Pesquisadores do IFCE criam sensores climáticos de baixo custo para uso por agricultores


Pesquisadores do IFCE criam sensores climáticos de baixo custo para uso por agricultores

Agricultor pode ter todas as informações que desejar sobre o tempo, seja no celular, na internet, impressas ou no computador

Por Roberta Tavares em Tecnologia

6 de março de 2016 às 06:00

Há 4 anos
A rede irá monitorar temperatura, umidade relativa do ar e do solo (FOTO: Divulgação)

A rede irá monitorar temperatura, umidade relativa do ar e do solo (FOTO: Divulgação)

Uma equipe de pesquisadores do Instituto Federal do Ceará (IFCE), comandada pelos professores Jose Wally e Jorge Fredericson, desenvolveu uma rede de sensores sem fio de baixo custo para sensoriamento remoto de parâmetros agrícolas e aplicação no semiárido cearense.

A rede irá monitorar os seguintes parâmetros: temperatura, umidade relativa do ar, pressão barométrica, umidade do solo, ocorrência de chuva e fluxo d’água usado na irrigação. A ideia surgiu a partir da dificuldade dos agricultores em obter dados quantitativos e qualitativos, como temperatura, umidade e alcalinidade do solo, sobre cada área da plantação, o que acarretava no cultivo das lavouras, suscetíveis a estresses hídricos e térmicos.

Para o desenvolvimento do projeto, apoiado pela Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), a equipe realizou pesquisas na literatura científica do tema, a modelagem do sistema e a implementação e testes dos protótipos. Um dos principais desafios foi conseguir um produto de fácil manutenção e aquisição pelos agricultores familiares.

“Ao final do projeto, conseguimos unir qualidade, segurança e precisão nas medidas, baixo consumo de energia, integração com novas tecnologias e, o mais importante, um produto com alta eficiência, durabilidade e de fácil manutenção”, comemora José Wally.

“O protocolo de comunicação sem fio utilizado é focado no baixo consumo de energia e transferência de dados on-line”, destaca José Wally, professor do IFCE. De acordo com o pesquisador, os módulos são alimentados por baterias recarregáveis, e as informações são visualizadas e armazenadas em um computador comum, possibilitando ao agricultor manter um histórico das aferições dos sensores para cada estágio do cultivo.

Também não é necessário tê-lo (computador) para o sistema funcionar. O agricultor poderá ter todas as informações que desejar em seu celular, na internet, impressas ou no computador”, acrescenta o pesquisador.

Segundo o professor do IFCE, a pesquisa mostrou um grande potencial de aplicação tanto no Ceará quanto em outras regiões do país. “É importante ressaltar que a agricultura no semiárido cearense sofre bastante com a escassez de recursos, sobretudo de água, e esta tecnologia fornece suporte sofisticado para que o agricultor familiar possa acompanhar o estado físico de sua lavoura”, conclui.

Publicidade

Dê sua opinião

Pesquisadores do IFCE criam sensores climáticos de baixo custo para uso por agricultores

Agricultor pode ter todas as informações que desejar sobre o tempo, seja no celular, na internet, impressas ou no computador

Por Roberta Tavares em Tecnologia

6 de março de 2016 às 06:00

Há 4 anos
A rede irá monitorar temperatura, umidade relativa do ar e do solo (FOTO: Divulgação)

A rede irá monitorar temperatura, umidade relativa do ar e do solo (FOTO: Divulgação)

Uma equipe de pesquisadores do Instituto Federal do Ceará (IFCE), comandada pelos professores Jose Wally e Jorge Fredericson, desenvolveu uma rede de sensores sem fio de baixo custo para sensoriamento remoto de parâmetros agrícolas e aplicação no semiárido cearense.

A rede irá monitorar os seguintes parâmetros: temperatura, umidade relativa do ar, pressão barométrica, umidade do solo, ocorrência de chuva e fluxo d’água usado na irrigação. A ideia surgiu a partir da dificuldade dos agricultores em obter dados quantitativos e qualitativos, como temperatura, umidade e alcalinidade do solo, sobre cada área da plantação, o que acarretava no cultivo das lavouras, suscetíveis a estresses hídricos e térmicos.

Para o desenvolvimento do projeto, apoiado pela Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), a equipe realizou pesquisas na literatura científica do tema, a modelagem do sistema e a implementação e testes dos protótipos. Um dos principais desafios foi conseguir um produto de fácil manutenção e aquisição pelos agricultores familiares.

“Ao final do projeto, conseguimos unir qualidade, segurança e precisão nas medidas, baixo consumo de energia, integração com novas tecnologias e, o mais importante, um produto com alta eficiência, durabilidade e de fácil manutenção”, comemora José Wally.

“O protocolo de comunicação sem fio utilizado é focado no baixo consumo de energia e transferência de dados on-line”, destaca José Wally, professor do IFCE. De acordo com o pesquisador, os módulos são alimentados por baterias recarregáveis, e as informações são visualizadas e armazenadas em um computador comum, possibilitando ao agricultor manter um histórico das aferições dos sensores para cada estágio do cultivo.

Também não é necessário tê-lo (computador) para o sistema funcionar. O agricultor poderá ter todas as informações que desejar em seu celular, na internet, impressas ou no computador”, acrescenta o pesquisador.

Segundo o professor do IFCE, a pesquisa mostrou um grande potencial de aplicação tanto no Ceará quanto em outras regiões do país. “É importante ressaltar que a agricultura no semiárido cearense sofre bastante com a escassez de recursos, sobretudo de água, e esta tecnologia fornece suporte sofisticado para que o agricultor familiar possa acompanhar o estado físico de sua lavoura”, conclui.