Polícia investiga se namorado suspeito de matar empresária respondeu mensagens no celular dela

SUICÍDIO OU FEMINICÍDIO?

Polícia investiga se namorado suspeito de matar empresária respondeu mensagens no celular dela

O que intrigou os investigadores é que, mesmo diante da gravidade da situação, o homem não avisou à Polícia sobre o caso, nem aos familiares de Jamile

Por TV Jangadeiro em Segurança Pública

18 de setembro de 2019 às 11:14

Há 4 semanas

Carro da empresária está no pátio da delegacia que investiga o caso. (FOTO: Dorian Girão/TV Jangadeiro)

A empresária Jamille Oliveira Correia, de 46 anos, morava em um prédio de luxo na área nobre de Fortaleza. Foi no mesmo local onde, na madrugada do dia 30 de agosto, ela morreu. A polícia agora investiga o que aconteceu naquele dia, pois, o que a princípio seria um suicídio pode ter sido um crime de feminicídio.

O advogado Aldemir Pessoa Júnior, companheiro da vítima na ocasião, teria voltado ao apartamento da vítima para limpar o local e também teria respondido mensagens como se ela fosse a autora. Além disso, o tiro que vitimou a mulher partiu da arma registrada no nome do suspeito. O 2º DP investiga o caso.

As câmeras de segurança do prédio mostram a empresária sendo carregada pelo filho de 14 anos. Desesperado, o menino tenta fazer respiração boca a boca na mãe. Instantes depois o namorado dela aparece e carrega a mulher por uma das pernas para dentro do elevador. Mesmo tendo plano de saúde, Jamile foi deixada em um hospital público.

O que intrigou os investigadores é que, mesmo diante da gravidade da situação, o advogado não avisou à Polícia sobre o caso, nem aos familiares de Jamile. Ele teria retornado ao apartamento, limpado o local e, com o telefone da empresária, teria respondido mensagens como se fosse ela.

Em um áudio, Aldemir Pessoa fala do local onde vai ser o velório de maneira soberba e afirma que ela praticou suicídio. A cunhada, que prefere não se identificar, contesta essa versão.

Na delegacia que investiga o caso, a versão do advogado não teria convencido a polícia. Ele também não entregou as chaves do apartamento da empresária e teria continuado a usar os bens dela, recebido aluguéis de imóveis de Jamile e ainda quis ficar com a guarda do adolescente de 14 anos. Um dos médicos que atendeu a vítima diz que a trajetória da bala que matou a empresária não é habitual de suicídio.

O caso

A morte da empresária Jamile de Oliveira Correia, de 46 anos, teve reviravolta, e o namorado virou suspeito de feminicídio. Imagens de câmeras de segurança do prédio em que ela morava, no Meireles, mostram o advogado Aldemir Pessoa Júnior puxando-a desacordada para dentro do elevador. O filho da vítima, de 14 anos, também aparece nas imagens ajudando a colocar Jamile dentro do elevador.

No vídeo, é possível perceber um hematoma no olho e mancha de sangue no peito da empresária. Ela foi levada ao Instituto Doutor José Frota (IJF) pelo namorado, mas morreu no dia seguinte. O caso aconteceu entre a madrugada dos dias 29 e 30 de agosto.

Inicialmente, o caso vinha sendo tratado como suicídio, mas depois de investigações, a Polícia Civil descobriu que horas antes do disparo de arma de fogo, ela havia sido agredida pelo namorado na garagem do condomínio, ainda dentro de um veículo.

Com isso, na última sexta-feira (13),o caso passou a ser tratado como possível feminicídio, e Aldemir apontado pelas autoridades como suspeito do crime. A arma utilizada no crime foi apreendida. Após a agressão registrada por câmeras, o casal subiu para o apartamento, e a empresária foi atingida por um disparo.

Confira a reportagem completa do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT:

O Jornal Jangadeiro é exibido na TV Jangadeiro/SBT de segunda a sexta, a partir das 11h40 e às 19h15

Acompanhe o caso:

17/09 – Caso tratatado como suicídio tem reviravolta, e namorado de empresária vira suspeito de feminicídio

18/09 – Médico diz que trajetória de bala que matou empresária não é habitual de suicídio

Publicidade

Dê sua opinião

SUICÍDIO OU FEMINICÍDIO?

Polícia investiga se namorado suspeito de matar empresária respondeu mensagens no celular dela

O que intrigou os investigadores é que, mesmo diante da gravidade da situação, o homem não avisou à Polícia sobre o caso, nem aos familiares de Jamile

Por TV Jangadeiro em Segurança Pública

18 de setembro de 2019 às 11:14

Há 4 semanas

Carro da empresária está no pátio da delegacia que investiga o caso. (FOTO: Dorian Girão/TV Jangadeiro)

A empresária Jamille Oliveira Correia, de 46 anos, morava em um prédio de luxo na área nobre de Fortaleza. Foi no mesmo local onde, na madrugada do dia 30 de agosto, ela morreu. A polícia agora investiga o que aconteceu naquele dia, pois, o que a princípio seria um suicídio pode ter sido um crime de feminicídio.

O advogado Aldemir Pessoa Júnior, companheiro da vítima na ocasião, teria voltado ao apartamento da vítima para limpar o local e também teria respondido mensagens como se ela fosse a autora. Além disso, o tiro que vitimou a mulher partiu da arma registrada no nome do suspeito. O 2º DP investiga o caso.

As câmeras de segurança do prédio mostram a empresária sendo carregada pelo filho de 14 anos. Desesperado, o menino tenta fazer respiração boca a boca na mãe. Instantes depois o namorado dela aparece e carrega a mulher por uma das pernas para dentro do elevador. Mesmo tendo plano de saúde, Jamile foi deixada em um hospital público.

O que intrigou os investigadores é que, mesmo diante da gravidade da situação, o advogado não avisou à Polícia sobre o caso, nem aos familiares de Jamile. Ele teria retornado ao apartamento, limpado o local e, com o telefone da empresária, teria respondido mensagens como se fosse ela.

Em um áudio, Aldemir Pessoa fala do local onde vai ser o velório de maneira soberba e afirma que ela praticou suicídio. A cunhada, que prefere não se identificar, contesta essa versão.

Na delegacia que investiga o caso, a versão do advogado não teria convencido a polícia. Ele também não entregou as chaves do apartamento da empresária e teria continuado a usar os bens dela, recebido aluguéis de imóveis de Jamile e ainda quis ficar com a guarda do adolescente de 14 anos. Um dos médicos que atendeu a vítima diz que a trajetória da bala que matou a empresária não é habitual de suicídio.

O caso

A morte da empresária Jamile de Oliveira Correia, de 46 anos, teve reviravolta, e o namorado virou suspeito de feminicídio. Imagens de câmeras de segurança do prédio em que ela morava, no Meireles, mostram o advogado Aldemir Pessoa Júnior puxando-a desacordada para dentro do elevador. O filho da vítima, de 14 anos, também aparece nas imagens ajudando a colocar Jamile dentro do elevador.

No vídeo, é possível perceber um hematoma no olho e mancha de sangue no peito da empresária. Ela foi levada ao Instituto Doutor José Frota (IJF) pelo namorado, mas morreu no dia seguinte. O caso aconteceu entre a madrugada dos dias 29 e 30 de agosto.

Inicialmente, o caso vinha sendo tratado como suicídio, mas depois de investigações, a Polícia Civil descobriu que horas antes do disparo de arma de fogo, ela havia sido agredida pelo namorado na garagem do condomínio, ainda dentro de um veículo.

Com isso, na última sexta-feira (13),o caso passou a ser tratado como possível feminicídio, e Aldemir apontado pelas autoridades como suspeito do crime. A arma utilizada no crime foi apreendida. Após a agressão registrada por câmeras, o casal subiu para o apartamento, e a empresária foi atingida por um disparo.

Confira a reportagem completa do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT:

O Jornal Jangadeiro é exibido na TV Jangadeiro/SBT de segunda a sexta, a partir das 11h40 e às 19h15

Acompanhe o caso:

17/09 – Caso tratatado como suicídio tem reviravolta, e namorado de empresária vira suspeito de feminicídio

18/09 – Médico diz que trajetória de bala que matou empresária não é habitual de suicídio