Médicos ficam sem explicação após morto "apertar a mão" de familiares e enfermeira

INUSITADO

Médicos ficam sem explicação após morto “apertar a mão” de familiares e enfermeira no Ceará

“A família perguntou para os médicos sobre o fato de ele ter apertado as mãos e suado, mas nem eles souberam explicar”, afirma o diretor do hospital

Por TV Jangadeiro em Barra Pesada

19 de agosto de 2019 às 16:15

Há 1 mês

O caso do homem que teria apresentado sinais vitais durante o próprio velório continua chamando atenção no Ceará. Em entrevista ao programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, diretor do Hospital Municipal Antônio Ribeiro da Silva, Denilson Feijó, afirmou que os médicos não souberam explicar os motivos dos sinais vitais de Raimundo Bezerra de Souza, de 61 anos.

“A família perguntou para os médicos sobre o fato de ele ter apertado as mãos e suado, mas nem os médicos souberam explicar”, afirma. O caso aconteceu em São Luís do Curu, a 79 quilômetros de Fortaleza.

Outro fato fez crescer ainda mais o ar sobrenatural que a história carrega. “No momento em que ele apertou a mão da enfermeira, coincidentemente ou não, as luzes da sala se apagaram. Nunca tinha acontecido um caso assim”, relembra Denilson.

Confira todos os detalhes na reportagem do Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT:

Publicidade

Dê sua opinião

INUSITADO

Médicos ficam sem explicação após morto “apertar a mão” de familiares e enfermeira no Ceará

“A família perguntou para os médicos sobre o fato de ele ter apertado as mãos e suado, mas nem eles souberam explicar”, afirma o diretor do hospital

Por TV Jangadeiro em Barra Pesada

19 de agosto de 2019 às 16:15

Há 1 mês

O caso do homem que teria apresentado sinais vitais durante o próprio velório continua chamando atenção no Ceará. Em entrevista ao programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, diretor do Hospital Municipal Antônio Ribeiro da Silva, Denilson Feijó, afirmou que os médicos não souberam explicar os motivos dos sinais vitais de Raimundo Bezerra de Souza, de 61 anos.

“A família perguntou para os médicos sobre o fato de ele ter apertado as mãos e suado, mas nem os médicos souberam explicar”, afirma. O caso aconteceu em São Luís do Curu, a 79 quilômetros de Fortaleza.

Outro fato fez crescer ainda mais o ar sobrenatural que a história carrega. “No momento em que ele apertou a mão da enfermeira, coincidentemente ou não, as luzes da sala se apagaram. Nunca tinha acontecido um caso assim”, relembra Denilson.

Confira todos os detalhes na reportagem do Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT: