PF desarticula quadrilha que roubava senhas de cartões de crédito na internet

CRIMES CIBERNÉTICOS

PF desarticula quadrilha que roubava senhas de cartões de crédito na internet

Um dos hackers chegou a invadir o sistema de uma empresa elaboradora de concursos e cobrava valores em criptomoedas para aprovar candidatos

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

4 de junho de 2019 às 12:29

Há 1 ano

Para investigação, PF recorreu a ferramentas de investigação desenvolvidas no ambiente da deep web (FOTO: Agência Brasil/Marcello Casal Jr)

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta terça-feira (4) a Operação Singular, que visa combater crimes cibernéticos. As investigações identificaram sete líderes de uma organização criminosa que realizava fraudes bancárias eletrônicas em todo o Brasil.

Cinco mandados de busca e apreensão e cinco de prisão preventiva já foram cumpridos, no Ceará e nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul. Um dos investigados permanece foragido.

O grupo é tido como responsável por roubar dados de cartões de crédito e revendê-los. Segundo a averiguação, um dos hackers chegou a invadir o sistema de uma empresa elaboradora de concursos e cobrava valores em criptomoedas para aprovar candidatos.

O crime de formação de organização criminosa prevê pena de 3 a 8 anos de reclusão. Já o furto de cartões de crédito prevê de 2 a 8 anos de prisão. Por fim, o crime de invasão de dispositivo informático, pena de 1 a 4 anos.

Com informações da Agência Brasil.

Publicidade

Dê sua opinião

CRIMES CIBERNÉTICOS

PF desarticula quadrilha que roubava senhas de cartões de crédito na internet

Um dos hackers chegou a invadir o sistema de uma empresa elaboradora de concursos e cobrava valores em criptomoedas para aprovar candidatos

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

4 de junho de 2019 às 12:29

Há 1 ano

Para investigação, PF recorreu a ferramentas de investigação desenvolvidas no ambiente da deep web (FOTO: Agência Brasil/Marcello Casal Jr)

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta terça-feira (4) a Operação Singular, que visa combater crimes cibernéticos. As investigações identificaram sete líderes de uma organização criminosa que realizava fraudes bancárias eletrônicas em todo o Brasil.

Cinco mandados de busca e apreensão e cinco de prisão preventiva já foram cumpridos, no Ceará e nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul. Um dos investigados permanece foragido.

O grupo é tido como responsável por roubar dados de cartões de crédito e revendê-los. Segundo a averiguação, um dos hackers chegou a invadir o sistema de uma empresa elaboradora de concursos e cobrava valores em criptomoedas para aprovar candidatos.

O crime de formação de organização criminosa prevê pena de 3 a 8 anos de reclusão. Já o furto de cartões de crédito prevê de 2 a 8 anos de prisão. Por fim, o crime de invasão de dispositivo informático, pena de 1 a 4 anos.

Com informações da Agência Brasil.