Grupo que matou sanfoneiro contou com 3 mulheres entre 18 e 22 anos

LATROCÍNIO

Grupo que matou sanfoneiro contou com 3 mulheres entre 18 e 22 anos

Francisco Lucas Pereira de Souza, de 22 anos, foi morto ao reagir a um assalto dentro de bar no bairro Jangurussu, em Fortaleza, na última segunda-feira (9)

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

9 de agosto de 2019 às 11:09

Há 4 meses

Trio foi preso pela Polícia Civil em pouco mais de 48 horas. (FOTO: Divulgação/SSPDS)

Foram presos os quatro suspeitos de participarem do latrocínio que vitimou o músico Francisco Lucas Pereira de Souza, de 22 anos, na última segunda-feira (5), em estabelecimento comercial, no bairro Jangurussu, em Fortaleza. A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) prendeu um homem e três mulheres, entre a noite de quarta-feira (8) e a madrugada desta sexta-feira (9).

Já no dia seguinte, uma mulher de 18 anos havia sido presa e autuada em flagrante pelo crime. O trabalho foi realizado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e pelo 30° DP.

Foram presos Marcelo Araújo Dutra, de 20 anos, conhecido por “Black” e com antecedentes criminais por roubo e associação criminosa; Barbara Henrique Rocha, de 22, a “Loirinha”, com passagem por tráfico de drogas; Larissa Hellen Cordeiro da Silva, de 20, conhecida por “Angel” e com passagem por tráfico de drogas; e Cristielen da Cunha Alves, de 18, sem antecedentes criminais e conhecida pela alcunha de “Mafiosa”.

O primeiro capturado do trio foragido foi “Black”, que estava com um ferimento nas costas em decorrência de uma facada que levou no dia do crime. Os policiais localizaram o suspeito em um endereço do bairro Canindezinho. Ele não resistiu à prisão. Em seguida, os policiais civis capturaram “Loirinha” e “Angel”, no município de Paraipaba. Ambas confessaram participação no crime.

Os últimos três presos do caso foram levados para a sede do DHPP, em Fortaleza, onde foram ouvidos e autuados em flagrante, com base na Lei das Organizações Criminosas, por integrarem grupo criminoso.

Com o caso elucidado e a prisão de todos os envolvidos, a Polícia Civil vai finalizar o inquérito policial solicitando o indiciamento dos quatro suspeitos nos crimes de latrocínio (roubo seguido de morte) e por integrarem organização criminosa.

Poucas horas após o crime, na residência de Cristielen, os policiais civis localizaram o documento de um das vítimas e outros pertences roubados. Além disso, a pia do banheiro do imóvel estava suja de sangue, o que leva a crer que “Black”, ferido na ação, passou pelo apartamento com o objetivo de estancar o sangramento, de acordo com os levantamentos das equipes policiais. A informação foi comprovada por “Mafiosa” em depoimento. Em um outro endereço, desta vez na Região Metropolitana de Fortaleza, os agentes encontraram roupas sujas de sangue e mais pertences das vítimas.

Ao prestar depoimento aos policiais, “Mafiosa” confessou ter participado do crime e revelou ainda que foi ao estabelecimento fingindo ser cliente junto com uma amiga. Ela e a amiga consumiam cerveja no local, mas a intenção delas era repassar informações sobre a movimentação do estabelecimento, enquanto outros dois suspeitos se preparavam para realizar o crime.

Algumas vítimas do quarteto compareceram à sede do DHPP, em Fortaleza, para formalizarem Boletim de Ocorrência, para reaver objetos tomados de assalto e colaborar com as investigações. A Polícia Civil orienta as demais vítimas do quarteto que se dirijam ao DHPP para substanciar o inquérito policial com mais provas e para reconhecer os suspeitos.

Em entrevista concedida ao programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, Cristielen conta que foi convidada a participar da ação e ri da situação. Confira imagens:

 

Publicidade

Dê sua opinião

LATROCÍNIO

Grupo que matou sanfoneiro contou com 3 mulheres entre 18 e 22 anos

Francisco Lucas Pereira de Souza, de 22 anos, foi morto ao reagir a um assalto dentro de bar no bairro Jangurussu, em Fortaleza, na última segunda-feira (9)

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

9 de agosto de 2019 às 11:09

Há 4 meses

Trio foi preso pela Polícia Civil em pouco mais de 48 horas. (FOTO: Divulgação/SSPDS)

Foram presos os quatro suspeitos de participarem do latrocínio que vitimou o músico Francisco Lucas Pereira de Souza, de 22 anos, na última segunda-feira (5), em estabelecimento comercial, no bairro Jangurussu, em Fortaleza. A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) prendeu um homem e três mulheres, entre a noite de quarta-feira (8) e a madrugada desta sexta-feira (9).

Já no dia seguinte, uma mulher de 18 anos havia sido presa e autuada em flagrante pelo crime. O trabalho foi realizado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e pelo 30° DP.

Foram presos Marcelo Araújo Dutra, de 20 anos, conhecido por “Black” e com antecedentes criminais por roubo e associação criminosa; Barbara Henrique Rocha, de 22, a “Loirinha”, com passagem por tráfico de drogas; Larissa Hellen Cordeiro da Silva, de 20, conhecida por “Angel” e com passagem por tráfico de drogas; e Cristielen da Cunha Alves, de 18, sem antecedentes criminais e conhecida pela alcunha de “Mafiosa”.

O primeiro capturado do trio foragido foi “Black”, que estava com um ferimento nas costas em decorrência de uma facada que levou no dia do crime. Os policiais localizaram o suspeito em um endereço do bairro Canindezinho. Ele não resistiu à prisão. Em seguida, os policiais civis capturaram “Loirinha” e “Angel”, no município de Paraipaba. Ambas confessaram participação no crime.

Os últimos três presos do caso foram levados para a sede do DHPP, em Fortaleza, onde foram ouvidos e autuados em flagrante, com base na Lei das Organizações Criminosas, por integrarem grupo criminoso.

Com o caso elucidado e a prisão de todos os envolvidos, a Polícia Civil vai finalizar o inquérito policial solicitando o indiciamento dos quatro suspeitos nos crimes de latrocínio (roubo seguido de morte) e por integrarem organização criminosa.

Poucas horas após o crime, na residência de Cristielen, os policiais civis localizaram o documento de um das vítimas e outros pertences roubados. Além disso, a pia do banheiro do imóvel estava suja de sangue, o que leva a crer que “Black”, ferido na ação, passou pelo apartamento com o objetivo de estancar o sangramento, de acordo com os levantamentos das equipes policiais. A informação foi comprovada por “Mafiosa” em depoimento. Em um outro endereço, desta vez na Região Metropolitana de Fortaleza, os agentes encontraram roupas sujas de sangue e mais pertences das vítimas.

Ao prestar depoimento aos policiais, “Mafiosa” confessou ter participado do crime e revelou ainda que foi ao estabelecimento fingindo ser cliente junto com uma amiga. Ela e a amiga consumiam cerveja no local, mas a intenção delas era repassar informações sobre a movimentação do estabelecimento, enquanto outros dois suspeitos se preparavam para realizar o crime.

Algumas vítimas do quarteto compareceram à sede do DHPP, em Fortaleza, para formalizarem Boletim de Ocorrência, para reaver objetos tomados de assalto e colaborar com as investigações. A Polícia Civil orienta as demais vítimas do quarteto que se dirijam ao DHPP para substanciar o inquérito policial com mais provas e para reconhecer os suspeitos.

Em entrevista concedida ao programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, Cristielen conta que foi convidada a participar da ação e ri da situação. Confira imagens: