Disputa política em Crato, Juazeiro e Barbalha opõe grupo de Cid e Camilo ao de Eunício e Tasso

CARIRI

Disputa política em Crato, Juazeiro e Barbalha opõe grupo de Cid e Camilo ao de Eunício e Tasso

Os três municípios estão entre o de maior eleitorado no Ceará e são importantes para a reorganização de forças políticas no Estado

Por Jéssica Welma em Política

21 de agosto de 2016 às 06:00

Há 3 anos

Tribuna Selo-02

Crato, Barbalha e Juazeiro do Norte vão protagonizar queda de braço entre os principais grupos políticos no Estado. Com decisões tomadas às vésperas do prazo final para oficialização de chapas, lideranças políticas precisam equilibrar divergências internas e racha entre aliados para garantir influência sobre o eleitorado na disputa de 2018.

Nas eleições estaduais de 2014, o Cariri, berço político da família do governador Camilo Santana (PT), foi importante no resultado da disputa contra o senador Eunício Oliveira (PMDB). Além de Barbalha, Camilo venceu em Crato e Juazeiro, cuja Prefeitura pertencia a nomes do PMDB. Agora, o resultado da disputa entre PT/PDT contra PSDB/PMDB será decisivo para realinhar as forças políticas, que já preparam as bases para daqui a dois anos.

Juazeiro do Norte
Com o terceiro maior eleitorado do Ceará, o município terá disputa dividida entre PMDB, PDT, PRB e PSDB.

O PMDB tentará a reeleição do prefeito Raimundo Macêdo (PMDB), com o ex-secretário da gestão Valdo Figueiredo como vice. Na reta final das articulações, Raimundão – como é conhecido – conseguiu apoio do ex-deputado federal Manoel Salviano (PSDB) e o do ex-deputado estadual Vasques Landim. Salviano e Raimundão eram adversários e não se falavam havia mais de dez anos, segundo o noticiário local.

Nos bastidores, ficou acertado apoio do atual prefeito à candidatura de Salviano e Landim em 2018. No entanto, a aliança com Landim pode sofrer revés, pois Raimundão deve apoiar o filho Davi Macedo a deputado estadual nas próximas eleições.

Aliados em outras cidades, com em Fortaleza, o PMDB vai disputar contra o PSDB. Os tucanos lançaram a candidatura do radialista Normando Sóracles, com o vice Rosemberg Farias, empresário.

Na base do governador Camilo Santana, foram apresentadas quatro possíveis cabeças de chapa: Gilmar Bender (PDT), Manoel Santana (PT), Arnon Bezerra (PTB) e Giovanni Sampaio (PSD). O resultado foram duas chapas, dividindo aliados.

Com apoio de Camilo e do ex-governador Cid Gomes (PDT), o deputado federal Arnon Bezerra será candidato a prefeito, com o médico e ex-deputado Giovanni Sampaio como vice. Já Bender será cabeça de chapa, com o suplente de deputado estadual e ex-prefeito Manoel Santana como vice. Durante a convenção que homologou a chapa, esteve presente apenas o deputado federal José Guimarães (PT).

Para Manoel Santana, o racha na base do governo não enfraquece as candidaturas. “Se você analisar a conjuntura municipal, Arnon e Giovanni eram do palanque do Raimundão, então esse palanque se fragilizou porque perdeu nomes e sofreu desgastes durante a gestão”, aponta.

O Psol terá como candidato o militante Demontieux Fernandes que, em 2012, obteve 15.776 votos.

Crato
Sem partido e com uma gestão em crise, o prefeito do Crato, Ronaldo Mattos não tentará reeleição nem deve fazer sucessor próprio. As duas principais candidaturas no município são do ex-prefeito Samuel Araripe (PSDB) e do deputado estadual José Ailton Brasil (PP).

Com uma coligação formada por 14 partidos, Araripe terá apoio dos senadores Tasso Jereissati (PSDB) e Eunício Oliveira (PMDB) para tentar derrotar o grupo político de Cid e Camilo, em torno da candidatura de Ailton Brasil.

Apesar da indicação de André Barreto, do PDT, para a vice de Brasil, o partido de Cid Gomes sofreu racha no município, e parte do PDT deve apoiar a campanha de Samuel. “Além de termos 14 partidos, temos metade do diretório do PDT, o lado que tem voto”, alfineta o candidato do PSDB.

Barbalha
Em Barbalha, a disputa também deve ser polarizada. PSDB e PMDB saem unidos na candidatura do ex-deputado federal Rommel Feijó (PSDB), com o vice Argemiro Sampaio, contra o grupo do governador. A candidatura de Feijó, no entanto, é instável. Ele pode ser enquadrado na Lei da Ficha Suja por condenação na Justiça Federal, por envolvimento no caso da “Máfia dos Sanguessugas”.

O atual prefeito, José Leite (PT), vai apoiar a candidatura do ex-secretário adjunto do Gabinete do Governador, Fernando Santana. O vice de Santana será o pedetista Flávio Cruz.

Publicidade

Dê sua opinião

CARIRI

Disputa política em Crato, Juazeiro e Barbalha opõe grupo de Cid e Camilo ao de Eunício e Tasso

Os três municípios estão entre o de maior eleitorado no Ceará e são importantes para a reorganização de forças políticas no Estado

Por Jéssica Welma em Política

21 de agosto de 2016 às 06:00

Há 3 anos

Tribuna Selo-02

Crato, Barbalha e Juazeiro do Norte vão protagonizar queda de braço entre os principais grupos políticos no Estado. Com decisões tomadas às vésperas do prazo final para oficialização de chapas, lideranças políticas precisam equilibrar divergências internas e racha entre aliados para garantir influência sobre o eleitorado na disputa de 2018.

Nas eleições estaduais de 2014, o Cariri, berço político da família do governador Camilo Santana (PT), foi importante no resultado da disputa contra o senador Eunício Oliveira (PMDB). Além de Barbalha, Camilo venceu em Crato e Juazeiro, cuja Prefeitura pertencia a nomes do PMDB. Agora, o resultado da disputa entre PT/PDT contra PSDB/PMDB será decisivo para realinhar as forças políticas, que já preparam as bases para daqui a dois anos.

Juazeiro do Norte
Com o terceiro maior eleitorado do Ceará, o município terá disputa dividida entre PMDB, PDT, PRB e PSDB.

O PMDB tentará a reeleição do prefeito Raimundo Macêdo (PMDB), com o ex-secretário da gestão Valdo Figueiredo como vice. Na reta final das articulações, Raimundão – como é conhecido – conseguiu apoio do ex-deputado federal Manoel Salviano (PSDB) e o do ex-deputado estadual Vasques Landim. Salviano e Raimundão eram adversários e não se falavam havia mais de dez anos, segundo o noticiário local.

Nos bastidores, ficou acertado apoio do atual prefeito à candidatura de Salviano e Landim em 2018. No entanto, a aliança com Landim pode sofrer revés, pois Raimundão deve apoiar o filho Davi Macedo a deputado estadual nas próximas eleições.

Aliados em outras cidades, com em Fortaleza, o PMDB vai disputar contra o PSDB. Os tucanos lançaram a candidatura do radialista Normando Sóracles, com o vice Rosemberg Farias, empresário.

Na base do governador Camilo Santana, foram apresentadas quatro possíveis cabeças de chapa: Gilmar Bender (PDT), Manoel Santana (PT), Arnon Bezerra (PTB) e Giovanni Sampaio (PSD). O resultado foram duas chapas, dividindo aliados.

Com apoio de Camilo e do ex-governador Cid Gomes (PDT), o deputado federal Arnon Bezerra será candidato a prefeito, com o médico e ex-deputado Giovanni Sampaio como vice. Já Bender será cabeça de chapa, com o suplente de deputado estadual e ex-prefeito Manoel Santana como vice. Durante a convenção que homologou a chapa, esteve presente apenas o deputado federal José Guimarães (PT).

Para Manoel Santana, o racha na base do governo não enfraquece as candidaturas. “Se você analisar a conjuntura municipal, Arnon e Giovanni eram do palanque do Raimundão, então esse palanque se fragilizou porque perdeu nomes e sofreu desgastes durante a gestão”, aponta.

O Psol terá como candidato o militante Demontieux Fernandes que, em 2012, obteve 15.776 votos.

Crato
Sem partido e com uma gestão em crise, o prefeito do Crato, Ronaldo Mattos não tentará reeleição nem deve fazer sucessor próprio. As duas principais candidaturas no município são do ex-prefeito Samuel Araripe (PSDB) e do deputado estadual José Ailton Brasil (PP).

Com uma coligação formada por 14 partidos, Araripe terá apoio dos senadores Tasso Jereissati (PSDB) e Eunício Oliveira (PMDB) para tentar derrotar o grupo político de Cid e Camilo, em torno da candidatura de Ailton Brasil.

Apesar da indicação de André Barreto, do PDT, para a vice de Brasil, o partido de Cid Gomes sofreu racha no município, e parte do PDT deve apoiar a campanha de Samuel. “Além de termos 14 partidos, temos metade do diretório do PDT, o lado que tem voto”, alfineta o candidato do PSDB.

Barbalha
Em Barbalha, a disputa também deve ser polarizada. PSDB e PMDB saem unidos na candidatura do ex-deputado federal Rommel Feijó (PSDB), com o vice Argemiro Sampaio, contra o grupo do governador. A candidatura de Feijó, no entanto, é instável. Ele pode ser enquadrado na Lei da Ficha Suja por condenação na Justiça Federal, por envolvimento no caso da “Máfia dos Sanguessugas”.

O atual prefeito, José Leite (PT), vai apoiar a candidatura do ex-secretário adjunto do Gabinete do Governador, Fernando Santana. O vice de Santana será o pedetista Flávio Cruz.