Rosier Alexandre: "Não foi sorte"

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Não foi sorte”

Tenho certeza que as pessoas que decoraram o chavão “foi sorte!” não sabem o quanto você se dedicou a uma causa

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

9 de março de 2020 às 08:07

Há 5 meses

No dia que você abre um negócio e começa a crescer, sempre aparece algum apressadinho para falar: “foi sorte!”. Quando você passa naquele concurso que existiam 500 candidatos por vaga, alguém vai dizer: “foi sorte!”. Tudo aquilo que você fizer que produz resultados extraordinários e destaque, seja no seu trabalho, no seu bairro ou na sua cidade, sempre vai aparecer aquela alminha para te dizer: “foi sorte!”.

Tenho certeza que as pessoas que decoraram o chavão “foi sorte!” não sabem o quanto você se dedicou a uma causa. Estou convicto que você abriu mão de festas e viagens, deixou de ver alguns programas de TV para ler, deixou de comprar uma roupa para comprar um livro, você abriu mão de estar com os amigos para estudar mais tempo, deixou de trocar seu celular ou o carro, deixou de tomar aquela cervejinha, deixou de ir a um show que você tanto sonhava. E para quê? Tudo isso em nome de um futuro melhor.

Este é o caminho! E a vida é como um show onde as pessoas não veem os bastidores e nem os treinos, veem apenas o resultado, aquilo que acontece em cima do palco.

Quem fala “foi sorte!” certamente é porque queria estar no seu lugar, desfrutar o que você desfruta hoje, mas ele não quis pagar o preço. E, assim, cabe lembrar, como diria nosso grande poeta Zeca Baleiro “Nada é de graça, nem o pão nem a cachaça”. É claro que não vamos passar a vida inteira se sacrificando, abrindo mão de tudo que nos dá prazer, mas no começo da carreira, o período de plantio, tem que se fazer sacrifícios para que na época da colheita possamos ter o que colher e não ficar apenas reclamando da falta de sorte e dizendo que a vida dos outros “foi sorte!”.

Não quero afirmar que a sorte não exista, mas acredito que quem espera que ela lhe bata a porta a chance é muito pequena ou quase nula de que ela chegue. Mas aquele que se dispõe a arregaçar as mangas e buscar um meio de construí-la, ganha o direito de sonhar com a sorte grande.

Quem estuda até tarde e acorda cedo para trabalhar, costuma ter sorte. E, se tiver planejamento, disciplina e foco, terá sempre além da sorte, vida em abundância.

Te desejo uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Não foi sorte”

Tenho certeza que as pessoas que decoraram o chavão “foi sorte!” não sabem o quanto você se dedicou a uma causa

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

9 de março de 2020 às 08:07

Há 5 meses

No dia que você abre um negócio e começa a crescer, sempre aparece algum apressadinho para falar: “foi sorte!”. Quando você passa naquele concurso que existiam 500 candidatos por vaga, alguém vai dizer: “foi sorte!”. Tudo aquilo que você fizer que produz resultados extraordinários e destaque, seja no seu trabalho, no seu bairro ou na sua cidade, sempre vai aparecer aquela alminha para te dizer: “foi sorte!”.

Tenho certeza que as pessoas que decoraram o chavão “foi sorte!” não sabem o quanto você se dedicou a uma causa. Estou convicto que você abriu mão de festas e viagens, deixou de ver alguns programas de TV para ler, deixou de comprar uma roupa para comprar um livro, você abriu mão de estar com os amigos para estudar mais tempo, deixou de trocar seu celular ou o carro, deixou de tomar aquela cervejinha, deixou de ir a um show que você tanto sonhava. E para quê? Tudo isso em nome de um futuro melhor.

Este é o caminho! E a vida é como um show onde as pessoas não veem os bastidores e nem os treinos, veem apenas o resultado, aquilo que acontece em cima do palco.

Quem fala “foi sorte!” certamente é porque queria estar no seu lugar, desfrutar o que você desfruta hoje, mas ele não quis pagar o preço. E, assim, cabe lembrar, como diria nosso grande poeta Zeca Baleiro “Nada é de graça, nem o pão nem a cachaça”. É claro que não vamos passar a vida inteira se sacrificando, abrindo mão de tudo que nos dá prazer, mas no começo da carreira, o período de plantio, tem que se fazer sacrifícios para que na época da colheita possamos ter o que colher e não ficar apenas reclamando da falta de sorte e dizendo que a vida dos outros “foi sorte!”.

Não quero afirmar que a sorte não exista, mas acredito que quem espera que ela lhe bata a porta a chance é muito pequena ou quase nula de que ela chegue. Mas aquele que se dispõe a arregaçar as mangas e buscar um meio de construí-la, ganha o direito de sonhar com a sorte grande.

Quem estuda até tarde e acorda cedo para trabalhar, costuma ter sorte. E, se tiver planejamento, disciplina e foco, terá sempre além da sorte, vida em abundância.

Te desejo uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.