MP pede prisão preventiva de prefeito investigado de abuso sexual a pacientes

18 VÍTIMAS JÁ SE APRESENTARAM

MP pede prisão preventiva de prefeito investigado de abuso sexual a pacientes

José Hilson de Paiva, de 70 anos, é acusado de abusar sexualmente de pacientes durante consultas ginecológicas nas cidades de Uruburetama e Cruz

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

18 de julho de 2019 às 09:59

Há 2 meses

José Hilson, prefeito de Uruburetama, é acusado de abusar sexualmente de pacientes. (FOTO: Tribuna do Ceará)

O Ministério Público do Ceará (MPCE), por meio da Promotoria de Justiça de Uruburetama, pediu à Justiça a prisão preventiva do médico José Hilson de Paiva, prefeito afastado de Uruburetama, investigado por crimes contra a dignidade sexual de pacientes. O pedido foi feito na noite desta quarta-feira (17), fundamentado na influência que ele tem na cidade, mesmo afastado das duas funções.

Outro procedimento relacionado foi instaurado ainda em junho de 2019, antes da divulgação dos novos vídeos na imprensa. Pelo menos 18 vítimas já identificadas nas imagens serão chamadas para depor. Confira o resumo do caso aqui.

Por meio de nota, o MPCE explicou que “mesmo afastado das funções de prefeito e médico, José Hilson de Paiva é considerado influente no município e no meio político estadual, sendo capaz de, diretamente ou por interpostas pessoas, coagir, constranger, ameaçar, corromper, enfim, praticar atos tendentes a comprometer a investigação do Ministério Público e da Polícia Civil.” O requerimento ratifica representação de prisão preventiva da Polícia Civil.

Após divulgação dos primeiros vídeos, em março de 2018, a Promotoria de Justiça de Uruburetama instaurou uma Notícia de Fato após ouvir quatro mulheres, que se identificaram como vítimas do então prefeito. Assim, o MPCE solicitou informações à Polícia Civil, que logo depois resolveu abrir o inquérito policial. O inquérito foi concluído em dezembro de 2018, e a Polícia sugeriu o arquivamento. O MPCE requisitou novas diligências à Polícia. Na área cível, a Promotoria ajuizou uma Ação Civil Pública (ACP) por improbidade administrativa em desfavor do então prefeito, no final de 2018.

Outro procedimento do MPCE em relação ao caso foi instaurado em junho de 2019, antes da divulgação dos novos vídeos na imprensa. O órgão responsável é o Núcleo de Investigação Criminal (Nuinc) e, até o momento, seis vítimas e uma testemunha já foram ouvidas.

Em 15 de julho deste ano, foi instaurado outro inquérito policial em Uruburetama, quando novas vítimas começaram a ser ouvidas. Pelo menos 18 vítimas já identificadas nas imagens exibidas pela imprensa serão convidadas para prestarem suas declarações o mais rapidamente possível.

Em paralelo, a Promotoria de Justiça de Cruz também vem atuando no caso. Nesta semana, o órgão recebeu os depoimentos das primeiras quatro vítimas que se apresentaram à delegacia após a divulgação dos vídeos na imprensa. Antes disso, nenhuma mulher havia denunciado o médico. José Hilson trabalhou como médico da Prefeitura de Cruz de 1992 a 2012, e manteve um consultório particular na cidade até 2018.

Entenda o caso

Afastado do cargo de prefeito de Uruburetama e expulso de seu partido, o PCdoB, José Hilson de Paiva, de 70 anos, é acusado ed assediar e abusar sexualmente de pacientes durante atendimento no hospital municipal e numa clínica particular da cidade e também no município de Cruz, a 150 km de distância.

Médico clínico geral, ele atuava também como ginecologista mesmo sem a especialidade. O suspeito é alvo de denúncias há pelo menos três, décadas, desde 1986. Defensoria Pública e OAB estiveram na cidade para dar suporte a vítimas.

Pelo menos 63 vídeos que mostram 23 mulheres, onde 17 podem ter sido abusadas, foram entregues ao Ministério Público do Ceará. A Promotoria de Justiça de Uruburetama investiga o caso. Confira o resumo completo aqui.

Defesa

A defesa do médico alega que os vídeos nos quais ele aparece abusando sexualmente de pacientes não são recentes, já que José Hilson não faz mais atendimentos desde 2017.

Publicidade

Dê sua opinião

18 VÍTIMAS JÁ SE APRESENTARAM

MP pede prisão preventiva de prefeito investigado de abuso sexual a pacientes

José Hilson de Paiva, de 70 anos, é acusado de abusar sexualmente de pacientes durante consultas ginecológicas nas cidades de Uruburetama e Cruz

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

18 de julho de 2019 às 09:59

Há 2 meses

José Hilson, prefeito de Uruburetama, é acusado de abusar sexualmente de pacientes. (FOTO: Tribuna do Ceará)

O Ministério Público do Ceará (MPCE), por meio da Promotoria de Justiça de Uruburetama, pediu à Justiça a prisão preventiva do médico José Hilson de Paiva, prefeito afastado de Uruburetama, investigado por crimes contra a dignidade sexual de pacientes. O pedido foi feito na noite desta quarta-feira (17), fundamentado na influência que ele tem na cidade, mesmo afastado das duas funções.

Outro procedimento relacionado foi instaurado ainda em junho de 2019, antes da divulgação dos novos vídeos na imprensa. Pelo menos 18 vítimas já identificadas nas imagens serão chamadas para depor. Confira o resumo do caso aqui.

Por meio de nota, o MPCE explicou que “mesmo afastado das funções de prefeito e médico, José Hilson de Paiva é considerado influente no município e no meio político estadual, sendo capaz de, diretamente ou por interpostas pessoas, coagir, constranger, ameaçar, corromper, enfim, praticar atos tendentes a comprometer a investigação do Ministério Público e da Polícia Civil.” O requerimento ratifica representação de prisão preventiva da Polícia Civil.

Após divulgação dos primeiros vídeos, em março de 2018, a Promotoria de Justiça de Uruburetama instaurou uma Notícia de Fato após ouvir quatro mulheres, que se identificaram como vítimas do então prefeito. Assim, o MPCE solicitou informações à Polícia Civil, que logo depois resolveu abrir o inquérito policial. O inquérito foi concluído em dezembro de 2018, e a Polícia sugeriu o arquivamento. O MPCE requisitou novas diligências à Polícia. Na área cível, a Promotoria ajuizou uma Ação Civil Pública (ACP) por improbidade administrativa em desfavor do então prefeito, no final de 2018.

Outro procedimento do MPCE em relação ao caso foi instaurado em junho de 2019, antes da divulgação dos novos vídeos na imprensa. O órgão responsável é o Núcleo de Investigação Criminal (Nuinc) e, até o momento, seis vítimas e uma testemunha já foram ouvidas.

Em 15 de julho deste ano, foi instaurado outro inquérito policial em Uruburetama, quando novas vítimas começaram a ser ouvidas. Pelo menos 18 vítimas já identificadas nas imagens exibidas pela imprensa serão convidadas para prestarem suas declarações o mais rapidamente possível.

Em paralelo, a Promotoria de Justiça de Cruz também vem atuando no caso. Nesta semana, o órgão recebeu os depoimentos das primeiras quatro vítimas que se apresentaram à delegacia após a divulgação dos vídeos na imprensa. Antes disso, nenhuma mulher havia denunciado o médico. José Hilson trabalhou como médico da Prefeitura de Cruz de 1992 a 2012, e manteve um consultório particular na cidade até 2018.

Entenda o caso

Afastado do cargo de prefeito de Uruburetama e expulso de seu partido, o PCdoB, José Hilson de Paiva, de 70 anos, é acusado ed assediar e abusar sexualmente de pacientes durante atendimento no hospital municipal e numa clínica particular da cidade e também no município de Cruz, a 150 km de distância.

Médico clínico geral, ele atuava também como ginecologista mesmo sem a especialidade. O suspeito é alvo de denúncias há pelo menos três, décadas, desde 1986. Defensoria Pública e OAB estiveram na cidade para dar suporte a vítimas.

Pelo menos 63 vídeos que mostram 23 mulheres, onde 17 podem ter sido abusadas, foram entregues ao Ministério Público do Ceará. A Promotoria de Justiça de Uruburetama investiga o caso. Confira o resumo completo aqui.

Defesa

A defesa do médico alega que os vídeos nos quais ele aparece abusando sexualmente de pacientes não são recentes, já que José Hilson não faz mais atendimentos desde 2017.