Capitão Wagner critica Cid Gomes por usar influência para "soltar criminosos"


Capitão Wagner critica Cid Gomes por usar influência para “soltar criminosos”

Cid Gomes havia acusado Capitão Wagner de estar à frente de milícias na polícia; declaração foi feita após prisão de militantes

Por Roberta Tavares em Política

6 de outubro de 2014 às 17:55

Há 5 anos
Capitão Wagner responde declaração de Cid Gomes (FOTO: Arquivo/Tribuna do Ceará)

Capitão Wagner responde declaração de Cid Gomes (FOTO: Arquivo/Tribuna do Ceará)

Passado o 1º turno das eleições 2014, iniciam-se as declarações e troca de farpas entre aliados e oposição. No domingo (5), o governador Cid Gomes (Pros) acusou Capitão Wagner (PR), deputado estadual mais votado no pleito, de estar à frente de milícias na polícia. A declaração foi feita após a prisão de militantes da coligação de Cid.

Em resposta, Capitão Wagner alfinetou. “A gente soube que o governador quis se impor e agredir verbalmente o delegado [da Delegacia Regional de Sobral]. O governador está até licenciado do cargo… Não devia nem usar sua influência política para tentar soltar criminosos”, disse em entrevista à Tribuna BandNews. “O vereador [Antônio Gaudêncio] cometeu um crime eleitoral, e deve responder por esse ato”, acrescentou.

Segundo o deputado eleito, a polícia prendeu quem tinha de prender, exercendo sua função durante as eleições deste ano. “Acho que ele estranhou, já que ele mesmo declarou que dentro do Executivo ocorrem várias irregularidades, como desvio de dinheiro e atos de corrupção, tentando mostrar que isso é natural ao Executivo. Na eleição, a polícia mostrou que isso não é natural”, completou.

‘Resgate’ de vereador

Na manhã de domingo, Cid Gomes foi à Delegacia Regional de Sobral para ‘prestar solidariedade’ ao vereador Antônio Gaudêncio Braga, que havia sido detido por acusação de fazer boca de urna. O parlamentar municipal estava a 100 metros de distância de uma seção, no distrito de Bonfim, com dinheiro trocado (cerca de R$ 1,9 mil) e santinhos eleitorais.

Os beneficiados seriam os candidatos ao governo do Estado Camilo Santana (PT), ao Senado Federal Mauro Filho (Pros), a deputado federal Leônidas Cristino (Pros) e deputado estadual Ivo Gomes (Pros).

Publicidade

Dê sua opinião

Capitão Wagner critica Cid Gomes por usar influência para “soltar criminosos”

Cid Gomes havia acusado Capitão Wagner de estar à frente de milícias na polícia; declaração foi feita após prisão de militantes

Por Roberta Tavares em Política

6 de outubro de 2014 às 17:55

Há 5 anos
Capitão Wagner responde declaração de Cid Gomes (FOTO: Arquivo/Tribuna do Ceará)

Capitão Wagner responde declaração de Cid Gomes (FOTO: Arquivo/Tribuna do Ceará)

Passado o 1º turno das eleições 2014, iniciam-se as declarações e troca de farpas entre aliados e oposição. No domingo (5), o governador Cid Gomes (Pros) acusou Capitão Wagner (PR), deputado estadual mais votado no pleito, de estar à frente de milícias na polícia. A declaração foi feita após a prisão de militantes da coligação de Cid.

Em resposta, Capitão Wagner alfinetou. “A gente soube que o governador quis se impor e agredir verbalmente o delegado [da Delegacia Regional de Sobral]. O governador está até licenciado do cargo… Não devia nem usar sua influência política para tentar soltar criminosos”, disse em entrevista à Tribuna BandNews. “O vereador [Antônio Gaudêncio] cometeu um crime eleitoral, e deve responder por esse ato”, acrescentou.

Segundo o deputado eleito, a polícia prendeu quem tinha de prender, exercendo sua função durante as eleições deste ano. “Acho que ele estranhou, já que ele mesmo declarou que dentro do Executivo ocorrem várias irregularidades, como desvio de dinheiro e atos de corrupção, tentando mostrar que isso é natural ao Executivo. Na eleição, a polícia mostrou que isso não é natural”, completou.

‘Resgate’ de vereador

Na manhã de domingo, Cid Gomes foi à Delegacia Regional de Sobral para ‘prestar solidariedade’ ao vereador Antônio Gaudêncio Braga, que havia sido detido por acusação de fazer boca de urna. O parlamentar municipal estava a 100 metros de distância de uma seção, no distrito de Bonfim, com dinheiro trocado (cerca de R$ 1,9 mil) e santinhos eleitorais.

Os beneficiados seriam os candidatos ao governo do Estado Camilo Santana (PT), ao Senado Federal Mauro Filho (Pros), a deputado federal Leônidas Cristino (Pros) e deputado estadual Ivo Gomes (Pros).