Suspeito de matar esposa e filha confessa o crime em mensagem no whatsapp


Suspeito de matar esposa e filha confessa crime em mensagem no whatsapp

Crime aconteceu na madrugada deste domingo, em uma casa de praia no Paracuru. Na casa do suspeito, foram encontradas 8 armas

Por Rosana Romão em Segurança Pública

24 de agosto de 2015 às 11:01

Há 5 anos
Marcelo Barbarena é gaúcho e morava em Fortaleza há cerca de quatro anos. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

Marcelo Barberena é gaúcho e morava em Fortaleza há quatro anos (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

suspeito de matar a esposa e a filha, Marcelo Barberena de Moraes, de 37 anos, confessou o crime em uma mensagem enviada ao grupo de sua família por meio do aplicativo Whatsapp. A polícia encontrou no celular do suspeito uma mensagem enviada direcionando-se a uma tia, onde Marcelo pedia perdão e confessava o crime. Ele foi autuado em flagrante, por homicídio doloso triplamente qualificado e se encontra detido.

Adriana Moura de Pessoa Carvalho Morais, de 39 anos, foi assassinada com um tiro na cabeça, e a criança de oito meses Jade Pessoa de Carvalho Morais foi atingida com um único disparo, à queima-roupa. O tiro entrou pelas costas e saiu pelo tórax do bebê. Um vizinho afirmou à polícia que estava assistindo à TV e, por volta de 2h, ouviu dois estampidos, em sequência.

Segundo o suspeito, o casal passou por uma crise em março deste ano, mas já havia contornado a situação. Ele confessou que tinha ciúmes da esposa. Marcelo estava completando 37 anos de idade neste domingo (23). A família, que mora em Fortaleza, passava o fim de semana na casa de praia do pai de Adriana.

Exames e depoimentos

Rafael Barberena, irmão de Marcelo, e sua esposa Ana Carolina Vilas Boas também estavam na casa e foram levados para fazer exames residuográficos. O procedimento também foi realizado nas mãos da vítima. Eles prestaram depoimento junto a Marcelo, na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, em Fortaleza. De acordo com a delegada Socorro Portela, foram constatadas divergências e contradições nos três depoimentos.

Ainda conforme a delegada, Marcelo não explica como o crime aconteceu. “Não confessa, não justifica, não fala. Só contou uma história que foi combinada entre os três”, declara. Em depoimento, o suspeito informou que havia dormido em um quarto com a filha de 7 anos. Adriana Moura e a bebê de 8 meses dormiam no quarto ao lado. De acordo com Marcelo, ele entrou no quarto para acordar a esposa, viu a criança, mas não percebeu que estava morta. Em seguida, acariciou as pernas da esposa e percebeu que ela não se mexia. Gritou pelo irmão, Rafael Barberena, que examinou Adriana e constatou a morte.

A casa de praia não apresenta nenhum sinal de arrombamento e nenhum item foi levado do local. No quarto em que Marcelo dormia, a perícia encontrou um revólver calibre 38, com espaço para cinco balas, mas nenhuma munição. A arma estava dentro do bebê conforto, e Marcelo informou desconhecê-la.

No apartamento do suspeito e de sua esposa, localizado no Bairro Cocó, foram encontradas oito armas, de vários calibres. Ele disse que as armas eram de herança da família e mencionou que seu avô era delegado. No celular da vítima, foi encontrada outra mensagem em que um parente de Adriana afirmava que Marcelo tinha confessado o crime.

A polícia irá solicitar comparação balística da arma encontrada no local e as balas que atingiram às vítimas, além de exame de DNA da bebê e do suspeito. “Não dá pra dizer que a motivação do crime seria referente a herança e bens, porque ele é gerente em uma loja de móveis planejados, a família possuía fazenda, o pai já foi prefeito e o avô é delegado”, conclui a delegada Socorro Portela.

CRIME PARACURU
1/9

CRIME PARACURU

Foi encontrado um revólver, de calibre 38, dentro do bebê conforto. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
2/9

CRIME PARACURU

Foi encontrado um revólver, de calibre 38, dentro do bebê conforto. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
3/9

CRIME PARACURU

A família mora em Fortaleza passava o fim de semana na casa de praia do pai da vítima. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
4/9

CRIME PARACURU

A família mora em Fortaleza passava o fim de semana na casa de praia do pai da vítima. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
5/9

CRIME PARACURU

Rafael Barberena, irmão de Marcelo, e sua esposa Ana Carolina Vilas Boas também estavam na casa e foram levados para fazer exames residuográficos (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
6/9

CRIME PARACURU

Marcelo Barberena de Moraes confessou que tinha ciúmes da esposa. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
7/9

CRIME PARACURU

Marcelo Barberena de Moraes confessou que tinha ciúmes da esposa. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
8/9

CRIME PARACURU

No apartamento do suspeito, localizado no Bairro Cocó, foram encontradas oito armas, de vários calibres e munição. (FOTO: Polícia Civil)

CRIME PARACURU
9/9

CRIME PARACURU

No apartamento do suspeito, localizado no Bairro Cocó, foram encontradas oito armas, de vários calibres e munição. (FOTO: Polícia Civil)

Publicidade

Dê sua opinião

Suspeito de matar esposa e filha confessa crime em mensagem no whatsapp

Crime aconteceu na madrugada deste domingo, em uma casa de praia no Paracuru. Na casa do suspeito, foram encontradas 8 armas

Por Rosana Romão em Segurança Pública

24 de agosto de 2015 às 11:01

Há 5 anos
Marcelo Barbarena é gaúcho e morava em Fortaleza há cerca de quatro anos. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

Marcelo Barberena é gaúcho e morava em Fortaleza há quatro anos (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

suspeito de matar a esposa e a filha, Marcelo Barberena de Moraes, de 37 anos, confessou o crime em uma mensagem enviada ao grupo de sua família por meio do aplicativo Whatsapp. A polícia encontrou no celular do suspeito uma mensagem enviada direcionando-se a uma tia, onde Marcelo pedia perdão e confessava o crime. Ele foi autuado em flagrante, por homicídio doloso triplamente qualificado e se encontra detido.

Adriana Moura de Pessoa Carvalho Morais, de 39 anos, foi assassinada com um tiro na cabeça, e a criança de oito meses Jade Pessoa de Carvalho Morais foi atingida com um único disparo, à queima-roupa. O tiro entrou pelas costas e saiu pelo tórax do bebê. Um vizinho afirmou à polícia que estava assistindo à TV e, por volta de 2h, ouviu dois estampidos, em sequência.

Segundo o suspeito, o casal passou por uma crise em março deste ano, mas já havia contornado a situação. Ele confessou que tinha ciúmes da esposa. Marcelo estava completando 37 anos de idade neste domingo (23). A família, que mora em Fortaleza, passava o fim de semana na casa de praia do pai de Adriana.

Exames e depoimentos

Rafael Barberena, irmão de Marcelo, e sua esposa Ana Carolina Vilas Boas também estavam na casa e foram levados para fazer exames residuográficos. O procedimento também foi realizado nas mãos da vítima. Eles prestaram depoimento junto a Marcelo, na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, em Fortaleza. De acordo com a delegada Socorro Portela, foram constatadas divergências e contradições nos três depoimentos.

Ainda conforme a delegada, Marcelo não explica como o crime aconteceu. “Não confessa, não justifica, não fala. Só contou uma história que foi combinada entre os três”, declara. Em depoimento, o suspeito informou que havia dormido em um quarto com a filha de 7 anos. Adriana Moura e a bebê de 8 meses dormiam no quarto ao lado. De acordo com Marcelo, ele entrou no quarto para acordar a esposa, viu a criança, mas não percebeu que estava morta. Em seguida, acariciou as pernas da esposa e percebeu que ela não se mexia. Gritou pelo irmão, Rafael Barberena, que examinou Adriana e constatou a morte.

A casa de praia não apresenta nenhum sinal de arrombamento e nenhum item foi levado do local. No quarto em que Marcelo dormia, a perícia encontrou um revólver calibre 38, com espaço para cinco balas, mas nenhuma munição. A arma estava dentro do bebê conforto, e Marcelo informou desconhecê-la.

No apartamento do suspeito e de sua esposa, localizado no Bairro Cocó, foram encontradas oito armas, de vários calibres. Ele disse que as armas eram de herança da família e mencionou que seu avô era delegado. No celular da vítima, foi encontrada outra mensagem em que um parente de Adriana afirmava que Marcelo tinha confessado o crime.

A polícia irá solicitar comparação balística da arma encontrada no local e as balas que atingiram às vítimas, além de exame de DNA da bebê e do suspeito. “Não dá pra dizer que a motivação do crime seria referente a herança e bens, porque ele é gerente em uma loja de móveis planejados, a família possuía fazenda, o pai já foi prefeito e o avô é delegado”, conclui a delegada Socorro Portela.

CRIME PARACURU
1/9

CRIME PARACURU

Foi encontrado um revólver, de calibre 38, dentro do bebê conforto. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
2/9

CRIME PARACURU

Foi encontrado um revólver, de calibre 38, dentro do bebê conforto. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
3/9

CRIME PARACURU

A família mora em Fortaleza passava o fim de semana na casa de praia do pai da vítima. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
4/9

CRIME PARACURU

A família mora em Fortaleza passava o fim de semana na casa de praia do pai da vítima. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
5/9

CRIME PARACURU

Rafael Barberena, irmão de Marcelo, e sua esposa Ana Carolina Vilas Boas também estavam na casa e foram levados para fazer exames residuográficos (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
6/9

CRIME PARACURU

Marcelo Barberena de Moraes confessou que tinha ciúmes da esposa. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
7/9

CRIME PARACURU

Marcelo Barberena de Moraes confessou que tinha ciúmes da esposa. (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

CRIME PARACURU
8/9

CRIME PARACURU

No apartamento do suspeito, localizado no Bairro Cocó, foram encontradas oito armas, de vários calibres e munição. (FOTO: Polícia Civil)

CRIME PARACURU
9/9

CRIME PARACURU

No apartamento do suspeito, localizado no Bairro Cocó, foram encontradas oito armas, de vários calibres e munição. (FOTO: Polícia Civil)