"Educado e apaixonado por dança", dizem vizinhos de menino morto após ser baleado no Vila União

VIZINHOS LAMENTAM

“Educado e apaixonado por dança”, dizem vizinhos de menino morto após ser baleado no Vila União

A família de José Ramones Trajano Silva, de 11 anos, autorizou a doação dos órgãos do menino, que deve ser velado na manhã desta terça-feira (13)

Por William Barros em Segurança Pública

14 de janeiro de 2020 às 10:30

Há 3 meses

A família de Ramones já autorizou a doação dos órgãos do garoto (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

Quando falam do menino José Ramones Trajano Silva, de 11 anos, as outras crianças ainda conjugam os verbos no presente, como se ainda pudessem voltar a brincar com o garoto. “Ele sempre me ajuda na escola, faz muita coisa para mim”, diz Jaderson Pereira, um dos amiguinhos do menino que morreu após ser baleado no bairro Vila União, em Fortaleza, na noite do último domingo (12).

A paixão de Ramones pela dança e seu jeito educado também não saem da cabeça dos vizinhos, que viram o menino crescer. “Ele gostava muito de brincar. Vivia atrás do meu filho, chamando ele para a igreja. Era uma criança muito alegre, educada, muito especial. Vai fazer muita falta para todos nós”, lamenta Isabel Cristina, mãe de um dos amigos do garoto, que deve ser velado na manhã desta terça-feira (14).

A vizinha Francisca Loyola diz que tem pensado muito na dor sentida pela mãe de Ramones. “Só Deus sabe a dor que ela está sentindo em perder seu filho, saudável, que não fez mal nenhum para ninguém, receber um tiro assim na cabeça e morrer. É triste. Está todo mundo de luto aqui“, reflete a mulher.

Os vizinhos também contam detalhes dos momentos vividos por Ramones antes do tiroteio. “Ele tinha ido ao cinema. Contou isso para todo mundo aqui”, relembra um morador. A população também afirma que o menino não queria ir para a casa da madrinha, no Conjunto Universo, local onde o tiroteio aconteceu.

Confraternização virou tragédia

Na noite do crime, acontecia uma confraternização na casa da madrinha de Ramones, localizada na Rua Plutão. Segundo testemunhas, quatro homens chegaram ao local em um carro, desembarcaram e efetuaram os disparos contra as vítimas. Charles William Mota de Morais, de 28 anos, não sobreviveu aos ferimentos e morreu no local.

A criança, de 11 anos de idade, foi atingida na boca e levada ao Instituto Doutor José Frota (IJF). O óbito de Ramones foi confirmado por volta das 19h30 da última segunda-feira (13). Segundo a Assessoria de Comunicação do IJF, a família autorizou a doação dos órgãos do garoto.

Ramones tinha pelo menos outros dois irmãos, sendo gêmeo de uma delas. A casa da família está fechada. De acordo com vizinhos, o menino será velado em uma igreja evangélica do bairro e depois levado para a cidade de Missão Velha, onde tem familiares.

Confira mais detalhes na reportagem do programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, às 12h05 desta terça-feira (14).

Publicidade

Dê sua opinião

VIZINHOS LAMENTAM

“Educado e apaixonado por dança”, dizem vizinhos de menino morto após ser baleado no Vila União

A família de José Ramones Trajano Silva, de 11 anos, autorizou a doação dos órgãos do menino, que deve ser velado na manhã desta terça-feira (13)

Por William Barros em Segurança Pública

14 de janeiro de 2020 às 10:30

Há 3 meses

A família de Ramones já autorizou a doação dos órgãos do garoto (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

Quando falam do menino José Ramones Trajano Silva, de 11 anos, as outras crianças ainda conjugam os verbos no presente, como se ainda pudessem voltar a brincar com o garoto. “Ele sempre me ajuda na escola, faz muita coisa para mim”, diz Jaderson Pereira, um dos amiguinhos do menino que morreu após ser baleado no bairro Vila União, em Fortaleza, na noite do último domingo (12).

A paixão de Ramones pela dança e seu jeito educado também não saem da cabeça dos vizinhos, que viram o menino crescer. “Ele gostava muito de brincar. Vivia atrás do meu filho, chamando ele para a igreja. Era uma criança muito alegre, educada, muito especial. Vai fazer muita falta para todos nós”, lamenta Isabel Cristina, mãe de um dos amigos do garoto, que deve ser velado na manhã desta terça-feira (14).

A vizinha Francisca Loyola diz que tem pensado muito na dor sentida pela mãe de Ramones. “Só Deus sabe a dor que ela está sentindo em perder seu filho, saudável, que não fez mal nenhum para ninguém, receber um tiro assim na cabeça e morrer. É triste. Está todo mundo de luto aqui“, reflete a mulher.

Os vizinhos também contam detalhes dos momentos vividos por Ramones antes do tiroteio. “Ele tinha ido ao cinema. Contou isso para todo mundo aqui”, relembra um morador. A população também afirma que o menino não queria ir para a casa da madrinha, no Conjunto Universo, local onde o tiroteio aconteceu.

Confraternização virou tragédia

Na noite do crime, acontecia uma confraternização na casa da madrinha de Ramones, localizada na Rua Plutão. Segundo testemunhas, quatro homens chegaram ao local em um carro, desembarcaram e efetuaram os disparos contra as vítimas. Charles William Mota de Morais, de 28 anos, não sobreviveu aos ferimentos e morreu no local.

A criança, de 11 anos de idade, foi atingida na boca e levada ao Instituto Doutor José Frota (IJF). O óbito de Ramones foi confirmado por volta das 19h30 da última segunda-feira (13). Segundo a Assessoria de Comunicação do IJF, a família autorizou a doação dos órgãos do garoto.

Ramones tinha pelo menos outros dois irmãos, sendo gêmeo de uma delas. A casa da família está fechada. De acordo com vizinhos, o menino será velado em uma igreja evangélica do bairro e depois levado para a cidade de Missão Velha, onde tem familiares.

Confira mais detalhes na reportagem do programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, às 12h05 desta terça-feira (14).