Álcool e cigarro são as principais causas do câncer de boca e de faringe

ALERTA

Álcool e cigarro são as principais causas do câncer de boca e de faringe

Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto do Câncer do Ceará, pacientes que possuam o hábito de consumir álcool e fumar frequentemente também têm menos chances de cura

Por Tribuna Bandnews FM em Saúde

25 de janeiro de 2020 às 07:00

Há 6 meses
Fumar e ingerir bebida alcoólica com frequência são fatores de risco para o câncer (FOTO: Freepik)

Fumar e ingerir bebida alcoólica com frequência são fatores de risco para o câncer (FOTO: Freepik)

O consumo de álcool e de cigarro é uma das principais causas para o câncer de boca e de faringe. É o que aponta uma pesquisa realizada pelo Instituto do Câncer do Ceará. Segundo o estudo, pacientes que possuam esse hábito também têm menos chances de cura. A análise acompanhou o histórico de 200 pacientes com a doença que foram atendidos pelo Hospital Haroldo Juaçaba entre os anos de 2000 a 2015.

De acordo com o pesquisador líder do estudo e bioestatístico do ICC, Paulo Barros, o consumo está associado à presença de múltiplos tumores cancerígenos no organismo. Ele também acrescenta que o álcool e o cigarro aumentam três vezes as chances do paciente ir a óbito em comparação àqueles que não possuíam o hábito.

“Cerca de 70% a 80% dos pacientes tinham histórico de consumo de álcool ou de cigarro. Então, nós observamos que a grande maioria desses cânceres estavam associados ao consumo de álcool e cigarro. Nós também observamos que pacientes nesse perfil tinham prognóstico mais avançado do que os que não tinham esses dois fatores de risco”, explica.

Lesões na cavidade oral nos lábios que não cicatrizam por mais de 15 dias, manchas e placas vermelhas ou esbranquiçadas na língua, gengivas, céu da boca são os principais sintomas. Também são sinais de câncer de boca ou faringe nódulos ou caroços no pescoço e rouquidão persistente.

Paulo explica que o tratamento varia conforme o tamanho dos tumores: “Tumores pequenos, com até 2 centímetros de diâmetro, só se remove basicamente por cirurgia, e o paciente tem cerca de 95% de chance de cura. Para tumores entre 2 cm e 4 cm, a cirurgia tem que ser associada à radioterapia. Tumores com mais de 4 cm associada também à quimioterapia”.

A análise feita pelo Hospital Haroldo Juaçaba, que faz parte do complexo hospitalar do ICC, será divulgada nos próximos dias pela Revista Brasileira de Cancerologia.

Confira a matéria de Daniel Rocha, da Tribuna BandNews FM:

Publicidade

Dê sua opinião

ALERTA

Álcool e cigarro são as principais causas do câncer de boca e de faringe

Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto do Câncer do Ceará, pacientes que possuam o hábito de consumir álcool e fumar frequentemente também têm menos chances de cura

Por Tribuna Bandnews FM em Saúde

25 de janeiro de 2020 às 07:00

Há 6 meses
Fumar e ingerir bebida alcoólica com frequência são fatores de risco para o câncer (FOTO: Freepik)

Fumar e ingerir bebida alcoólica com frequência são fatores de risco para o câncer (FOTO: Freepik)

O consumo de álcool e de cigarro é uma das principais causas para o câncer de boca e de faringe. É o que aponta uma pesquisa realizada pelo Instituto do Câncer do Ceará. Segundo o estudo, pacientes que possuam esse hábito também têm menos chances de cura. A análise acompanhou o histórico de 200 pacientes com a doença que foram atendidos pelo Hospital Haroldo Juaçaba entre os anos de 2000 a 2015.

De acordo com o pesquisador líder do estudo e bioestatístico do ICC, Paulo Barros, o consumo está associado à presença de múltiplos tumores cancerígenos no organismo. Ele também acrescenta que o álcool e o cigarro aumentam três vezes as chances do paciente ir a óbito em comparação àqueles que não possuíam o hábito.

“Cerca de 70% a 80% dos pacientes tinham histórico de consumo de álcool ou de cigarro. Então, nós observamos que a grande maioria desses cânceres estavam associados ao consumo de álcool e cigarro. Nós também observamos que pacientes nesse perfil tinham prognóstico mais avançado do que os que não tinham esses dois fatores de risco”, explica.

Lesões na cavidade oral nos lábios que não cicatrizam por mais de 15 dias, manchas e placas vermelhas ou esbranquiçadas na língua, gengivas, céu da boca são os principais sintomas. Também são sinais de câncer de boca ou faringe nódulos ou caroços no pescoço e rouquidão persistente.

Paulo explica que o tratamento varia conforme o tamanho dos tumores: “Tumores pequenos, com até 2 centímetros de diâmetro, só se remove basicamente por cirurgia, e o paciente tem cerca de 95% de chance de cura. Para tumores entre 2 cm e 4 cm, a cirurgia tem que ser associada à radioterapia. Tumores com mais de 4 cm associada também à quimioterapia”.

A análise feita pelo Hospital Haroldo Juaçaba, que faz parte do complexo hospitalar do ICC, será divulgada nos próximos dias pela Revista Brasileira de Cancerologia.

Confira a matéria de Daniel Rocha, da Tribuna BandNews FM: