Cartas espalhadas em viaduto atacado ameaçam Governo por mudanças no sistema prisional

PODER PARALELO

Cartas espalhadas em viaduto atacado ameaçam Governo por mudanças no sistema prisional

Cartas foram encontradas no entorno do viaduto da BR-020, em Caucaia, que sofreu tentativa de explosão em uma das pilastras. Governo não comentou as ameaças

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

3 de janeiro de 2019 às 11:24

Há 10 meses
Cartas foram jogadas próximas a viaduto que sofreu ataque. (Foto: TV Jangadeiro)

Cartas foram jogadas próximas a viaduto que sofreu ataque. (Foto: TV Jangadeiro)

Cartas deixadas em torno do viaduto da BR-020, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza, que sofreu tentativa de explosão na madrugada desta quinta-feira (3), fazem ameaças ao Governo do Estado diante da possibilidade de mudanças no sistema prisional.

Fortaleza e Região Metropolitana viveram série de ataques horas depois de o novo secretário de Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque, afirmar que não manterá divisão de presídios por facções.

As cartas, vistas por equipe do programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, têm datas anteriores à fala do secretário, dias 23 e 28 de dezembro, mas coincidem com o anúncio de que Albuquerque assumiria gestão dos presídios cearenses. O Governo do Estado anunciou a nova pasta em 21 de dezembro.

No papel datado de 23 de dezembro, criminosos pedem trégua entre facções para que o alvo se torne o Governo. A justificativa seria a intenção do governador Camilo Santana de trazer para o Estado a Força de Intervenção Penitenciária Integrada (Fipi), que atuou no Ceará em 2016, após rebeliões. A Fipi foi idealizada e coordenada pelo novo secretário.

A carta diz ainda que não é necessária “mudança radical”, pois o estado estaria “controlado”. No papel, consta ameaça de explosões a pontes, viadutos, linhas de trem e metrô.

O segundo “informativo” localizado pela equipe do programa Barra Pesada/TV Jangadeiro, de 28 de dezembro, volta a dizer que as cadeias estão “tranquilas” e que a situação pode mudar de acordo com as atitudes do Governo.

O conteúdo ainda faz suposta denúncia de que faltam materiais básicos na rotina dos presídios como fardamento, material de limpeza e de higiene pessoal.

Foi perguntado, por e-mail, à assessoria da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) se o Governo se manifestaria sobre o conteúdo, mas não houve resposta. O Tribuna do Ceará se reserva a não publicar na íntegra o conteúdo das cartas nem a imagem delas.

Série de ataques

Fortaleza e Região Metropolitana vivem série de ataques desde o final da noite da quarta-feira (2). Criminosos tentaram derrubar viaduto em Caucaia, destruíram veículos em prédio da Prefeitura de Horizonte e incendiaram ônibus e fotossensores. Ao todo, foram 13 ataques.

incendio

Fortaleza e RMF sofrem nova onda de ataques. (Foto: Reprodução/WhatsApp)

As ações criminosas acontecem após fala do novo secretário da Administração Penitenciária do Ceará, Luís Mauro Albuquerque, de que não reconhece facção criminosa e não adotará divisão de presídios por facção.

Albuquerque é policial civil, fundador da Diretoria Penitenciária de Operações Especiais (DPOE) do Distrito Federal e idealizador e coordenador da Fipi que atuou no Ceará nas rebeliões de 2016.

Diante das declarações do novo secretário, a futura presidente do Conselho Penitenciário do Ceará (Copen), Ruth Leite, em entrevista ao Tribuna do Ceará, disse que, nas condições em que o sistema está atualmente, haverá matança nos presídios caso não haja separação de presos por facções dentro das unidades.

O secretário nacional da Segurança Pública, General Guilherme Theophilo, ofereceu intervenção federal após ataques no Ceará: “Está na mão do governador”.

Confira a cobertura sobre o caso:

3/1 – Ônibus de Fortaleza vão circular normalmente mesmo após ataques, garante Sindionibus

3/1 – General Theophilo oferece intervenção federal após ataques no Ceará: “Está na mão do governador”

3/1 – Grande Fortaleza sofre onda de ataques um dia após secretário anunciar fim da divisão de facções em presídios

2/1 – “Haverá matança, se juntar detentos de facções diferentes no mesmo presídio”, alerta Copen

2/1 – Novo secretário promete fim da divisão de presídios por facções no Ceará

Publicidade

Dê sua opinião

PODER PARALELO

Cartas espalhadas em viaduto atacado ameaçam Governo por mudanças no sistema prisional

Cartas foram encontradas no entorno do viaduto da BR-020, em Caucaia, que sofreu tentativa de explosão em uma das pilastras. Governo não comentou as ameaças

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

3 de janeiro de 2019 às 11:24

Há 10 meses
Cartas foram jogadas próximas a viaduto que sofreu ataque. (Foto: TV Jangadeiro)

Cartas foram jogadas próximas a viaduto que sofreu ataque. (Foto: TV Jangadeiro)

Cartas deixadas em torno do viaduto da BR-020, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza, que sofreu tentativa de explosão na madrugada desta quinta-feira (3), fazem ameaças ao Governo do Estado diante da possibilidade de mudanças no sistema prisional.

Fortaleza e Região Metropolitana viveram série de ataques horas depois de o novo secretário de Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque, afirmar que não manterá divisão de presídios por facções.

As cartas, vistas por equipe do programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, têm datas anteriores à fala do secretário, dias 23 e 28 de dezembro, mas coincidem com o anúncio de que Albuquerque assumiria gestão dos presídios cearenses. O Governo do Estado anunciou a nova pasta em 21 de dezembro.

No papel datado de 23 de dezembro, criminosos pedem trégua entre facções para que o alvo se torne o Governo. A justificativa seria a intenção do governador Camilo Santana de trazer para o Estado a Força de Intervenção Penitenciária Integrada (Fipi), que atuou no Ceará em 2016, após rebeliões. A Fipi foi idealizada e coordenada pelo novo secretário.

A carta diz ainda que não é necessária “mudança radical”, pois o estado estaria “controlado”. No papel, consta ameaça de explosões a pontes, viadutos, linhas de trem e metrô.

O segundo “informativo” localizado pela equipe do programa Barra Pesada/TV Jangadeiro, de 28 de dezembro, volta a dizer que as cadeias estão “tranquilas” e que a situação pode mudar de acordo com as atitudes do Governo.

O conteúdo ainda faz suposta denúncia de que faltam materiais básicos na rotina dos presídios como fardamento, material de limpeza e de higiene pessoal.

Foi perguntado, por e-mail, à assessoria da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) se o Governo se manifestaria sobre o conteúdo, mas não houve resposta. O Tribuna do Ceará se reserva a não publicar na íntegra o conteúdo das cartas nem a imagem delas.

Série de ataques

Fortaleza e Região Metropolitana vivem série de ataques desde o final da noite da quarta-feira (2). Criminosos tentaram derrubar viaduto em Caucaia, destruíram veículos em prédio da Prefeitura de Horizonte e incendiaram ônibus e fotossensores. Ao todo, foram 13 ataques.

incendio

Fortaleza e RMF sofrem nova onda de ataques. (Foto: Reprodução/WhatsApp)

As ações criminosas acontecem após fala do novo secretário da Administração Penitenciária do Ceará, Luís Mauro Albuquerque, de que não reconhece facção criminosa e não adotará divisão de presídios por facção.

Albuquerque é policial civil, fundador da Diretoria Penitenciária de Operações Especiais (DPOE) do Distrito Federal e idealizador e coordenador da Fipi que atuou no Ceará nas rebeliões de 2016.

Diante das declarações do novo secretário, a futura presidente do Conselho Penitenciário do Ceará (Copen), Ruth Leite, em entrevista ao Tribuna do Ceará, disse que, nas condições em que o sistema está atualmente, haverá matança nos presídios caso não haja separação de presos por facções dentro das unidades.

O secretário nacional da Segurança Pública, General Guilherme Theophilo, ofereceu intervenção federal após ataques no Ceará: “Está na mão do governador”.

Confira a cobertura sobre o caso:

3/1 – Ônibus de Fortaleza vão circular normalmente mesmo após ataques, garante Sindionibus

3/1 – General Theophilo oferece intervenção federal após ataques no Ceará: “Está na mão do governador”

3/1 – Grande Fortaleza sofre onda de ataques um dia após secretário anunciar fim da divisão de facções em presídios

2/1 – “Haverá matança, se juntar detentos de facções diferentes no mesmo presídio”, alerta Copen

2/1 – Novo secretário promete fim da divisão de presídios por facções no Ceará