar o tesouro deixado por seu pai. Por que você faria isso? Porque você acredita que o tesouro que vale uma fortuna está ali. Por que você não duvida? Porque você acredita no seu pai por conta da honradez e o exemplo de seriedade dele. Isso se chama crença. E, quando você acredita em algo, você vai lá e faz o que acredita ser o certo.

São as nossas crenças que nos impulsionam a realizar algo importante. Também são elas que nos limitam a deixar de fazer algo que deveríamos fazer. Toda a nossa vida gira em torno das crenças que alimentamos. Se são positivas, construímos uma vida de abundâncias e liberdade de escolhas. Quando são negativas construímos uma vida de escassez, medo e sofrimento.

Acredito que os mais importantes recursos que dispomos não estão nos bens materiais e nem mesmo no conhecimento que adquirimos, mas nas nossas crenças. O que me levou a acreditar na possibilidade de escalar as maiores montanhas da terra foram as minhas crenças. Graças a elas, apesar de todas as dificuldades e falta de recursos, eu jamais duvidei da minha capacidade para executar o PROJETO SETE CUMES.

Mesmo que seu pai estivesse falando uma verdade, mas se você não confiasse nele, certamente sua crença nele seria baixa e, possivelmente, você não iria mexer um dedo para buscar o tesouro que você teria direito. Portanto repense suas crenças: e se elas são positivas e construtivas, mergulhe de cabeça.

O bom é saber que, graças à psicologia moderna e positiva, nós podemos entender o sistema de crenças que alimentamos e, quando necessário, podemos reprogramá-las.

Te desejo uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.