Justiça nega pedido de habeas corpus para prefeito de Uruburetama, acusado de estuprar pacientes

CONTINUA PRESO

Justiça nega pedido de habeas corpus para prefeito de Uruburetama, acusado de estuprar pacientes

José Hilson de Paiva é acusado de estupro de vulnerável e violação sexual mediante fraude. O médico e prefeito afastado de Uruburetama está preso desde julho

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

10 de setembro de 2019 às 10:48

Há 1 mês
No fim da tarde, o médico preso saiu da delegacia geral da Polícia Civil em viatura descaracterizada (FOTO: Reprodução/WhatsApp)

No fim da tarde, o médico preso saiu da delegacia geral da Polícia Civil em viatura descaracterizada (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

José Hilson de Paiva, de 70 anos, médico e prefeito afastado de Uruburetama, teve habeas corpus negado nesta terça-feira (10). O pedido foi indeferido pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) por dois votos a um. Ele é acusado de assediar e abusar sexualmente de pacientes durante consultas ginecológicas em Uruburetama e Cruz, municípios no interior do Ceará. Defesa deve recorrer.

Os desembargadores José Tarcílio Souza da Silva e Marlúcia de Araújo Bezerra votaram contra a liberdade de José Hilson. Já o desembargador Francisco Lincoln Araújo, presidente da 3ª Câmara Criminal do TJCE, votou a favor da soltura, mas foi voto vencido. Pouco depois, o magistrado refez a escolha e decidiu por decidir pela manutenção da prisão do médico.

“Respeitamos a mudança de posição na votação da colenda 3a Câmara Criminal, que por 2 votos a um revela a ausência de consenso quanto à necessidade da prisão do paciente Hilson Paiva e iremos recorrer ao Superior Tribunal de Justiça após a publicação da decisão no Diário da Justiça”, disse o advogado de defesa Leandro Vasques.

Preso desde julho, José Hilson de Paiva segue detido pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual mediante fraude. Você pode entender as diferenças entre esses crimes aqui. O médico e prefeito afastado de Uruburetama deve seguir no presídio até um outro julgamento.

Na semana passada, o Ministério Público do Ceará afirmou que as mulheres que denunciaram o prefeito por abuso sexual estão sendo alvo de perseguição e discriminação na cidade. Após ser preso, ele chegou a pedir perdão às vítimas e revelou que gravava vídeos por “vício.”

Publicidade

Dê sua opinião

CONTINUA PRESO

Justiça nega pedido de habeas corpus para prefeito de Uruburetama, acusado de estuprar pacientes

José Hilson de Paiva é acusado de estupro de vulnerável e violação sexual mediante fraude. O médico e prefeito afastado de Uruburetama está preso desde julho

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

10 de setembro de 2019 às 10:48

Há 1 mês
No fim da tarde, o médico preso saiu da delegacia geral da Polícia Civil em viatura descaracterizada (FOTO: Reprodução/WhatsApp)

No fim da tarde, o médico preso saiu da delegacia geral da Polícia Civil em viatura descaracterizada (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

José Hilson de Paiva, de 70 anos, médico e prefeito afastado de Uruburetama, teve habeas corpus negado nesta terça-feira (10). O pedido foi indeferido pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) por dois votos a um. Ele é acusado de assediar e abusar sexualmente de pacientes durante consultas ginecológicas em Uruburetama e Cruz, municípios no interior do Ceará. Defesa deve recorrer.

Os desembargadores José Tarcílio Souza da Silva e Marlúcia de Araújo Bezerra votaram contra a liberdade de José Hilson. Já o desembargador Francisco Lincoln Araújo, presidente da 3ª Câmara Criminal do TJCE, votou a favor da soltura, mas foi voto vencido. Pouco depois, o magistrado refez a escolha e decidiu por decidir pela manutenção da prisão do médico.

“Respeitamos a mudança de posição na votação da colenda 3a Câmara Criminal, que por 2 votos a um revela a ausência de consenso quanto à necessidade da prisão do paciente Hilson Paiva e iremos recorrer ao Superior Tribunal de Justiça após a publicação da decisão no Diário da Justiça”, disse o advogado de defesa Leandro Vasques.

Preso desde julho, José Hilson de Paiva segue detido pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual mediante fraude. Você pode entender as diferenças entre esses crimes aqui. O médico e prefeito afastado de Uruburetama deve seguir no presídio até um outro julgamento.

Na semana passada, o Ministério Público do Ceará afirmou que as mulheres que denunciaram o prefeito por abuso sexual estão sendo alvo de perseguição e discriminação na cidade. Após ser preso, ele chegou a pedir perdão às vítimas e revelou que gravava vídeos por “vício.”