O perigo mora ao lado: homens perigosos estão à solta


O perigo mora ao lado: homens perigosos estão à solta

“Existe uma sensação de impunidade. O elemento rouba, sequestra, mata e logo logo estará solto para fazer tudo de novo”

Por Roberta Tavares em Segurança Pública

14 de março de 2013 às 10:49

Há 7 anos

Notícias de sequestro, assalto e assassinato. A todo o momento, esses assuntos se tornaram corriqueiramente manchetes nos meios de comunicação, sempre capazes de chocar a população. Muitos dos crimes podem ter autoria de pessoas que já deveriam estar na cadeia, mas seguem foragidas. E podem estar ao seu lado.

Em busca de ajuda dos cearenses, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado (SSPDS) divulga lista com os homens mais procurados, na tentativa, ainda, de diminuir o número de ocorrências que deixam a população em alerta.

O balanço, atualizado em março, lista 18 homens de alta periculosidade. Eles respondem por roubo a banco e a estabelecimentos comerciais, sequestro, tráfico de drogas, homicídios, formação de quadrilha, dentre outros crimes. Em dezembro também eram 18, dois foram mortos (Francisco Ivan Pereira e Zé Roberto), e outros dois (Renan Rodrigues Pereira e “Tornado”) foram incluídos na lista.

Segundo o responsável pela Coordenadoria Integrada de Planejamento Operacional (Copol), delegado Andrade Junior, os criminosos que estão na relação praticaram principalmente crimes interestaduais. “Eles são procurados por mais de um estado, cometeram crimes em outros locais. Há também aqueles que estão na lista por terem cometido crimes hediondos, como estupro, e crimes de grande proporção, como assaltos a bancos”, explica.

Notícias de sequestro, assalto e assassinato. A todo o momento, esses assuntos se tornaram corriqueiramente manchetes nos meios de comunicação, sempre capazes de chocar a população.

Os homens que estão na relação praticaram principalmente crimes interestaduais (Arte: Tiago Leite/Tribuna do Ceará)

Lista de crimes

Na relação, há homens como César Almeida de Andrade, vulgo Alemão, cadeirante acusado de liderar uma quadrilha interestadual especializada em sequestros e roubos. Segundo a SSPDS, “Alemão” já foi considerado um dos criminosos mais perigosos do país.

César Almeida foi indiciado pelo sequestro de dois empresários, um em 5 de julho de 2001, e outro ocorrido no dia 16 de setembro de 2002. O acusado encontra-se com mandado de prisão em aberto.

Este “Alemão” não é o mesmo responsável pelo furto ao Banco Central do Ceará, mas integrantes daquela quadrilha ainda estão foragidos. São eles: Fernando de Carvalho Pereira, conhecido como Fernandinho, e Marcos Rogério Machado Morais, “Rogério Bocão”.

Ambos acusados estão foragidos do Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II) desde o dia 5 de fevereiro de 2011. Eles conseguiram fugir em uma ação considerada cinematográfica, realizada por dez homens armados, que deixou um policial militar baleado e agentes penitenciários feridos.

Andrade Junior afirma que a lista “não é estanque”, variando conforme a quantidade de presos perigosos em relação aos crimes cometidos. “Não é lista dos dez mais ou 18 mais. São os casos mais graves”. Ou seja, sempre pode aumentar.

Assassinato de cabo da PM

Jangledson de Olivera, o “Nem”, e José Roberto Honório Silva, conhecido como “Roberto Olhão” são acusados de participar da quadrilha de assaltantes e homicidas que era liderada por Vítor “Salsicha”. Ele foi morto em confronto com policiais militares em junho de 2011. Entre os crimes praticados pelo bando está o assassinato de um cabo da PM.

Difícil encontrar

De acordo com a SSPDS, a dificuldade de encontrar os criminosos é maior quando muitos deles estão fora do estado e modificam características físicas com o objetivo de ficarem irreconhecíveis. “Um pinta o cabelo, outro deixa crescer, põem e tiram bigode. Mudam muito”, diz o delegado.

Segundo Andrade Junior, a sociedade tem medo de comunicar a polícia, mas os órgãos de inteligência interestaduais ajudam na busca. “Queremos que as pessoas saibam que se guarda sigilo da identidade de quem denunciar”.

Sensação de impunidade

César Barreira, fundador do Laboratório de Estudos da Violência (LEV) da Universidade Federal do Ceará (UFC), acredita que o estado tem condições de melhorar, mas vê o modelo de polícia no Brasil, e, mais especificamente no Ceará, como o não ideal. “Precisamos de uma articulação de todas as forças policiais”.

“Nossa secretaria é militarizada, não é humana”, afirma Bosco Couto, co-criador do ‘Fortaleza Sem Medo’, uma página do Facebook que faz campanha pela paz na internet. Ele acredita que não existem profissionais investigativos suficientes e justifica que “basta olhar que a lista de homens perigosos não acaba nunca”.

Conforme Couto, com as fugas de delegacias e penitenciárias tão corriqueiras, o sentimento do criminoso só pode ser o de tranquilidade. “Existe uma sensação de impunidade. O elemento rouba, sequestra, mata e logo logo estará solto para fazer tudo de novo. O bandido deveria estar intranquilo, mas não está”, finaliza.

Denúncia

Os mais procurados estão soltos. O criminoso pode estar na sua frente e você nem sabe. Cuidado! Caso saiba mais informações sobre algum homem que está na lista, denuncie por meio do telefone 181. Não é necessário se identificar.

Com informações de Daniel Herculano e da repórter Hayanne Narlla

Publicidade

Dê sua opinião

O perigo mora ao lado: homens perigosos estão à solta

“Existe uma sensação de impunidade. O elemento rouba, sequestra, mata e logo logo estará solto para fazer tudo de novo”

Por Roberta Tavares em Segurança Pública

14 de março de 2013 às 10:49

Há 7 anos

Notícias de sequestro, assalto e assassinato. A todo o momento, esses assuntos se tornaram corriqueiramente manchetes nos meios de comunicação, sempre capazes de chocar a população. Muitos dos crimes podem ter autoria de pessoas que já deveriam estar na cadeia, mas seguem foragidas. E podem estar ao seu lado.

Em busca de ajuda dos cearenses, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado (SSPDS) divulga lista com os homens mais procurados, na tentativa, ainda, de diminuir o número de ocorrências que deixam a população em alerta.

O balanço, atualizado em março, lista 18 homens de alta periculosidade. Eles respondem por roubo a banco e a estabelecimentos comerciais, sequestro, tráfico de drogas, homicídios, formação de quadrilha, dentre outros crimes. Em dezembro também eram 18, dois foram mortos (Francisco Ivan Pereira e Zé Roberto), e outros dois (Renan Rodrigues Pereira e “Tornado”) foram incluídos na lista.

Segundo o responsável pela Coordenadoria Integrada de Planejamento Operacional (Copol), delegado Andrade Junior, os criminosos que estão na relação praticaram principalmente crimes interestaduais. “Eles são procurados por mais de um estado, cometeram crimes em outros locais. Há também aqueles que estão na lista por terem cometido crimes hediondos, como estupro, e crimes de grande proporção, como assaltos a bancos”, explica.

Notícias de sequestro, assalto e assassinato. A todo o momento, esses assuntos se tornaram corriqueiramente manchetes nos meios de comunicação, sempre capazes de chocar a população.

Os homens que estão na relação praticaram principalmente crimes interestaduais (Arte: Tiago Leite/Tribuna do Ceará)

Lista de crimes

Na relação, há homens como César Almeida de Andrade, vulgo Alemão, cadeirante acusado de liderar uma quadrilha interestadual especializada em sequestros e roubos. Segundo a SSPDS, “Alemão” já foi considerado um dos criminosos mais perigosos do país.

César Almeida foi indiciado pelo sequestro de dois empresários, um em 5 de julho de 2001, e outro ocorrido no dia 16 de setembro de 2002. O acusado encontra-se com mandado de prisão em aberto.

Este “Alemão” não é o mesmo responsável pelo furto ao Banco Central do Ceará, mas integrantes daquela quadrilha ainda estão foragidos. São eles: Fernando de Carvalho Pereira, conhecido como Fernandinho, e Marcos Rogério Machado Morais, “Rogério Bocão”.

Ambos acusados estão foragidos do Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II) desde o dia 5 de fevereiro de 2011. Eles conseguiram fugir em uma ação considerada cinematográfica, realizada por dez homens armados, que deixou um policial militar baleado e agentes penitenciários feridos.

Andrade Junior afirma que a lista “não é estanque”, variando conforme a quantidade de presos perigosos em relação aos crimes cometidos. “Não é lista dos dez mais ou 18 mais. São os casos mais graves”. Ou seja, sempre pode aumentar.

Assassinato de cabo da PM

Jangledson de Olivera, o “Nem”, e José Roberto Honório Silva, conhecido como “Roberto Olhão” são acusados de participar da quadrilha de assaltantes e homicidas que era liderada por Vítor “Salsicha”. Ele foi morto em confronto com policiais militares em junho de 2011. Entre os crimes praticados pelo bando está o assassinato de um cabo da PM.

Difícil encontrar

De acordo com a SSPDS, a dificuldade de encontrar os criminosos é maior quando muitos deles estão fora do estado e modificam características físicas com o objetivo de ficarem irreconhecíveis. “Um pinta o cabelo, outro deixa crescer, põem e tiram bigode. Mudam muito”, diz o delegado.

Segundo Andrade Junior, a sociedade tem medo de comunicar a polícia, mas os órgãos de inteligência interestaduais ajudam na busca. “Queremos que as pessoas saibam que se guarda sigilo da identidade de quem denunciar”.

Sensação de impunidade

César Barreira, fundador do Laboratório de Estudos da Violência (LEV) da Universidade Federal do Ceará (UFC), acredita que o estado tem condições de melhorar, mas vê o modelo de polícia no Brasil, e, mais especificamente no Ceará, como o não ideal. “Precisamos de uma articulação de todas as forças policiais”.

“Nossa secretaria é militarizada, não é humana”, afirma Bosco Couto, co-criador do ‘Fortaleza Sem Medo’, uma página do Facebook que faz campanha pela paz na internet. Ele acredita que não existem profissionais investigativos suficientes e justifica que “basta olhar que a lista de homens perigosos não acaba nunca”.

Conforme Couto, com as fugas de delegacias e penitenciárias tão corriqueiras, o sentimento do criminoso só pode ser o de tranquilidade. “Existe uma sensação de impunidade. O elemento rouba, sequestra, mata e logo logo estará solto para fazer tudo de novo. O bandido deveria estar intranquilo, mas não está”, finaliza.

Denúncia

Os mais procurados estão soltos. O criminoso pode estar na sua frente e você nem sabe. Cuidado! Caso saiba mais informações sobre algum homem que está na lista, denuncie por meio do telefone 181. Não é necessário se identificar.

Com informações de Daniel Herculano e da repórter Hayanne Narlla